Dia: 10 de Novembro, 2018

‘Téra Lonji’

N ben d’un téra lonji
D’un téra lonji di li
Dja N ten andádu mundu
Má N k’átxa un lugár sábi si
Nós é fidjus di rótxa
Ki Béntu-Lésti fulia na már
Déntu nós tudu é ilia
Kábu-Verdi, Kábu-Verdi
A-mi é fidju di rótxa
Ki Béntu-Lésti fulia na már
Déntu mi ten dés ilia
Kábu-Verdi, Kábu-Verdi
Palan só ta spéra txuba
Txiku, Nhéla ku ses uril
Tufuka dja bendi si pexi
Oji Bénta txiga Lisboua
Filisiánu txora sodádi
Beny gánha totobóla
Es vida é sima maré
La na nha Téra lonji
Laméntu di Povu foi txeu
Konsiénsia grita óra
I un di ses vós foi Kabral
Ku kada ánu ta nasi speránsa
Di odja azágua ben trás di simentera
Pa vida bai más suávi si, más dóxi si
Pa kada un ki kré es txon

Téra Lonji
Mayra Andrade
Letras (Br.)

“Olham-nos como se África fosse um só, guineenses ou angolanos, tudo o mesmo”

O ensino bilingue e a globalização “invadiram” uma discussão de políticas educativas no ISCTE, num congresso que terminou sexta-feira. Os exemplos de Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe foram o mote.

Nuno Pacheco
10 de Novembro de 2018

 

Depois da cooperação e do bilinguismo, as políticas educativas: a manhã do segundo dia do IV Congresso de Cooperação e Educação, que decorreu no ISCTE, em Lisboa, nos dias 8 e 9 de Novembro, reuniu em mesa-redonda especialistas de três países africanos para debater o tema. Arlindo Mendes Vieira (Cabo Verde), Geraldo Indeque (Guiné-Bissau) e José Carlos Aragão (são Tomé e Príncipe) traçaram, cada qual a seu modo, o cenário das políticas dos seus países, acabando por se falar de novo no bilinguismo e do papel das línguas nacionais.

Arlindo Vieira traçou um panorama histórico de Cabo Verde, recuando ao tempo colonial, passando pelos tempos do partido único e do seu “discurso político económico estatizante” para chegar ao período onde um discurso mais economicista acabou por se implantar, devido sobretudo à intervenção dos apoios externos (Banco Africano para o Desenvolvimento e Banco Mundial). Com uma Lei de Bases do Sistema Educativo desde 1990 e com reformas mais ao gosto dos programas internacionais (há hoje 10 universidades, um excesso para um universo de meio milhão da habitantes!) e “linguagens impostas pela globalização”, Cabo Verde está, afirmou, no “bom caminho porque é o menino obediente e segue as directivas.” Isto, no entanto, tem um preço. E ele apontou-o, nas conclusões: há uma “profunda crise de identidade ideológica”, atendendo menos às especificidades do país do que às exigência do mercado global, agravada pela “não-inclusão da nossa língua” (o crioulo) nos currículos.

Sem recuar tão demoradamente na história colonial e pré-independência, Geraldo Indeque lembrou, de passagem, os tempos em que se educava “o mínimo de pessoas necessário à manutenção do sistema colonial”, passando-se desse 8 ao 80 após a independência, com a tentativa de massificação do ensino. Sem meios internos, recorreu-se ao Banco Mundial e as receitas foram também globalizadas, impondo-se uma visão exterior que olha para África como se fosse um país e não um continente de muitos países com realidades diferentes. “Às vezes vem um pacote já experimentado em Moçambique, ou Angola, para tentar implementar na Guiné, como se África fosse um só, guineenses ou angolanos, tudo o mesmo.”

Dependente, em matéria de educação e respectivas infra-estruturas, de apoios externos (Portugal, Brasil, Rússia, Cuba, Marrocos, Argélia), a Guiné-Bissau gasta 97% do dinheiro destinado ao ensino em salários e apenas 3% ficam para investimento no sector. “Ou seja, não há investimento.

