Dia: 6 de Abril, 2019

“Vamos extinguir o AO90” [Filipe Martins, assessor da Presidência do Brasil (06.04.19)]

Assessor de Bolsonaro defende fim de acordo ortográfico e tomada de 3 pinos

 

Filipe Martins falou via Twitter

Também criticou urna eletrônica


06.abr.2019 (sábado) – 12h28
atualizado: 06.abr.2019 (sábado) – 12h38

 

Depois de o governo de Jair Bolsonaro (PSL) anunciar que não haverá horário de verão em 2019, o assessor especial da Presidência da República para Assuntos Internacionais, Filipe Martins, defendeu que os próximos passos são extinguir: a tomada de 3 pinos, as urnas eletrônicas e o novo acordo ortográfico.

“Depois de nos livrarmos do horário de verão, temos que nos livrar da tomada de três pinos, das urnas eletrônicas inauditávris e do acordo ortográfico”, disse em sua conta no Twitter.

Em seus primeiros meses de governo, o presidente Bolsonaro já deixou clara a intenção de rever medidas em vigor no Brasil. Já disse, por exemplo, que deseja acabar com o uso de placas de carro com padrão do Mercosul e com as lombadas eletrônicas.

Nesta 6ª feira (5.abr.2019), confirmou pelo Twitter que o governo não adotará o horário de verão neste ano. Segundo ele, a decisão foi tomada após estudos técnicos “que apontam para a eliminação dos benefícios” da mudança.

Autor, como deputado, de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que estabelece a impressão de 1 recibo do voto, o presidente já contestou a confiabilidade das urnas eletrônicas em diversas ocasiões. Durante as eleições, chegou a levantar a possibilidade de “fraude” devido ao modelo, usado no Brasil desde a década de 1990.

O novo acordo ortográfico completou 10 anos no início deste ano. A padronização de tomadas ao modelo de 3 pinos começou em 2000, mas apenas em 2011 a venda de aparelhos com 3 plugues tornou-se obrigatória.

[Transcrição integral. “Links” a verde e destaques meus.]

 


 

Óptimo. Excelente!

Exactamente o mesmo que sucedeu com o Acordo Ortográfico de 1945: dez anos depois de o ter aprovado, a 5 de Dezembro de 1945, o Brasil revoga-o no dia 21 de Outubro de 1955.

Agora, quanto ao “acordo ortográfico” de 1990, que de acordo tem apenas a primeira parte da designação e de ortográfico contém somente a segunda parte da mesma, um governante brasileiro — assessor do Presidente para a área das relações internacionais, nada menos — manifesta, com determinação expressa, a vontade governamental, a intenção política de extinguir o acordo ortográfico.

É de facto uma excelente notícia, de mais a mais se atendermos aos antecedentes, e por isso apenas podemos desejar que o processo de desvinculação do Brasil seja célere e se inicie no mais curto prazo possível. Um simples Decreto, taxativamente copiado do da revogação de 1955, serve perfeitamente, bastando para o efeito alterar o número e a data do respectivo instrumento legal a revogar: substitua-se “Decreto-Lei n.º 8286 de 5 de Dezembro de 1945” por Decreto Legislativo n.º 54 de 18 de Abril de 1995.

 

Share