Apartado 53

Um blog contra o AO90 e outros detritos

Etiqueta: ILCAO

Erro 508

Coincidências, dizem.  Que acontece frequentemente a todos, dizem.

Entre os dias 18 e 28 de Fevereiro de 2017 quem tentou aceder aqui ao “Apartado” ou ao antigo “site” da ILC-AO via apenas uma página em branco com a seguinte mensagem:

Mas afinal o que vem a ser isso do “limite de recursos excedido”?

Não é mistério algum, mesmo para qualquer leigo na matéria, e até os mais convictos “info-excluídos” podem compreender o essencial da imensa informação disponível.

508 Resource Limit is reached – WordPress. This error occurs again and again, and I can’t post a single post without seeing this error: The website is temporarily unable to service your request as it exceeded resource limit. [stackoverflow]

508 Resource Limit Is Reached*. The*error* message “*508 Resource Limit Is Reached*” appears when your account is constantly exceeding the*resources* assigned to it – these can include CPU usage, RAM usage and/or the number of concurrent processes running under your hosting account. [Google]

“Ah, pronto, está bem, então não se pode fazer nada no blog quando isso acontece, certo, mas porque raio acontece isso, afinal?”

Website abuse is the most common reason for this error to be shown. Situations such as DoS attacks, massive comment spamming and brute-force hack attempts easily exhaust the “Entry Process limit” and show the site as inaccessible. So, it is important to find what is causing the resource limit error before this issue can be resolved.

A quick look at the website access logs proved that this was indeed an xmlrpc attack. We then blocked the attacker IPs, and made the file xmlrpc.php inaccessible.

A popular way to hack into a website is to guess the right admin login details. This process is called brute forcing. Attack bots try various combinations of username and passwords at a very high rate from different IPs in order to get admin access. During such attacks, the “Entry Process limit” is easily exhausted. [bobcares]

Ou seja, por exemplo, basta um tipo qualquer (ou vários em simultâneo) tentar fazer “login” repetida e consecutivamente tentando “adivinhar” as credenciais de acesso  (nome ou endereço de email e “password”) de administração do “blog”. E esta é, note-se, apenas a mais elementar das possibilidades de provocar uma resposta do “servidor”, a qual acciona vários “processos” (consulta, processamento, mensagem e registo de erro); acumulando-se vários destes “processos” num curto período de tempo rapidamente se leva o limite de processos… ao limite.

O quadro seguinte retrata a dimensão dos ficheiros de registo de erros (“log errors”) no meu “domínio” cedilha.net e respectivos sub-domínios.

Portanto,  as tentativas de acesso a ilcao.cedilha.net bateram todos os records e os ataques dirigidos a este mesmo blog Apartado 53, alojado no sub-directório cedilha.net/ap53, atingiram igualmente números… anormais.

Este quadro de erros ilustra um pequeno intervalo temporal durante aquele longo período de ataques; no dia 24 de Fevereiro já muito tinha sido feito no reforço das defesas, nomeadamente barrando os acessos de alguns endereços (aldrabados pelos “hackers”, evidentemente, eles usam “proxy servers“) e acrescentando aos que já lá estavam novos automatismos de protecção.

A tabela seguinte dá uma panorâmica geral desta (outra) luta insana. Nas colunas “a” e “l” (sob o título “EP”, Entry Processes), onde estiver 20 em 20 isso significa que o cedilha.net ficou totalmente fora de serviço. Nos casos em que os restantes indicadores são elevados, mesmo sem atingir o dito “limite de processos”, os acessos a “sites” e “blogs” eram lentos, parciais e intermitentes.

O mesmo sucede quanto a “CPU Usage”: na tabela acima, sob o título “CPU”, nas colunas “a” (de “average”, média) e “l” (limit), onde aparece 100 em 100 isso significa, obviamente, que foi atingido o limite de recursos.

Os dois gráficos seguintes ilustram perfeitamente o que sucedeu quanto aos indicadores fundamentais.



Trocando tudo isto em miúdos: tremenda coincidência, não?

