Dia: 5 de Abril, 2019

Porquê

 

«Porque chicoteia o senhor o seu próprio escravo, mesmo sabendo que o desvaloriza? Porque pode. Para lembrar ao escravo que é um escravo.
Do mesmo modo chicoteiam os acordistas a sua própria Língua, sabendo que a desvalorizam. Porque podem. Para dizer aos falantes que até podem usar a Língua, sim — mas os verdadeiros donos da Língua são eles
Rui Valente

 

 

As respostas estão muito bem escondidas por detrás de um biombo de palavras, este dissimulado por uma cortina de mentiras, tudo entre muros de silêncio, janelas cerradas, portas fechadas à chave. Ninguém sabe responder a coisa nenhuma porque ninguém sequer sabe que perguntas fazer. Para chegar à verdade, sepultada num sarcófago de chumbo em local secreto, é preciso percorrer um longo e irresolúvel labirinto, confuso, retorcido, repleto de becos sem saída.

Saturada a vox populi, à qual, à falta de melhor expressão, tanto se lhe dá como se lhe deu a questão, quanto mais ter sobre ela opinião, resta por fatalidade o recurso último (e único) de ao menos deixar testemunho e prova, sendo esta viável, dos desmandos, do destrato, da histórica vergonha — deliberado paradoxo — a que vão sujeitando malfeitores a Língua Portuguesa.

E, no entanto, é viável.

Aquele “vocabulário de mudança” mai-la sua caótica lista de palavras “afetadas”, o sarcófago, torna-se afinal acessível e assim, podendo qualquer um conhecer as respostas, saber cada qual que perguntas fazer — das quais a primeira será certamente a última: porquê?

 

 

Move-se a busca, é viável a demanda da prova e portanto, se dela deixarmos testemunho, poderá talvez traçar-se um roteiro para sair do labirinto, derrubar muros, abrir portas e por fim deixar a verdade, como a luz eterna, entrar pelas janelas abertas de par em par.


 

FAQ AO90

[Imagem de topo de: Pinclipart]

Share