Late Morning Blogs(*)

Anonimato
Que medo parece haver dos bloggers anónimos!.. Que estranha sociedade esta, tão frágil, tão vulnerável às mãos de anónimos, como se que qualquer zé ninguém tivesse todo o poder sobre ela. E tem, mas só quando algo está mal na sociedade. Graças a Deus, graças ao anonimato, até o peixe miúdo pode ameaçar o poder podre. Aconteceu comigo uma vez. O presidente da minha companhia obrigou uma senhora da contabilidade a ter reforma antecipada para pôr um familiar dele a trabalhar no seu lugar. Enquanto a primeira senhora era eficiente, a que a substituiu era burra. Toda a gente na companhia sabia disto e escandalizava-se mas não fazia nada. Eu fiz. Escrevi uma carta anónima ao Presidente a ameaçar denunciar o caso aos jornais mas não assinei. Só depois fiquei descansada. Nunca disse nada a ninguém até agora. Mas qual era a alternativa que eu e os outros tinhamos? Ficar calados e comer? Ao menos assim, tenho a certeza que o Presidente apanhou um susto e que iria pensar duas vezes antes de fazer qualquer coisa semelhante. Na vida é assim. Quem tem responsabilidade para emendar o mal, deve fazê-lo. Seja de que maneira for, mesmo que envolva práticas menos ortodoxas. De toda a maneira, quem não deve não teme…nem o anonimato.

inInacessível

Eduardo Prado Coelho e os blogues
Eduardo Prado Coelho não lê blogues. Eduardo Prado Coelho odeia blogues. Mas eu sei que ele sabe porquê. Eduardo Prado Coelho odeia blogues porque sabe que nunca teria sucesso na blogosfera. Mais ou menos como a fábula do lobo que, não chegando às uvas, suspira “são verdes”.
Os blogues obedecem a um complicado processo de selecção natural. Só os melhores se impõem, só os mais persistentes sobrevivem. Ok, não só. Há um bocado de amiguismo nisto (o que pode facilitar ou dificultar a vida a um gajo) mas fundamentalmente, para um blogue ter sucesso, tem que ser interessante e bem escrito. Coisa que Eduardo Prado Coelho, arrogante e cheio de ódio, na sua prosa mais ou menos aparvalhada, não sabe fazer. Mas o que Eduardo Prado Coelho sabe é que não sobreviveria mais de quatro meses num mundo selvagem como este. Eduardo Prado Coelho prefere o conforto e a segurança de uma coluna de jornal, onde, apesar de tudo, sabe que ainda é lido por alguém. Ironicamente, por muitos dos que escrevem blogues.
[Miguel Vaz]

inRepública dos Desalinhados

Anónimos
“Está aí à porta uma pequena polémica sobre o anonimato dos blogs.(…)
Vejamos: blogs anónimos, não gosto. Mas não me fazem diferença e leio poucos deles. Há blogs anónimos que são muito bons; um dos melhores é sobre gastronomia e é escrito por diplomatas. Por pudor, não assinam, e eu compreendo. Mas quando queremos acusar, tripudiar, abalroar, criticar, assine-se por baixo. Escreva-se o nome com coragem e um nadinha de vergonha. Um blog anónimo perde uma grande parte da autoridade.
Outra coisa, inteiramente diferente, é um blog ser assinado por gente que não conhecemos.(…)Chamar anónimo a um nome é um erro de gramática. E um defeito de carácter. ”
Francisco José Viegas

inMiss Pearls

OS NOSSOS
“Creio que [Deus] tem um grande sentido de humor. Às vezes dá-nos um abanão e diz-nos “não te leves tão a sério”. Na verdade, o humor é uma componente da alegria da criação. Em muitas questões da nossa vida, nota-se que Deus também nos quer impelir a ser mais leves, a perceber a alegria, a descer do nosso pedestal e a não esquecer o gosto pelo divertido.”
Joseph Ratzinger, Deus e o Mundo – a fé cristã explicada por Bento XVI, uma entrevista com Peter Seewald, Tenacitas, Outubro de 2006

inPortugal dos Pequeninos

(*) Paráfrase do título de uma “secção” habitual do blog Abrupto (Early Morning Blogs)

Share

Latitude 0º (Equador vs FreemdomToCopy): ponto da situação

Visto que o post sobre este assunto, mais abaixo, está a ficar demasiadamente comprido, com adendas sucessivas, segue-se uma tentativa de resenha dos factos mais relevantes e alguns esclarecimentos sobre alguns pormenores mais técnicos.

1. Em 20 de Outubro, um anónimo lançou o blog FreedomToCopy, no endereço http://freedomtocopy.blogspot.com e com o “BlogID” nº 36357068; neste blog, com um único post que ia sendo sucessivamente acrescentado, havia uma tentativa de demonstração de que o romance Equador, de Miguel Sousa Tavares, plagiava um outro livro, de autores estrangeiros.
2. Alertado para o facto, ao que parece por um jornalista, o autor de Equador reagiu, principalmente na imprensa escrita, de forma algo truculenta à alegação de plágio. Também na blogosfera o caso teve grandes repercussões, com inúmeros bloggers escrevendo sobre e comentando o assunto.
3. No dia 27, o Apdeites guardou uma cópia do blog FreedomTocopy e dos comentários nele registados até àquele momento.
4. Provavelmente de 29 para 30 do corrente (de ontem para hoje), os conteúdos do blog FreedomToCopy foram integralmente substituídos, passando a constar agora, naquele mesmo endereço, exclusivamente materiais de promoção do romance Equador. O “BlogID” deste blog é, no mesmo endereço do anterior,o nº 36800351.
5. Provavelmente na sequência desta alteração de conteúdos, alguém não identificado criou um novo blog, no endereço http://freedomtocopyfreedomtocopy.blogspot.com/, com o “BlogID” nº 36720195; isto no corpo de texto, porque o verdadeiro “blogID” em http://freedomtocopyfreedomtocopy.blogspot.com/ é o nº 33678415.
Neste blog, são reproduzidos os conteúdos do FreedomToCopy inicial, bem como os comentários que lá existiam, sendo acrescentada alguma informação sobre o tema e, nomeadamente, sobre o “misterioso” desaparecimento daqueles conteúdos e sua substituição por outros.

A Blogger.com, que aloja (gratuitamente ou não) todos os seus blogs em BlogSpot, refere claramente, numa das suas páginas de ajuda ao utilizador, que os endereços são criados uma única vez, não caducam e não são transmissíveis entre utilizadores… a não ser num caso particular:

This blog looks abandoned, can I have its address?
Blogger accounts and Blog*Spot addresses do not expire. Therefore, we can’t take away somebody’s blog address to give to you. Occasionally people come back to their blogs after long absences, and we want them to be able to find their blog as they left it. If you find some contact information on the blog, you are welcome to deal with the owner directly, to see if they are willing to delete the blog so you can use the address. However, we do not give out contact information for the owner of a blog.

