Uma mentira conveniente

A 27 de Abril de 1961, o Presidente dos Estados Unidos da América do Norte, John Fitzgerald Kennedy, proferiu um discurso, no Waldorf-Astoria Hotel de Nova Iorque, perante os membros da American Newspaper Publishers Association (Associação Americana de Imprensa Noticiosa). JFK intitulou este discurso como “O Presidente e a imprensa”.

Um vídeo com a gravação integral do discurso foi publicado na plataforma YouTube em 24 de Outubro de 2012. Neste vídeo aparecem apenas algumas fotografias de JFK e pode ler-se  também a transcrição (não editada) de tudo o que ele disse naquela ocasião.

 

Em 20 de Janeiro de 2009, traduzi e legendei um vídeo (do qual não guardei infelizmente o endereço original) que era na altura o que havia com aquilo que parecia ser o tal célebre discurso de JFK no Waldorf-Astoria de Nova Iorque. Era o discurso na íntegra, julgava eu (e julgavam muitos outros), e de tal forma me parecia inacreditável ter um Presidente americano proferido tais e tão terríveis verdades que por isso mesmo o traduzi e legendei. Era de facto inacreditável o que JFK dizia mas ainda mais inacreditável era o facto de jamais ter eu sequer ouvido falar daquele discurso…

 

Eis a manipulação, o embuste, a intoxicação, a desinformação em todo o seu “esplendor”. Alguém pegou na gravação do discurso de JFK e foi cortando tudo aquilo que não interessava (a quem produziu a aldrabice); depois foi só arranjar umas imagens catitas para “ilustrar” o que JFK (não) ia dizendo. E pronto, está feito, cá vai disto, isto é o aldrabão a pensar, salvo seja, aqui têm vossemecês “factos” novinhos em folha, todos acabados de inventar. Mas, note-se, a coisa foi “bem” feita, não há ali uma palavrinha a mais (só muitas palavrinhas a menos), tudo o que lá está foi efectivamente dito pelo Presidente americano naquele dia, àquela mesma hora e naquele exacto local.

Esta cópia truncada (e, portanto, completamente aldrabada) circulou por aí, em massa, foi reproduzida em “blogs”, colocada em “grupos de discussão”, citada em profusão, analisada ao mais ínfimo pormenor: não havia sequer margem para dúvidas, existe uma conspiração global, as “sociedades secretas” estão mesmo a “tomar conta disto tudo” e a “prova” — final, absoluta, irrefutável — é que o próprio JFK foi assassinado… por ter proferido este mesmo discurso!

Tudo o que é verdadeiro e genuíno pode ser transformado em pura mentira, absoluta falsidade. Eu, ingénuo empedernido, que já em 2009 tinha idade para ter juízo, aqui e agora me penalizo amargamente por ter engolido este isco (mais anzol, carreto, cana e chumbada).

Fica o alerta!

JFK foi assassinado no dia 22 de Novembro de 1963.

A verdade é assassinada todos os dias.

Print Friendly, PDF & Email