E trocando os miúdos em trocos de centavo: qual é a frequência exacta de “frequentemente” e quem são os tais “todos” a quem, dizem, estas coisas sucedem?

Se tivesse esta sido a primeira vez…

Ou a segunda. Ou a terceira, vá. Ou a quarta. Ou a quinta. Ou a décima…

 

 

Share

O senhor Dezporcento

«(…) na altura da sua aprovação, a contestação foi pouca. Os governos de Portugal, Brasil e dos outros países de língua portuguesa mostraram-se de acordo, e os linguistas de cá e de lá também.»

33 palavras, 3 mentiras

 

Malaca Casteleiro: novas mudanças no Acordo Ortográfico “não têm pés nem cabeça”

Rita Cipriano

“Observador”, 13 Fevereiro 2017

João Malaca Casteleiro é um dos responsáveis pelo Acordo que aproximou a ortografia de Portugal e Brasil. Em entrevista, diz que “voltar atrás seria um atentado ao bom senso”.

—————

Os filhos estão sempre a dizer-lhe para se deixar disso, mas João Malaca Casteleiro acredita que tem de defender a sua “dama”. A sua “dama”, como lhe chama, é o Acordo Ortográfico de 1990, que ajudou a construir (foi ele, aliás, o principal responsável da Academia de Ciências de Lisboa pela elaboração do documento e autor do anexo de seis páginas que o encerra) e que tanta polémica tem causado.

No final do passado mês de Janeiro, a Academia de Ciências de Lisboa divulgou um documento intitulado Sugestões para o aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico, onde são sugeridas alterações a algumas das regras do Acordo Ortográfico. Entre elas incluem-se o regresso de algumas consoantes mudas, do acento agudo em palavras acentuadas na penúltima sílaba (e com pronúncia e grafia iguais), do acento circunflexo em vocábulos homógrafos, isto é, que se escrevem da mesma forma. O documento foi discutido na semana passada na Comissão Parlamentar da Cultura, onde foi ouvido o actual presidente da Academia, Artur Anselmo, a pedido do Bloco de Esquerda.

Apesar de muitos acreditarem que as Sugestões da Academia de Ciências de Lisboa poderão vir a desencadear um processo de alteração do chamado Novo Acordo Ortográfico, o ministro dos Negócios Estrangeiros já fez questão de dizer que isso está fora de questão. “A nossa posição é que devemos aguardar serenamente para que o processo de ratificação seja concluído para que o Acordo Ortográfico possa entrar em vigor em todos os países que o assinaram e o aprovaram”, disse Augusto Santos Silva, explicando que este é um “acordo internacional” a que o Estado português está obrigado.

As declarações de Santos Silva levaram Manuel Alegre, que também esteve presente na audição da Comissão Parlamentar da Cultura, a acusá-lo de ser “arrogante”, numa das muitas polémicas que o Acordo Ortográfico de 1990 já provocou e que João Malaca Casteleiro admite não conseguir compreender. É que, na altura da sua aprovação, a contestação foi pouca. Os governos de Portugal, Brasil e dos outros países de língua portuguesa mostraram-se de acordo, e os linguistas de cá e de lá também.

Passados quase 30 anos, o linguista afirma que nunca pensou que ainda estaria a falar do mesmo assunto. Apesar disso, sente que tem de o fazer para que todos percebam o que estava e está em causa, que nada foi feito ao acaso e que o Novo Acordo Ortográfico, tal como é, foi a melhor solução final possível. Apesar de defender com unhas e dentes o acordo que ajudou a criar, o linguista não põe de lado eventuais aperfeiçoamentos.

Não põe de lado eventuais aperfeiçoamentos, mas acredita que nada deve ser alterado até que entre em vigor em todos os países de língua portuguesa (falta Angola). Tece fortes críticas à Academia de Ciências, que acredita que está a desrespeitar a memória da própria instituição, uma das principais responsáveis pelo acordo hoje vigente, e ao seu actual presidente, que quer levar a cabo “um desmantelamento” do Acordo.

Fonte: Malaca Casteleiro: novas mudanças no Acordo Ortográfico “não têm pés nem cabeça” – Observador

[Destaques e “links” meus. Evidentemente, corrigi os erros de ortografia do original.]

Share

“Aperfeiçoamento”? Conversa da treta!

Rever, corrigir, melhorar o AO90. A ideia tem barbas e já se percebeu que a isso mesmo se resumem as intenções de assumidos acordistas e de supostos anti-acordistas em igual número. Ambas as seitas passaram todos estes anos a entreter o pagode, uns fingindo que o aleijão era para ficar assim mesmo, outros a fingir que pretendiam acabar com a maleita, mas por fim, conforme infalíveis sinais emitidos por uns e por outros desde pelo menos 2013,  aí os temos chegando a uma forma explícita de entendimento tácito — desde há muito delineado, se não mesmo combinado ao pormenor — em que os interesses de todos eles (os assumidos e os supostos) ficarão salvaguardados.

15/03/2016

 

Revista “Sábado”, 28 Janeiro 2017 • Lusa

Academia sugere regresso de acentos, hífen e não só ao Acordo Ortográfico

O documento Sugestões para o aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 foi aprovado em plenário, na quinta-feira, por 18 votos, com cinco votos contra

————-

O documento de aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico de 1990 (AO90), aprovado na quinta-feira pela Academia de Ciências de Lisboa (ACL), propõe o regresso de consoantes mudas, do acento gráfico, em alguns vocábulos, do circunflexo, noutros, assim como do hífen.

O estudo propõe o regresso das consoantes mudas em palavras como “recepção” e “espectador”, ou seja, nos casos em que geram uma concordância absoluta de sons (homofonia) que podem causar “ambiguidade”.

O documento “Sugestões para o aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa” de 1990 foi aprovado em plenário, na quinta-feira, por 18 votos, com cinco votos contra.

Segundo a proposta apresentada, deve regressar o acento agudo em palavras com pronúncia e grafia iguais, as palavras homógrafas, referindo, entre outras, “pára”, forma do verbo parar, que se confunde com a preposição para, também “péla”, nome e forma do verbo pelar, que se confunde com a preposição “pela”.

Também é recomendado o regresso do acento circunflexo em diferentes vocábulos que são homógrafos a outros, por exemplo, o verbo “pôr”, para evitar confundir com a preposição “por”.

Defende o estudo o emprego do acento circunflexo “nas flexões em que a vogal tónica fechada é homógrafa de outra flexão da mesma palavra”, como os casos de “pôde”, forma do pretérito perfeito do indicativo do verbo “poder”, para se distinguir de “pode”, forma do presente do indicativo do mesmo verbo.

Também a forma “dêmos”, presente do conjuntivo do verbo “dar”, para se distinguir de “demos”, pretérito perfeito do indicativo, do mesmo verbo.

O acento circunflexo é igualmente recomendado para as terceiras pessoas do plural do presente do indicativo, casos de “crêem”,” lêem”, “vêem”, ou do conjuntivo, como “dêem”, dos verbos “crer”, “ler”, “ver”, “dar”, e seus derivados “relêem”, e “desdêem”, por exemplo.

O estudo defende a acentuação gráfica na terminação verbal “ámos”, relativa ao pretérito perfeito do indicativo dos verbos da 1.ª conjugação, todos os que terminam em “ar”. Esta acentuação da terminação verbal “amos” visa “distinguir da terminação ‘amos’ do presente do indicativo dos mesmos verbos”, como “terminámos” e “terminamos” ou “afirmámos” e “afirmamos”.

Quanto às consoantes mudas, nos casos em que geram uma concordância absoluta de sons (homofonia), sugere a Academia os termos “aceção”, que se pode confundir com “acessão” (consentimento), “corrector”, que se pode confundir com “corretor” (intermediário), “óptica”, relacionado com a visão, que se confundirá com ótica (audição), além de “receção” (recebimento) que se confunde com recessão (retrocesso), e “espectador”, diferente de “espetador” (o que espeta).

