Mês: Dezembro 2018

Dicionários em acordês? Servem nos “dabliúcês”!

Aviso higiénico

O artigo seguidamente transcrito contém falas, ditos e piadas (foleiras) que podem irritar gravemente as meninges das pessoas normais. A mais do que óbvia manobra publicitária para vender papel higiénico acordista (passe a redundância) pode, pela sua toxicidade, originar situações de agressividade nos mais susceptíveis. Não me responsabilizo por quaisquer danos que os leitores possam provocar, como consequência da leitura e em reacção (natural, compreensível) às insanidades ali regurgitadas, nos seus teclados, ecrãs de computador, cadeiras ou mesas de trabalho e demais utensílios de trabalho (ou lazer). Desta vez, em suma, o Governo não adverte coisa nenhuma, sou eu mesmo quem adverte o pessoal: pessoal, tenham lá calma, ok? Não se enervem. Como podem ver ali em cima, naquele anúncio, o papel higiénico de marca branca está caro, caríssimo, pela hora da morte. Haja poupança, com mil raios, salvemos umas árvores, ou assim, vamos lá dar alguma serventia ao papel acordista.

 

Dicionários em papel para quê? (e para quem?)

Dão-nos informação completa e de confiança e são instrumentos imprescindíveis para qualquer falante de uma língua, sobretudo em ambiente pedagógico. A Texto Editora lançou há pouco tempo o Dicionário da Língua Portuguesa — Léxico, Gramática, Prontuário. Para alunos, professores e para quem não se contenta com a superficialidade dos dicionários online.

Rita Pimenta (texto) e Miguel Feraso Cabral (ilustração)
“Público”, 30 de Dezembro de 2018

 

“Um bom dicionário em papel é o poema primitivo da língua”, diz a escritora Lídia Jorge. “Uma alegria”, segundo a editora e escritora Maria do Rosário Pedreira. “Um companheiro”, afirma o tradutor Francisco Agarez. Afirmações retiradas da divulgação pela Texto Editora do novo Dicionário da Língua Portuguesa.

“Verbetes”, “lexicografia” e “contexto frásico” fazem parte da linguagem específica dos dicionaristas. Há palavras “difíceis” no depoimento conjunto que Aldina Vaza e Emília Amor, autoras do recentemente lançado Dicionário da Língua Portuguesa — Léxico, Gramática, Prontuário (Texto Editora), nos fizeram chegar por correio electrónico. Caso escape ao leitor o significado de algum vocábulo ou expressão, sabe o que tem a fazer: consultar um dicionário. Em papel.

Porque é de linguistas que se trata, respeitámos[nota] a grafia escolhida por estas profissionais que há mais de 20 anos se dedicam a coligir e descodificar as palavras que nos ajudam a comunicar. Assim sendo, a prosa que surgir nas respostas segue o Acordo Ortográfico de 1990, a outra, não. Um espelho actual das letras portuguesas.

Mas comecemos pela resposta de Carmo Correia, directora de Edições Escolares da Leya (que integra a Texto), quando se lhe pergunta se ainda vale a pena publicar dicionários em papel. “Obviamente que sim. Os dicionários online disponibilizam habitualmente uma informação mais curta do que os dicionários em papel. E, sobretudo, são utilizados para uma consulta mais rápida, mais imediata. A existência deste dicionário em papel justifica-se por se tratar de uma obra que apresenta uma informação mais completa, para uma consulta menos superficial.”

Esta responsável informa que a tiragem inicial do dicionário foi de 2 mil exemplares e diz que quem compra dicionários em papel são “os professores, os alunos, os encarregados de educação, os profissionais da língua — jornalistas, escritores, tradutores, editores, … — e as pessoas que, de um modo geral, pretendem conhecer e usar correctamente a língua portuguesa”.

Carmo Correia diz ainda que “este dicionário tem uma vocação escolar assumida”. Pelo que “os programas e metas curriculares do ensino básico e do ensino secundário e o Dicionário Terminológico de Língua Portuguesa foram tidos em linha de conta na selecção de entradas do dicionário, para que esta obra corresponda às necessidades lexicais e de aprendizagem dos alunos”.

Damos agora voz às autoras Aldina Vaza e Emília Amor.

Este dicionário é para quem? 
A delimitação do público-alvo e a identificação das suas necessidades e interesses estão entre as preocupações dominantes de quem se propõe fazer um dicionário. O perfil desse público tem o papel de guia na produção de toda a obra, desde a definição da nomenclatura até aspectos como qualidade e tipologia das definições, exemplos, marcas de uso, etc.