Nenhum dos perfis respeitantes aos proprietários de cada um dos blogs (36357068, 36800351, 36720195) é público e o endereço de e-mail do respectivo “dono” não consta de qualquer daqueles blogs.

A Google, conforme aqui foi anteriormente referido, guarda ciclicamente uma cópia de qualquer página que cumpra determinados requisitos técnicos. Essa cópia automática, realizada pela maioria dos motores de busca, designa-se por “cache”; no momento em que este post for publicado – e durante alguns dias – a “cache” do primeiro FreedomToCopy está neste endereço (click aqui) (*). Passado o período de tempo determinado, o “bot” (robot) reindexará de novo cada página e, portanto, neste caso como em todos, os conteúdos anteriores serão substituídos pelos actuais.

A detecção de novos blogs portugueses é uma das actividades à qual o Apdeites se dedica desde o início. Sabemos, por experiência própria, que não é possível detectar um blog no próprio dia em que ele é criado… a não ser por mero acaso ou, digamos assim, por milagre; no próprio dia ou até muitos dias após a sua criação, quando não uns quantos meses. Ou por milagre, por mero acaso, ou porque alguém nos avisa de que existe esse novo endereço, são essas as únicas formas de detecção antes de os motores de busca os assinalarem ou depararmos com novos links em blogs já indexados. Outras situações de detecção instantânea, sem aviso e sem acaso, pura e simplesmente não existem. Nestas coisas não há milagres, se é que os há em outras. E não parece muito viável que um qualquer blog, entre milhões, se anuncie, apresente e promova de forma espontânea ou automática.

(*) 31.10.06, 22:00 h
Uma informação do colega CJT, nos comentários a este post, confirma aquilo que já seria de esperar: o “novo” FreedomToCopy aparece agora totalmente em branco, sem qualquer conteúdo; entretanto, e como seria igualmente previsível, o “cache” deste “novo” blog, no endereço http://freedomtocopy.blogspot.com, acabou de ser actualizado na Google, tendo desaparecido o “cache” do primeiro. Assim sendo, e para que se não perca o fio à meada, guardamos também uma cópia deste último “cache” da Google.

Share

Latitude 0º?

NEM TODOS TEMOS DISPOSIÇÃO PARA SER ENGANADOS. QUANDO COMPRAMOS UM LIVRO, DEVEMOS EXIGIR QUE ELE SEJA AUTÊNTICO. QUANDO NÃO É ESTAMOS PERANTE O QUÊ? AQUI FICA O PROTESTO. POR UMA QUESTÃO DE HIGIENE!
Descrição (sub-título) do blog FreedomToCopy
(Nota: este blog foi apagado; ver Adenda2 e adenda3, mais abaixo neste post.)

“Um blogue não pode ser uma manifestação de liberdade se não houver responsabilidade. Assim, é mera libertinagem”, sustenta, advogando que “não devia ser possível abrir um blogue sem o autor ser identificado e tecnicamente confirmado”.
Miguel Sousa Tavares, citado pelo DN

——

No dia passado dia 20, alguém publicou um blog contendo exclusivamente aquilo que é apresentado como extractos de dois livros: Equador, de Miguel Sousa Tavares, e Freedom at Midnight(a), de Dominique Lapierre e Larry Collins. Neste blog, de post único e de autor não identificado, são transcritas algumas passagens do início (incipit) de ambas as obras, sendo as transcrições da segunda conforme o original em Inglês. O objectivo seria demonstrar que as referidas passagens de Equador não passariam de meras traduções adaptadas de Freedom at Midnight.

Depois de muito escalpelizada e polemizada a situação, em todos os meios de comunicação social e também, ou principalmente, na blogosfera, o jornal Diário de Notícias publica hoje uma notícia intitulada como “Miguel Sousa Tavares ameaça denunciar suspeitos de calúnia“. Neste artigo, que deverá evidentemente ser lido na íntegra, a jornalista Leonor Figueiredo desmonta – pelos vistos, cabalmente – a teoria do plágio, comparando o (verdadeiro) incipit de ambas as obras e chegando a duas conclusões radicais: primeiro, que são totalmente diferentes; segundo, que as transcrições de Equador que estão no blog “acusador” não correspondem a qualquer edição de obra alguma. Ou seja, a “acusação” é totalmente falsa.

Invocando para o efeito, se tal for necessário, o direito de opinião constitucionalmente garantido, permito-me referir que a questão não se circunscreve agora à mera alegação de plágio; a(s) resposta(s), denunciando maior ou menor indignação, mais ou menos educação, do autor Miguel Sousa Tavares, remetem para um outro âmbito – de índole igualmente legal: a ameaça pública de violência física(b). E desta decorre também, numa perspectiva mais alargada, ainda de acordo com as afirmações do autor, uma ameaça a um outro direito inalienável, do qual a maioria dos bloggers nacionais se esquece sistematicamente, i.e., o direito de personalidade; e ainda para direitos conexos, como o da reserva de identidade e de acesso a dados pessoais; desde sempre, a qualquer pessoa, e nomeadamente a autores de qualquer tipo de obra literária ou artística, é conferida – e tacitamente admitida – a escolha de um nome, que não o civil, legalmente registado, mas um outro bem diferente, com o qual o autor mais se identifica, ou prefere, e que acaba por se tornar uma identidade outra. Os casos são inúmeros, desde os heterónimos de Fernando Pessoa à actriz americana Marylin Monroe, passando por nomes como Manuel Tiago (Álvaro Cunhal) ou Lenin (Vladimir Ilich Ulyanov), e ainda por escritores portugueses como António Gedeão (Rómulo de Carvalho), Eugénio de Andrade (José Fontinhas), Filinto Elísio (Padre F. M. do Nascimento), José Régio (José Maria dos Reis Pereira), etc., etc., etc. Nem a Miguel Sousa Tavares nem a ninguém assiste a prerrogativa de decidir, ou ditar de cátedra, que o anonimato (ou a pseudonímia, que é o mesmo, para o efeito) deverá ser administrativamente liquidado.

O pseudónimo, na blogosfera, é a regra – não a excepção. O anonimato pode, de todo em todo, também resultar da assumpção de um outro nome e, quem sabe, de identidade e mesmo personalidade diferentes (e múltiplas). É essa a génese própria do blog e, de certa forma, a sua razão de ser: diário íntimo e pessoal que se torna público e geral através de uma chave identitária… única, mas diversa da real. As tentativas de destruição deste património, por assim dizer genético, da alteridade “bloguística”, não passam de tentativas de silenciamento da opinião absolutamente livre, quiçá incómoda, e de castração do poder de recriação (“auto-recriação”) que é prerrogativa absoluta – e única – de quem escreve nos blogs. É importante não confundir ou anonimato ou pseudonímia nos blogs com os equivalentes nos sistemas de comentários; como é importante não misturar, ou “meter tudo no mesmo saco”, o anónimo/heterónimo que escreve sob pseudónimo com os ataques pessoais de este ou aquele poltrão; tratar a todos por igual, sendo as respectivas motivações totalmente diferentes, seria não apenas injusto como iria penalizar apenas os primeiros.

