Apartado 53

Um blog contra o AO90 e outros detritos

Etiqueta: Angola

‘Errare humanum est, sed in errare perseverare diabolicum’

«Essa expressão de “caos” estaria mais relacionada com o ensino da língua portuguesa agora usando o acordo ortográfico.»

«Foi a sensação que eu tive de que o ensino se estava a tornar num negócio. Tornou-se num negócio com esta implementação do acordo ortográfico.»

«Porque eu reformei-me, e reformei-me por não querer cumprir o acordo ortográfico, porque não o cumpria.»

«Não interessa que o ser-humano pense. O que interessa é que fique indiferente às coisas e que se torne um escravo e também, às vezes, um selvagem em relação aos outros.»

«Séneca tem uma frase: “errar é próprio dos homens, persistir no erro é próprio de loucos”. »

«Se o critério fundamental é a pronúncia, então cada qual escreve como quer.»

«Dizem que as crianças, se tirassem as consoantes mudas, era tudo tão mais fácil, ora, eu sou professora e nunca foi nas consoantes — nos C e nos P — que os alunos faziam os seus erros.»

«O acordo, o Tratado internacional é uma perfeita fraude.»

«Nenhuma Língua evolui por decreto. Esta língua, que é uma mixórdia em que eu não reconheço o Português, não evoluiu nada, isto não é evolução, isto é o contrário da etimologia da palavra ‘evolução’. Por isso, se a estupidez quiser vingar, e é estupidez se nada se fizer para recuar.»

Maria do Carmo Vieira

Da Capa à Contracapa

Andamos a tratar bem a Língua Portuguesa?

16 Jun, 2018

 

Os professores Maria do Carmo Vieira, Adelino Calado e Rui Afonso Mateus juntam-se a José Pedro Frazão para discutir o ensino do português e a forma como tratamos a Língua Portuguesa na nossa sociedade.

Esta semana no “Da Capa à Contracapa” fala-se do ensino do português e a forma como tratamos a Língua Portuguesa na nossa sociedade.

Professores do Ensino Secundário, Maria do Carmo Vieira, Adelino Calado e Rui Afonso Mateus têm leituras muito próprias e críticas do sistema e do ensino, também das pedagogias aplicadas. Em particular no ensino do Português.

O Professor Adelino Calado, não sendo professor da mesma área, pois leciona Educação Física, é diretor do Agrupamento de Escolas de Carcavelos onde tem implementado medidas inovadoras como acabar com os TPC convencionais, os exames ou os toques de entrada. Com a sua ajuda lançamos também um olhar sobre a escola de hoje, trazendo ainda algumas ideias para a escola do futuro.

E recomendamos a leitura dos ensaios da fundação Francisco Manuel dos Santos sobre o tema: nomeadamente os dos autores que convidamos: o Ensino do Português e Literatura e Ensino do português.

O da Capa à Contracapa é uma parceria da Renascença com a Fundação Francisco Manuel dos Santos. A moderação como sempre é do jornalista José Pedro Frazão.

Share

O AO90 e a “maravilhosa projecção internacional da língua” «unificada»

Angola quer acesso à comunidade dos países de língua francesa. (RTP)

Angola quer acesso à comunidade dos países de língua francesa. (RTP)

L’Angola lusophone fait les yeux doux au Commonwealth et à la Francophonie

 

Faire d’une pierre deux coups. C’est l’ambition du nouveau président angolais Joao Lourenço qui souhaite, contre toute attente, voir son pays, une ancienne colonie portugaise, intégrer à la fois la Francophonie et le Commonwealth britannique.

La mission ne s’annonce pas impossible, à en croire le chef de l’Etat, qui tente coûte que coûte d’attirer les investisseurs étrangers dans son pays producteur de pétrole, mais embourbé depuis des années dans une profonde crise économique.

Joao Lourenço en veut pour preuve le Mozambique, une autre ex-colonie portugaise qui a rejoint le Commonwealth en 1995.

