Galiza: ontem e hoje de um genocídio linguístico – VI [por Bento S. Tápia]

Boats in Minho river in Vila Nova de Cerveira, Portugal.jpg

Objectivos do poder

Até agora temos visto, ainda que dentro das naturais limitações deste trabalho, como os sucessivos governos autonómicos galegos têm praticado uma política que visa a perpetuação da situação de menoscabo histórico do nosso Idioma na Galiza. Hoje, não só se continua esta política com a maior das agressividades como se quer legitimar o castrapo galego-castelhano em todos os meios e níveis: sucessão ininterrupta de prémios literários a castrapeiros, prémio de tradução literária da Bíblia em castrapo, admissão do galego-castelhano como idioma de trabalho nas instituições europeias, etc.

Parte muito importante dos projectos dos governantes autonómicos galegos tem sido o labor de infiltração e “castrapeirização” de Portugal, especialmente intensa desde o acesso à presidência da Galiza de Manuel Fraga Iribarne (1989), outrora censor e perseguidor das línguas autóctones dos povos galego, basco e catalão. Os cada vez mais frequentes contactos e visitas a Portugal daquilo que podemos chamar o seu “circo castrapeiro” de teóricos escritores e intelectuais galegos inseriram-se no nunca esquecido projecto espanhol de castelhanizar o país irmão da Galiza; e não só castelhanizar, mas também partir e dividir, aliciando estranhos e suspeitos projectos como o de colaboração “Galicia-Región norte de Portugal”; tal projecto económico, irmão de outros que vão dividindo Portugal em regiões económicas, fazem-nos lembrar outras divisões de Portugal projectadas desde a Espanha, como as contempladas no tristemente célebre Tratado de Fontainebleau de 1807.

Castelhanizar Portugal é elemento indispensável para que a nossa entranhável Terra que se estende do Cantábrico até ao Algarve acabe desaparecendo como conjunto com identidade própria da face do planeta; também serve para que o Portugal oficial cale e outorgue perante o que está a passar na Galiza, na Terra-Mãe, sem preocupar-se responsavelmente pela sorte da sua Língua e Cultura ali onde elas nasceram. A invasão dos meios de comunicação social em espanhol em Portugal (sem contrapartida na Galiza e muito menos na Espanha com os meios de comunicação social portugueses), é também parte deste projecto. Lembremos aquele que foi episódio especialmente grotesco: a assinatura de um convénio para leccionar na Universidade Nova de Lisboa o castrapo ou galego-castelhano imposto à força na Galiza. Assim, os portugueses já podem conhecer como escrever o seu idioma com o sistema ortográfico e morfológico do espanhol, labor abençoado pelas instituições oficiais portuguesas que nem sequer exigem a contrapartida natural nestes casos, como seria a igualdade de condições na Galiza para com aqueles que querem utilizar o código ortográfico português.

Muito dolorosos foram para os galegos que defendem a sua identidade como Nação, a sua Língua e a sua Cultura, os reconhecimentos do Portugal oficial ao presidente Fraga Iribarne, reconhecimentos que vão desde Câmaras Municipais como a de Chaves até o outorgamento da máxima condecoração portuguesa, a Ordem de Cristo. Pouco antes de ganhar as suas primeiras eleições em 1989, em entrevista concedida ao jornal santiaguês EL CORREO GALLEGO, qualificava o senhor Fraga de “asquerosos” os defensores do reintegracionismo linguístico e dizia que a nossa Língua era apta só para falar com os amigos jogando ao dominó, do qual o senhor Fraga é consumado especialista, e não era adequada para falar de temas cultos e elevados; ideologia esta com a que foi coerente desde a sua chegada ao poder na Galiza até ao ano de 2005; nesses 16 anos, a política cultural do governo galego tem convertido em noites escuras e sinistras os dias do nosso Idioma na Galiza. Lembremos também como o mesmo senhor Fraga motejou burlescamente de “portuguesa” a uma deputada nacionalista galega no Parlamento autonómico; naturalmente, em Portugal o discurso do senhor Fraga Iribarne é completamente diferente, em harmonia com o que foi sempre a sua atitude camaleónica e que tem permitido sobreviver a tantos avatares políticos a quem no seu dia foi ministro da ditadura franquista assinando, como tal, diversas penas de morte. Em Portugal falou de “vizinhos que temos basicamente a mesma língua”, sem mencionar que a norte do Minho a instituição que ele presidia era responsável pelo constante retrocesso dessa Língua que procurava marginalizar. Portanto, atenção a essas demonstrações de camaradagem e colaboração com Portugal, verdadeiros beijos de Judas para vender Galiza e Portugal ao poder espanhol. Também não foi fácil desde 1989 a existência na Galiza das organizações e associações reintegracionistas, já que o poder oficial buscou asfixiá-las economicamente e silenciar todas as opiniões dos seus membros.

