«É preciso salvar a Casa do Passal» [MCV, “Público”]

Share
Publicado em educação, Portugal | Comentários fechados em «É preciso salvar a Casa do Passal» [MCV, “Público”]

Direitos reservados (?)

A primeira imagem é uma “snapshot” do blog “A Civilização do Espectáculo“, de um post com o título “Alguém meteu água no serviço público“, com data de ontem, dia 5.

A segunda imagem é um recorte do jornal “Correio da Manhã” de hoje, dia 6, a páginas tantas. Note-se, à direita, a menção (aviso?) a “Direitos reservados”.

A referência à “cacha” do blog foi-me enviada por Octávio dos Santos, autor do blog Octanas, e a imagem foi publicada no Facebook e reproduzida no Twitter ontem mesmo.

Share
Publicado em copyright, Portugal | Comentários fechados em Direitos reservados (?)

Um país de merda

Share
Publicado em Uncategorized | Comentários fechados em Um país de merda

Maria José Nogueira Pinto, 1952-2011

Nada me faltará

por MARIA JOSÉ NOGUEIRA PINTO

Acho que descobri a política – como amor da cidade e do seu bem – em casa. Nasci numa família com convicções políticas, com sentido do amor e do serviço de Deus e da Pátria. O meu Avô, Eduardo Pinto da Cunha, adolescente, foi combatente monárquico e depois emigrado, com a família, por causa disso. O meu Pai, Luís, era um patriota que adorava a África portuguesa e aí passava as férias a visitar os filiados do LAG. A minha Mãe, Maria José, lia-nos a mim e às minhas irmãs a Mensagem de Pessoa, quando eu tinha sete anos. A minha Tia e madrinha, a Tia Mimi, quando a guerra de África começou, ofereceu-se para acompanhar pelos sítios mais recônditos de Angola, em teco-tecos, os jornalistas estrangeiros. Aprendi, desde cedo, o dever de não ignorar o que via, ouvia e lia.

Aos dezassete anos, no primeiro ano da Faculdade, furei uma greve associativa. Fi-lo mais por rebeldia contra uma ordem imposta arbitrariamente (mesmo que alternativa) que por qualquer outra coisa. Foi por isso que conheci o Jaime e mudámos as nossas vidas, ficando sempre juntos. Fizemos desde então uma família, com os nossos filhos – o Eduardo, a Catarina, a Teresinha – e com os filhos deles. Há quase quarenta anos.

Procurei, procurámos, sempre viver de acordo com os princípios que tinham a ver com valores ditos tradicionais – Deus e a Pátria -, mas também com a justiça e com a solidariedade em que sempre acreditei e acredito. Tenho tentado deles dar testemunho na vida política e no serviço público. Sem transigências, sem abdicações, sem meter no bolso ideias e convicções.

Convicções que partem de uma fé profunda no amor de Cristo, que sempre nos diz – como repetiu João Paulo II – “não tenhais medo”. Graças a Deus nunca tive medo. Nem das fugas, nem dos exílios, nem da perseguição, nem da incerteza. Nem da vida, nem na morte. Suportei as rodas baixas da fortuna, partilhei a humilhação da diáspora dos portugueses de África, conheci o exílio no Brasil e em Espanha. Aprendi a levar a pátria na sola dos sapatos.

Como no salmo, o Senhor foi sempre o meu pastor e por isso nada me faltou -mesmo quando faltava tudo.

Regressada a Portugal, concluí o meu curso e iniciei uma actividade profissional em que procurei sempre servir o Estado e a comunidade com lealdade e com coerência.

Gostei de trabalhar no serviço público, quer em funções de aconselhamento ou assessoria quer como responsável de grandes organizações. Procurei fazer o melhor pelas instituições e pelos que nelas trabalhavam, cuidando dos que por elas eram assistidos. Nunca critérios do sectarismo político moveram ou influenciaram os meus juízos na escolha de colaboradores ou na sua avaliação.

Combatendo ideias e políticas que considerei erradas ou nocivas para o bem comum, sempre respeitei, como pessoas, os seus defensores por convicção, os meus adversários.

A política activa, partidária, também foi importante para mim. Vivi–a com racionalidade, mas também com emoção e até com paixão. Tentei subordiná-la a valores e crenças superiores. E seguir regras éticas também nos meios. Fui deputada, líder parlamentar e vereadora por Lisboa pelo CDS-PP, e depois eleita por duas vezes deputada independente nas listas do PSD.

Também aqui servi o melhor que soube e pude. Bati- -me por causas cívicas, umas vitoriosas, outras derrotadas, desde a defesa da unidade do país contra regionalismos centrífugos, até à defesa da vida e dos mais fracos entre os fracos. Foi em nome deles e das causas em que acredito que, além do combate político directo na representação popular, intervim com regularidade na televisão, rádio, jornais, como aqui no DN.

Nas fraquezas e limites da condição humana, tentei travar esse bom combate de que fala o apóstolo Paulo. E guardei a Fé.
Tem sido bom viver estes tempos felizes e difíceis, porque uma vida boa não é uma boa vida. Estou agora num combate mais pessoal, contra um inimigo subtil, silencioso, traiçoeiro. Neste combate conto com a ciência dos homens e com a graça de Deus, Pai de nós todos, para não ter medo. E também com a família e com os amigos. Esperando o pior, mas confiando no melhor.

Seja qual for o desfecho, como o Senhor é meu pastor, nada me faltará.

Este foi o último artigo publicado por Maria José Nogueira Pinto.

Share
Publicado em Uncategorized | Comentários fechados em Maria José Nogueira Pinto, 1952-2011

Apocalypse Now

Japan Disaster: Caught On Camera
The world watched in horror on March 11, 2011, as the fourth largest earthquake ever recorded crippled Japan and triggered a massive tsunami that swallowed entire communities, leaving an unprecedented catastrophe in its wake. All the while, amateur videographers, news crews, tourists and countless others were recording the sights and sounds of the unfolding chaos. From the producers of the critically acclaimed special Witness Katrina, NGC presents a powerful look at Japan’s disaster.
blacoutdvdrips

[tradução]
Catástrofe no Japão em vídeo
O mundo assistiu horrorizado, no dia 11 de Março de 2011, à forma como o quarto mais violento terramoto alguma vez registado devastou o Japão e ao maremoto que se lhe seguiu e que engoliu comunidades inteiras, deixando um rasto de catástrofe total e sem precedentes. Equipas de jornalistas, simples turistas ou habitantes das áreas afectadas, muita gente foi registando as imagens e os sons do caos absoluto que se revelava perante os seus olhos. Dos mesmos produtores do muito aclamado documentário “Witness Catrina”, o NGC (National Geographic Channel) apresenta uma perspectiva poderosa sobre esta catástrofe japonesa.
[/tradução]
Nota: além do programa do NGC em 3 partes, esta sequência tem um 4º vídeo, da Sky News, com imagens do “tsunami”.

Share
Publicado em Horror | Comentários fechados em Apocalypse Now