Dia: 23 de Fevereiro, 2019

«Admirável Língua Nova (Parte X)» [Manuel Matos Monteiro, “Público”, 23.02.19]

 

Admirável Língua Nova (Parte X)

O Acordo e a sua aplicação encarregaram-se de aniquilar os seus apregoados objectivos. A impossível unificação traduziu-se no acentuar das diferenças ortográficas entre o português de Portugal e o português do Brasil.

Manuel Matos Monteiro
publico.pt, 23.012.19


— Vais comprar um carro novo?

— Vou. O meu carro para sempre.

Guarde bem a ideia do diálogo.

Leia agora:

— Vais comprar um carro novo?

— Vou. O meu carro pára sempre.

Neste jornal, Francisco Miguel Valada, em 1 de Dezembro de 2018, apresentou dois exemplos que falam por si. Vejamos. “Bloqueio nos fundos da UE pára projecto de milhões na área do regadio” (um título deste jornal) — é evidente que “Bloqueio nos fundos da UE para projecto de milhões na área do regadio” será lido de outra forma. Tão evidente, que os jornais, as revistas, os canais televisivos que adoptaram o Acordo continuam a pôr abundantemente o acento no “pára” quando querem desmanchar a ambiguidade ou até a leitura errónea. Faz lembrar Ricardo Araújo Pereira: “Pode-se fazer, mas é proibido.” O outro exemplo vem de Saramago (Cadernos de Lanzarote II): “Ninguém pára para o socorrer.” Com o Acordo, ficará a parecer gralha ou gaguez: “Ninguém para para o socorrer.”

E já que falamos do Nobel da Literatura e do Acordo, mergulhemos em Bob Dylan traduzido (Canções — Volume I).

(Deixemos de lado o merecimento ou desmerecimento do Nobel, quando a poesia tem uma percentagem escassíssima na lista dos galardoados. Dylan será certamente um poeta maior do que Cummings, Herberto Helder, Auden. E terá até dado um contributo à literatura que, por exemplo, Tolstói, Joyce, Borges, Proust, Fitzgerald, Nabokov, Conrad, Virginia Woolf, Lawrence Durrell não deram.)

Oh, a Primeira Guerra Mundial, rapazes

Desperdiçou a sua sorte

A razão para a luta

[…][1]

Imagine que era uma edição acordizada. Imagine que no original estava “A razão pára a luta”. Ficaria igual à fiel tradução do que Dylan realmente escreveu: The reason for fighting.

Alguém consegue explicar porque desaparece obrigatoriamente o acento de “pára”, enquanto se preservam os acentos de “pôr” e “pôde” e se decreta — pasme-se — a facultatividade do acento de “dêmos”? Ninguém.

Camilo Castelo Branco, em O Santo da Montanha: “Já que morreu a serpente, demos duas cabriolas; que, medrosos de seus olhos, nada até ora fizemos.”

Sem tirar o acento e como Camilo escreveu: “Já que morreu a serpente, dêmos duas cabriolas; que, medrosos de seus olhos, nada até ora fizemos.”

Alguém consegue explicar a vantagem da facultatividade do acento em “dêmos”?, em “lavámos”, “jogámos”, “ganhámos”, “trocámos”? Ninguém.

Que ornamento ortográfico é este que só serve para confundir o tempo pretérito com o tempo presente e até futuro? “Não ganhamos” poderá ser, com o Acordo, “não ganhamos” (no presente), “não ganhamos” (opinião sobre algo que se realizará futuramente, passe a redundância) ou… “não ganhámos” (no passado).

Que ganha a Língua Portuguesa com isto?

Que ganha a Língua Portuguesa por “descaracterizámos” (no pretérito perfeito) passar a dispor de um cardápio de quatro ortografias: “descaracterizámos”, “descaraterizámos”, “descaracterizamos” e “descaraterizamos”?

Alguém consegue explicar a razão que presidiu a estas decisões? Ninguém.