“L’Angola n’est pas entouré de pays lusophones”, a-t-il benoîtement constaté pour justifier son initiative. Il est pressé au nord par la République démocratique du Congo et le Congo-Brazzaville, adeptes de la langue de Molière. Au sud et à l’est par la Namibie et la Zambie, pratiquants de celle de Shakespeare.

“Par conséquent, ne vous étonnez pas que nous demandions maintenant l’adhésion à la Francophonie et, dans quelques jours, au Commonwealth”, a lancé le président angolais lors d’une récente tournée diplomatique en Europe.

Londres a réagi avec enthousiasme à cette annonce surprise. “Formidable”, s’est extasié le chef de la diplomatie britannique Boris Johnson sur Twitter.

“Nous accueillons avec une grande satisfaction l’engagement du président Lourenço sur des réformes de long terme, la lutte contre la corruption, l’amélioration des droits humains. Au plaisir de l’accueillir bientôt au Royaume-Uni”, a-t-il lancé.

L’intégration au Commonwealth répond à des critères stricts. Sa charte insiste notamment sur “l’égalité et le respect de la protection et de la promotion des droits civils, politiques, économiques, sociaux et culturels” de ses membres.

La perspective d’y ajouter l’Angola réjouit Zenaida Machado, de l’organisation Human Rights Watch (HRW).

“Il devra adhérer à des règles et des principes qui, s’ils sont respectés, seront très bons pour le climat du pays”, se réjouit-elle, “pour nous c’est un bon signal”.

– “Bonne idée” –

Car, de l’avis des ONG, l’Angola n’est pas précisément un parangon de vertu démocratique.

Il sort à peine de trente-huit ans de règne autoritaire de Jose Eduardo dos Santos, qui a largement muselé ses adversaires politiques. Son successeur Joao Lourenço, issu du même parti, le MPLA, a promis d’éradiquer la corruption, mais la route reste longue sur la voie d’un changement de régime.

S’il a autorisé en mars une rare manifestation de l’opposition, sa police a encore été épinglée au début du mois pour avoir abattu sans autre forme de procès un suspect dans la rue.

A ce jour, seuls deux pays sans histoire coloniale commune avec le Royaume-Uni – le Mozambique et le Rwanda – sont membres du Commonwealth. Et ceux qui adhèrent en même temps à la Francophonie (84 membres) et au Commonwealth (53) se comptent sur les doigts des deux mains.

“C’est une bonne idée que l’Angola (les) rejoigne car la majorité des pays africains sont liés à ces organisations”, estime l’analyste politique Augusto Bafua Bafua. “L’Angola est déjà membre de la Communauté des pays de langue portugaise, mais cette organisation est très faible”, fait-il remarquer.

Dans les rues de Luanda, les Angolais, qui se débattent au quotidien avec un chômage de masse et une forte inflation, s’interrogent pourtant sur l’impact de telles adhésions.

“L’Angola fait déjà partie d’organisations similaires et les avantages ne sont pas visibles”, estime Augusto Pedro, chômeur de 36 ans. “Le portugais n’est pas parlé par toute la population, donc on devrait se battre pour rejoindre ces communautés”, nuance un autre habitant, Manuel Joao, 28 ans.

L’opposant Rafael Marques, lui, reste très perplexe. “Les gens en Angola peuvent à peine écrire portugais parce que le système éducatif s’est effondré”, constate-t-il, “si on ne peut pas éduquer son peuple dans la langue officielle, à quoi bon rejoindre deux autres communautés de langue ?”

Alors Rafael Marques, féroce critique du parti au pouvoir, avance une autre explication. “Cette annonce sympathique va lui faire gagner des points dans les médias”, cingle-t-il.