No que diz respeito à questão do alegado plágio, os factos apontam, aparentemente sem margem para qualquer dúvida, para uma acusação infundada e, por consequência, soez; dado o anonimato de quem produziu essa acusação, o acto poderá ser qualificado como cobarde. No entanto, o autor não se deveria esquecer de que este incidente acabará fatalmente por se revelar altamente compensador para o próprio, já que por certo as vendas do seu livro dispararão para números impressionantes. Muita gente que nunca o leu passará agora a fazê-lo, e não apenas quanto àquela obra. Portanto, o caso resulta em óbvios ganhos para o autor agora posto em causa e em derrota total da acusação; ou seja, Miguel Sousa Tavares ganha em toda a linha, com esta “estória”, e bem pode agradecer por isso a quem ameaçou de “pauladas”. Quanto a este, poderá ser qualquer um, quem sabe se alguém muito inteligente que procurou deliberadamente promover Equador e quem o escreveu…

(a)Versão portuguesa, Esta Noite a Liberdade, 1ª ed. Círculo de Leitores
(b) Para ilustração de jurisprudência, veja-se aqui um acórdão de Tribunal

A imagem da primeira página do jornal 24 Horas, que ilustra este post, foi copiada do blog Teoria da Suspiração.

—————————

Adenda 1
(…)
Meu caros, a coisa é fácil de resolver: comprem os dois livros e verifiquem “in loco” a veracidade do caso. Mas por amor de Deus, não nos façam de parvos: se um blogue anónimo diz a verdade, não é por ser anónimo o blogue que a verdade deixa de o ser. Tenham lá paciência…
Orlando Braga, blog Letras com Garfos

Exacto.
Pessoalmente, devo dizer que não li nenhum dos livros e não tenciono ler, pela simples razão de que não aprecio particularmente a escrita de MST. Escrevi o post exclusivamente com base nos dados disponíveis, transcrições do blog FreedomToCopy, leituras da internet e notícia do DN. Não posso confirmar se a informação da jornalista é correcta mas, se não for, cá estaremos para dar a mão (dela) à palmatória. A ser esse o caso, o blog “acusador” teria razão, o que não deixaria de ser para mim extremamente surpreendente: não é possível que alguém seja assim tão estúpido, tentando fazer passar por parvos todos aqueles que apenas se preocupam com a verdade e não com o sítio de onde ela vem ou quem a revela.
Mas enfim, pode lá ser uma coisa dessas!

—————————


Adenda 2

O blog FreedomToCopy foi apagado. Não sabemos por quem, ou porquê.
Para que as pessoas interessadas tenham acesso às matérias de que aqui se fala, e porque não há nada a obstar, de um ponto de vista legal, a que se guarde uma cópia de materiais não assinados e sem qualquer menção de direitos de autor, o Apdeites conserva os ficheiros daquele blog, conforme se encontrava no passado dia 27, às 13:04 horas. Simultaneamente, foi também guardada a página de comentários daquele blog.
Aliás, a cópia em “cache” é uma prática normal e automática, regularmente efectuada pela maioria dos motores de busca; por exemplo, a Google tem aquele blog guardado AQUI.
Nas duas páginas, para efeitos de controlo, foi acrescentado contador de visitantes.

—————————

Adenda 3 (30.10.06, 09:45 h)
Agora surge um novo blog que reproduz o FreedomToCopy original: http://freedomtocopyfreedomtocopy.blogspot.com/. Não apenas reproduz, como contém novos posts.
Esta informação foi obtida seguindo a seguinte pista: A Sombra (post “jogos subversivos), Aspirina B (post “como lixaram o freedom”), Ligações Perigosas (post “o medo”).
Aguardam-se desenvolvimentos…

Share

Speedtest: a quantas anda a sua ligação?

Com um painel de comandos semelhante ao “tablier” de qualquer automóvel, ficamos a saber o nosso próprio IP e as velocidades de ping, download, upload. A aplicação é apresentada com animação em movimento e a página tem um aspecto gráfico excelente, com as vantagens adicionais de permitir guardar e verificar o histórico dos testes efectuados, e ainda parametrizar a forma de apresentação dos resultados. Interessante, se bem que óbvio, verificar como os resultados variam, não apenas cronologicamente mas também em função do “servidor” remoto utilizado para cada teste.

click para testar a sua ligação

(visto no blog zone_41)

Share

Plagiarismo: para uma definição por amostragem (bis)

Copiar e colar, fenómeno na blogosfera
Existe uma forma de plágio bastante irritante, que consiste não em plagiar o original e retirar todas as referências ao original, mas plagiar o original e deixar todas as marcas identificativas. Cria-se assim um meio plagiar, quase um tributo (porque o plágio é a forma mais sincera de elogiar algo, já dizia a minha avózinha antes de ser comida pelo lobo), mas um PLÁGIO!
Existe ainda o plágio tímido, muito apreciado pelos bloggers do wordpress com o seu trackback (ou sistema identificativo de plagiadores como eu gosto de lhe chamar).
É assim malta, se não têm ideias para escrever, não se sirvam dos outros para como inspiração, as vossas palavras ganham um maior significado e não ficam com a fama de cópias menores de gente talentosa.
Parvo Na Cadeira
porque até um parvo vê o óbvio
P.S.: Este post não é de nenhuma maneira patrocinado ou apoiado pela menina do Psicologicamente… , mas também não é um plágio. Considerem isto um verdadeiro tributo talvez.
Parvalhaticamente vexado. (Pronto, tinha de entrar no domínio do plágio, desgracei-me a mim e à minha família, terei de incorrer num seppukku)
Termino talvez então com: “A netiqueta foi pela sarjeta, por uma pequena greta e agora só lemos treta”.
(ler post completo)
O Factor F, 26.08.06

——

Plágio, também fomos vítimas
No dia 28 de abril, o Meiobit fez um post levantando o problema do plágio na Internet. Até aquela data o MikaTech não tinha tido nenhum problema. Mas na realidade achavamos que não. Um de nossos leitores, da cidade de Dourados-MS, percebeu que o jornal “O Progresso”, que circula naquela região, vem selecionando e copiando nossos post a mais de um mês. Desde o dia 4 de abril, que semanalmente o nosso blog é plagiado pelo jornal. Nenhum crédito ou menção de que os textos são cópias literais do MikaTech. Atualmente metade da página de informática deles é cópia do nosso blog. Até as fotos são as mesmas usadas por nós.
Nesse caso o plágio não é feito por outros blogs, mas é feito por um meio tradicional de imprensa, que vende seus jornais, tem assinantes. Ou seja, pessoas estão pagando para ler os textos que escrevemos, sem que ganhemos algo com isso.
(ler post completo)
Mikatech (BR), 12.05.06