Conserva-se também quando a consoante muda “tem valor significativo, etimológico e diacrítico”, como por exemplo “conectar”, “decepcionado” e “interceptar”.

Segundo a argumentação da ACL “eliminam-se [as consoantes mudas] nos casos em que são invariavelmente mudas em todos os países de língua oficial portuguesa”

Deste modo “a grafia passa a ser única” nas palavras “acionar”, “atual”, “batizar”, “coleção”, “exato”, “inspetor” ou “projeto”.

Todavia, quando “se verifica oscilação de pronúncia na variedade portuguesa da língua”, recomenda a Academia, “preferencialmente, nestes casos, a manutenção da grafia com a consoante, para evitar arbitrariedades”.

Um dos exemplos dados é “fato”, na grafia brasileira, e “facto”, na grafia portuguesa.

Quanto ao hífen, é recomendação geral, por “clareza gráfica”, o emprego quando os elementos dos compostos, com a sua acentuação própria, não conservam, considerados isoladamente, a sua significação, ou seja, quando “o sentido da unidade não se deduz a partir dos elementos que a formam”.

Argumenta o estudo que se exige o emprego do hífen, em vocábulos como “água-de-colónia”, “braço-de-ferro”, “entra-e-sai” e “pé-de-meia”, e mantém-se nos termos que já o tinham como por exemplo “trouxe-mouxe”.

O hífen deve ser restaurado em expressões em que a soma dos elementos forma um sentido único, como por exemplo “faz-de-conta” e “maria-vai-com-as-outras”.

Também no interior de certos compostos vocabulares deve manter-se o hífen e o apóstrofo, como em “borda-d’água”, “cão-d’água”, “copo-d’água”, “mãe-d’água”, “marca-d’água”, “pau-d’água” e “pau-d’arco”, entre outros.

Já os vocábulos, dos quais se perdeu a noção de composição, como “mandachuva”, “paraquedas” e “paraquedista”, devem escrever-se aglutinadamente, o que não se deve cumprir relativamente aos “compostos com a forma verbal ‘manda-‘ e ‘pára-‘” que devem continuar “separados por hífen conforme a tradição lexicográfica”, casos de “manda-lua”, “pára-choques”, “pára-brisas”, e “pára-raios”.

O documento com as “Sugestões para o aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa” de 1990, aprovado pela Academia das Ciências, está disponível aqui.

Fonte: Academia sugere regresso de acentos, hífen e não só ao Acordo Ortográfico – Vida – Sábado

 

 

Share

«Pirâmides, futebóis e ortografia» [Nuno Pacheco, “Público”]

Pirâmides, futebóis e ortografia

Nuno Pacheco

26 de Janeiro de 2017, 7:00

A haver algo em comum entre o futebol e o AO90, é isto: são ambos feitos com os pés. De resto, um une milhões e o outro divide-os.

—————–

Em 1990, quando perguntaram ao poeta Mário Cesariny o que pensava das mudanças ortográficas que se anunciavam, respondeu com notável ironia: “Considero que o Acordo Ortográfico é um grande problema para brancos, negros e ameríndios. Proponho por isso que toda a gente aprenda latim, o fale em suas casas – e em público fale como quiser” (PÚBLICO, 24/12/1990). Depois dele, muitas vozes se levantaram: contra, a favor, assim-assim, talvez, tem-te-não-caias, haja lei e pronto. Deu no que se viu, e o tema ainda hoje nos ocupa e inquieta de igual modo. […] No Parlamento, onde o AO90 provoca súbitos ataques de surdez quando dele se fala, foi aprovada na Comissão de Cultura (por proposta do deputado José Carlos Barros, do PSD) a criação de um grupo de trabalho para avaliar o impacto da aplicação do AO90 em Portugal (o PS absteve-se) e a audição, por proposta do BE, do presidente da Academia das Ciências. Aqui, o voto foi por unanimidade.

Neste pequeno intervalo entre a rejeição total do dito e o seu eventual “aperfeiçoamento” (se é que tal será possível, ou desejável, e em que moldes), façamos como nas sessões de cinema antigas: peguemos em duas pequenas histórias a propósito, enquanto o “filme” principal não recomeça.