Este dicionário, que se assume como de aprendizagem, tem como público-alvo privilegiado os alunos dos ensinos básico e secundário, mas, pelas suas características, serve também um público muito mais vasto, em que cabem todos os que usem a língua portuguesa como instrumento de estudo ou de trabalho e os que desejem aumentar os seus conhecimentos sobre a língua e esclarecer dúvidas sobre o seu bom uso.

Como é que se escolhe o que se “põe” num dicionário?
O que incluir num dicionário e como fazê-lo são outras das preocupações dominantes da actividade dicionarística. Para produzir um dicionário original, não basta socorrer-se de alguma da informação fornecida por outro(s) dicionário(s) já existente(s), acrescida de mais dados e efectuados os necessários ajustamentos. É preciso muito mais.

Um dicionário feito de raiz, original, impõe outro percurso: elaborar um corpus, ou recorrer a um já existente, mas reconstruindo-o e explorando-o de uma forma inovadora, com critérios e instrumentos adequados ao perfil do dicionário pretendido. Seleccionar uma lista de palavras (nomenclatura) que constitua a base de um dicionário de aprendizagem, como o nosso pretende ser, é um trabalho complexo e moroso. A nossa experiência testemunha-o.

(mais…)

Tribunal de contas

– Duas horas e um quarto! exclamou Taveira, que olhara o relógio. E eu aqui, empregado público, tendo deveres para com o Estado, logo às dez horas da manhã.
– Que diabo se faz no tribunal de contas? perguntou Carlos. Joga-se? Cavaqueia-se?
– Faz-se um bocado de tudo, para matar tempo… Até contas!

‘Os Maias’, Eça de Queirós

 

Palavras inventadas pelo AO90

Desde que Maria Regina Rocha avançou com uns números sobre “a falsa unidade ortográfica”, em Janeiro de 2013, passaram-se mais cinco longos e penosos anos de sistemática demolição da Língua Portuguesa. Aquele  estudo tinha por peça central uma contagem (“feita manualmente”, como honestamente refere a própria autora) com o objectivo de responder à seguinte dúvida: «quantas palavras se escreviam de forma diferente no Brasil em comparação com a forma como as mesmas palavras se escreviam em Portugal e nos restantes países de Língua Oficial Portuguesa antes do Acordo e depois do Acordo?»

Uma pergunta quiçá comprida para a qual parece ter com a dita contagem manual encontrado uma resposta mais ou menos do mesmo tamanho: «havia 2691 palavras que se escreviam de forma diferente e que se mantêm diferentes (por exemplo, ‘facto’ – ‘fato’), havia 569 palavras diferentes que se tornam iguais (por exemplo, ‘abstracto’ e ‘abstrato’ resultam em ‘abstrato’), e havia 1235 palavras iguais que se tornam diferentes.»

Tal estudo mai-los respectivos apuros tiveram suas repercussões, na verdade teve esse mérito, e alguns ecos do artigo foram reproduzidas aqui, neste modesta, pequenininha, irrelevante posta restante.

Embirrando, porém, solenemente, com falibilidades em geral e com contagens “feitas à mão” em particular, dediquei-me em Abril de 2017 a autopsiar as contas — as mesmas ossadas do cadáver depositado na morgue que é o “Portal da Língua Portuguesa” — utilizando ferramentas cirúrgicas (folha-de-cálculo) com fórmulas de análise e automatismos de sistematização; esta espécie de dissecação visou obter uma resposta concreta, estatisticamente sustentada, a uma outra pergunta: afinal, é verdade o que diz Bechara (e o que papagueiam outros aldrabões que tal), ou seja, «O Brasil cedeu mais do que Portugal no Acordo Ortográfico»?

A resposta consiste, evidentemente, em três letrinhas apenas: NÃO.

Três letrinhas essas que se expandiram exponencialmente, de caminho, com resultados sempre baseados em dados concretos e segundo cálculos algébricos, algoritmos segundo critérios lógicos, formulações sem qualquer pressuposto ou tendência. Do que resultou que de facto não, o Brasil não cedeu mais do que Portugal e não apenas não cedeu mais, como aquilo (em) que cedeu foi, exactamente, precisamente, rigorosamente… ZERO. O Brasil não cedeu absolutamente nada (nem em coisa nenhuma).