——

Plágio: alguma solução à vista ?
O Meio Bit já teve problemas com plágio. O Velho também. Agora o Cardoso foi vítima e se defendeu como pode, aliás uma maneira não-convencional mas que certamente chamará a atenção do plagiador.
Fica o pensamento de como se defender de uma maneira razoável e eficiente contra este problema que parece piorar cada vez mais. A pessoa que tiver seu conteúdo roubado tem poucas chances de ter seus direitos garantidos, pois depende de muitos fatores:
– O host que hospeda o site do plagiador: no caso do Cardoso é o blogger, que é notório por não atender muito bem seus consumidores, e fazem uma lista de exigências com provas materiais que dificultam o processo. O site pode ser do próprio plagiador, e pior ainda se for em outro país.
– É difícil ainda identificar sites que estão copiando conteúdo…os links podem ser removidos e o autor terá que procurar muito bem para encontrar os ladrões
– Ainda não vi alguem ser processado com sucesso por plágio de blogs, o que cria a cultura que acaba incentivando a prática.
E vocês ? Já foram vítimas de plágio ? Como resolveram (ou não) ?
(ler post completo)
Meio Bit (BR), 28.04.06

——

Plágio! Que feio…
Caio Cesar comenta o plágio do blog Querido Leitor e outros assuntos
por Caio Cesar
de Belo Horizonte
[24/08/2006]
Plágio: cópia fraudulenta do trabalho de outrem que um autor apresenta como sua.
Não é só professor que sofre com o plágio. A prática da cópia indiscriminada que já aborrece docentes de diversas instituições e graus também é dor de cabeça para quem tem blog.
A Rosana Hermann, editora do Querido Leitor, vem sentindo na pele o que é ser copiada. Eis que a jornalista decobriu que seus textos estavam sendo replicados há tempos por um “colega” de profissão, de Santa Catarina. A coisa deu o que falar e, por isso, manifesto aqui o meu total e irrestrito apoio à causa da Rosana.
Para desabafar, ela publicou um excelente texto sobre o assunto no Blônicas [que infelizmente não tem permalinks. Procure pelo post do dia 24/08/2006].
Mas a indignação não foi só dela. A discussão ganhou pauta de diferentes portais de jornalismo e de conteúdo específico para quem escreve para a web. E – obviamente – ganhou a atenção que merece na comunidade de blogs do País.
(ler post completo)
revista paradoXo (BR), 24.08.06

——

Mais esclarecimentos
Meu papel aqui nesse Blog não é acusar e nem muito menos julgar ninguém. Eu tenho total consciência de que todos nós sem exceção tivemos (ou temos) nosso tempo de aprendiz. E como aprendizes nós caímos em erros que nos fazem crescer e aprender cada vez mais a sermos profissionais e conseguirmos o respeito do mercado. O único recurso que eu não aprovo em um aprendiz é o plágio. Eu já falei abertamente que eu mesmo já caí nessa armadilha quando estava iniciando e não nego isso jamais. Porém, eu percebi que o caminho correto para se conseguir respeito não é o do plágio e adotei a seguinte “filosofia”:”Qualquer merda que eu fizer, não importa o quão ruim esteja. Fui eu quem fez.”
(ler post completo)
Neto Leal – blog (BR), 28.06.05

——

Ladrão de Banda? Eu passo fogo!
O verme do site acima é um notório ladrão. Copia posts inteiros de sites como os meus, o Meio Bit e O Velho. Não só ele copia os posts na íntegra, como não se preocupa em alterar sequer posts com conteúdo pessoal, escritos na primeira pessoa. Mais ainda, ele copia o HTML inteiro. Estava utilizando o meu redirecionador/contador de links. Agravante? Ele faz hotlink, a banda que EU pago a meu serviço de hospedagem é consumida pelo blog DELE.
Eu um momento em que a blogosfera discute maior interação, mais links, mais contato entre os blogueiros, esse verme faz uma dessas?
Tentei ser razoável. Postei comentários solicitando a remoção dos posts. Ele não respondeu. Pedi a uma lista que modero que fizesse o mesmo. Ele removeu os comentários. Enviei uma reclamação ao blogger.com. Me responderam, solicitando nova prova de propriedade, além de uma reclamação formal, por escrito, enviada via fax ou correio pros EUA. Pombas, meu tempo não é lixo, muito menos meu dinheiro. Se o blogger é conivente… azar o deles.
Alterei as imagens no meu servidor, colocando em seu lugar diversas imagens pornográficas MUITO cabeludas (em vários sentidos). É incrível o material que o Google Images retorna, quando os filtros estão desabilitados.
(ler post completo)
Blog do Cardoso (BR), 27.04.06

——

Profissão; Copista!
Ser copista dentro de uma comunidade Open Source já foi motivo de briga e de chacota, mas parece que a comunidade brasileira em geral já se esqueceu disso e sancionou a profissão de copista. Se tornou bacana ser copista e além de tudo ainda se consideram merecedores de aplausos e elogios. Na minha interpretação nostálgica e saudosista eu ainda considero cópia igual plágio e ponto final.
(ler post completo)
blog.moinho.net (BR), 15.04.06

——

Segue o Plágio na UFRGS
Dentro da faculdade, os alunos ficam apáticos quanto ao caso. Não se importam. Alguns defendem o plagiário e seus defensores. São defesas tolas:
Defesa Tola #1: “Mas o [plagiário] é um cara inteligente, ele não teria por que fazer isso. O orientador é um cara respeitadíssimo, nunca se envolveria com algo assim.”
Defesa Tola #2: “Pode ter sido um deslize. Às vezes a gente escreve algo e não tem certeza se está pensando aquilo ou se leu em algum lugar. Acontece com todo mundo.”
Defesa Tola #3: “O [denunciante] tem uma rixa com o [orientador do plágio]. Eles não se dão bem, por isso que ele denunciou.”
(ler post completo)
Filisteu (BR), 11.05.04

——

[cf-brasil] O Clone (Plagio???)
Trata-se de plágio sim. Paulo, admita, você fez sim uma tradução do post do Pete Freitag. Qualquer um com um inglês básico pode perceber isso (recomendo verem as imagens originais que o Marcos disponibilizou na sua mensagem original). Excetuando-se a primeira linha, em que você pede desculpas por não escrever regularmente, todo o resto é uma cópia fiel e exata, mudando apenas nomes des variáveis, nomes de algumas classes e afins. Isso não é adaptação, é cópia!
(ler post completo)
Alex Hubner (BR, fórum), 22.07.05

