“We shall meet in the place where there is no darkness.”

A língua portuguesa tem um problema nas articulações. É melhor chamar o médico

A língua portuguesa tem mesmo um problema nas articulações. É melhor chamar o médico, que estes “peritos” (os do “acordo” de 1990) ainda a matam.

Nuno Pacheco
“Público”, 14.11.19

Há dias, a RTP exibiu um programa com este título: “Desacordo ortográfico”. Um debate? Um inquérito? Uma entrevista? Um prós e contras? Nada disso. Era um dos muitos episódios da série de ficção portuguesa Bem-vindos a Beirais (o 192, da 4.ª temporada, por sinal estreado em 2 de Novembro de 2015 e agora em reposição). E era mesmo de ortografia, entre outras coisas, que tratava o tal episódio. Resume-se assim: o senhor Agostinho, fervoroso adepto da independência de Beirais, resolve lançar um movimento para criar uma ortografia própria, o MOL (Movimento Ortografia Livre), com este princípio básico: já que as regras ortográficas são “uma manifestação do imperialismo português”, defenda-se uma “democratização da escrita”. E ele di-lo, em voz alta: “Sou um espírito livre, escrevo como quero e ninguém tem nada a ver com isso. Quando Beirais for independente, vai haver liberdade ortográfica. Cada um escreve como quer, basta que se perceba.” E há logo quem o defenda: “Isto é um movimento de modernidade, nós somos vanguardistas!” E a modernidade vinha logo no manifesto: “Precezamos de nus desvinculare da ditadura de um rejime opreçor.” Nas lojas começam a aparecer letreiros com nomes esquisitos (a “novidade” é acolhida fervorosamente por quem já dava erros e assim se livra da “vergonha”) e na escola a professora começa a alarmar-se, ao ler os trabalhos dos alunos: “Que erros são estes? Marina, tu não costumas dar erros. Nem tu, João. O que é que se está a passar?” A coisa depois não dá em nada. Há uma assembleia e a “modernidade” perde nas votações. Adeus, “liberdade” ortográfica, adeus “democratização da escrita”, adeus “cada um escreve como quer”. Ou não?

Esta história, que originalmente já tem uns quatro anos de existência, não anda longe de uma realidade que todos conhecemos. Basta ouvir com atenção o que disse, também na RTP, no episódio 33 do Voz do Cidadão, “programa do provedor do telespetador [sic]”, a professora universitária e consultora linguística Sandra Duarte Tavares, ao tentar explicar como funciona o Acordo Ortográfico de 1990. “A regra é muito simples”, disse ela. “Sempre que nós não pronunciamos as consoantes C e P, elas deixam de ser escritas.” Ora Sandra Duarte Tavares, que é também autora de livros como Falar Bem, Escrever Melhor e 500 Erros Mais Comuns da Língua Portuguesa, arranjou uma maneira bem original de explicar essa “regra muito simples”. Ouçamo-la: “Se há falantes que articulam as consoantes, então é possível escrever com as consoantes. Se há falantes que não articulam as consoantes, então é possível escrever sem as consoantes. É o caso, por exemplo, de telespetador. Por acaso, eu pronuncio o C, então eu devo escrever telespectador. Mas há falantes que não articulam essa consoante. Então, o novo acordo ortográfico permite que esses falantes escrevam sem a consoante.”

Este brilhante raciocínio, que torna a regra ainda mais “simples”, aplica-o ela, por exemplo a um país que se viu amputado de uma consoante, passando de Egipto a Egito: “Em relação ao nome do país Egito [na fala, ela omite o P], o novo acordo ortográfico previa a queda da consoante P. Mas uma vez que há falantes que articulam essa consoante, em princípio o nome desse país será incluído na lista da dupla grafia. Egito sem P e Egipto com P.” Afinal, o problema está nas articulações. Fulano articula, escreve; sicrano não articula, não escreve. Pois. Se ouvirmos todos os dias o que se diz na televisão, em palestras, discursos, intervenções avulsas, ouviremos “runiões” por reuniões (assim falou por estes dias, na TV, um porta-voz do PS), “tamos” por estamos, “óvio” por óbvio, “pogresso” por progresso, “competividade” por competitividade (e o programa eleitoral – ou será “pograma”? – da Aliança de Santana Lopes lá tinha, bem claro, no seu ponto 5: “Crescimento e Competividade” [sic]). Segundo a brilhante explicação de Sandra, podemos concluir que é um problema de articulações. Se alguém não articula o primeiro “r” de programa dirá “pograma”; e se assim o diz, porque não há-de escrever? Não é verdade que, se “há falantes que não articulam as consoantes, então é possível escrever sem as consoantes”?

Coragem, portugueses, avancem para a escrita a la carte, que ninguém vos apontará o dedo! Acabou-se a vergonha inerente à má escrita, porque agora é tudo boa escrita, não é verdade? Basta dizer: Ah, mas eu não articulo! Logo, não escrevo! E está perdoado. Pelo menos por Sandra. Não é verdade que ela escreve “telespectador” e não “telespetador”, como consta do programa onde a ouvimos? Claro como água. Mas atentem bem na explicação: “Por acaso, eu pronuncio o C, então eu devo escrever telespectador.” Ora se “por acaso” o vizinho, ou o primo ou o colega de Sandra não tiverem o hábito de articular o tal C lá estarão, todos eles, no célebre clube das espetadas. Na verdade, tudo isto é obra do “acaso”. É que, “por acaso”, a língua portuguesa tem mesmo um problema nas articulações. É melhor chamar o médico, senão estes “peritos” (os que inventaram o “acordo” de 1990, os que assim o “explicam” e os que lhe dão insana cobertura) ainda a matam.

Nuno Pacheco

[Transcrição integral de artigo da autoria de Nuno Pacheco. “Público”, 14.11.19.]

Nota: a reprodução deste texto, como sucede com todos os aqui transcritos, tem por finalidade única a constituição de acervo documental sobre tudo aquilo que, segundo critérios meus, interessa ou diz respeito ao chamado “acordo ortográfico”.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *