Dia: 29 de Agosto, 2023

Lula Róbarunossuôru da Silva

O objectivo primordial da invenção da CPLB, sob o pretexto do #AO90 (a “tau língua universau”), sempre foi Angola — ou seja, o petróleo, o gás natural, os diamantes de Angola — e portanto faz todo o sentido, segundo a cartilha rascunhada nos anos 80, que Luanda tenha sido uma etapa decisiva. Recorde-se que anteriormente, e de enfiada, este colosso dos direitos humanos e da transparência política aterrou na “terrinha”, “por mero acaso” em pleno 25 de Abril, a seguir passou por Bruxelas, à conta do Mercosul,, ao que se seguiu Cabo Verde — uma etapa simbólica, digamos assim, espécie de prólogo para a subida ao Monte da Graça, essa montanha de primeiríssima categoria, ou seja, como já foi dito, a terra das línguas Kimbundu, Umbundu, Chokwe e Kikongo: Angola.
[post
Pedaladas do camisola amarela (e verde)“]

[Angola] É um país que já foi usurpado e roubado de tanto diamante que esse país produzia. Não sei quanto esses diamante geraram riqueza para o povo de Angola ou geraram riqueza apenas para meia dúzia de espertos. Esse país tem ouro, esse país tem petróleo, esse país tem gás e esse país tem oportunidade, esse país tem um potencial agrícola extraordinário. É por isso [inaudível] você que é você tem que saber o seguinte a gente vai ter que pensar nessas coisas para que a gente possa fazer o que a gente não fez no século passado. Nós não temos o direito de continuarmos pobre. Nós não temos o direito de continuar sendo chamado de o terceiro mundo. Nós temos muitas condições a oferecer. Por isso eu queria fazer um convite aos empresários brasileiros. Eu comecei dizendo Angola é importante que Angola dá estabilidade. Eu vou repetir: Angola paga! Angola não vive devendo. Mas tem outros países também tem oportunidade. O que eu quero que vocês tentem é que vocês se quiserem crescer, se quiserem virar empresa multinacional, vocês nunca vão poder investir na França, nunca vão poder investir nos Estados Unidos, nunca vão poder investir na Alemanha. É aqui que vocês podem investir, é aqui que vocês podem ter oportunidade.


Continuam as réplicas do ligeiro tremor de terra baptizado como “Cimeira da CPLB“, o culminar do périplo mundial deste exemplar de BRICS (tijolos, em Inglês).

Na visita oficial a Angola, o proprietário da “língua universau” atroou as paredes de Luanda com a sua tremenda eloquência e não menor (nem menos ilustre) “verve”.

Lula da Silva “Doutor” pela Universidade Coimbra, Março 2011

Além do choradinho habitual — no Brasil, um ritual pandémico — a espumar de raiva ao “colonizador”, lá debitou as tretas do costume, o ouro que “uiss pôrrtuguêziss, êssiss mauvadu” roubaram lá na terra deles e a forma “seuvági” como nós os “escravizámos”. Além desta espécie de liturgia como appetizer, o comunista Lula foi a Luanda reclamar a sua tranche na “repartição de riqueza” — outro ritual, consistindo este em redistribuir a riqueza alheia metendo-a no próprio bolso — que, na sua douta (e experiente) opinião, abunda na terra dos Quicongo, Quimbundo, Umbundo, Cuangar, Vátua e tantos outros povos. Aliás, esta sede de “redistribuição” já aqui tinha sido referida por diversas vezes, pelo que a visita deste cefalópode ao seu camarada angolano poderá ser tudo menos surpresa.

E muito menos surpreendente será o chorrilho de enormidades que o cefalópode lá foi babujar, não para Inglês ver mas para angolano ouvir. Os títulos das gravações dizem quase tudo: “o Brasil voltou para «a» Angola” e “«Na» Angola, Lula é condecorado com a Ordem António Agostino[sic] Neto”.

Perguntas parvas como, por exemplo, “voltou?, mas quando raio é que lá esteve?” ou “António quê?, quem é esse Agostino?” não serão admitidas. Não abandalhemos ainda mais a questão.