Apartado 53

Um blog contra o AO90 e outros detritos

O AO90 na encruzilhada das escolhas

Carlos Reis, o mais seráfico dos sinistros acordistas, ou vice-versa, revela neste seu textículo — que o jornal “Público” por algum estranho motivo aceitou publicar em acordês  — até que inimaginável ponto pode chegar a desonestidade intelectual de um vendido aos interesses (dos) neo-imperialistas brasileiros. A verborreia que agora debita é não apenas uma espectacular demonstração de como pode ser despudorada e completamente desprovida de sentido a propaganda malaquenha, como também demonstra, em regra e formato, a sistemática, obsessiva, estuporada contradição em que chafurdam estes tipos.

Exercício elementar: contrastar, simplesmente eliminando ou trocando o tema em referência, o que ele debita (e bem) sobre “Os Maias” com o que ele não credita (e mal) sobre o AO90.

«Sob os véus da autonomia das escolas e da flexibilização curricular, o ME desce mais alguns furos na exigência formativa dos alunos; fazendo-o, abdica da responsabilidade de garantir que todos eles, não apenas os que frequentam escolas privadas de elite, têm acesso àquilo que de mais significativo existe na nossa história literária

«Uma pergunta que alguns modulam assim: o que fazer com esse incómodo elefante sentado na sala, para maçada de quantos preferem modos de vida amenos?»

«O assunto parece risível, mas é sério e terá consequências gravíssimas, como efeito de um atávico comportamento político em Portugal: o Governo quer marcar presença educativa; para tal, muda. Programas, metas, aprendizagens, critérios, seja o que for. Muda-se e não se pensa na estabilidade curricular, um factor relevante para ajudar a garantir uma formação harmoniosamente desenvolvida, mesmo sabendo-se que os currículos não são dogmas inamovíveis.»

«Primeiro tema: o cânone. Mesmo sendo esta uma matéria impopular, afirmo convictamente o seguinte: o Estado tem o dever de, como se faz noutros países, pensar um cânone de autores e de textos que estruture a Educação Literária no Ensino Secundário (é deste que estou a falar). Pensar um cânone não significa ditá-lo ex abrupto ou torná-lo coisa rígida; significa propô-lo, criar condições para que ele seja debatido e configurado, com base na tradição literária ortográfica, no seu diálogo com a nossa identidade e com os valores que presidem a uma sociedade tolerante, multicultural e descomplexada relativamente ao que herdou. E significa também conhecer o lastro de saber acumulado em torno da nossa literatura ortografia, com a certeza de que não está aqui em causa um corpus mastodôntico.»

Os Maias na encruzilhada das escolhas

Muitos alunos, por causa do “negócio” das Aprendizagens Essenciais, não terão a oportunidade de estudar o mais admirável romance da nossa literatura.

Carlos Reis
24 de Julho de 2018, 6:19

1. Quando entraram em vigor os actuais programas de Português do Ensino Secundário (ES), apoiei o que neles havia de reabilitação de um domínio curricular fundamental: o da Educação Literária. Havia razão para reparos, no tocante a escolhas de obras em alternativa, escolhas que, nalguns casos, me pareciam injustificadas; mas preferi (e sempre prefiro) valorizar o que se ganhava, em vez de criticar aquilo que me parecia discutível.

Com as Aprendizagens Essenciais postas à discussão pública pelo Ministério da Educação (ME), o caso muda de figura. Sob os véus da autonomia das escolas e da flexibilização curricular, o ME desce mais alguns furos na exigência formativa dos alunos; fazendo-o, abdica da responsabilidade de garantir que todos eles, não apenas os que frequentam escolas privadas de elite, têm acesso àquilo que de mais significativo existe na nossa história literária.

Veja-se o que está nas Aprendizagens Essenciais: “Estas aprendizagens repercutir-se-ão no projecto individual de leitura de cada aluno que desenvolverá o seu perfil de leitor a partir de uma selecção de leituras que negociará com o professor, tendo por referência não só o conjunto das obras que constitui referência para as actividades de educação literária (…) em aula mas também o Plano Nacional de Leitura.” Deixo de lado a duplicação da referência e observo isto: nos casos de Garrett, Herculano, Camilo, Eça, Antero e Cesário, o “negócio” faz-se com três autores, uma obra narrativa, um romance, seis poemas – e chega.

2. O assunto parece risível, mas é sério e terá consequências gravíssimas, como efeito de um atávico comportamento político em Portugal: o Governo quer marcar presença educativa; para tal, muda. Programas, metas, aprendizagens, critérios, seja o que for. Muda-se e não se pensa na estabilidade curricular, um factor relevante para ajudar a garantir uma formação harmoniosamente desenvolvida, mesmo sabendo-se que os currículos não são dogmas inamovíveis.

