Independência ou morte 2.0

Independência ou morte, de facto. Versão 2.0, como se impõe, porque 200 anos depois o sistema operativo é completamente diferente; invertido, por assim dizer, ou, na acepção clássica da expressão, o mundo ao contrário.

Ou talvez nem tanto. A natureza humana, persistindo em contrariar com factos horripilantes as belas teorias harpejadas por anjinhos celestiais com suas asinhas a dar a dar, encarrega-se desde sempre de ir demolindo com método e paciência qualquer realidade que não encaixe na narrativa do momento; mentindo por sistema, evidentemente, inventando e tergiversando a trouxe-mouxe, distorcendo e renegando qualquer verdade inconveniente.

Com imenso desplante e não menor descaramento. Por exemplo: «É frequente também ouvir comentários dirigidos a brasileiros como “Fala tão bem, nem quase tem sotaque”.»

Esta citação, retirada do texto abaixo transcrito, é uma das mais do que flagrantes mentiras contidas não apenas naquele textículo — e de tantos outros já aqui “servidos” de bandeja — como também na série de vídeos (“playlist”) acima.

Apenas por desfastio, evidentemente, no impossível caso de alguém ter alguma vez ouvido algo de semelhante à tal patranha de “fala tão bem”, então faria o favor de indicar — por exemplo, na caixa de comentários a este “post” — onde, quando e de quem ouviu ou se porventura é o próprio o autor de tão extraordinária coisinha. Um brasileiro em Portugal a fingir que imita o “sôtáki pórrtugueiss”? Não duvido, tenho a certeza: é mentira.

Da imensa colecção de galgas à brasileira (ou de brasileiristas), merecem também destaque os filmezinhos curtos na “playlist”, produzidos pela TV Senado — o equivalente ao nosso Canal Parlamento — contendo uma espectacular sequência de revisionismo histórico; sempre numa perspectiva hiper-nacionalista, como já vai sendo hábito dos governantes brasileiros, e da mesma forma mantendo o viés lusófobo, logo, preconceituoso e com evidentes traços de racismo, todas aquelas doses de intoxicação das massas — como se as ditas massas carecessem de ainda mais incentivos para detestar o tuga, o colonizador “ladrão” e “imbéciu” — servem apenas como ilustração, como uma galeria inteira de ilustrações, da forma “carinhosa” como alguns daqueles “irmãozinhos” de certos tugas “adoram eles”, como “adoram” Portugal e principalmente como não andam há 200 anos a culpar os portugueses por tudo aquilo que no Brasil correu e continua a correr mal. Pois não, que ideia, andam lá agora.

Aos permanentes insultos com que alguns (muitos) brasileiros mimoseiam todo o povo português respondem alguns políticos tugas com a mais abjecta bajulação, contorcendo-se e rastejando como verdadeiros artistas de circo, deliciados por vergar a cerviz perante o “gigante”.

Igual tara afecta não-políticos, isto é, pessoas que ao menos a julgar pelas aparências seriam normais. Porém, a pancada de teor sado-masoquista — inteiramente “passiva”, logo, exclusivamente masoquista — leva essa gente a atingir paroxismos de gozo, algo que remete para o (triste) axioma “quanto mais me bates, mais gosto de ti”. Deve ser isso, realmente. Se calhar, nem vale a pena escavar a fundo nos labirintos das perturbações mentais. A verdade é que há por aí uma data de indivíduos com semelhante pancada brasileirista, pessoal que “adora eles” à séria — e quanto mais pancada levam mais gostam, ui, adoram, levar porrada “é um barato, viu” –, daí a sua peculiar embirração para com quem sequer se atrever a insinuar que aquilo não é um comportamento normal.

Bem, mas há ainda quem se esteja completamente nas tintas para esse tipo de destrambelhados pruridos. Cá p’ra mim, em suma, abreviando longas considerações a respeito de tão pouco higiénico assunto, quem adora levar nas trombas é marado dos cornos.