——

Cópia e plágio na internet
Quando quero enviar para alguém um poema ou texto de minha autoria, e ele está em minha página na internet, acho mais rápido encontrá-lo escrevendo um verso em algum buscador. Fiz isso há pouco tempo e encontrei vários poemas meus em um fotolog. As fotografias e os poemas combinaram bem, e não seria tão mau ter uma fã se ela tivesse colocado meu nome como autora.
(ler post completo)
Simplicíssimo (BR), 03.05.06

——

Sanguessugas, Parasitas, Xeroqueiros e Plagiadores: Manual do Usuário
A comunidade blogueira discute atualmente a baixa audiência dos blogs, a dificuldade dos leitores em se manifestar e se identificar com os autores, etc, etc. Só que pior do que um leitor tí?mido que não tem nada a escrever, é um plagiador. O que era uma atitude mau-caratista isolada está se tornando uma praga, com graves consequências. Nada desestimula mais um autor do que ver outro assumindo a autoria de seu trabalho.
Vamos ver como podemos começar a pensar em nos defender? Copiei umas dicas interessantes de um blog gringo, mas ele nunca vai saber, hehe eu sou 1337, Cardoso R0><!!!
(ler post completo)
Contraditorium (BR), 01.05.06

——

Y el plagio continua…
Uno de mis lectores me ha informado que ha visto 2 de mis artículos en otra web. Lo más interesante del caso es que en el cache de Google del 22.09.2006 todavía no muestra a ninguno de mis artículos en la web como se puede observar en la siguiente imagen:
(ler post completo)
blog de Dr. Max Glaser (Uruguai), 24.09.06

——

Este blog era uma farsa!
Portanto tudo não passou de um plágio, finalmente descoberto. Depois de ter descoberto o senhor ou a senhora autor/a do plágio apagou emediatamente o blog, mas foi pouco inteligente (porque é o que deve ser mesmo!) e apagou o endereço. Então, criei-o de novo para avisar os visitantes que eram bastantes. Pensava a pessoa que ainda ia sair a rir-se! Assim, não se fica só ele/a a rir! É incrivel como está tudo copiado, até os textos. A pessoa até se deu ao trabalho de traduzir tudo! Deve ser alguém muito perturbado.
(ler post completo)
(blog sem título), 06.09.06

——

Plagio de mi blog
Revisando los enlaces entrantes a mi blog me encontré hoy con la sorpresa que una mexicana blogger de a mentiras (usa MSN SPaces ) le gusto tanto mi post sobre el Código Da Vinci que ha robado partes del texto, lo adaptó y lo puso como suyo con fecha 5 de junio sin atribuir autor original.
(ler post completo)
Bitacora RomeroGT (Guatemala), 09.06.06

——

Reflexão
Como hoje estou numa de escrever bastante, decidi fazer algumas considerações acerca de uma praga dos tempos modernos: Plágio.Estava eu ontem sentadinho na minha aula de Design, quando o professor começou a falar do problema do plágio, chamando-nos a atenção de que no ano passado cerca de 70% dos trabalhos entregues por alunos na cadeira foram considerados plágio e consequentemente anulados.Ora na continuação da conversa, entre uma experiência pessoal que o professor tinha , referiu que deixou aos alunos a quem foram anulados os trabalhos entregar outro, mas que este ano qualquer caso desses dará direito a reprovação directa na cadeira. Acho muito bem, e fiz questão de o dizer em bom som .Agora falemos da situação em Portugal e no mundo. Se pensam que Portugal é um país de trapaceiros, desenrrascados e oportunistas, não estão enganados, mas em relação ao plágio somos um paraíso. Nos E.U.A. está na ordem do dia, e na maioria das universidades já existe um código rígido para enfrentar o problema (à primeira está chumbado de ano a todas as cadeiras, à segunda é irradicado do ensino superior).
(ler post completo)
RUIMOURA.NET, 29.09.06

——

Textos seleccionados a partir de pesquisa no motor de busca Google, segundo o critério “plágio+blog”. A selecção incidiu apenas sobre os primeiros 100 resultados, de um total de 886.000.
Sites com interesse:
http://www.plagiarismtoday.com/
http://tass-plagiarism.blogspot.com/

Share

Plagiarismo: para uma definição por amostragem

Os blogues e o negócio sujo
Existe um “portal” português pouco conhecido que está a copiar literalmente conteúdos de blogues instalados no Blogger e em outros provedores gratuitos de alojamento de blogues.
(ler post completo)
Letras Com Garfos, 20.06.06

—————–

Plágio é coisa feia!
É triste que alguns senhores, em nome dos seus “negócios”, desacreditem este meio de comunicação que é a Internet. Peço ao Sr. José Lourenço um favor: pelo menos, coloque nas cópias dos textos que coloca no seu site, o nome do blogue de onde extrai os conteúdos que publica. Ficava-lhe bem.
(ler post completo)
Letras Com Garfos, 26.06.06

—————–

É eu a pôr os posts…
aqui no blog e passado um bocado eles a serem copiados noutro blog.
Uma breve análise aos acessos e às horas e lá está o COPIADOR… com 2 e mais visitas por hora consegue ser o “melhor cliente” deste blog.
Tem vergonha nessa cara e DESAMPARA-ME A LOJA ou estás à espera que eu publique aqui algumas estatísticas elucidativas?
(ler post completo)
You’ve Got Mail, 20.0.06

—————–

Mais plágio
Chegou-nos mais um aviso de plágio do nosso website, aqui está, apreciem:
Asas Design
O nosso site: Nitrodesign
Impressive.
EDIT POSTERIOR: Enviei um mail à Asas Design que reconheceu o problema e alterou o seu site.
(ler post completo)
Macacos Sem Galho, 29.05.03

—————–

Mais plágio
Mudando de assunto, um pouco…
Descobri, via um aviso amigável, mais um plágio… ou melhor, roubo completo, desde o design ao conteúdo, passando pelo código, do site da nitro, aqui: http://www.ferrostudio.com/.
Até o portfolio é o nosso.
(ler post completo)
Macacos Sem Galho, 29.09.05

—————–

Plágio
Estou decepcionada com certas pessoas sem criatividade que descaradamente lêem o blog e copiam certas matérias e as põem em seus próprios blogs e comunidades do Orkut sem mencionar a fonte, claro!
Uma dessas pessoas aproveitou-se das minhas postagem sobre o filme Water (Água) de Setembro de 2005 e Abril de 2006 e colocou no próprio blog!!!
(ler post completo)
ÍNDI(A)GESTÃO, 04.09.06

—————–

Plágio!
Eu não tinha a mínima intenção de hoje estar falando sobre isso. Mas uma situação aconteceu comigo me fazendo parar um pouco meu trabalho para escrever esse texto. Enquanto frequentava o fórum do imasters.com.br achei um script no seguinte endereço ( Fórum ). Essa pessoa que colocou o tópico se dizia dona do script.
Porém esse script pertence a um autor cujo nick é Cyanide_7 e está disponivel em http://javascript.internet.com/forms/auto-tab.html
Eu iniciei um tópico então falando que seria legar ele citar o autor original e não simplesmente apagar os créditos e assumir a autoria. Ele me respondeu que eu deveria falar isso para todos que colocassem um link do google no fórum. Meu argumento então foi que, se eu acho algo no google, isso não quer dizer que eu posso sair publicando como se fosse meu. Depois disso, apagaram meu tópico (que atitude feia né?).
Por favor, divulge esse fato. Pois tentei entrar em contato com o M.P. com o tal Adriano Alves e ele mesmo assim continuou sendo rude.
(ler post completo)
Fernando M. Morgenstern (BR), 17.07.06

—————–

Mentira tem perna curta: mais plágio e “historinha para boi dormir”…
O problema dos plágios veio à tôna novamente esta semana. Eu não deixo de me impressionar com a capacidade que algumas pessoas tem em repetir erros e mentiras estúpidas. Como já disseram por aí, deve ser uma doença, compulsão ou alguma mania que nem Freud pode explicar.
Quando estas mentiras são contadas de forma pública e aberta, como num blog, é motivo de reprovação (também pública). Quando são contadas na esfera interpessoal, de boca-em-boca, no meio profissional em que você vive, é motivo para uma conversa, um bate-papo ou então um esclarecimento, tal como o que vou fazer nas próximas linhas. Optei pelo esclarecimento ao invés da conversa porque, do jeito que estou, iria primeiro cobrir o dito cujo de porrada e depois (talvez) “conversar”… Este esclarecimento faz-se necessário também para que outros profissionais que, como eu, por acaso tiveram alguma relação de amizade ou profissional com o autor das mentiras, fiquem atentos, pois podem ser vítimas destas também (quem avisa amigo é!).
Sendo assim este post tem dois objetivos simples e claros:
O primeiro deles, pessoal e profissional, para dizer que se você ouvir da boca de um certo “artista da programação” (como ele se auto entitula), que ele foi meu coordenador num centro de treinamento Macromedia aqui em São Paulo, deve dar uma sonora risada. Trata-se de uma mentira absolutamente deslavada. Não precisaria dizer, mas é sempre bom previnir-se (afinal de contas este é um mundo pequeno e as notícias correm rápido): o dito cujo nunca foi meu “coordenador” em lugar nenhum. Parece piada, mas não é. Alguns amigos (que confio) me disseram que o figura anda contando isso por aí…
O segundo objetivo, público e comunitário, é de apontar, novamente, um plágio deslavado (até que provem o contrário) publicado no blog desta mesma figura pitoresca:
(ler post completo)
CFGIGOLÔ (BR), 16.08.04

—————–

desabafo
Quando vejo partes do meu site descaradamente copiadas por outras pessoas fico a ranger os dentes. Às vezes são expressões ou frases inteiras* em verdadeiro copy e paste e outras são bonecos tão inspirados que irrita. Não é que eu tenha inventado alguma coisa ou que seja a primeira vítima de plágio da história, mas serão as vistas destas pessoas assim tão curtas? E o vocabulário assim tão limitado? Li outro dia numa entrevista a um criativo (amanhã logo acrescento o nome dele) que se nos inspiramos nalguma coisa, ao menos que seja para fazer melhor do que o original. É uma ideia ambiciosa mas que julgo sensata.
(ler post completo)
A Ervilha Cor de Rosa, 03.05.05

—————–

Plágio
Amigos que me visitam:
Lembram daquela primeira brincadeira que fiz convosco? Aquele jogo para terminarem a fantasia? Foi em Junho.
É esta:
Jogo da Fantasia
Eu fui encontrar esse texto todo em outro blog que copia coisas de outros sítios e ele nem colocou o sítio de onde ele retirou o texto.
Ele copiou a mim e todos os que participaram no jogo.
Podem ver aqui:
Texto copiado
Se quiserem protestar, podem fazê-lo no texto mais recente, para ele ver e toda a gente ver o que ele anda a fazer, pois como o outro é mais antigo, pode acontecer de muita gente não ver.
Ele publicou no dia 25 de Julho, um mês depois de eu publicar.
Vão lá e protestem com ele, plagiador!
(ler post completo)
Contos Secretos, 27.09.05

—————–

Plágio e Usabilidade
Eu até entendo as pessoas mentirem. O que eu não entendo são aquelas mentiras que são tão fáceis de pegar que só fazem humilhar o mentiroso.
Plágio de textos de blogs é coisa comum. A blogosfera é gigantesca, são boas as chances de você nunca ser descoberto.
Mas o mercado de Usabilidade é um ovo. E o mercado de Usabilidade lusófono é um ovo de codorna. Todo mundo circula pela mesma meia dúzia de sites e blogs. As chances do seu plágio não ser percebido são ínfimas.
Meu conselho: se você pretende viver de Usabilidade, escrever seus próprios textos sobre o assunto é um bom começo.
(ler post completo)
Blog de Usabilidade (BR), 25.06.04

—————–

Plágio é quando um homem quiser…
– Isto partindo do princípio que algum dos termos acima está bem atribuído –
Nem eu sonhava que o meu primeiro re-post de algo que escrevi há um ano, iria dar origem ao primeiro (pelo menos que eu saiba) plágio do que escrevo neste blog.
É engraçado que tal procedimento venha da parte de alguém que me linkou, e melhor ainda, teve a lata de assinar por baixo.
Mas também não é tão grave assim. Fica aqui o link para que quanto mais não seja, contribuir com um pouco de tráfego.
Qualquer dia (à semelhança de outros que por aí andam) ainda me começo a convencer que o mundo gira à minha volta. Realmente há gente que faz de tudo para chamar a atenção.
(ler post completo)
TheOldMan, 11.07.05

—————–

Plagio
Este senhor, apanhado sem ideias, resolveu copiar um artigo do jaquinzinhos sem indicar a fonte. (texto original no Jaquinzinhos ou aqui).
Post Scriptum: Salvaguarda para a possibilidade de nao saber de facto que o texto original e do Jaquinzinhos. Nesse caso aguardarei que emende a posicao numa futura cronica (tenho a certeza que alguem o ira avisar).
Karloos
(1 comentário):
nao, nao é plágio. apenas ignorância da origem (alguem o copiou do blogue e pôs a circular omitindo a fonte e o esperto do Luís nao foi sequer capaz de utilizar o google para encontrar o texto).
(ler post completo)
Licenciosidades, 10.06.05

—————–

O lado B
Direitos de autor.
Mais fácil copiar que criar, nada se cria, tudo se copia. Tudo bem, mas é crime e no mínimo, tem que ser muito cara-de-pau.
(ler post completo)
Livros & afins (BR), 25.08.06

