Dia: 16 de Janeiro, 2019

Más notas em que setor, setor?

Como mais uma vez se constata, a julgar pelo teor “derrotista” do estudo, pelo tom “reaccionário” do artigo e pela chatice que é a chamada “realidade”, o Ensino da Língua Portuguesa, em Portugal e arredores, vai de vento em popa… para o desastre.

A tal aborrecidíssima “realidade” persiste em contrariar as eufóricas afirmações de acordistas militantes, que ele isto agora com o “acordo ortográfico”, dizem, é só facilidades, que a degola de consoantes “mudas”, dizem, torna para qualquer mentecapto muitíssimo mais fácil a aprendizagem do Português, que o AO90 facilita bué, dizem, os estudos das criancinhas, coitadinhas.

E dizem “criancinhas” com quem diz criancinhas ligeiramente crescidas, médicos ou até professores, porque não, ao fim e ao cabo um professor — mesmo ou especialmente um professor de Português — foi também, em tempos, uma criancinha, roçou seus fundilhos nos bancos da escola e ali andou uns anos a levar com as “técnicas pedagógicas” malaquenhas, as “facilidades” acordistas, pois está claro, há que torcer o pepino enquanto é pequenino, mais tarde ele receberá com uma média fantástica seu canudo de professor de skate ou de surf (com especialização em tubos), mestre em estupidificação maciça e doutor e tudo.

Bom, bom, bom, tenhamos tento na bola, já sabemos que os malacaristas abrasileirados, dizem umas alarvidades porque não sabem o que dizem mas sabemos nós que o que eles dizem não se escreve.

 

Futuros professores têm pior desempenho a Português do que aqueles que serão médicos

Clara Viana
publico.pt, 10.01.19

Os alunos que escolhem cursos do ensino superior da área da Educação e esperam, portanto, vir a ser professores, estão entre os que têm pior desempenho a Português, indica um estudo da Direcção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC), agora divulgado.

 

Mais concretamente, os alunos que em 2016/2017 ingressaram em cursos de Educação tiveram uma classificação média de 10,2 valores no exame nacional de Português, ficando em penúltimo lugar numa lista que identifica as dez áreas de formação oferecidas pelo ensino superior. Em último, com uma nota média de 10 valores numa escala de 0 a 20, encontram-se os estudantes que optaram por cursos da área de Serviços (Turismo, Serviço Social, Restauração).

No extremo oposto estão os estudantes que ingressaram nos cursos da área da Saúde, como Medicina, que têm o melhor desempenho a Português: 12,4. Os que ingressaram em cursos de ciências sociais, jornalismo e informação ficam em quarto lugar, com uma média de 11,8.

“Não constitui surpresa. Esta era já uma leitura intuitiva que se fazia a partir das notas mínimas exigidas para determinados cursos e universidades”, comenta a presidente da Associação de Professores de Português (APP), Filomena Viegas, frisando que os alunos para entrarem, por exemplo, num curso de Medicina, “têm de ter resultados superiores em todas as disciplinas para conseguirem chegar à média de acesso que é pedida”. A média de acesso a Medicina tem rondado os 18 valores, enquanto a dos cursos de Educação anda à volta dos 12 valores.

Para chegar aos dados agora apresentados a DGEEC foi analisar quais as classificações obtidas em 2016 no exame nacional de Português do 12.º ano pelos alunos que, nesse ano, ingressaram no ensino superior através do regime geral de acesso. O exame de Português é o único obrigatório para todos os alunos.

O universo abrangido por este estudo foi de cerca de 40 mil estudantes, o que segundo a DGEEC, “representa aproximadamente, 77% do total de ingressos no 1.º ano de cursos de licenciatura e de mestrado integrado, através do regime geral de acesso de 2016/2017”.

Como os dados já referidos deixam antever, os alunos com melhores desempenhos são aqueles que se candidatam a cursos do ensino superior em que o Português não é exigido como prova de ingresso, o que sucede por exemplo na área da Saúde ou das Engenharias. A média no exame de Português para os cursos que não têm esta disciplina como prova de ingresso ronda os 11,9 valores, descendo para 11,3 quando estão em causa os cursos que têm este requisito.

Também na mesma linha pode-se constatar que as melhores classificações médias a Português não se encontram no curso de Línguas e Humanidades do ensino secundário (11,1), mas sim nos cursos de Ciências e Tecnologias (12,2) e de Ciências Socioeconómicas (11,8).

Filomena Viegas adianta que esta é uma situação que costuma ser comentada nas escolas e que a sua origem é também a da pressão que as opções para o ensino superior exerce sobre o percurso dos alunos no secundário: “É um sistema de vasos comunicantes. Os alunos dos cursos de Ciências acabam por ter notas melhores a Português para conseguirem chegar à média exigida para entrarem nos cursos que escolheram”.

(mais…)

Share