Não tendo sido aprovado o Acordo de 1986 (que pretendia abolir os acentos das palavras graves e esdrúxulas), o Novo Acordo — o de 1990… porque será que, em 2019, ainda se fala tanto do dito?, será pelos seus inexcedíveis méritos? — lá condescendeu que se mantivessem acentos nas palavras graves e esdrúxulas: “análise (s.[2])/analise (v.[3]), fábrica (s.)/fabrica (v.), secretária (s.)/secretaria (s. ou v.), vária (s.)/varia (v.), etc., casos que, apesar de dirimíveis pelo contexto sintáctico [eis o Acordo a não seguir o Acordo], levantariam por vezes algumas dúvidas e constituiriam sempre problema para o tratamento informatizado do léxico”.

(mais…)

Share

(Com o AO90) “A diversidade cultural AINDA é preservada”

Esqueçamos as patranhas do costume.

Finjamos não ver as patacoadas enjoativamente repetitivas.

Atenhamo-nos, por conseguinte, ao essencial: mas o que raio vem a ser isto?

Bem, isto, esta “notícia” da treta, este conjunto desconexo de paleio acordista, esta inacreditável lista de bojardas brasileirófilas é só mais uma espécie de eructação propagandística, de branqueamento do neo-colonialismo: não existe aqui a mais ínfima réstia de “notícia”, os “conteúdos” do artigalho — bem como os nomes e cargos nele citados — servirão apenas para citar como “fonte”. Táctica básica na difusão de contra-informação, o confusionismo referencial consiste em publicar umas coisas algures para mais tarde citar esses mesmos “sound bites” (que não significam nada) e respectivos autores (que ninguém conhece), tentando assim conferir alguma espécie de validade “científica” às bojardas e revestindo-as de uma suposta dignidade intelectual conferida pela respectiva publicação na “imprensa”, insinuando-se esta simples citação de um manhoso artigo publicado num jornal ainda mais manhoso como sendo algo semelhante a “citação bibliográfica”.

Como perfeitamente sintetiza Nuno Pacheco, citar substitui a leitura, tal como a vaga ideia substitui o pensamento“; pois muito bem, então aqui temos um espectacular exemplo do axioma.

Este mais do que evidente caso de propaganda e intoxicação, inserido na mais recente campanha de contra-informação lançada por alguns brasileiros alucinados e acolitada por alguns portugueses deslumbrados (ou  vendidos), contém toda a “cartilha” da seita acordista. Estas vão destacadas a “bold”, algumas sublinhadas e as mais evidentes ou risíveis ficam assinaladas a vermelho.

Mas há no texto desta “notícia” em particular uma expressão que, de tão sinistra, assinalei a “bold”, sublinhada e a vermelho.

Arrepiante enquanto ameaça descarada, será certamente citada no futuro como “fonte” pelos agentes policiais da novilíngua.

Que outros o leiam como se estivessem ouvindo um toque a finados. E que por isso mesmo corram a fazer soar o toque de alerta, que por todo o lado se oiça a ordem para cerrar fileiras.

Linguista afirma que acordo ortográfico amplia alcance da língua portuguesa

Por Amanda Mendes

Jornal “Bom Dia”  (Brasil), 21.02.19

Novo acordo ortográfico completou 10 anos em 2019

Linguista e professora da URI, Lúcia Balvedi Pagliosa
Ministrante do curso de extensão da URI Cássio Lucas
Professora de Língua Portuguesa do Colégio Estadual
Professor Mantovani, Nádia Federle
Professor de Português da URI, Neivo Zago

 

Entre encontros e desencontros, muitas discussões e elaboração de alternativas para difundir internacionalmente a língua portuguesa, o novo acordo ortográfico completa neste ano, uma década. 

Contudo, a história da atualização da norma escrita iniciou no século passado, o acordo entrou em vigor em 2009, mas com período de transição até 2016 e há três anos as regras já são obrigatórias.

De acordo com a linguista e professora da URI, Lúcia Balvedi Pagliosa, há mais de 20 anos foram suscitados debates para promover a unificação ortográfica entre os países que têm a língua portuguesa como oficial. “Nesse momento, existia a exigência de que todos os países deveriam assinar o decreto. No entanto, depois foi protocolado uma notificação permitindo que pelo menos três países ratificassem as alterações ortográficas”, destaca Lúcia.

A professora ressalta ainda, que se trata de um acordo e não de uma reforma ortográfica, portanto, além de não ter a pretensão de alterar a modalidade oral da língua, é apenas uma forma de criar convenções para unificar a língua portuguesa. “Muitas pessoas questionavam: “terei que me alfabetizar de novo?” e a resposta é não. Estatisticamente, no Brasil foi mudado cerca de 0,47%, já em Portugal, por exemplo, as modificações ficaram próximas a 2%, ou seja, nós não temos muito a que nos adaptar“, pontua.