Em comum, o estudo de MRR, feito “à mão”, e o meu trabalho, feito “à máquina”, tiveram o facto de se basearem nos “dados” — pomposa designação para aquele amadorístico, manhoso, aldrabado amontoado de “entradas” — constantes do chamado “Vocabulário de[sic] Mudança“, uma parvoíce com que o Portal da Língua Portuguesa pretende enganar os incautos, satisfazer os vendidos, bajular os donos da Língua e, sobretudo, justificar o injustificável.

No entanto, se em comum têm a origem dos “dados”, as semelhanças entre os dois estudos ficam-se por aí. Em tudo o mais são radicalmente diferentes, ainda que resultem algumas coincidências e até uma, uma única similitude.

Afirma MRR: «Esta última situação é a mais aberrante: são 200 as palavras inventadas, que não existiam e passam a ser exclusivas da norma ortográfica em Portugal.»

Bem, este tirinho quase acertou em cheio na “mouche”. Não são 200, são 215 as palavras INVENTADAS pelo AO90.

215 palavras que antes do AO90 se escreviam exactamente da mesma forma no Brasil e em Portugal (e nos PALOP) mas que por via do AO90 — segundo a “lógica” «o que não se pronuncia não se escreve» — passam a ter duas grafias: no Brasil mantêm-se inalteradas, intactas, mas em Portugal (e nos PALOP) passam a escrever-se de forma que anteriormente não existia em lado algum.

As palavras INVENTADAS pelo AO90 são as seguintes:

aceção
acetor
adocianismo
adociano
adotação
afecional
afecionalidade
angietático
anorético
antártia
antasfítico
anticeticismo
anticético
anticoncecional
anticoncetivo
antiprático
antissético
aperceção
apercetibilidade
apercetível
apercetivo
apocaliticismo
apossético
aprático
artícola
assético
aurifatório
bronquetásico
cato
cardiorrético
cinorético
clidorrético
coatar
coátil
conceção
concecional
concecionário
concetaculífero
concetáculo
concetibilidade
concetismo
concetista
concetístico
concetiva
concetível
concetividade
concetivo
concetual
concetualismo
concetualista
concetualístico
concetualização
concetualizar
concetualmente
confeção
confecionador
confecionar
confecionável
conspeção
contraceção
contracetivo
contrarrutura
corretismo
corretivamente
deceção
dececionado
dececionante
dececionar
dececionável
decetivo
defeção
defetibilidade
defetível
defetividade
defetivo
defetório
defetuoso
desmorrético
deteção
eclítica
eclítico
exterocetivo
exterocetor
extratiforme
filocato
flitena
foteletrão
glitografia
hematossético
heterossético
impercetibilidade
impercetível
impercetivelmente
imperfetibilidade
imperfetível
imperfetivelmente
imperfetividade
imperfetivo
indefetibilidade
indefetível
indetetável
interceção
intercetação
intercetado
intercetador
intercetadora
intercetante
intercetar
intercetável
intercetivo
interceto
intercetor
intercetora
intercetório
interrutor
interrutora
intersetar
intusceção
intuspetivamente
intussusceção
iridorrético
melocato
metamorfótico
metapetina
metrorrético
multinfeção
olfação
oticometria
oticométrico
paralaticamente
penatisseto
perceção
percecionar
percecionismo
percecionista
percetibilidade
percetivamente
percetível
percetivelmente
percetividade
percetivo
perceto
percetual
perenção
perento
perentoriamente
perentoriedade
perentório
perfecional
perfecionismo
perfecionista
perfecionístico
perfetibilismo
perfetibilista
perfetibilizar
perfetivação
perfetível
perfetividade
perfetivo
perirretite
plasmorrético
polipletro
precetista
precetivamente
precetivo
precetor
precetora
precetorado
precetoral
precetoria
precetorial
preconceção
preconcetivo
propriocetivo
propriocetor
prospeção
pseudorrético
quimiorreceção
quimiorrecetividade
quimiorrecetivo
quimiorrecetor
radiorrecetor
receção
rececionado
rececionamento
rececionante
rececionar
rececionável
rececionista
recetação
recetacular
recetáculo
recetado
recetador
recetadora
recetar
recetibilidade
recetiva
recetível
recetividade
recetivo
recetor
recetora
recoleção
refetivo
refetório
rutura
seticidade
sético
subaceção
susceção
teledeteção
teledetetar
transcetor

Porém, se quanto à questão das invenções até andou lá perto, já quanto à outra afirmação — mais extensa, mais ao comprido — parece-me, peço humildemente perdão pelo atrevimento, que MRR se estendeu.

