Apartado 53

Um blog contra o AO90 e outros detritos

Viva o Português de Angola!


(…) uma nova realidade linguística em Angola, a que chamamos “português de Angola” ou “angolano”, à semelhança do que aconteceu ao brasileiro ou ao crioulo. Embora em estado embrionário, o “angolano” apresenta já especificidades próprias (…). Pensamos que, no nosso país, o “português de Angola” sobrepor-se-á ao “português padrão” como língua segunda dos Angolanos.
Amélia Mingas

Nota 1: como se vê pelas duas amostras antecedentes, os acordistas não se atrevem a estropiar as páginas de ou sobre Angola.
Nota 2: decidi não corrigir “rectificação”. É uma bela de uma gralha, não pentelhemos, até porque não significa seja o que for. O que tem significado nesta notícia, isso sim, é a expressão “ou não”. Treme, Malaca!

 

Acordo Ortográfico em discussão

Jornal de Angola – Online, 12.05.17

Os membros da Comissão Multissectorial para Rectificação do Acordo Ortográfico, com vista à sua ratificação, vão em breve apresentar ao Conselho de Ministros a posição sobre o processo, que vai ditar a adesão ou não ao acordo. 

—————–

Integrada pelo ministro da Educação, Pinda Simão, da Comunicação Social, José Luís de Matos, e da Administração do Território, Bornito de Sousa, além de técnicos e investigadores, a comissão analisou o trabalho da primeira fase do diagnóstico sobre a aplicação em Angola do Acordo Ortográfico de 1990. “Não é só Angola e Moçambique que não concluíram o processo”, disse a porta-voz da comissão, Paula Henriques, acrescentando que existem outros países que também não o concluíram.

“O processo não é linear e em função de cada uma das nossas realidades, vamos fazer a devida análise e ver os prós e contras até à decisão final”, sublinhou Paula Henriques, que acrescentou que a questão não é se Angola avança ou não com a adopção do acordo ortográfico. O fundamental, explicou, é ver até que ponto pode ou não ser viável a sua aplicação nas escolas. Paula Henrique esclareceu que nenhuma escola angolana adoptou o Acordo Ortográfico até agora e explicou que apesar de o país não ter adoptado o acordo, tal não pressupõe que esteja à margem dos ditames normativos ou da Lei. “Não adoptámos o acordo ortográfico de 1990, mas continuamos a utilizar o de 1945, que é também uma Lei, ainda em vigor”, sublinhou Paula Henrique. Na reunião de ontem, a segunda, os membros fizeram o balanço das actividades realizadas e analisaram o relatório dos trabalhos técnicos e fizeram o diagnóstico da aplicação do acordo ortográfico nas escolas.

A reunião avaliou o Relatório das Actividades 2006-2017 e prestou informação sobre os documentos produzidos pelas instituições, protótipo das bases de dados, antroponímia, toponímia e vocabulário ortográfico nacional.

Fonte: Acordo Ortográfico em discussão | Política | Jornal de Angola – Online

Print Friendly, PDF & Email
Share
Apartado 53 © 2017 Frontier Theme