O meio académico do Burkina Faso

 

De novo, o “fait divers” do Inglês. E de novo, como se não fosse redundante (e sumamente idiota) repeti-lo, reitere-se que não existe na “questão ortográfica” um só átomo de “anti-brasileirismo” ou coisa que o valha.

A dita “questão” é estritamente política, como já aqui foi dito e explicado mil vezes. Apenas a um néscio de grau zero (ou a qualquer imbecil irrecuperável) ocorreria a peregrina ideia de atribuir ao Apartado 53 seja que tipo de xenofobia for ou que é crime ousar o dono da caixa de correio comentar as cartas que transcreve; mais um passo, ou seja, um milímetro de neurónios paralíticos, e lá temos o arquivista no papel de autor do que dizem essas cartas.

Alguns, mais afoitos nas artes da raivinha de estimação, essa estranha forma de vida, alcançam inimagináveis patamares de maledicência, que aliás é inerente à sua inelutável condição de deprimente mediocridade. É dessa bizarra espécie de bacanos que emanam os eflúvios venenosos. A alguns deles, em sucedendo que tenham bigode, até se lhes treme o dito bigode, tal é a raivinha que por norma neles provoca e faz saltar, sabe-se lá ao certo porquê, tanto faz, uma coisinha qualquer esgalhada por algum proscrito.See the source image

Serve o Inglês, portanto, como outros assuntos correlacionados e igualmente sérios, de contraponto à doentia obsessão.

A Língua Inglesa é, para todos os efeitos e sem a mais ínfima polémica a envolver o assunto, de tal forma flagrante é a realidade (essa coisa que tanto irrita a nomenklatura portuguesa) e a esse facto não será estranha a independência dos USA (Estados Unidos da América).

Não advogando, de forma alguma, que vá o sapateiro além da chinela, parece-me modestamente seguro afirmar que tal estatuto de língua-franca foi conferido ao Inglês por um longo e até amiúde sangrento processo, na esteira das Línguas que o antecederam no estatuto: a actual língua-franca em todo o mundo sucedeu enquanto tal na honrosa esteira do Latim (na Europa e no Norte de África), do Francês (em parte da Europa e de África, em meios monárquicos, literários e mais “ilustrados”, além de territórios no Pacífico e em casos raros noutras zonas do globo). Por uma questão de sintetismo discursivo, não se referem nesta sequência os casos do Espanhol e do Português.

Expostos os antecedentes, ainda que de forma extremamente abreviada, talvez resulte mais claro o sucedido e definitivamente compreensíveis as circunstâncias que, a partir de 4 de Julho de 1776, resultaram na instalação (passiva, sem oposição) do Inglês como a única língua-franca que nos dias de hoje alcançou uma pujança esmagadora.

Ora, dando de barato que existe de facto um tremendo exagero (e uma gigantesca parolice) no uso e (principalmente) no abuso do Inglês, não passará de pura idiotice — dar cambalhotas por cima da própria cabeça — tentar demonstrar um espécie de “purismo” militante a pretexto de anglicismos. Por regra, estava capaz de jurar mas não o farei, porque a pequenez é um fenómeno imprevisível, quanto maior a sua ignorância da Língua, mais e com maior violência os “puristas” se atiram a ela. Estranho fenómeno, de facto, se bem que em Portugal já muito pouco ou rigorosamente nada resta de minimamente inteligível na verborreia daqueles que a si mesmos, coçando o queixo e repetindo “espelho meu, espelho meu”, atribuem o estatuto de gajo incrivelmente inteligente ou de pá, eu é que sei, eu é que sei, eu é que sei, óvistes.

Ralam-se imenso com a “invasão” bife mas não se ralam nada, nadinha, com a invasão zuca. Alguns (como é o caso deste agora) até se declaram “contra o AO90” e tudo, mas, ah, e tal, coiso, tenho ali uma panela ao lume, agora não, que não dá jeito.

As tangas do costume e os mesmos ódios de estimação. Não ao Inglês… enfim, só por ócio. Não ao acordês mas… assim com’assim…

Eis, em suma, o NIM ao “acordo”.

Estranha forma de vida.

 

Portugal e o inglês (III)

 

eltrapezio.eu, 22.03.21
Posted by

 

Nos meus artigos anteriores, referi o domínio em Portugal da língua inglesa e o potencial dos portugueses como professores de inglês para hispanofalantes. Quem me conhece sabe que o inglês é importantíssimo para mim, que o uso todos os dias nas redes sociais, e que outrora sonhei em viver nos Estados Unidos e no Canadá. Por isso, o que vou dizer neste artigo poderá ser surpreendente: eu não defendo a supremacia da língua inglesa. Defendo, isso sim, a diversidade, a harmonia e a aceitação mútua. Aquilo que eu procuro, tanto no inglês como no português e no espanhol, são oportunidades de contribuir para a paz e a concórdia no mundo inteiro.

Os meus alunos perguntaram-me recentemente o que acho do Acordo Ortográfico e do perigo de o inglês causar o desaparecimento do português. Se tenho orgulho em Portugal? Tenho. Se devo promover a língua portuguesa? Claro que sim. Se não gostei da maneira como nos foi imposto o Acordo Ortográfico? Claro que não gostei. Mas dito tudo isto, a língua portuguesa não é exclusiva nem de Portugal nem do Brasil. Escrevo e ensino português com as regras do Acordo Ortográfico porque não tenho escolha, mas também em parte porque espero que isso possa ser uma modesta contribuição para uma amizade mais sincera entre Portugal e o Brasil. Qual é a relação entre isto e a língua inglesa? Simples: porque a concórdia é mais importante para mim do que qualquer língua. Para que servem as línguas se não as usamos para isso?

O que eu respondi aos meus alunos foi: não acho que o Acordo Ortográfico tenha sido uma boa ideia, mas não culpo o Brasil pelos nossos problemas, e também não acho que a língua portuguesa possa desaparecer de Portugal. Temos uma Constituição que diz que a nossa língua é a língua portuguesa. Fazer desaparecer o português implicaria mudar a Constituição; portanto, insistir que o inglês, ou o português brasileiro, vai fazer desaparecer o português europeu é um exagero. Também lhes disse que há uma coisa que me incomoda muito mais, porque para mim representa um perigo muito mais imediato e real para qualquer pessoa no mundo: a discriminação linguística.

Há quem ache uma tremenda falta de educação falar outras línguas na presença de pessoas que só falam inglês, chegando até a interromper conversas de desconhecidos só para exigir que falem inglês. Isto sim, irrita-me. Tendo em conta todos os casos de assédio em países anglófonos contra pessoas que falam outras línguas, e toda a demagogia xenófoba que tem sido fomentada, em primeiro lugar, pelo vexame da política norte-americana, irrita-me. Quem lhes dá o direito de tomar por garantido o privilégio de falarmos inglês? E não importa que aprender a falar idiomas seja um trabalho árduo e exija perseverança? Porque é que todos nós temos de nos esforçar sempre tanto para falar inglês, para conveniência e conforto deles, mesmo perante aqueles que não estão dispostos a fazer o mesmo gesto em troca e não estão interessados em saber nada de nós? Não é essa a verdadeira falta de educação? Acharão eles que lhes somos inferiores?

João Pedro Baltazar Lázaro

[Transcrição integral. “Post” Fakebook via página “Chupa Camões”. Artigo de eltrapezio.eu Posted by em Mar 22, 2021.Transcrição integral (incluindo destaques a “bold” e “links”).]

Print Friendly, PDF & Email