Apartado 53

Um blog contra o AO90 e outros detritos

Dia: 10 de Fevereiro, 2017

«O desacordo ortográfico» [Fernando Sobral, “Jornal de Negócios”]

.

O desacordo ortográfico

Fernando Sobral

07 de Fevereiro de 2017

Sabe-se que o chamado AO foi o fruto de uma conjugação astral de interesses: o económico (de alguns editores de livros estruturantes), académico (de sábios que queriam ficar na História) e de políticos (que acharam que estavam a criar um novo Renascimento).

————-

Caetano Veloso escreveu uma das coisas mais bonitas sobre a língua portuguesa. Não era uma canção. Era simplesmente uma frase: “Assim, amar a língua portuguesa é amar sua capacidade como instrumento universal: falar português é livrar-se da prisão do português.” O acordo ortográfico (o célebre AO90) amarrou a língua portuguesa a âncoras demasiado pesadas e idiotas. Ao querer criar mínimos denominadores comuns inventou alarvidades gritantes. Não uniu os países que falam a língua portuguesa: criou o caos total. Instituído o pandemónio, já que o acordo é cumprido por quem quer, a classe política, que nesse aspecto é tão limitada como os chamados sábios que quiseram criar o monstro das bolachas em que se tornou o denominado acordo, assinou de cruz. E agora diz que, contra factos, não há argumentos.

A deputada socialista Gabriela Canavilhas, em declarações ao Público é o sinal desta patuscada política: “Não pode haver iniciativas unilaterais por parte de país nenhum, e espero que o presidente da Academia tenha articulado a sua posição com as academias de outros países e com o Instituto Internacional da Língua Portuguesa, que tem a seu cargo a elaboração do Vocabulário Ortográfico Comum, que é a sede própria para se estabelecer alterações ao Acordo.” Como? É nestes momentos que se percebe como funciona alguma elite nacional, o que impede que qualquer lógica de bom senso triunfe: as normas burocráticas são o labirinto que impossibilita qualquer mudança.

Sabe-se que o chamado AO foi o fruto de uma conjugação astral de interesses: o económico (de alguns editores de livros estruturantes), académico (de sábios que queriam ficar na História) e de políticos (que acharam que estavam a criar um novo Renascimento). O resultado foram coisas ridículas como transformar “alto e pára o baile” em “alto e para o baile”. Ao mesmo tempo criou-se um problema acrescido a países como Angola, ainda numa fase de solidificação da língua portuguesa, dando-lhe mais instabilidade. O AO90 é uma praga. Precisa de ser aniquilado de vez.

[Transcrição de “O desacordo ortográfico”, Fernando Sobral, Jornal de Negócios. “Links” e destaques meus.]

Share
Apartado 53 © 2017 Frontier Theme