Não, não «havia 2691 palavras que se escreviam de forma diferente e que se mantêm diferentes (por exemplo, ‘facto’ – ‘fato’), havia 569 palavras diferentes que se tornam iguais (por exemplo, ‘abstracto’ e ‘abstrato’ resultam em ‘abstrato’), e havia 1235 palavras iguais que se tornam diferentes.»

Nada disso. Nem perto.

Como veremos.

[Imagem de topo de: “Oferta de Emprego“.]
[“post” revisto em 02.01.19 às 04:34.]

Lá foi

Uma coisa é o estilo, outra é a marca de cigarros. Esta pretendia ser uma (fumegante) homenagem àquele, mas nem o arquitectónico tributo salvou a marca, pela intenção, das chamas ateadas pela Nova Inquisição. Os velhos maços de “Português Suave”, com ou sem filtro (eu cá pelava-me por ambas as modalidades), foram amputados do segundo termo pelos crentes fanáticos da SLPC (Santa Linguagem Politicamente Correcta).

Pois então, lá diz o povo, não há duas sem três, ou que uma desgraça nunca vem só, chiça, que o povo é lixado, com a mesma designação temos agora algo bem mais modesto e que certamente não deixará marca, este artigalho sobre um livrinho da autoria de certo gajo porreiríssimo. Trau, tomai lá, portuguesitos, este é o ‘Lá Fora´, obra primorosa, não desfazendo, a qual tem toda a pinta de autobiografia ou será, no mínimo, não sei bem porque não li nem vou saber porque não faço (agora) tenções disso, uma espécie de auto-retrato.

Português suave“, a peça jornalística, é, de facto, laudatório título a condizer com o criador de “Lá Fora“, a criatura, pois assim deviam ser todos, suavezinhos e bonacheirões, uns barilaços que fazem questão de estar de bem com Deus e com o Diabo, tudo gajos (e gajas) tipo Marcelo — a propósito, é estranhíssimo não ter o Presidente da República estado presente no lançamento da obra, sendo o autor desta seu “consultor cultural” e tudo — que têm sempre uma palavrinha solidária para dar, abracinhos a gastar e milhões de selfies para tirar.

Acho que já vi este filme, daí a irritação. Em Portugal, que é uma aldeia (ou uma pequena cidade, vá), onde toda a gente se conhece e conhece os grupos aos quais é conveniente pertencer (ou, ao menos, não hostilizar), as “causas” não passam de simples produto de consumo que se usam enquanto convêm (e convém) e que se deitam fora quando deixam de convir.

O livro foi publicado em Março de 2018. Teve desde então direito a inúmeros artigos, textos e entrevistas, tudo em acordês, à excepção desta última, no “i”: por exemplo, na Visão, no Observador, no DN, entre outras. Teve ainda direito a… direito de antena: na Antena 2, na Antena 3 e na Feira do Livro de Lisboa.

Foi bonita a promoção, pá! Nada a objectar, bem entendido. Escrever é preciso, divulgar também é preciso. Mas… e o Português? Nem uma palavra, agora, sobre o “acordo”, nada a respeito da Língua, sequer? Gastaram-se todas as palavras entre 2010 e 2013 (ou 2015), o assunto deixou de interessar — ou seja, já não convém — e pronto, toda a gente foi à sua vidinha, assobiando, vamos lá ver se o guisado está encruado ou se terá ficado recozido? O AO90 “já era”, Maria, olha, procura aí no Google uma  “causa” que esteja a dar?

Mas… ora vejamos… irra, que até fico entupido, digo, estúpido.

Não teriam sido todas estas ocasiões, ou qualquer delas, artigos e entrevistas de um “Português Suave” promovendo o seu “Lá Fora”, excelentes oportunidades para defender — referir, no mínimo, raios! — o Português Correcto? Queda-se por nada de nada elevado ao cubo, opta por zero absoluto? Nem uma palavrinha, caramba?!

Não fui lá, mas quem sou eu, ui, iria dar péssimo aspecto à tertúlia, que horror, mas se tivesse sido convidado, se calhar, ao lançamento da obra até iria, para ouvir falar de “Lá Fora” lá fora. Assim, nada feito, “Lá Fora” lá foi.

E palpita-me que Mexia também, seu estilo e sua marca.