A primeira tem a ver com um país: Egipto. Perdeu, como se sabe, o P na liquidação de consoantes de 1990. Se no Brasil se escrevia assim porque não havia de ser igual em Portugal? Bem: no Brasil, como em Portugal, todas as palavras derivadas de Egipto mantêm o P; depois, há outro pequeno senão: é que Egipto, amputado para Egito, não é o único país cuja grafia difere entre Portugal e o Brasil. Há outros 24 (eram 25, com o Egipto). Basta conferir na lista dos 193 países-membros da ONU (primeiro vem, aqui, a grafia brasileira e depois a portuguesa): Armênia, Arménia; Belarus, Bielorrússia; Benin, Benim; Burkina Fasso, Burkina Faso; Catar, Qatar; Cingapura, Singapura; Coréia do Norte, Coreia do Norte; Coréia do Sul, Coreia do Sul; Eritréia, Eritreia; Eslovênia, Eslovénia; Estônia, Estónia; Iêmen, Iémen; Irã, Irão; Letônia, Letónia; Macedônia, Macedónia; Malauí, Malawi; Mônaco, Mónaco; Polônia, Polónia; Quênia, Quénia; Romênia, Roménia; Timor Leste, Timor-Leste; Turcomenistão, Turquemenistão; Vietnã, Vietname; Zimbabué, Zimbabwe. Mesmo que o acento agudo tenha desaparecido das Coreias ou da Eritreia (tal como foi abolido no Brasil, por via do AO, em idéia ou assembléia), ainda sobravam 21 grafias diferentes para 21 países! E isto sem falar noutras diferenças análogas, não em países mas em cidades, que ninguém mudou nem faria qualquer sentido mudar: Amsterdã, Amsterdão; Copenhague, Copenhaga; Madri, Madrid; Moscou, Moscovo; Teerã, Teerão; etc. Ou polonês por polaco, por exemplo. Razões para mudar apenas Egipto? Talvez por haver, entre os negociadores do acordo, um admirador da obra de Egito Gonçalves; ou por estar ali à mão um catálogo de viagens com pirâmides. Um dia saberemos.

A segunda história é, porventura, já muito conhecida mas é irresistível. Porque nesta discussão de afinar grafias há quem reivindique a necessidade de uniformizar até as áreas técnicas. Sim? Tentem o futebol. No Brasil, desporto é esporte; equipa é equipe ou time; chuto é chute; golo é gol; guarda-redes é goleiro; defesa central é zagueiro; médio é volante; avançado é atacante; avançado-centro é centroavante; jornada é rodada; pontapé de baliza é tiro de meta; pontapé de canto é tiro de esquina; meias-finais são semifinais; poste é pau; melhores marcadores são artilheiros; relvado é gramado. Como é possível, então, jogar futebol assim? A resposta foi dada há décadas: joga-se e pronto.

O que tem o dito “desporto-rei” a ver com o AO90? Isto: são ambos feitos com os pés. Um com arte, outro sem ela.

 

[Transcrição parcial (não propagandeio caganças) de artigo, da autoria de Nuno Pacheco, jornal “Público”, 26.01.17. Adicionei “links”.]

Share

Negócios, Lusa e “cidadãos”

«Um grupo de cidadãos deve tornar público, na próxima segunda-feira, um manifesto contra o AO90, que conta, entre outras com as assinaturas de Eduardo Lourenço e António Lobo Antunes, disse à Lusa fonte do Grupo de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico de 1990, que promove a iniciativa.»

Perdão? Um grupo de cidadãos que promove uma iniciativa? Quem são esses “cidadãos”, que os não conheço de lado nenhum? Qual é a “iniciativa” que promovem esses “cidadãos”, que de tal nunca ouvi falar? E essa “fonte” desse tal “Grupo de Cidadãos” (parabéns pelas maiúsculas, têm imensa pinta) é quem, ao certo? Um anónimo que soprou umas cenas? Alguém ligado aos “Negócios”? Um quadro da Lusa, isto é, algum inside job? E se é um inside job e se o caso foi soprado estaremos, por conseguinte, a assistir a um blow job?