Source: L’Angola lusophone fait les yeux doux au Commonwealth et à la Francophonie

https://twitter.com/BorisJohnson/status/1004039780076748802?ref_src=twsrc%5Etfw&ref_url=https%3A%2F%2Feco.pt%2F2018%2F06%2F06%2Fboris-johnson-confirma-no-twitter-angola-quer-juntar-se-a-commonwealth%2F

Share

“Do lirismo ao desastre” [Nuno Pacheco, “Público”, 14.06.18]

Angola quer acesso à comunidade dos países de língua francesa. (RTP)

Angola quer acesso à comunidade dos países de língua francesa. (RTP)

 

Língua portuguesa, do lirismo ao desastre

Nuno Pacheco
“Público”, 14 de Junho de 2018

Os panegíricos em torno da expansão da língua portuguesa equivalem a um banquete de bombeiros no interior de uma casa em chamas. Um absurdo.

 

Inflada pelo 5 de Maio, Dia Internacional da Língua Portuguesa, e o 10 de Junho, Dia de Camões e das Comunidades Portuguesas, anda por aí a euforia do costume em torno da nossa língua. “A quinta mais falada no mundo, a terceira mais falada no hemisfério ocidental e a mais falada no hemisfério sul”, diz a propaganda, e os políticos rejubilam. “Trabalho bem feito, hã? Valeu o esforço, ora se valeu!” Há como que uma espécie de embriaguez que nos tolda os sentidos e nos impede de ver o que se esconde por detrás dos desejos, da retórica, das frases encomiásticas, das estatísticas que anunciam, sem pejo, que a língua portuguesa, se é falada hoje (garantem) por mais de 260 milhões de seres, sê-lo-á por 400 milhões até 2050 e por nada menos do que 600 milhões até ao final do século. É obra, senhores, é obra!

Mas é obra, sobretudo, da imaginação. Quem preza a língua portuguesa desconfia de tal abundância. Para que isso fosse verdade, era preciso haver um trabalho sério de difusão da língua à escala global (e difundi-la é fazê-la ouvir e ser utilizada no mundo, não é trocá-la pelo inglês à mínima oportunidade, como é hábito nosso), era não confundir língua com ortografia (e o malfadado “acordo” nasce desse equívoco espúrio), era olhar primeiro para a nossa própria casa, que tão desarrumada está, e só depois para o horizonte em torno dela.

O debate que a Fundação Francisco Manuel dos Santos promoveu no mais recente programa Fronteiras XXI, que a RTP3 transmitiu em directo no dia 6 de Junho, foi bem elucidativo dos equívocos que persistem. Ouvimos Onésimo Teotónio de Almeida, escritor radicado há 46 anos nos Estados Unidos, dizer que o “movimento de crescimento” do português está ali a ter uma curva descendente desde 2015; ouvimos, numa reportagem, dizer que em cada dez crianças que chegam à escola em Moçambique, só uma fala português, e que, segundo o último censo moçambicano, só metade da população fala minimamente o português (só um em cada dez moçambicanos considera o português língua materna, disse-se também); ouvimos Germano Almeida, escritor cabo-verdiano recém-distinguido com o Prémio Camões, dizer que “Cabo Verde não é um país bilingue, é um país que tem uma língua que é o crioulo” e que “talvez 10% da população fale português” em Cabo Verde, sendo que “mais de 50%” entende a língua portuguesa (os restantes, conclui-se, nem sequer a entenderão). A este quadro, poderíamos juntar uma notícia inquietante desse mesmo dia 6: Angola vai pedir adesão à Commonwealth (comunidade com 53 países de língua inglesa) e à Francofonia (57 países), no que, aliás, não está isolada, já que Moçambique pertence também à Commonwealth, pertencendo Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe, ambos, à Organização Internacional da Francofonia. Talvez em “troca”, França, Itália, Andorra, Luxemburgo, Argentina e Sérvia pedem agora adesão à CPLP, como observadores.