Lúcia reforça que a unificação permite ampliar de forma expressiva a circulação de obras em língua portuguesa e potencializa seu uso, sendo que é a mais falada do hemisfério Sul, “afinal, o uso de uma linguagem implica o entendimento de todos os usuários e, por isso, a alteração é apenas na escrita, ou seja, a diversidade cultural ainda é preservada, pois não foi mudada a pronúncia das palavras, somente a grafia“, enfatiza.

Nos últimos anos, a URI tem promovido semestralmente um curso de extensão para auxiliar nesse processo de atualização da escrita em língua portuguesa, coordenado pela professora Lúcia e ministrado por Cássio Lucas, que possui formação em licenciatura em Letras. Conforme o ministrante, a unificação também permite, por exemplo, que a Organização das Nações Unidas (ONU) adote a língua portuguesa como oficial.A ONU não reconhece como oficial as línguas que possuem mais de uma ortografia. Nestes casos, só a consideram como um dialeto, pois não tem força de língua cultural e com representatividade. Vale ressaltar que foi alterada a escrita, porque não é uma unificação da língua, mas da ortografia. Assim, ainda continuarão existindo os sotaques, diferenças e riquezas culturais na língua“, destaca Cássio.

Com relação a recepção das pessoas às novas regras, Cássio acredita que não é a maioria das pessoas que está apta a escrever conforme o acordo. “Percebo que aqueles que trabalham com a palavra escrita, tais como, jornalistas, advogados, publicitários e professores de língua portuguesa, estão atentos às regras do novo acordo, no entanto, penso que uma outra parcela da população ainda possui muitas dúvidas“, conclui.
Desafios na escolarização
Para a professora de Língua Portuguesa do Colégio Estadual Professor Mantovani, Nádia Federle, o acordo facilitou significativamente a união entre os países que a utilizam o português como língua oficial. “A língua é um organismo vivo, ela se modifica, se transforma e temos que nos adaptar às novas regras, caso elas estejam sendo implementadas para possibilitar melhoras culturais”, pontua.
No entanto, Nádia percebe que ainda há desafios para melhorar a aprendizagem dos estudantes. “Como professora do terceiro ano do ensino médio, eu noto que estamos enfrentando uma dificuldade muito grande com as novas regras. Percebo que devem ser intensificados alguns exercícios no momento da trajetória escolar em que aprendem essas regras. Outra questão é apostar na repetição de exercícios e leitura para fixar a norma escrita. A resistência de assimilação do novo acordo não é só dos alunos, mas também das famílias e professores, por exemplo”, destaca Nádia.
Analisando o contexto de escola pública, a professora ainda apresenta outras dificuldades, tais como a atualização de obras literárias. “Não temos como nos desfazer de livros se não temos recursos para substituí-los, considerando que são obras de extrema importância e os estudantes precisam ter esse contato. Outra questão é que alguns livros não foram atualizados, portanto, eles acabam lendo com a ortografia antiga”, pontua.

A falta de assimilação das regras entre os estudantes também preocupa o professor de Português da URI, Neivo Zago. “É importante considerar que as alterações são planejadas para melhorar algo, contudo, a praticidade não trouxe benefícios. Algumas modificações são muito difíceis para os estudantes e falantes quando se trata da redação de texto”, pontua.

Outro aspecto que Zago questiona é a motivação comercial do acordo. “Há quem diga que um dos objetivos do acordo articulou interesses comerciais, levando em consideração que as novas regras demandaram a reedição de livros e, com isso, mobilizou editoras, por exemplo”, conclui o professor.

Confira algumas mudanças:
– O alfabeto ganhou, novamente, três letras: k, w e y;
– Não se usa mais o trema;
– Caiu o acentos gráficos em ditongos abertos (ei e oi) das palavras paroxítonas;
– Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento no i e no u tônicos;
– Caiu o acento das palavras terminadas em eem e oo(s);
– Não se usa mais os acentos diferenciais.

Source: Jornal Bom Dia | Notícias | Notícias: linguista-afirma-que-acordo-ortografico-amplia-alcance-da-lingua-portuguesa

Share