Dia: 15 de Março, 2019

“Vocabulário de Mudança”: o filme

 

O AO90 é uma fraude colossal. Ponto, parágrafo.

Por mais que alguns tentem escondê-la ou pintá-la de outras cores, aquela abominável porcaria não passa de uma negra manobra política para, de um só golpe, liquidar o Português-padrão e impor a desortografia brasileira. Por mais que tentem dourar a pílula esses tais alguns, mercenários, vendidos e deslumbrados portadores de passaporte português, não há escapatória ou sequer atenuante alguma para o que estão a fazer e não têm a menor desculpa, ainda que infantilmente ridícula, para justificar o chorrilho de mentiras com que tentam enganar as pessoas.

Alguns daqueles tipos poderiam alegar insanidade mental, ainda que apenas temporária ou episódica, mas até para isso já se vai fazendo tarde. Reiterando, a maioria esmagadora de tão desprezível minoria não é de loucos, é de mitómanos incuráveis  que, portanto, não poderiam alegar outra patologia ou distúrbio mental, visto ser geralmente reconhecida a sua desmedida ambição. Restaria um ou outro caso que talvez pudesse safar-se alegando padecer de profunda, pura e simples estupidez, o que, sendo mais do que patente para qualquer pessoa normal (uma besta quadrada tresanda a milhas), deixaria pouca margem de actuação ilibatória para as competentes autoridades de saúde pública.

Na verdade, o “acordista” típico só pode ser — além de transitória ou definitivamente louco – ou convictamente ganancioso  ou selvaticamente mentiroso ou profundamente estúpido. De tais e tão homogéneas “qualidades” constitui o AO90 basta prova, como vamos vendo quotidianamente pelos efeitos e conforme periódicos testemunhos dos ditos vamos ouvindo quando em vez.

Seja qual for a perspectiva, o ângulo de análise, o tipo de abordagem ou o elemento de estudo — histórico, linguístico, cultural, social ou simplesmente técnico, pragmático, utilitário — o “acordo ortográfico” de 1990 não passará jamais, ainda que sob um escrutínio inexperiente, empírico ou até incompetente, de uma miserável (e evidente) mescla de engenharia política e de experimentalismo social para, orwellianamente, controlar as massas (em todas as acepções) e assim poderem roubá-las em total impunidade. Roubar, sim, o verbo não é nem casual nem arbitrário, que é disso que se trata quando vigaristas nos tentam enganar, dissimulando as suas reais intenções com uma “conversa” totalmente desprovida de sentido, quando procuram convencer-nos dos méritos da banha cobra ou dos benefícios para a saúde que existem no prática regular da queda-livre sem pára-quedas.

Politicamente falando, já que falamos de roubo, estamos conversados. O AO90 é estritamente político, não é acordo algum e de ortográfico nada tem.

Porém, visto que ainda há inocentes no meio disto tudo, servindo aqui o plural condescendente para atenuar a burrice dos ditos, também não virá grande mal ao mundo se — com pinças — usarmos diversos meios para desmontar as mentiras. Para isso mesmo serve uma coisa genericamente designada como “informática” e, em especial, um dos seus ramos mais especializados, a folha-de-cálculo.

Este, pelo menos assim o espero, não é um trabalho “tipo” mete-nojo, de e para académicos, contendo impressionantes hermetismos e tecnicismos  incompreensíveis para o mais comum dos mortais. Sem peer review porque não há peers e porque há pouco quem review (em especial quando isso não é pago), sustenta-se apenas na escassa credibilidade que em Portugal é por regra atribuída ao trabalho.

Trabalho esse, no caso vertente, cuja complexidade aumenta exponencialmente na razão directa da absoluta bandalheira (cá está um termo “técnico”, peço desculpa) da matéria-prima, isto é, dos dados em análise: como nunca será demais destacar, aquilo a que o Portal da Língua Portuguesa brasileira chama “Vocabulário de Mudança” é de um amadorismo a toda a prova, tornando virtualmente impossível qualquer espécie de tratamento informático com base nos dados para ali atirados à matroca.

Para tornar possível o impossível, portanto, foi necessário esticar em muito o tempo e levar a paciência a um extremo verdadeiramente budista. Todas as tentativas de normalização automática — ou de automatização das correcções — revelaram-se infrutíferas pelo motivo mais óbvio: os erros são aleatórios, o preenchimento dos dados na origem foi feito ao acaso, sem qualquer espécie de critério, norma ou método de recolha. A título de simples ilustração, veja-se o caso da colocação (antes e depois da vírgula, outro absurdo) das entradas em PT-BR e em PT-PT: o que vai antes e o que vai depois? Qual é a regra? Nenhuma.

Tornou-se por conseguinte necessário conferir e corrigir os dados de origem, linha a linha (6569), registo por registo (4 a 11 campos cada). Existem entradas com erros de acentuação e de maiúsculas iniciais, dados  casuísticos (por exemplo, o preenchimento dos dois campos “Notas” é à sorte) e ausentes em casos de igual teor ou tipo, terceiras e (raras) quartas alternativas sem espaço para tal, “gralhas” diversas, casos únicos sem qualquer indicação, espaços a mais ou a menos, enfim, toda a sorte (digo, azar) de imprevisíveis. Confesso que não entendo sequer em que  raio de suporte aquela coisa terá sido feita; só pode ter sido uma simples tabela de texto mas nem assim acertaram nos requisitos mínimos; até em processamento de texto há regras, uma lista informatizada de palavras não é exactamente o mesmo que uma lista de compras escrita à mão.

Seja pelas alminhas, então. Para já, como appetizers, temos aí uns quadros básicos (DIF/DIF, Invenções, M.I, N.A.P.) e outros se seguirão com certeza.

Excelente Excel, de tão bons resultados quanto fiáveis conclusões. Os quais revelam e as quais implicam tratar-se o AO90 de um filme de terror — que até os inocentes só não vêem se não querem.

Share