Marcelo Rebelo de Sousa: “Portugal tem de lutar para dar a supremacia ao Brasil”

MRS052008

Questionado pela plateia sobre as vantagens do novo Acordo Ortográfico entre países lusófonos, que deverá entrar em vigor em 2014, Marcelo Rebelo de Sousa mostrou-se a favor, defendendo que “há um debate artificial sobre a questão “. O professor disse que as alterações ao acordo “não são substanciais” para a Língua Portuguesa.

Marcelo referiu que o Brasil hoje é a maior potência económica e o maior país lusófono e realçou a ideia que “Portugal precisa mais do Brasil, do que o Brasil de Portugal”. Afirmou que o acordo tem “virtuosidades” e disse que “para Portugal conseguir lutar pela lusofonia no mundo tem de lutar por dar a supremacia ao Brasil.

Source: Marcelo Rebelo de Sousa: “O mundo da lusofonia tem de assumir que a liderança é do Brasil” – JPN – JornalismoPortoNet, 1 de Maio de 2008

Print Friendly, PDF & Email
Share

2 Comments

  1. Bastaria isto (mas há mais…) para Marcelo Rebelo de Sousa não merecer ser eleito Presidente da República. E repare-se que aqui não está só em causa a questão estritamente ortográfica, o seu «acordismo», a defesa que ele, «eminente» jurista, faz de algo que é manifestamente ilegal; é também a sua aceitação, o seu conformismo (expresso há sete anos, mas que, tanto quanto sabemos, ele não alterou) em relação ao papel secundário, submissivo, de Portugal em relação a outro país. É esta a atitude, o comportamento, que se espera de um Chefe de Estado?

    1. Nesta matéria, pelo menos, Martelo não revela “conformismo”. Pelo contrário, não apenas é militantemente acordista como “exige” que Portugal inteiro seja também “militante”. Não refere expressamente a palavra “ortográfico” mas percebe-se logo a que “acordo” ele se refere (em Junho de 2015, já não em Maio de 2008).

      «Lusofonia exige “acordo militante” em Portugal, defende Marcelo Rebelo de Sousa »

      http://portocanal.sapo.pt/noticia/62415

Comments are closed.