Perante tal quadro, que reacções houve? Preocupação? Insistência num trabalho mais firme e profícuo? Não, muito pelo contrário. Ouvimos, espantados, dizer que “o português nunca esteve tão bem”, que “continua firme”, que “está muito bem e recomenda-se”. E ouvimos Luís Antero Reto (um dos autores do panegírico Novo Atlas da Língua Portuguesa) dizer que “o facto mais significativo da língua portuguesa é o seu potencial de crescimento neste século”, garantindo que o português “é a língua que mais cresce a seguir ao árabe” por estar em mais continentes. Estar, está; mas de que modo? Disso os “promotores” da língua não querem saber. Há escolas a ensinar português na China, e isso basta-lhes, é sinal de “crescimento” (e logo na China, caramba!), mas ignoram que mesmo debaixo dos seus olhos Moçambique está como está; Angola afasta-se; o Brasil está numa tremenda crise (também em matéria educativa); Cabo Verde, São Tomé e Guiné privilegiam, compreensivelmente, os respectivos crioulos; e a língua portuguesa, em todo este enorme universo, corre o risco de minguar em lugar de expandir-se.

Ouvir os arautos desta mirífica expansão é como assistir a um banquete de bombeiros no interior de uma casa em chamas: um absurdo. Nos anos 1970, o PPD tinha um curioso slogan: “Hoje somos muitos, amanhã seremos milhões”. Os anarquistas, cáusticos, acrescentaram-lhe um comentário: “Tomem a pílula”. Pois na língua portuguesa não precisamos: já tomámos a pílula da inconsciência, do lirismo e do desvario. A continuar assim, nenhum discurso nos valerá. A menos que abramos os olhos.

Nuno Pachecho

[Transcrição integral de texto, da autoria de Nuno Pacheco, publicado no “Ipsilon” (suplemento do jornal “Público”) em 14.06.18. Inseri “links”. Imagem de topo de: RTP.]

Share

O quinto poder

Nestas coisas da pulhítica, em termos de jargão específico do “métier”, dá imenso jeito saber ler, literalmente, passe a redundância, nas entrelinhas. Dos vários tipos ou níveis de iliteracia, o analfabetismo político é de, todos — e de longe –, o mais perigoso, visto que o patuá críptico dos agentes de intoxicação em massa (vulgo, “órgãos de comunicação social” ao serviço ou “jornalistas” pagos à peça) tem por funções confundir e não esclarecer, influenciar e não informar, condicionar e não instruir, embrutecer e não comunicar factos.

Aqui está mais um artigo da agência de propaganda BrasiLusa que espectacularmente preenche todos os requisitos do “jornalismo” político, ou seja, da mais pura e dura contra-informação.

Todo este paleio, de cabo a rabo, apesar de aparentemente inócuo e circunstancial, não passa objectiva e factualmente de uma verdadeira  mistificação, passe o oximoro, gizada por competentíssimos  profissionais… da aldrabice.

As aparências iludem, como diz o povo. É muito provável que entenda cada qual deste estendal de meias-verdades algo que sequer lá está escarrapachado (a ideia é essa, mesmo), mas é ainda mais provável que no fim da leitura, para quem se der a essa maçada, não fique uma ideia, ainda que vaga,  do que raio significam os palavrões (“diagnóstico”, “implementação”, “potencialidades”) ou mesmo as palavrinhas (“experiência”, “resultados”, “soluções”).

A linguagem encriptada, própria e exclusiva da política, e por maioria de razões tendo por finalidade a intoxicação, presta-se a diferentes interpretações, todas elas (ou quase todas) variantes da mesma “verdade” que os profissionais da mentira foram incumbidos de espalhar. Convencionou-se chamar “opinião” a esse tipo de “verdades” e, por conseguinte, quem as fabrica são os “fazedores de opinião”.

Espero ter lido bem, isto são excelentes notícias.

 

Cabo Verde quer conhecer experiência de Angola na implementação do Acordo Ortográfico

SAPO Notícias, 07.06.18

 

Angola já fez o Diagnóstico à Aplicação do Acordo Ortográfico de 1990 e Cabo Verde quer conhecer os resultados da experiência, anunciou hoje a ministra da Educação, Maritza Rosabal, em declarações à Inforpress.

