Dia: 9 de Janeiro, 2020

«Ministro da Educação do Brasil escreveu “imprecionante”, “suspenção” e “paralização”?» [Polígrafo, 09.01.20]

Ministro da Educação do Brasil escreveu “imprecionante”, “suspenção” e “paralização”? – Polígrafo

Espalhou-se pelas redes sociais a imagem de um suposto “tweet” de Abraham Weintraub, actual ministro da Educação do Brasil, no qual terá escrito a palavra “imprecionante”. Em várias publicações remete-se também para outros erros ortográficos do mesmo ministro num documento oficial: “suspenção” e “paralização”. Verdade ou mentira?

“O facto de o ministro da Educação do Brasil escrever ‘imprecionante‘ é, na minha opinião, motivo para que seja demitido imediatamente. É um erro crasso, inadmissível para quem ocupa um cargo tão importante. Eu, como académico e como brasileiro, sinceramente, sinto vergonha. E não é a primeira vez que isso acontece“, sublinha-se numa das publicações em causa, exibindo uma imagem do tweet publicado por Abraham Weintraub.

“Agradeço seu apoio. Mais imprecionante: Não havia área de pesquisa em Segurança Pública. Agora, pesquisadores em mestrados, doutorados e pós-doutorados poderão receber bolsas para pesquisar temas, como o mencionado por ti, que gerem redução da criminalidade”, terá escrito o ministro da Educação, em resposta a um tweet de Eduardo Bolsonaro, deputado federal pelo estado de São Paulo e filho do actual Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

Ao longo do dia de ontem, 8 de Janeiro de 2020, propagaram-se nas redes sociais diversas publicações com a imagem do suposto tweet de Weintraub. Em algumas dessas publicações remete-se também para outros erros ortográficos do mesmo ministro num documento oficial: “suspenção” e “paralização”. Confirma-se?

Sim. A história foi confirmada por vários órgãos de comunicação social do Brasil (aqui, aqui e aqui, entre outros exemplos). A mensagem com o erro ortográfico – “imprecionante” – do ministro da Educação consistiu numa resposta a um tweet de Eduardo Bolsonaro, publicado durante a manhã de ontem.

Perante os comentários jocosos que se multiplicaram nas redes sociais, sublinhando o erro ortográfico, Weintraub apressou-se a apagar a mensagem em causa, mas há vários registos fidedignos da mesma.

O ministro apagou o tweet com o erro logo em seguida, mas não conseguiu evitar a repercussão negativa. Em menos de uma hora da publicação, os termos “Imprecionante” e “Ministro da Educação” foram parar nos Trending Topics do Brasil no Twitter”, informou o portal UOL.

Também é verdade que, em Agosto de 2019, Weintraub escreveu “suspenção” e “paralização” num documento que enviou ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

“O ministro da Educação, Abraham Weintraub, enviou um documento com erros de português ao ministro da Economia, Paulo Guedes, pedindo mais recursos para sua pasta. No texto, Weintraub explica que as verbas previstas para a Educação em 2020 são insuficientes e alerta para o risco de ‘paralização’. O ministro também cita ‘suspenção’ de pagamentos. A grafia correta das palavras é paralisação e suspensão”, noticiou então “O Globo”.

Em artigo publicado hoje, o portal UOL recorda mais erros do ministro da Educação, nomeadamente quando se referiu ao escritor “Kafta”. “Em Junho do ano passado, Weintraub chamou o escritor Franz Kafka de ‘Kafta’ – prato de origem árabe, semelhante a um espetinho de carne. A confusão gramatical aconteceu quando Weintraub participava de uma audiência no Senado”.

Avaliação do Polígrafo:

Verdadeiro

[Transcrição integral (incluindo imagem, destaques e “links”) de: Ministro da Educação do Brasil escreveu “imprecionante”, “suspenção” e “paralização”? – Polígrafo. Autor: Gustavo Sampaio. O texto com a cacografia brasileira do original do “Polígrafo” foi automaticamente corrigido com a solução Firefox contra o AO90 através da extensão FoxReplace do browser.]