Espeleologia do Paleiolítico

http://pgl.gal/xxii-coloquio-da-lusofonia-decorrera-em-setembro-em-seia/Sucedem-se as notícias sobre o “potencial económico da língua“, essa inacreditável invenção que se baseia num mirabolante “universo de 340 a 400 milhões de falantes lusófonos“.

Por mero acaso, por extraordinária coincidência, esta colossal patranha apenas ocorreu a meia dúzia de iluminados quando outra meia dúzia impingiu à força o AO90 aos tais “340 a 400 milhões“.

É de tal forma evidente este nexo de causalidade que nem carece a coisa de grandes ou detalhadas explicações: basta saber ler, digo eu, e conseguir discernir alguma coisinha de entre o emaranhado paleio neo-colonialista, neo-imperialista e, em suma, neo-neanderthal.

Por exemplo, aqui vão dois textos, um mais noticioso (mais neolítico, digamos), o outro mais na base do paleio (do paleiolítico, portanto), publicados com poucos dias de intervalo.

Esmiucemos os dois nacos de prosa simplesmente lendo-os em sequência, um atrás do outro. Entre ambos (o paleiolítico e o neolítico) nota-se perfeitamente o tal nexo de causalidade: as grandiloquências de um servem de respaldo verborreico aos grandes negócios de que fala o outro.

E tudo à custa de uma língua lascada. A deles.

 

jn_default_imgA minha língua na tua

Afonso Camões, Director

05 Junho 2016

Olhemos o planisfério à procura de laços. Aí está. Há pelo menos uma nação no Mundo cuja capital está em cinco continentes: é a língua portuguesa, património comum de sete estados soberanos, adoçada e declinada com diferentes acentos e musicalidades em cada ponto da cartografia onde espetamos o alfinete de cabeça colorida.

Assim é, desta pontinha na Europa ao Brasil, de Cabo Verde a São Tomé, Angola e Moçambique, e também Timor. Podemos espetar ainda outro em Macau, onde o português, apesar de ser usado por uma minoria, partilha com o mandarim o estatuto de língua oficial.

Se isto não é mercado, onde é que está o mercado? Porque será que, em poucos anos, a língua portuguesa já é ensinada em quase duas dezenas de universidades chinesas? A resposta é de previsão estatística e vem-nos da UNESCO: até 2050, haverá entre 340 e 400 milhões de falantes lusófonos. E aqui, o sábio olho chinês para o mercado revela visão rasgada sobre o Mundo e o incerto futuro.

É que a língua portuguesa, tradicionalmente de cultura e diplomacia, pode e deve voltar a assumir a condição de língua global de comércio, como o foi no período da primeira globalização, com os Descobrimentos. A miragem imperial dissolveu-se há muito. Mas o português já é a quarta língua mais utilizada na Internet, a terceira mais utilizada no Facebook e no Twitter, e o poder económico do mundo lusófono, em crescimento, já representa 4% da riqueza mundial.

Não se percebe, a esta luz, que passados 20 anos, assinalados em breve, sobre a criação da CPLP não haja uma verdadeira aposta recíproca em transformar a geografia lusófona num verdadeiro mercado comum, facilitador de transacções e de livre circulação, pondo termo a esse negócio hipócrita e corrupto que se esconde por detrás da teia burocrática e da concessão de vistos para viagens ou comércio.

Numa comunidade de estados soberanos vigora o princípio da reciprocidade. Pelo que o ónus destes atavismos é de cada um e de todos os sócios, a começar por nós. Nas vésperas de um 10 de Junho que o presidente Marcelo leva pela primeira vez para fora de Portugal, para homenagear a nossa diáspora, e a poucos dias do 20.º aniversário da CPLP, é dever dos nossos políticos valorizar a língua como activo verdadeiramente estratégico, com futuro.

Que importa se é fado ou mandó, morna ou marrabenta? Pode até ser samba, cantado por Caetano: não deixemos “estes portugais morrerem à míngua, minha pátria é minha língua” (…) eu gosto de sentir a minha língua roçar a língua de Camões”. O outro, claro.

————-

Leia mais: A minha língua na tua http://www.jn.pt/opiniao/afonso-camoes/interior/a-minha-lingua-na-tua-5211507.html#ixzz4CzX2YHkE
Follow us: jornalnoticias on Facebook

[Destaques e sublinhados meus. Adicionei “links”.]

 

noticiasminuto_logoChina diz que Portugal aguarda investimento chinês em diversos sectores

O Governo português “está a aguardar” a participação de empresas chinesas em diversos sectores, segundo um comunicado do Instituto da Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM) hoje divulgado.

“Notícias ao Minuto”, 26/06/16 – Lusa

O instituto levou na semana passada a Lisboa e ao Porto 30 empresários do designado “Grupo 9+2”, que engloba nove regiões chinesas, Macau e Hong Kong, que formam a Região do Pan-Delta do Rio das Pérolas, para impulsionar “o intercâmbio e a cooperação”.

Na passagem por Lisboa, os empresários encontraram-se com o embaixador da China, Cai Run, que, segundo o mesmo comunicado, “sublinhou que o Governo português está a aguardar a participação das empresas chinesas nos sectores de energia, serviços financeiros, seguros, medicina, preservação da saúde, negócios marítimos, agrícola, infraestruturas e cooperação na capacidade de produção“.

O embaixador incentivou, ainda, os empresários chineses a participarem no seminário de promoção do investimento em Portugal que terá lugar em Novembro e afirmou que considera Portugal uma “terra de maravilhas, dotada de excelente localização geográfica”.

Os empresários do “Grupo 9+2” estiveram num seminário com representantes de 30 empresas portuguesas e visitaram “empresas avançadas”, da área dos transportes e “negócios marinhos”, lê-se no mesmo texto.

Nesse seminário, o presidente do IPIM, Jackson Chang, “observou que Portugal e Macau têm profundas raízes históricas, sendo cada vez mais frequente a cooperação”, e revelou que em 2015 o comércio bilateral superou os 35 milhões de dólares norte-americanos, um aumento de 11,8%.

Sempre segundo o mesmo comunicado, Jackson Chang lembrou que Pequim deu a Macau a missão de ser a ponte entre a China e os países de língua portuguesa, no âmbito da cooperação económica, e garantiu que a região está “a implementar com dinamismo” os designados “três centros” (de serviços comerciais para as pequenas e médias empresas chinesas e lusófonas; de distribuição de produtos alimentares da lusofonia; e para convenções e exposições das partes envolvidas).

“Existem boas razões para crer que foram já criadas condições para as empresas de Portugal, Macau e da Região do Pan-Delta do Rio das Pérolas colaborarem estreitamente, com vista a explorar oportunidades de negócio”, lê-se no texto.

Noutro encontro, Jackson Chang convidou a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) a incentivar a organização de delegações de empresários portugueses para participarem na edição deste ano da Feira Internacional de Macau (MIF, na sigla em inglês) e no conferência ministerial do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, conhecido como “Fórum Macau”, que se realiza este ano, em Macau.

A China estabeleceu a Região Administrativa Especial de Macau como a sua plataforma para o reforço da cooperação económica e comercial com os países de língua portuguesa em 2003, ano em que foi criado o Fórum Macau, que tem um Secretariado Permanente e reúne ao nível ministerial de três em três anos.

————-

Source: Noticias ao Minuto – China diz que Portugal aguarda investimento chinês em diversos sectores

[Destaques e sublinhados meus. Adicionei “links”.]

Print Friendly, PDF & Email