A mula da “cupulativa”

Deste artigo há um “facto político” a reter: o semanário “Expresso”, que aferrolha na versão online todos os  seus conteúdos — quem quiser ler qualquer daquelas “preciosidades” tem de pagar — deixou aberto este artigo, sem qualquer ferrolho virtual, totalmente grátis para quem o quiser ler.

Este raro fenómeno de extraordinária generosidade terá porventura, por exclusão de partes, uma única explicação: o “Expresso”, enquanto órgão central da seita DDT (em especial dos ramos maçónico, Bilderberg e Opus Dei), abre os cordões à bolsa em se tratando — exclusivamente — de pura propaganda do “ideário” lojista (na acepção do avental decorativo, não do utilitário).

Traduzindo em miúdos esta hermética linguagem, que não por mero acaso adoram os próprios aventaleiros Donos Disto Tudo: este artigo, abrilhantado e servido pelo mais promissor irmãozinho da confraria, é grátis apenas porque serve de panfleto promocional.

Expresso | Augusto Santos Silva: “Temos de olhar para Angola como o nosso próximo Brasil”

Quatro dias depois de João Lourenço deixar Lisboa, o ministro dos Negócios Estrangeiros responde aos cépticos: “Quem não compreender o que está a acontecer em Angola não está a compreender nada”. Numa conferência com banqueiros, advogados, empresários e diplomatas, Santos Silva criticou o BCE e avisou a Europa: “Desvalorizar a relação com África é um erro crasso”.

Augusto Santos Silva não deixou arrefecer a visita de Estado que o Presidente de Angola fez a Portugal e que Marcelo Rebelo de Sousa retribuirá em Março quando se deslocar a Luanda. Quarta-feira, numa conferência em Lisboa, o ministro dos Negócios Estrangeiros insistiu (para céptico ouvir?) que o apelo deixado por João Lourenço para que os portugueses se virem “em força” para Angola é a sério e que “quem não compreender o que está a acontecer em Angola não está a compreender nada”.

Temos de olhar para Angola como o nosso próximo Brasil“, arriscou o ministro , que foi o convidado de mais uma conferência organizada pela Abreu Advogados, desta vez sobre o tema “O papel de África na política externa portuguesa”. Muito crítico da forma como a Europa, e em particular o Banco Central Europeu, têm encarado a relação com o continente africano – “a Europa não se pode fechar sobre si própria” -, Santos Silva explicou como África tem um papel “absolutamente central” não só na nossa política externa como na nossa política europeia.

“Quando nos perguntam se Portugal vale na Europa pelo que vale fora ou se vale fora pelo que vale na Europa, eu uso a cupulativa“, afirmou. Ou seja, Portugal vale pela soma e pela relação privilegiada que mantém com africanos e europeus. Prova disso, anunciou o ministro, é que “uma das prioridades da presidência da União Europeia que Portugal assumirá em 2021” vai ser, precisamente, “a relação Europa-África”.

Convicto de que “grande parte dos problemas e das potencialidades da Europa só se resolvem em parceria com África”, Augusto Santos Silva exemplificou com as questões demográficas, a segurança, o crescimento, as necessidades de comércio, e os movimentos migratórios, para concluir que no actual contexto internacional, “desvalorizar a relação com África é um erro crasso”. No caso português, o ministro assumiu que “as duas Áfricas, Magrebe e Subsariana, são igualmente próximas”. Mas deu destaque a Moçambique e a Angola, que na sua opinião “vai ser o navio-almirante da língua portuguesa no mundo“.

Muito crítico da forma como o BCE obrigou à desalavancagem do investimento financeiro europeu em África – “um erro enorme” – Santos Silva viu nessa decisão “um preconceito” e avisou que “é um erro querer usar a mesma forma de sapato para pés diferentes”. É preciso “aumentar o orçamento comunitário”, fazer “mais parcerias para investimento“, defendeu o chefe da diplomacia portuguesa, que insistiu na oportunidade que representam para os portugueses as possíveis parcerias com Angola na educação, saúde, agricultura e investimento.

Marques Mendes, presidente do conselho estratégico da Abreu Advogados, também falou de Angola como “um mundo de oportunidades”, quem sabe até para “novos clientes”. Na plateia, a ouvir Augusto Santos Silva estiveram, entre outros, os CEO e Chairman do BCP, Miguel Maia e Nuno Amado, o CEO do Novo Banco, António Ramalho, o vice da Caixa Geral de Depósitos, José João Guilherme, Eduardo Catroga da EDP, Bruno Bobone da Câmara de Comércio luso-angolana, os presidentes da Siemens e dos CTT, responsáveis do grupo Sana, deputados, e os embaixadores de Angola, Moçambique e Bélgica.

 

[Source: Expresso | Augusto Santos Silva: “Temos de olhar para Angola como o nosso próximo Brasil” . Destaques meus. Imagem de topo de: Masoneria Libertaria.]

Print Friendly, PDF & Email