—————–

Plágio com o Inutilidades?
Pois é… por um lado isso é bom, mas por outro é ruim…… O lado bom é que quem copiou gostou tanto que não precisou mudar nem uma vírgula…. foi simples, “Control+C” e “Control+V” de dois posts inteiros aqui do blog. O lado ruim é que eu não gostei… se o cara vai copiar, copia, mas cita a fonte PELO MENOS… Mas, como o serviço foi “bem feito” o cara nem se deu o trabalho de hospedar as suas próprias imagens… então, confiram as imagens abaixo….
(ler post completo)
Inutilidades – os links mais inúteis (BR), 30.04.05

—————–

Plágio e Associated Press
A ASSOCIATED Press copiou material de um blog e não fez qualquer citação. O blog reagiu. E bem.
(ler post completo)
Ponto Media, 28.03.06

—————–

Hollywood Acusado de Plágio – Direito de Resposta
Diz no seu blog o Rui Luis Lima que o trabalho de “copista” foi muito bem feito. Para que não restem dúvidas, aqui fica o artigo dele.
Onde ele vê copismo eu vejo o mesmo tópico, a mesma questão mas, absolutamente, desenvolvimentos diferentes. Onde ele se esforça por falar do filme original, eu dedico mais tempo à própria questão de genero. Não existe uma frase, uma única expressão semelhante. Basta ler e comparar. A única situação comum, a questão “será a pornografia um género cinematográfico?” foi a questão da semana em várias publicações e Rui Lima não é proprietário dela. Tenho seguido o trabalho de Rui Lima com atenção mas de uma coisa ele pode ter a certeza:o Hollywood não necessita de inspirações e, muito menos, de plagiar o trabalho dos outro.
Infelizmente o Hollywood já foi muitas vezes plagiado por outros blogs. Não sou cego, tenho olhos de ver. Mas nunca me incomodei muito, não por não ser grave, mas porque não achei que valia a pena o trabalho. E por saber o que é o plágio, sinto-me duplamente injustiçado nesta acusação.
O Hollywood é um dos blogs mais visitados de Portugal. Tem milhares de visitas por dia há ano e meio e nunca plagiou nenhum texto. Não seria agora que iria começar. Não o foi! Acusar o Hollywood de plágio é indigno de qualquer um e poder-se-ia esperar de qalquer um mas nunca do Rui Luis Lima. Faze-lo publicamente, sem qualquer percepção do sentimento de honra de um individuo, sem qualquer pré-aviso, é manifestamente cobarde. Comportamentos destes num espaço que devia ser de pluralismo e de amizade nunca poderão ser bem vindos. O Hollywood tem os seus admiradores e os seus detractores. Mas ambos reconhecem o valor e a honestidade deste espaço. Quando se coloca em causa a honra sem provas – Rui Lima não apresentou nenhuma, nem mesmo uma simples frase – abre-se a porta para os mais vis comportamentos. Há alguns meses noticiei um blog que se divertia a gozar com este espaço. Agora, infelizmene, sou obrigado a defender a honra deste espaço de ataques sem sentido, vindos de alguém que admirava sinceramente.
Pela última vez, o Hollywood não alinha em plágios. Nunca o fez nem nunca o fará. E não pode deixar passar acusões deste calibre. Insultos deste género apenas nos deixam ver que, é triste mas é verdade, infelizmente, nem todos são o que parecem ser!
(ler post completo)
Hollywood, 31.10.05

—————–

iPodPortugal plagiado!
Quando nós eramos pequeninos, diziam-nos sempre na escola que copiar é feio.
É tão mau copiar os Lusiadas, como um texto do ‘Tal e Qual’; é tão mau copiar uma partitura de Mozart, como uma música do Emanuel. Plágio é das coisas mais despreziveis que me recorda.
Ninguém gosta de ser copiado. Ninguém gosta que lhe roubem os trabalhos.
O iPodPortugal foi copiado. Todas as suas noticias foram integralmente públicadas num outro site, sem consentimento dos responsáveis do iPodPortugal, e sem conhecimento sequer. Apenas ontem me apercebi desta situação, em que o individuo responsável por esse mediocre site, fazia publicidade muito orgulhosamente do mesmo.
É lamentável que individuos com carácter reprovável tenham sequer a possibilidade de se expressar. Mas estamos numa democracia. A internet é livre. Todos podem fazer o que quiser, até mesmo ser-se mediocre ao mais alto nivel, copiando o trabalho dos outros. E enquanto pseudo-empresas como a xMarksTheSpot continuarem a existir, a inferioridade nacional no que diz respeito à cultura e inovação permanecerá num ponto de estagnação, ou até de declinio. Sites como este povoam a internet. Sites com conteúdos copiados, sem consentimento dos donos/autores originais, sem qualquer criatividade própria.
(ler post completo)
iPodPortugal, 09.04.06

—————–

(post sem título)
O que leva uma pessoa copiar, descaradamente, seus posts, sem citar a fonte, e sem ao menos mudar os links?
O que leva uma pessoa fazer uma cópia fiel de suas horas de trabalho, sem se dar ao luxo, ao menos, de usar o seu provedor para hospedar as imagens roubadas?
Tive uma surpresa ontem à noite. Acessando meu relatório de acessos do meu site (o Mambo possui um componente chamado TSF, que mostra todo e qualquer site que te linkou), vi um blog, como os vários (cerca de 3000) que nos acessam diariamente. Até aí tudo bem. Ao clickar no link do site, (me recuso a fazer link direto, pois desta forma ele estaria ganhando acesso, mais uma vez, com meu suor) http://diariododiogo.zip.net, percebemos que trata-se de uma cópia fiel e nem ao menos adaptada de meus textos, meus desenhos, enfim, meu conteúdo, sem nenhum link de fonte, sem nenhum e-mail de permissão.
Mandei um e-mail para ele, e guess what? Não respondeu.
(ler post completo)
RodrigoAfonso.org, 03.10.06

—————–

nem sonho nem pesadelo
O caso Stela chegou ao fim. A autora do blogue Viajar no Sonho ( entretanto apagado) reconheceu o seu erro e apresentou-me desculpas. Num mail enviado ontem (cujo teor não vou revelar publicamente), explicou-me os motivos que a levaram a plagiar alguns dos meus textos. Desejo sinceramente que a Stela consiga superar este incidente da sua vida e restaure a confiança em si mesma e entre os seus amigos e leitores.
(ler post completo)
Escrita Ibérica, 28.05.05

