«Dizer que o Brasil cedeu alguma coisa é de uma hipocrisia total» [Artur Anselmo, “Público”]

Entrevista
Nuno Pacheco
12 de Dezembro de 2016, 7:31

“Dizer que o Brasil cedeu alguma coisa é de uma hipocrisia total”

Artur Anselmo defende que o respeito pelas normas de cada país é essencial para um bom entendimento em matéria ortográfica: um mesmo sistema, o da Língua Portuguesa, e várias normas, consoante os países a que digam respeito. E isto dispensaria um acordo.

——————

Nos anos 60, achava-se que uma deriva brasileira faria com que o Português no Brasil passasse a chamar-se Brasileiro. Foi esse medo que levou ao acordo de 90?

Isso é também o que diz o Dr. Santana Lopes. Mas as coisas estão clarificadas desde 1963, quando Celso Cunha publicou o famoso livrinho intitulado Língua Portuguesa e Realidade Brasileira, onde pela primeira vez aparece a sistematização muito completa entre sistema, norma e fala. E ele é o primeiro que diz: no Brasil fala-se o Português da norma brasileira! Por isso é que o nosso próximo colóquio se vai chamar Língua, Norma e Fala. Que é para nós nos entendermos.

Mas ao encararmos isso dessa maneira, um acordo torna-se inútil…

Completamente. Não podemos pensar que estamos a descobrir a pólvora. Os ingleses já a descobriram e os espanhóis também. Porque é que nem os ingleses nem os espanhóis (e os franceses muito menos, nesses então há um orgulho nacional que suplanta tudo) têm um acordo ortográfico? Há um sistema que é o mesmo. Depois há as normas, e as normas vão tanto mais longe quanto maior for a fundamentação e a autonomia cultural de cada povo. O caso brasileiro começa em 1922, com a Semana de Arte Moderna, em que pela primeira vez, na peugada do que Ronald de Carvalho tinha feito no tempo do Orpheu, a elite brasileira diz: nós somos nós e não nos venham falar em Portugal.

O vocabulário brasileiro corrente é, aliás, muito diferente do português.

Mas isso é enriquecedor. Nunca percebi, por exemplo, porque é que Portugal silenciou o acto de independência cultural de Cabo Verde quando disse que iam ensinar o crioulo. Os portugueses deviam ter ficado satisfeitíssimos, por darem origem a uma nova língua. Mas não. Um povo que chama “o Camões” ao Instituto Camões é um povo que perdeu a dignidade. E essa gente d’“o Camões” está a passar uma mensagem perfeitamente utópica, irrealista, que não vai conduzir a nada senão à maior confusão. Que respeito tem merecido a Portugal a atitude angolana? Ora eles todos os dias inventam uma nova palavra, está-se a passar com Angola o que se passou com o Brasil. E nós continuamos a falar destas coisas como se o mundo tivesse parado.

No Brasil, um dos paladinos do acordo, Evanildo Bechara, escreveu que ele iria reduzir o custo da produção dos livros, facilitar a difusão bibliográfica e de novas tecnologias e aproximar as nações. Este acordo permite isso?

Não. Acho que isso é conversa fiada. São balelas. É balofo, vazio. Aliás, a esmagadora maioria da intelectualidade brasileira não aderiu. O Brasil, digo-o da minha experiência, não é um país que possa ser analisado com visões de tipo europeísta. O Brasil não vai cumprir seja o que for que não lhe interesse. Dizer que o Brasil cedeu alguma coisa é de uma hipocrisia total. Continua a pôr o acento em “assembléia”, em “idéia”…

Mas era importante que cedesse?

Não. Quando eu dei aulas no Brasil, escrevia à minha mulher em português europeu e fazia os testes em português do Brasil. Por isso é que essa tal utopia é uma falta de respeito pelas diferenças naturais que existem nos vários países de língua portuguesa. Nós falamos aqui em renovação do léxico, mas também podemos falar em problemas de ortofonia. A maneira de dizer as coisas tem muito a ver com a ortografia. Veja o que se passou com a palavra “prégão”, do latim praedicare, agora só se diz “pregão”, como se fosse um prego grande… No outro dia, uma ex-ministra da Cultura disse “sêrvo” em lugar de “sérvo”, portanto o cervo, de veado, invadiu o terreno dos servos de gleba!

Isso reconduz-nos à relevância da etimologia, não?

Claro, a etimologia faz falta. Porque é que nós, hoje, já dizemos “alcoolemia” em vez de “alcoolémia”? Porque os helenistas bateram-se pelo respeito pela etimologia! Também devíamos dizer “septicemia”, em vez de dizermos “septicémia”…

Source: “Dizer que o Brasil cedeu alguma coisa é de uma hipocrisia total” – PÚBLICO. Acrescentei “links” e destaques.

Print Friendly, PDF & Email
Share