Dia: 5 de Outubro, 2017

«Acordo para quê?» [Teolinda Gersão, no Brasil]

«Na edição apresentada no Brasil, entretanto, o texto segue o chamado “português de Portugal”, sem padronização do acordo ortográfico. Teolinda, historicamente, se posiciona contra a universalização da escrita da língua portuguesa. Na entrevista dada ao O POVO, ela chega a questionar com ênfase: “acordo para quê?”. “A língua portuguesa admite variantes, o que só a enriquece. Todos os países lusófonos são soberanos e donos da língua, que é a mesma, mas cada um a usa ao seu modo. A ideia de uniformizar a língua só criou confusão, porque as variantes não são uniformizáveis. Felizmente. Além disso, entendemos tudo”, explica Teolinda.»

Teolinda Gersão vem a Fortaleza para lançar A Cidade de Ulisses

Premiada escritora portuguesa estará em Fortaleza hoje para lançar o livro A Cidade de Ulisses. Evento será na Academia Cearense de Letras, no Centro

Uma das escritoras portuguesas de maior destaque na atualidade atravessou o oceano e estará em Fortaleza hoje para lançamento do livro A Cidade de Ulisses. Teolinda Gersão – professora universitária, vencedora de diversos prêmios literários e autora de uma dezena de livros – participa de encontro com o público na Academia Cearense de Letras. “É muito difícil atravessar o Atlântico. Sobretudo no sentido Portugal-Brasil. No sentido inverso é mais fácil…”, diz a escritora, que tem no currículo prêmios como o Fernando Namora (1999), o Ficção do Pen Club (1981 e 1989) e o Vergílio Ferreira (2016).

Em A Cidade de Ulisses Teolinda conta a história de amor entre os personagens Paulo Vaz e Cecília Branco, cruzando a narrativa com a história da fundação de Portugal. “A adesão do público tem sido enorme, e isso deixa-me muito feliz”, conta a escritora, em entrevista ao O POVO por email. Ela já passou por São Paulo, Belo Horizonte, Salvador, Petrópolis e Rio de Janeiro, encerrando a circulação brasileira em Fortaleza, capital mais próxima do território europeu.

(mais…)

Share

Se non è vero…

Este cartaz circula no Fakebook há cerca de uma semana. Vi-o pela primeira vez no “mural” respeitável de um não menos respeitável jornalista, facto que seria, em princípio, garantia suficiente de que a coisa é genuína.

Porém, como de costume, à cautela, fui tentar cruzar informação sobre o assunto e encontrei… zero! Apenas existe esta imagem mesmo, mais nada, nenhuma outra referência em texto, uma simples nota de rodapé ou a mais ínfima notícia.

O “português” macarrónico (ou seja, abrasileirado e com erros, passe a redundância) é também estranho e as gralhas, em número e em espécie, seguro indício de aldrabice. Não existe sequer menção a qualquer origem, autoria, entidade ou organização identificável por detrás de tão misterioso (e tenebroso) “evento”.

Isto não passará talvez de pura e dura manobra de contra-informação ou qualquer outro insondável mistério do género.

Enfim, no momento desta publicação a hora da “convocatória” já lá vai, era só o que faltava estar agora aqui fazendo propaganda a semelhante enormidade, mas fica o alerta — quanto mais não seja para memória futura.

Esta aparente brincadeira remete para algo que já se nos vai tornando assustadoramente familiar: há quem se dedique, com o beneplácito de entidades oficiais e perante a apatia geral, a arrancar pedaços do passado, a apagar episódios, marcos, factos, datas e personagens da nossa memória colectiva, assim como quem simplesmente risca, rasga, arranca páginas inteiras da História.

Pode bem suceder que tão inacreditável convocatória veicule a seguinte mensagem subliminar: “habituem-se…”

Share