—————–

MILTINHO CUNHA ACUSADO DE PLÁGIO
O colunista Miltinho Cunha, do jornal O Estado, de Florianópolis, ficou repentinamente famoso no país todo. Várias notas de suas colunas, ao longo de um ano, que ele assinava como dele, eram cópias literais de notas de um dos blogs mais conhecidos e visitados da internet brasileira, o “Querido Leitor”, da jornalista Rosana Hermann.
Na segunda-feira ela ficou sabendo disso e botou a boca no mundo contra esse “plagiador catarinense”. Ela é uma jornalista muito conhecida no eixo Rio-São Paulo, redatora do programa Pânico na TV, entre outras atividades multimídias e a denúncia que ela fez espalhou-se como fogo em palha seca.
Miltinho se defende dizendo que uma de suas colaboradoras é que teria copiado os textos da Rosana e encaminhado para ele sem avisá-lo. E ele teria, então, publicado de boa fé, imaginando tratar-se de material original dessa sua colaboradora.
Situação complicada, porque numa coluna assinada se supõe que a responsabilidade pelo conteúdo seja do autor. E quando ocorre uma situação evidente de plágio, transferir a responsabilidade para uma ghost-writer cuja identidade está sendo preservada pelo Miltinho, não alivia em nada a situação.
(ler post completo)
De Olho na Capital (BR), 24.08.06

—————–

Textos seleccionados a partir de pesquisa no motor de busca Google, segundo o critério “plágio+blog”. A selecção incidiu apenas sobre os primeiros 100 resultados, de um total de 886.000.
Sites com interesse:
http://www.plagiarismtoday.com/
http://tass-plagiarism.blogspot.com/

Share

Plágio? Uma vez sem exemplo, não.

O jornal Correio da Manhã referiu ontem um assunto que, estranhamente, continua a agitar a “blogosfera”: quem será o autor do texto “Precisa-se de Matéria Prima para Construir um País”, o português Eduardo Prado Coelho ou o brasileiro João Ubaldo Ribeiro?

A questão vai provocando também apaixonadíssimas trocas de opiniões (e de acusações), havendo até “partidos” a favor de um, “plagiado”, e contra o outro, “plagiador”.

Um oportuno esclarecimento de Brasilino Godinho, escritor brasileiro, vem, ao que parece, esclarecer definitivamente que não se tratou de plágio algum. Será, de resto, a julgar por este esclarecimento e por aquilo que já anteriormente o blog Blasfémias publicou (em 2005!), um fenómeno interessante e absolutamente novo: alguém escreve um texto, num determinado contexto e referindo-se à realidade política de um determinado país (Brasil ou Portugal); posteriormente, uma outra pessoa pega nesse texto e adapta-o às circunstâncias da sua própria pátria (Portugal ou Brasil), apenas trocando nomes, locais, datas e uma ou outra expressão idiomática; por fim, uma terceira pessoa (ou uma das duas primeiras) publica os dois textos em paralelo, anotando as semelhanças óbvias e atribuindo uma versão a um autor do primeiro país e a outra a um autor do segundo; e pronto, está lançada a polémica. Como a Língua utilizada em ambos os países é a mesma, a operação de cosmética tornou-se não apenas fácil como extremamente eficaz.

O objectivo da criação de mais este boato foi maximizar a divulgação do conteúdo do texto original: enquanto se discutia, de ambos os lados do Atlântico, a autoria do arrazoado, mais e mais pessoas iam tomando conhecimento do conteúdo político que se pretendia divulgar.

Pode-se dizer o que se entender sobre isto, mas de uma coisa podemos estar certos: como manobra de propaganda, é muito bem achado.

Share

“Plagius Maximus”: isto é consigo

“Não imites nada nem ninguém. Um leão que copia um leão torna-se um macaco.”
Victor Hugo

O blog Caderno de Corda publicou, no passado dia 8 de Abril, um texto sobre o filme documental Loose Change; esse texto, assinado por Davi Reis, apresenta uma sinopse crítica daquele documentário.

Posteriormente, e em vésperas da sua exibição nos canais da estação pública de televisão, a RTP publicou uma página de apresentação do “Loose Change”, contendo uma sinopse constituída em exclusivo por excertos do texto de Davi Reis. Foi, sem sombra de dúvida, um simples exercício de copy&paste (copiar e colar) praticado por um profissional da comunicação social. A “fonte” ou, neste caso, a autoria do texto, não foi sequer referida na transcrição.

O autor do texto, sentindo-se legitimamente lesado nos seus direitos, escreveu uma mensagem de protesto ao provedor do espectador da RTP. Mensagem à qual o dito provedor respondeu, muitos dias depois.

Seguidamente, outros blogs e sites reproduziram – no todo ou em parte – o texto transcrito pela RTP e, como neste não havia menção de origem, citavam a própria empresa pública como “fonte”, atribuindo-lhe genérica e tacitamente a autoria do conteúdo escrito.

Entretanto, e na sequência dos protestos do autor, que obtiveram eco, nomeadamente, no blog A Sombra(1), a sinopse (praticamente transcrita e) publicada pela RTP foi apagada, estando lá agora apenas uma curta frase de apresentação do filme.

No entanto, existe uma cópia em “cache” na MSN. Como também essa desaparecerá assim que o “bot” re-indexar o site da RTP, fica uma outra cópia, em definitivo, aqui no Apdeites.

Davi Reis, o autor da matéria pirateada, não se sentindo ressarcido pelo simples pedido de desculpas da RTP, lança agora um apelo: que a comunidade blogger nacional se manifeste sobre o ocorrido. E mais: que os bloggers o façam por escrito, enviando ao provedor do espectador da RTP uma mensagem de protesto. Mensagem esta que, uma vez sem exemplo, poderá ser integralmente copiada e colada na página da RTP para envio de correspondência. Excepcionalmente, é copy&paste, mas é por uma boa causa.

(imagem: hardlink do blog Caderno de Corda)

(1) O blog A Sombra refere profusamente este assunto.


Nota: 17.10.06, 11:45 h
Desde as 2 horas da madrugada de hoje, têm sido colocados links para este post, nos sistemas de comentários de alguns dos blogs mais visitados, por alguém que assina como “PM”; o Apdeites não tem qualquer responsabilidade no assunto. A forma como o link é apresentado, em forma de “comentário” e com o título (truncado) deste post, poderá de alguma forma induzir as pessoas em equívoco.
Esperemos com esta nota dissipar quaisquer dúvidas: o Apdeites é totalmente alheio à questão. Provavelmente, alguém resolveu chamar a atenção para um tema em concreto (o plágio), fazendo-o no entanto de uma forma que podemos considerar abusiva, já que, não se identificando, dá a entender que fomos nós que nos servimos das caixas de comentários de diversos blogs para publicitar alguma coisa do nosso site. De resto, este tipo de actuação pode ser considerado como “spammimg”.
Pela nossa parte, apenas podemos esperar que a pessoa em causa leia isto e faça o favor de parar; se se quiser identificar, nos mesmos sítios onde deixou rasto, e, já agora, explicar porque o fez daquela forma, melhor ainda. Obrigado.
JPG

Share