Pedro Mexia. Português Suave

João Oliveira Duarte
jornal “i”, 12/12/2018

Em «Lá Fora», conjunto de crónicas editadas este ano, Pedro Mexia dá largas a uma tonalidade que se vem tornando cada vez mais comum nas letras portuguesas: uma tristeza vaga, levemente nostálgica, cuja razão de ser não se entende. Um mundo declinado em português suave.

Antigo director interino da Cinemateca, comentador político na televisão e na rádio, crítico literário e cronista do jornal Expresso, director de uma colecção de poesia da editora Tinta da China, consultor cultural da Presidência da República, júri de inúmeros prémios literários e, encimando um já extenso currículo político-cultural, poeta, Pedro Mexia publicou, em Abril deste ano, «Lá Fora», um conjunto de crónicas com prefácio de outro nome maior da cultura em Portugal, António Mega Ferreira.

Maioritariamente escritos para o Expresso, estes pequenos textos vão do bucolismo da Serra da Lousã à placidez da Figueira da Foz, passam por África, Brasil, Havana ou Londres e englobam histórias menores e pequenos apontamentos que tanto podem versar sobre temas mais mundanos (a ponte «25 de Abril», o «Café Império» ou Robert Falcon Scott, o segundo homem a atingir o Pólo Sul, por exemplo) como sobre literatura, cinema, música pop ou mesmo política – um dos melhores textos deste volume é, sem dúvida, «A sauna da democracia».

(mais…)

Natal 2018 — “Time Out” Lisboa

 

 

Nada vai além dos 10€ e há sugestões para todos os gostos.

Publicado por Time Out Lisboa em Quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Dezembro é o mês de fazer da agenda um puzzle de jantares com amigos, colegas e familiares e, mais ainda, tratar de arranjar um presente para aquela troca de prendas em que se enfiou quando aceitou a janta. Mas pode começar mais cedo a pensar no que dar ao comparsa para não deixar para a última e comprar uma bagatela qualquer. Se entrou no espírito da época, comece lá a riscar nomes dessa lista com estas ideias de presentes para o amigo secreto – nada vai além dos 10€ e há sugestões para todos os gostos.

Recomendado: Os melhores mercados de Natal em Lisboa

Publicado por João Pedro Graça em Quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Prepare as pernas e parta à aventura! Temos dois roteiros por descobrir: os segredos da Graça e Alfama ou os tesouros e histórias do Bairro Alto e Bica.

O melhor de tudo? Esta aventura vai ser grátis. Com o espírito natalício que se vive na cidade, não quisemos ficar de fora e a Time Out, em parceria com a Secret City Trails, vai oferecer o jogo a todos os participantes durante 48 horas, no último fim-de-semana do ano. É o nosso presente de Natal para si. Por isso não diga que não a mais uma rabanada ou uma fatia de bolo-rei, porque no fim-de-semana a seguir ao Natal vai queimar tudo isso enquanto descobre segredos escondidos da cidade.

Para participar basta escolher o seu jogo aqui (https://www.secretcitytrails.com/timeoutlisboa/), entre os dias 29 e 30 de Dezembro, e inserir o código 48HOURS durante o processo de pagamento para obter o jogo gratuitamente. O link do jogo será enviado para o seu email instantaneamente e o jogo fica imediatamente disponível para que possa sair para a rua e descobrir a cidade – aproveite para apreciar as luzes de Natal pelo caminho, antes que desapareçam por mais um ano.

Nota: o código apenas é válido durante o fim-de-semana de 29 e 30 de Dezembro. Compras efectuadas fora desse período não estão abrangidas por esta campanha.

Natal 2018 — E-Primatur & BookBuilders

 

 

ÚLTIMA OPORTUNIDADE. Ainda tem prendas por decidir?Sabia que o livro é, comprovadamente, a prenda que tem menor custo…

Publicado por E-Primatur em Segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

ÚLTIMA OPORTUNIDADE. Ainda tem prendas por decidir?

Sabia que o livro é, comprovadamente, a prenda que tem menor custo relativamente ao tempo de usufruto da sua leitura?

Visite os sites da E-Primatur e da BookBuilders, todos os nossos livros têm 10% de desconto e os portes são por nossa conta.

www.e-primatur.com
www.bookbuilders.net

Last chance. Do you still have gifts to decide?

Did you know that the book is, demonstrably, the gift that is less cost than the time of your reading?

Visit the sites of E-Primatur and BookBuilders, all our books have 10 % off and the postage is on us.

www.e-primatur.com
www.bookbuilders.net

Cantar pelos dois

 

A nossa língua na televisão espanhola?