Mas não é disso que trato agora. Prefiro centrar-me em dois temas decisivos, para pôr a nu aquilo que considero crucial: a lógica das escolhas “negociadas” é perversa, estimula a facilidade e gera efeitos antidemocráticos.

3. Primeiro tema: o cânone. Mesmo sendo esta uma matéria impopular, afirmo convictamente o seguinte: o Estado tem o dever de, como se faz noutros países, pensar um cânone de autores e de textos que estruture a Educação Literária no Ensino Secundário (é deste que estou a falar). Pensar um cânone não significa ditá-lo ex abrupto ou torná-lo coisa rígida; significa propô-lo, criar condições para que ele seja debatido e configurado, com base na tradição literária, no seu diálogo com a nossa identidade e com os valores que presidem a uma sociedade tolerante, multicultural e descomplexada relativamente ao que herdou. E significa também conhecer o lastro de saber acumulado em torno da nossa literatura, com a certeza de que não está aqui em causa um corpus mastodôntico; numa literatura que infelizmente não tem a amplidão de outras, um cânone mínimo e consensual talvez não vá além de uma vintena de títulos e de autores. Esse cânone não consente negócios, exige reflexão e aquele “honesto estudo” que contraponho à simplificação do ensino.

4. Segundo tema: Os Maias. Para mim (e não só para mim), Os Maias são um elemento fundamental daquele cânone mínimo. É assustador pensar que o Estado aceita isto: muitos alunos do ES, por causa do “negócio” das Aprendizagens Essenciais, não terão a oportunidade de estudar o mais admirável romance da nossa literatura. Digo oportunidade e sublinho, porque, para mim, é disso que se trata e já expliquei porquê noutras alturas. Considero profundamente antidemocrático que o Estado, com a boa intenção da flexibilização curricular, prive jovens daquela oportunidade, até porque ela será, porventura, a única que muitos deles terão na vida – enquanto outros, sabe-se bem porquê, continuarão a beneficiar de conteúdos curriculares determinados por escolhas mais sérias.

Dir-se-á (e é verdade) que as escolhas já existiam. Pois então, no tocante ao cânone, não deveriam existir; a insistência num erro (eu considero-o tal, com o devido respeito) não legitima o seu alastramento. É isso que está a acontecer e não estou certo de que os motivos sejam nobres; de escolha em escolha, vão-se negociando conteúdos cada vez mais ligeiros e, sobretudo, menos incómodos para que se atinjam índices respeitáveis de sucesso escolar. E o argumento de que “os alunos não lêem” não colhe: ele traduz uma desistência inadmissível e uma intolerável quebra de confiança na competência dos professores e no seu empenhamento para motivarem os alunos. Melhor seria que o poder político (não apenas o actual) os aliviasse de tanto relatório, parecer, reunião, plataforma, formulário, avaliação e outras tarefas que prejudicam aquilo que é fundamental: ensinar com serenidade e estudar com tempo – coisa que um professor, em qualquer nível de ensino, deve fazer. Apetece perguntar: se um aluno de Matemática, de Física ou de Química não lê (ou seja: descuida certos conteúdos), o que se faz? Desiste-se e passa-se a coisas mais afáveis? E em Electrotecnia, escolhe-se entre corrente contínua e corrente alternada?

Fica muito por dizer, mas acrescento isto: o argumento de que os jovens podem conhecer Eça de Queirós lendo outros romances (esses já são legíveis?) é bem engendrado, mas não convence. Os Maias são o mais extraordinário romance da literatura portuguesa e neles está quase tudo o que Eça de Queirós nos legou: um admirável retrato literário da sociedade portuguesa do século XIX, personagens (incluindo tipos sociais) que nenhuma outra obra da nossa literatura foi capaz de conceber, uma densa reflexão, em clave ficcional, acerca da história, dos seus acidentes e do modo como os homens os vivem, uma tematização do tempo e da morte, da decadência e da memória como valores e sentidos que são parte de nós, em qualquer idade ou época. Tudo isso e também uma história de amor trágica, relatada com uma elevação que só os grandes escritores alcançam.

5. É isto que está a ser posto em causa, deslizando-se no plano inclinado da simplificação curricular. Digo-o com profunda melancolia, porque leio na literatura portuguesa (ou seja: não só n’Os Maias) uma insubstituível mensagem de interpelação da condição humana e de conhecimento de nós mesmos e dos outros. Quem pensar que há outras razões, além destas, para o que aqui deixo pode ficar com essas razões. Não as reclamarei.

O autor escreve segundo o novo Acordo Ortográfico[***]

Source: “Os Maias” na encruzilhada das escolhas | Opinião | PÚBLICO

[*** texto aqui corrigido automaticamente, por questões de higiene, pela solução Firefox contra o AO90 através da extensão FoxReplace do “browser”.]
[Imagem de topo: “recorte” de página wiki sobre o cromo.]

Print Friendly, PDF & Email
Share
Apartado 53 © 2017 Frontier Theme