Eu cá dispensava perfeitamente a obscenidade.

Impacto do Acordo Ortográfico avaliado no Parlamento

“Jornal de Negócios”/Lusa 20 de Janeiro de 2017 às 15:09

O requerimento para a constituição do Grupo de Trabalho foi apresentado pelo PSD e aprovado hoje de manhã com a abstenção do PS.

A comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto aprovou hoje a criação de um Grupo de Trabalho para a avaliação do impacto da aplicação do Acordo Ortográfico de 1990, disse à Lusa fonte parlamentar.

O requerimento para a constituição do Grupo de Trabalho foi apresentado pelo PSD e aprovado hoje de manhã com a abstenção do PS.

Os deputados aprovaram ainda, desta feita por unanimidade, a proposta do Bloco de Esquerda para uma audição do presidente da Academia de Ciências de Lisboa (ACL), Artur Anselmo, naquela comissão.

Em declarações à agência Lusa, o deputado social-democrata José Carlos Barros afirmou que a proposta de criação deste grupo de trabalho surgiu pelos recentes alertas da ACL, que referiram “a necessidade de aperfeiçoar as bases do Acordo Ortográfico de 1990 (AO90), que gerou instabilidade ortográfica, que não estabelece uma ortografia única e inequívoca, que deixa várias possibilidades de interpretação, em muitos casos”.

“O Acordo Ortográfico tinha dois objectivos, um de ordem política que era no âmbito da Língua Portuguesa e que sempre foi relativamente consensual, que tem a ver com o papel de reforçar o papel da Língua Portuguesa como uma língua de comunicação internacional. O outro objectivo é de ordem técnica, que é a definição de uma base ortográfica comum”, explicou José Carlos Barros.

José Carlos Barros afirmou que o PSD continua a ser a favor do objectivo de ordem política, que “é o de reforço da Língua Portuguesa e que nunca esteve em causa”.

“O que a ACL vem dizer é que este objectivo de ordem técnica não está a ser cumprido, o que nós entendemos é que devemos perceber porque é que não está a ser cumprido este objectivo técnico”, disse o deputado social-democrata, realçando que “a política não se deve meter na ortografia”.

A constituição do Grupo de Trabalho deve ser abordada numa reunião da comissão parlamentar, que acontecerá na próxima semana, e a audição do presidente da ACL não está ainda agendada.

Questionado pela Lusa sobre o Grupo de Trabalho para acompanhamento da aplicação do Acordo, que funcionou entre 2014 e 2015, o deputado social-democrata afirmou que foi entregue um relatório sem conclusões, “por falta de consenso entre os diferentes partidos políticos”

Entretanto, um grupo de cidadãos deve tornar público, na próxima segunda-feira, um manifesto contra o AO90, que conta, entre outras com as assinaturas de Eduardo Lourenço e António Lobo Antunes, disse à Lusa fonte do Grupo de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico de 1990, que promove a iniciativa.

Também na próxima semana, na quinta-feira, a ACL vai deliberar sobre uma proposta de revisão do AO90, segundo o calendário de sessões.

[Fonte: Impacto do Acordo Ortográfico avaliado no Parlamento – Cultura – Jornal de Negócios] (“links” meus)

 

 

Share

“Helicótero” à venda

Já sabíamos que um helicótero (dos grandes) caiu na Alemanha, agora ficamos a saber que há um helicótero (em miniatura) à venda no OLX.

Quando aparecer algum elicótero ou mesmo um elicótru, vá, oviamente pubico-o aqui tamém.

 

Helicótero

 

Helicótero RC com 30 cm e leds coloridos embutidos, sem comando remoto, a funcionar na perfeição

Fonte: Helicótero RC com 30 cm e leds coloridos embutidos São Vicente • OLX Portugal

Ver índice cAOs

Share
João Pedro Graça © 2015 - 2017 Frontier Theme