Marco Neves
Sapo24, 16.12.18

Todos sabemos que os espanhóis não são muito dados a ouvir línguas estrangeiras: não só dobram tudo o que lhes aparece à frente, como têm uma estranhíssima inclinação para ouvir muita música espanhola.

«Olhinhos azuis» na TVE?

Ora, um dos programas mais importantes da TVE é a Operação Triunfo. O programa também já passou por cá, mas não aqueceu nem arrefeceu. Em Espanha, a Operação Triunfo é um fenómeno tremendo — e, ainda por cima, serve para escolher o representante do país na Eurovisão. É fácil concluir que as músicas são, em geral, cantadas em espanhol ou, uma vez por outra, em inglês.

Pois bem — o que dirá o leitor se eu lhe disser que uma das músicas que será cantada na final da Operação Triunfo espanhola de 2018 inclui estes versos?

Meus olhos choram por ver-te meu coraçom por amar-te
meus pés por chegar a ti meus braços por abraçar-te.
Desejava de te ver, trinta dias cada mês
cada semana o seu dia e cada dia umha vez.
Tes os olhinhos azuis inda agora reparei
se reparara mais cedo nom amava a quem amei.

Isto não é uma tradução. São mesmo os versos que serão cantados por Sabela, uma das concorrentes finalistas. A canção chama-se «Tris-tras» e é do grupo Marful.

O que se passa aqui? Uma espanhola vai tentar chegar à Eurovisão a cantar em português?

As palavras «coraçom», «umha», «nom» são as pistas para deslindar o mistério. Sabela é uma concorrente galega e, numa decisão que não é nada simples em Espanha, decidiu cantar na sua língua: o galego.

A letra acima está escrita na ortografia reintegracionista, muito próxima da portuguesa. É verdade que o galego oficial usa uma ortografia mais distante da portuguesa — mas as palavras e as frases são muito nossas.

Reparemos, por exemplo, nos primeiros versos de uma das músicas já cantadas por Sabela («Benditas Feridas»; note-se — «feridas» e não «heridas»), versos estes que estão na ortografia oficial, mais distante da portuguesa (e mesmo assim tão próxima):

Pouco a pouco
Vou deixando de esperar
E secando as miñas ganas de chorar
A luz tornouse a miña escuridade

De Salvador a Sabela

Ao ouvirmos Sabela, notamos como a fonética já se afastou bastante a norte e a sul do Minho. Mas, se repararmos, vemos que ela está a usar palavras tão nossas que arrepiam. Aliás, a proximidade entre português e galego anda a confundir alguns brasileiros no Twitter…

Um amigo confidenciava-me que, para muitos galegos, ter Sabela a cantar em galego na TVE sabe tão bem como aos portugueses soube ganhar a Eurovisão com uma música em português — com a diferença de que a nenhum português lhe passaria pela cabeça que fosse um problema cantar na sua língua para todos os europeus. Em Espanha, cantar em galego para todos os espanhóis ainda é uma novidade — e está longe de ser pacífico. Há quem não perceba que as línguas podem somar-se umas às outras — que haver galegos que insistam em falar e cantar em galego não põe nada nem ninguém em perigo. Aliás, esses mesmos galegos serão os primeiros a falar em espanhol quando é preciso (e, às vezes, quando não é preciso).

Bem, mas porque trago o assunto a esta crónica?

Na verdade, poucos de nós sabemos como a participação de Salvador Sobral na Eurovisão foi muito bem-recebida na Galiza.

Muitos galegos sentiram as palavras daquela canção como suas e comemoraram sem medo a vitória de Sobral.

Não digo que façamos a mesma coisa — mas, já agora, reparemos em Sabela, uma cantora que anda a usar a língua das Cantigas de Amigo para ganhar um concurso espanhol.

À distância segura da nossa fronteira antiga, não nos faz mal desejar sorte a quem leva uma língua tão nossa aos ouvidos dos espanhóis, que assim ficam a saber o que são «olhinhos azuis» — se isto não é a nossa língua, é o diabo por ela.

Que ganhe a melhor — e que a melhor seja Sabela.


Marco Neves | Tradutor, professor e autor. Escreve sobre línguas, livros e outras viagens no blogue Certas Palavras. O seu livro mais recente é o Dicionário de Erros Falsos e Mitos do Português.

[Transcrição integral de artigo, da autoria de Marco Neves, publicado na “plataforma” Sapo24 em 16.12.18.]

 

Celebrar a diversidade

Publicado em 28/05/2017
(53 vídeos)