O grito do Ipiranga

Ana Paula Laborinho

 

Tem sido muito destacado, por pouco habitual, também ser celebrado em Portugal o Bicentenário da Independência do Brasil. A data simbólica de 7 de Setembro em que D. Pedro rompe as relações de subordinação com Portugal e grita nas margens do Ipiranga “Independência ou Morte!“, permitiu, ao longo destes dois séculos, a visão romantizada do país colonizador que liberta a sua colónia. Decerto um dos melhores resultados destas comemorações tem sido a profusão de encontros científicos e publicações (livros, artigos, nomeadamente dirigidos ao grande público) que mostram a complexidade desse processo.

Ao longo destes 200 anos, vários movimentos migratórios têm levado e trazido comunidades que serviram para aproximar os dois países que (não será exagerado dizer) ainda se conhecem mal. De um lado e doutro, sobrevivem muitos estereótipos com a sua melhor expressão no anedotário vulgarizado. A língua portuguesa continua a ser considerada o traço de união mais permanente, embora com as diferenças que umas vezes são empoladas e outras ignoradas.

A chegada das telenovelas brasileiras a Portugal trouxe consigo um contacto com vocabulário e sotaques que, na altura, foram rapidamente assimilados. Muito desse vocabulário era, afinal, o regresso de palavras do português antigo que outras influências ou o caminho das palavras fizeram desaparecer ou substituir por distintos termos. Esquecemos que as línguas são corpos vivos que se transformam, embora seja necessário ter uma perspectiva longa para dar conta dessas mudanças. Se o português evoluiu do latim, começando por ser uma língua oral e absorvendo influências como o árabe, o português do Brasil cruzou-se com outras línguas como o tupinambá, o iorubá, mas também o espanhol, o francês e outros idiomas ao sabor da história.

Reconheço que o grande objectivo do Acordo Ortográfico de 1990 não foi alcançado: criar uma base ortográfica comum a todos os países de língua oficial portuguesa que permitisse, por exemplo, maior circulação do livro e de todos os produtos escritos, mas também contribuísse para a criação de um espaço de conhecimento comum, facilitando a mobilidade de estudantes e professores.

Lindley Cintra (1925-1991), um dos maiores linguistas portugueses, que colaborou activamente na elaboração das bases desse acordo, publicou no semanário Expresso, em 28 de Junho de 1986, um artigo em que expõe as razões para que, segundo ele, “deve considerar-se indispensável e urgente que se chegue a um verdadeiro e eficaz acordo sobre tal matéria ainda que, para isso, haja que sacrificar preconceitos e hábitos há muito adquiridos […]”. O resto da história já a conhecemos.

Os preconceitos e hábitos há muito adquiridos têm levado a uma clivagem cada vez maior entre a variante do Brasil e de Portugal, de que poderíamos dar muitos exemplos, desde logo ao nível da circulação de edições de um país e de outro por razões da diferença de variantes. Talvez o exemplo mais chocante seja a exigência por parte de universidades portuguesas (não sei se acontece no Brasil) de que os estudantes dos países de língua oficial portuguesa utilizem nos seus trabalhos a variante de Portugal. É frequente também ouvir comentários dirigidos a brasileiros como “Fala tão bem, nem quase tem sotaque”.

Uma das maiores riquezas da nossa língua é a sua diversidade que resulta de uma história espalhada por várias geografias, cruzando-se, por isso, com diferentes culturas e outras línguas. No ano em que celebramos o Bicentenário da Independência do Brasil, falta saltar muitos muros e não esquecer que o português é uma grande língua – a tal de 260 milhões de falantes – porque 210 milhões estão na América Latina. E muitos de nós (incluindo os nossos filhos) imitamos o sotaque brasileiro para conseguir um bom desempenho de assistentes de voz como a Siri ou a Alexa.

Directora em Portugal da Organização de Estados Ibero-Americanos

[Transcrição integral de artigo com o título “O grito do Ipiranga”, da autoria de Ana Paula Laborinho, publicado no

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta