Angola encerra embaixada junto da CPLP

Embaixada na CPLP fecha em Novembro

Adelina Inácio
“Jornal de Angola”, 11.09.18

O ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, anunciou ontem o encerramento de quatro embaixadas e quatro consulados até Novembro. Dentre as embaixadas, o ministro indicou as do México, Canadá, Grécia e da CPLP, que passa a ser coberta pela embaixada em Lisboa.

Em relação aos consultados, Manuel Augusto apontou as de  Durban(África do Sul), Frankfurt(Alemanha) , Faro (Portugal) e Califórnia (Estados Unidos da América). “Até Outubro e final de Novembro, algumas embaixadas e consulados vão ser encerrados. Estamos no processo de encerramento, estamos já a movimentar as pessoas e vamos fechar todo processo até Novembro”, garantiu o ministro.

O chefe da diplomacia angolana, que discursava na abertura do VII Conselho Consultivo do seu Ministério,  anunciou o encerramento da maior parte das  representações comerciais e reforçar as embaixadas com diplomatas que terão a missão de acompanhar os assuntos económicos.

“Vamos encerrar a maior parte das representações comerciais e reforçar as embaixadas com diplomatas que vão ter, como principal actividade, o acompanhamento dos assuntos económicos para corporizar este papel que está a ser reservado às missões  diplomáticas e consulares no quadro da diplomacia económica”, garantiu.

O ministro Manuel Augusto afirmou que as representações a serem encerradas têm sido “fonte de despesas, nalguns casos, e, em outros, fontes de conflitos com resultados zero”. O ministro, que  falou aos diplomatas sobre a nova dinâmica de organização e funcionamento das diversas áreas do sector, anunciou, igualmente, o processo de substituição e rotação de vários quadros responsáveis, com destaque para cônsules.

Manuel Augusto apontou oito pontos para a implementação das medidas relacionadas com a diversificação da economia e diplomacia económica , tendo destacado o aumento do volume de negócios e as condições de financiamento das Instituições Financeiras Internacionais, para concluir os projectos estruturantes em curso e implementar outros projectos de investimento público prioritários.

Entre outras acções,  Manuel Augusto apontou também o reforço da estratégia económica subjacente ao Programa de Apoio à Produção Nacional, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI), mobilizando a rede diplomática de Angola para promover os produtos e serviços nacionais, bem como as oportunidades de investimento no país.

Candidatura na UA
A promoção da candidatura de Angola para mais um mandato de dois ou três anos no Conselho de Paz e Segurança da União Africana, e considerar a possibilidade de uma das reuniões deste órgão realizar-se em Luanda, durante a presidência de Angola, tendo em conta os efeitos positivos para o prestígio do país e da política externa angolana, é igualmente outra medida apontada  pelo ministro para a implementação da diplomacia económica.

Diplomacia económica
O ministro lembrou aos embaixadores que é no Plano de Desenvolvimento Nacional onde estão definidas as linhas principais para a execução de uma diplomacia económica eficiente e proactiva, visando a atracção e captação do investimento privado estrangeiro, no âmbito da diversificação económica em curso no país.

Os diplomatas estão a analisar, até hoje, o alinhamento do Plano de Desenvolvimento Nacional  com a Política Externa, a Diplomacia Económica de Angola, a Geopolítica e Cobertura Regional, o Plano de Reforma e a nova visão para o Ministério das Relações Exteriores. Os participantes devem igualmente perspectivas novas acções para o próximo ano.

Manuel Augusto pediu a intensificação do diálogo político e diplomático global, equilibrado e regular e uma cooperação bilateral activa com a União Europeia, no âmbito do “Caminho Conjunto” sobre questões de interesse comum, nomeadamente paz e segurança, boa governação, direitos humanos, crescimento económico e desenvolvimento sustentável, entre outras.

A efectivação destas acções, disse,  requer maior atenção ao processo de conclusão e assinatura do Acordo de Promoção  e Protecção Recíproca de Investimento (APPRI) e do acordo para evitar a Dupla Tributação (ADT) com vários países interessados.

Segundo o ministro, isto permitirá criar um ambiente de negócios seguro e de confiança para a consolidação  das parcerias económicas e financeiras que garantam, de forma eficaz, a concretização dos programas e projectos do Executivo.

Manuel Augusto reconheceu que o sucesso da diplomacia económica depende, em grande medida, da criação, no plano interno, de condições concretas nos domínios da energia e águas, saneamento básico, desburocratização na administração pública, melhoria nos sectores da justiça, banca e finanças, bem como o repatriamento de capitais e dividendos.

O ministro adiantou também que a garantia dessas condições permitirá a captação de investimento estrangeiro, que deve contribuir para o processo de diversificação e desenvolvimento da economia, tendo como objectivo estratégico a industrialização de Angola.

Quanto à desburocratização, o ministro afirmou que  o processo de reformas internas deve prestar maior atenção à problemática da formação de quadros, a supressão e facilitação de vistos para homens de negócios, bem como a concessão de vistos de turismo para Angola.

Source: “Jornal de Angola”, 11.09.18
(Imagem de topo de: OPEC)

Angola vai encerrar embaixada junto da CPLP e consulado em Faro até Novembro

Observador/Agência Lusa, 10.09.18

Angola vai encerrar até Novembro a embaixada junto da sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, em Lisboa, e o consulado em Faro, disse o chefe da diplomacia angolana.

Angola vai encerrar até Novembro a embaixada junto da sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Lisboa, e o consulado em Faro , disse esta segunda-feira, em Luanda, o chefe da diplomacia angolana. Segundo Manuel Augusto, que falava à margem do VII Conselho Consultivo do Ministério das Relações Exteriores de Angola, que decorre até terça-feira, sob o lema “As Oportunidades e Desafios no Futuro”, o encerramento faz parte de uma lista de quatro missões diplomáticas e outros tantos consulados que, até Novembro serão fechados.

O ministro das Relações Exteriores angolanos lembrou que Luanda, face a constrangimentos económicos provocados pela crise que o país enfrenta, vai encerrar entre Outubro e Novembro as embaixadas no México, Canadá e Grécia e os consulados em Faro, Durban (África do Sul), Frankfurt (Alemanha) e Califórnia (Estados Unidos).

“Já estamos a movimentar as pessoas, pois isso tem a ver com a vida das pessoas, mas vamos fechar todo o processo até Novembro”, disse o ministro, salientando que a missão diplomática acreditada na sede da CPLP passará a ser coberta pela missão diplomática angolana em Lisboa. Quatro embaixadas e igual número de consulados serão encerradas em Novembro do corrente ano, pela República de Angola, anunciou nesta segunda-feira, em Luanda, o ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto.

O chefe da diplomacia angolana adiantou que, por outro lado, Angola vai construir uma nova chancelaria na Alemanha, projecto integrado no acordo-quadro de financiamento celebrado em 2016 entre o Governo angolano e o banco alemão KFW IPEX-Bank GMBH, no montante de 500 milhões de dólares (427,8 milhões de euros ao câmbio actual).

A 24 de Agosto deste ano, na sequência da visita oficial que efectuou à Alemanha, o Presidente angolano, João Lourenço, aprovou um decreto a entrega da empreitada à empresa alemã Ed Zublin AG Stuttgart, num valor próximo dos 12 milhões de euros. “Angola beneficiou de um financiamento, que aproveitou. Temos uma embaixada, uma chancelaria na Alemanha, e queremos enriquecer o nosso património. Tivemos essa possibilidade, aproveitou-se um financiamento e ao construirmos a nossa chancelaria, estamos também a aumentar o nosso património mobiliário no mundo, o que é sempre bom”, referiu.

No discurso de abertura da reunião do Conselho Consultivo do MIREX, Manuel Augusto defendeu a “urgência” na necessidade de se impor uma maior dinâmica na implementação de algumas sugestões e/ou perspectivas de redimensionamento da cobertura regional, através de um processo de redistribuição de certas missões diplomáticas e consulares. Tudo, prosseguiu, “com base em análises objectivas, para corrigir os desenquadramentos geopolíticos e geoestratégicos que se registam actualmente”, disse.

O Conselho Consultivo tem como vocação analisar as actividades desenvolvidas pelo ministério e perspectivar outras, no âmbito das competências de execução da política externa de Angola, estando na reunião a serem avaliados temas como, entre outros, “Diplomacia Económica de Angola”, “Geopolítica e Cobertura Regional”, “Plano de Reforma, Uma Nova Visão para o Ministério das Relações Exteriores”.

Source: Angola vai encerrar embaixada junto da CPLP e consulado em Faro até novembro – Observador

(A desortografia  abrasileirada do original  foi automaticamente corrigida pela solução Firefox contra o AO90 através da extensão FoxReplace do “browser”.)

Print Friendly, PDF & Email
Share