Com uma única universidade a tentar reerguer-se e com “problemas sérios” de alfabetização, a Guiné-Bissau tem, pelo menos, dois motivos recentes de contentamento, vindos das novas gerações. Geraldo Indeque disse que um grupo de jovens criou o primeiro robô guineense (capaz de levantar até 5 kg) e prometem apresentar o primeiro drone de fabrico nacional.

José Carlos Aragão preferiu centrar-se nos últimos 15 anos são-tomenses, até porque teria “muita dificuldade” em obter informações fidedignas dos períodos anteriores. Num país que acaba de sair de “eleições complicadas” e onde está, “neste momento, tudo em mudança”, a carta da política educativa e a própria Lei de Bases (datada de 2003) estão a ser revistas.

O que há de novo, na proposta desta última (ainda em apreciação)? Entre outras coisas, a introdução do ensino das línguas nacionais, que na véspera fora tema da intervenção de Filipe Zau (Angola) e que, segundo Aragão, “faz sentido também em São Tomé e Príncipe”, mas em ligação com a língua portuguesa. “Nós temos três crioulos autóctones. Há um quarto, mas este surgiu com os contratados que vinham de outras colónias [sobretudo de Cabo Verde]. E há situações em que os professores se vêem aflitos para chegar aos alunos. A forma de contornar essa situação tem sido o professor aprender o crioulo local. Nessa altura, a barreira cai e consegue-se um melhor entrosamento. Isto apesar de os números indicarem que em São Tomé a grande massa fala mais português do que os crioulos do país.” Para a introdução dos crioulos, todavia, há um trabalho que precisa de ser feito, porque não existem gramáticas.

Quanto aos resultados do sistema de ensino, também fruto de uma política globalizante, há dados contraditórios. As taxas de abandono, por exemplo, são muito reduzidas; mas em contrapartida as de retenção são muito elevadas. Isto num universo que tem crescido muito na última década. Do ano lectivo de 2006-2007 para o de 2016-2017, os alunos do básico aumentaram 66%, os do secundário 175% e os do superior 261%. Isto em 95 mil são-tomenses em idade escolar. É um problema, embora ele garanta que ninguém fica fora do ensino por causa disso. “É que não temos espaço para tanta gente, não temos tantas escolas assim.”

“Não há ensino adequado do português”

No período destinado a perguntas e respostas, houve uma intervenção que se destacou das restantes, a do padre e pedagogo italiano Luigi Scantamburlo, que desde 1975 trabalha em África e aí tem defendido, e aplicado, o ensino do crioulo como entrada para o português (num dos vários painéis do congresso, intitulado Aspirações vs. realidade na Língua de instrução, ele já apresentara, dia 8, uma comunicação intitulada Ensino-aprendizagem da língua portuguesa no projecto ensino bilingue português-crioulo guineense). Foi, pois, a partir da sua experiência na Guiné-Bissau que Luigi Scantamburlo interpelou a mesa:

“O Geraldo Indeque falou na política educativa e não nomeou o problema das línguas nacionais. Em 1979 foi decidido que havia escolha de quatro línguas nacionais: o crioulo, o fula, o mandinga e o balanta. E foram preparados textos. Em 1986 foi começado o Centro de Formação e Educação, com o crioulo. Depois foi suspenso em 1996. Em 1998 tomou corpo um projecto que vai ainda nas ilhas Bijagós e também encalhou. Porque não se fala disto, quando o ensino bilingue é a única maneira, para mim, que estou na educação desde 1975, para os alunos perceberem os conteúdos do ensino? Porque o português na Guiné-Bissau é uma vergonha, não se aprende, apesar dos Camões, das licenciaturas, disso tudo! Não há um ensino adequado do português. Uma pessoa aprende línguas através da própria língua materna, se há, ou de uma língua que conhece bem. Esta é a didáctica do mundo inteiro.”

Os resultados finais do IV Congresso de Cooperação e Educação, que durante dois dias juntou especialistas de vários países no ISCTE-IUL, em Lisboa, serão divulgados oportunamente.