O senhor Fraga foi pois digno continuador de si próprio (quando, como Ministro da Ditadura de Franco protagonizou a perseguição às Línguas de Galiza, Catalunha e Euskadi) e da política e praxe dos anteriores governos galegos, todos eles inimigos de toda e qualquer via reintegracionista. E desde que em 2005 teve de deixar a Presidência da autonomia galega quando os eleitores não lhe renovaram a sua maioria absoluta, nada de essencial tem mudado nos governos que se lhe seguiram, o primeiro deles uma coligação entre os socialistas espanholistas do PSOE e os nacionalistas autonomistas do Bloco Nacionalista Galego (2005-2009), e desde esta última data, do mesmo Partido Popular ao qual pertencia o ministro franquista.

E qual a atitude do Portugal oficial? Pois não outra do que premiar o labor de genocídio linguístico e cultural na sua pátria de origem, Galiza, recompensando uma personagem simbólica em tal prática; contudo, não valorizemos em excesso a figura de Fraga Iribarne nem a dos seus sucessores em tal iníqua tarefa, vejamo-las nos seus justos limites de testas-de-ferro de um poder centralista que procura a eliminação da identidade dos povos periféricos do estado espanhol. E, para tais propósitos, não esqueçamos que a Galiza é a nacionalidade mais perigosa porque tem algo que nem a Catalunha nem Euskalherria têm: Portugal. Destruir e diluir a identidade de Galiza só é possível se ao mesmo tempo se paralisa mortiferamente Portugal através de miragens e promessas enganadoras; reflecte isto uma mentalidade omnipresente através dos séculos nos poderes espanhóis: a de olhar Portugal como um acidente histórico que tarde ou cedo terá de ser “corrigido” e reabsorvido para realizar a “sagrada unidade peninsular”.

Castelhanizar pela força o português da Galiza, com as resistências que isso acarreta nos galegos conscientes e a confusão e pluralidade de normativas habituais desde 1982, só pode ter como propósito promover dificuldades de toda a classe no uso da Língua escrita, evitando qualquer verdadeira possibilidade de normalização e recuperação linguístico-cultural da Galiza, anulando a afirmação da nossa identidade diferenciada a respeito de Espanha. O seu significado profundo é bem evidente, a pouco que o pensemos, e localiza-se em vários aspectos que podemos resumir em:
a) Ataque à nossa tradição e às nossas raízes como possuidores de uma Língua escrita, com tradição histórica e cultural, nascida do Latim.
b) Ataque à presença de Galiza à sua área cultural e linguística, impedindo a normal inter-relação com ela.
c) Ataque à normalização absoluta plena e à recuperação para a Galiza de um idioma universal, com 200 milhões de utentes nos cinco continentes, o que daria garantias de êxito em dois planos: a eliminação das consequências nefastas de tantos anos de língua ágrafa, e a sobrevivência do idioma num mundo cada vez mais ameaçador para as línguas minorizadas, por ser homogeneizador e uniformizante.
d) Ataque à possibilidade de recuperar a memória histórica e a identidade galegas, já que Portugal e o português são a concretização da Galiza livre e soberana, que resistiu ao poderio e à pressão de Castela. Olhar para Portugal e para a Língua portuguesa é olhar para nós próprios, para o que teria sido a nossa Terra e com ela nós, os galegos, como Povo livre e criador sem a incorporação a Castela; com tal forçada união, a Galiza foi perdendo as manifestações originais da sua cultura.

Tudo isto é o que persegue o poder hegemónico na Galiza, disfarçando o idioma com uma grafia alheia, com as inevitáveis consequências que isso pode trazer a longo prazo; e é que à castelhanização gráfica acompanha o avulgaramento e a folclorização da Língua, o que conduz inevitavelmente à sua maior deturpação, ao seu esmorecimento e, finalmente, ao seu desaparecimento como Língua e cultura e como língua viva.


Imagem de topo: O rio Minho em Vila Nova de Cerveira. De User:Iago PilladoObra própria, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=6112905

Capítulos anteriores:
I – Introdução
II – Breve história da nossa língua na Galiza
III – A História da “normalização” da língua da Galiza
IV – Considerações teóricas sobre os mecanismos de pressão do Poder
V – Da teoria à prática

Print Friendly, PDF & Email