[Artigo do jornal “Público”, 10.11.18 (versão “online”). Transcrição integral. “Links”  e destaques  meus. Imagem de rodapé de CoopEdu IV – CEI-IUL (Facebook).]

Share

«Manifesto pelo “Vós”» [Patrick Rocha, “Público”, 09.11.18]

 

Manifesto pelo “Vós”

Patrick Rocha
Guardador de tralha e membro de Ululatus Edições
Público” (online), 9 de Novembro de 2018

O uso de vós é considerado, por muitos linguistas inclusive, provinciano ou arcaico, por isso temos de falar todos à moda da capital, como se diz, e usar vocês em vez de vós, para não parecermos provincianos ou arcaicos.

 

Vós? Mas de que século/ região veio este moço?

O meu português é o português do meu avô, 24 horas por dia, e ele dirige-se à segunda pessoa plural do discurso com o pronome “vós”. Ele naturalmente conjuga todos os verbos na segunda pessoa do plural, isto é, vós ides, vós vindes, vós fostes, vós andastes; ele fala como os galegos que dizem vós (ou vosoutros), como os castelhanos que dizem vosotros, como os catalães que dizem vosaltres, como os franceses que dizem vous, como os italianos que dizem voi, ou como os romenos que também dizem voi. Isto para não mencionar os idiomas germânicos, eslavos ou o basco.

Só o português, entretanto, e ninguém sabe bem porquê, é que usa o pronome vocês (terceira pessoa plural) quando, na verdade, se dirige à segunda pessoa plural, e devia chamá-la vós. Porque o vós é só o plural semântico do tu. Quando há dois “tu”, para mim sois “vós”. Como no jogo da sueca: nós/ vós. Não sois “vocês” porque, quando não há dois “tu”, tu não és você. Não te trato por você, a não ser que seja você uma pessoa desconhecida ou a situação bastante formal, o que acontece nas melhores famílias. Isto em Portugal, claro. Estou a falar do português de Portugal, que ainda existe e resiste, todavia.

Tal, pesquisando esse fenómeno mais a fundo, querendo mesmo perceber o porquê de o português de Portugal ter expatriado o vós da comunicação do nosso quotidiano, dificilmente me deparei com uma explicação que não remeta para a questão da evolução da língua, o tal sistema pronominal do português, claro. Lê-se também que o uso de vós é considerado, por muitos linguistas inclusive, provinciano ou arcaico, por isso temos de falar todos à moda da capital, como se diz, e usar vocês em vez de vós, para não parecermos provincianos ou arcaicos (acontece exactamente a mesma coisa com o acordo ortográfico, só que o capital aqui está no Brasil).

Sem embargo, existem explicações no contexto da religião, sendo que nos dirigimos a deus na segunda pessoa plural (“Pai nosso, que estais no céu”), ou o padre a nós (“Rezai a deus, nosso senhor”) ou explicações no contexto da realeza, porque nos dirigíamos ao rei ou à rainha também na segunda pessoa plural (vossa majestade, vós estais muito bonito/a). Não encontrei uma explicação realmente linguística. Evolução: está fora de uso…

Mas não está fora de uso, garanto-vos. Está, de facto, em uso. Certas ilhas neste país, e não falo só das nortenhas, mantêm o uso de vós, quando vós sois dois “tu” e não dois “você”. A Estrada Nacional 2 é a minha testemunha. É uma outra forma, se não a forma correcta, de nos dirigirmos a duas ou mais pessoas num contexto de (tu, de nos tratarmos por tu, de ficarmos suave na nave na onda do tu, tu e eu, nós e vós, e podíamos deixar o/s você/s (existem filhos que tratam pais por você!) de vez e para sempre. Tanta formalidade inútil para quê? É que nem nos pronomes pessoais rectos o(s) você(s) aparece(m). Perceberam? Não? Mas percebestes.

[Transcrição integral de Manifesto pelo “Vós” , da autoria de Patrick Rocha. Público” (online), 9 de Novembro de 2018. Destaques meus. Imagem de topo: recorte de “interface” do “site” Conjuga-me.]

Share