Os resultados serão apresentados durante a primeira reunião dos Ministros da Educação do Fórum dos Países Africanos de Língua Portuguesa (FORPALOP) que decorre nos dias 07 e 08 de Junho em Luanda, Angola, onde Maritza Rosabal se encontra para participar e também para conhecer experiências educativas de outros países como Angola, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Moçambique e ainda Timor-Leste.

Em declarações à Inforpress a partir de Luanda, a ministra considerou “muito importante” conhecer os resultados do estudo sobre a implementação do Acordo Ortográfico de 1990 nas escolas angolanas, por ser um “acto de aprendizagem”, já que Cabo Verde nunca fez nenhuma análise a esse respeito.

“Por isso é muito interessante ver o que Angola está a fazer para aprender, e conhecer quais são as consequências do mesmo. No fundo, o Acordo Ortográfico está em implementação em Cabo Verde, mas nunca se discutiu se realmente é ou não uma boa experiência porque não tem sido um foco de intervenção para Cabo Verde”, admitiu.

No entender de Maritza Rosabal, a questão central é o ensino da língua portuguesa como língua segunda, já que todos os países que fazem parte dos PALOP, mais Timor-Leste, têm as suas línguas maternas, entendendo que há necessidade de se implementar, com base em conhecimento e experiência, uma metodologia do ensino da língua portuguesa como língua segunda.

A ministra da Educação fez saber ainda que, durante o encontro de Luanda, ela e os seus homólogos vão identificar e discutir as potencialidades no domínio do ensino técnico-profissional enquanto promotor da profissionalização dos serviços e do desenvolvimento sustentável, tendo realçado que os países têm problemas a nível de quadros e pessoas formadas em áreas diversas, algo que requer soluções conjuntas.

A mobilidade estudantil para cursos técnico-profissionais entre os diferentes países vai ser também outro assunto em análise a partir das boas práticas de cada membro do fórum, área que pode ser importante para a promoção da rede de investigação científica entre os PALOP e Timor-Leste.

“Termos a possibilidade de mobilidade entre os nossos países é muito importante porque vai ser possível estabelecer um quadro muito mais elaborado em termos de vistos, o que ia ajudar os estudantes a terem outras experiências e outras perspectivas de integração no próprio mundo do trabalho”, salientou.

O FORPALOP foi criado em 2014 pelos PALOP como sendo um órgão multilateral de concertação político-diplomática e de cooperação, e visando o aprofundamento das históricas relações e a solidariedade entre os cinco países africanos de língua oficial portuguesa.

Source: Cabo Verde quer conhecer experiência de Angola na implementação do Acordo Ortográfico – Actualidade – SAPO Notícias

Destaques, sublinhados e “links” meus.

Share

8 de Junho 2018: Angola reitera que não ratifica AO90

Ministro da Educação reunidos em Luanda

7 de Junho, 2018

Luanda acolhe nesta quinta-feira a primeira reunião de ministros da Educação do Fórum dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, que decorre sob o lema “Por uma educação sustentável, fortaleçamos a cooperação nos PALOP”.

O fórum tem como propósito a troca de experiências sobre as reformas de ensino nos respectivos países, a apresentação das propostas sobre mobilidade estudantil para cursos técnico-profissionais e a apresentação dos resultados de Diagnósticos sobre a Aplicação do Acordo Ortográfico de 1990 nas escolas do II Ciclo do Ensino Secundário, realizado em Angola.

Angola mantém reservas sobre ratificação do Acordo Ortográfico – SAPO 24

SAPO

Angola continua “reticente” quanto à ratificação do acordo ortográfico da Língua Portuguesa, defendendo a necessidade de encontrar “mais pontos conciliatórios”, face às preocupações de ordem linguística e didáctica da nova versão.

O posicionamento foi expresso hoje, em Luanda, pela coordenadora da comissão nacional angolana no Instituto Internacional da Língua Portuguesa, Ana Paula Henriques, no âmbito da 1.ª reunião de ministros da Educação do Fórum PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa).

“Em relação às preocupações de ordem linguísticas, há instruções no Acordo Ortográfico que não respeitam preceitos científicos, não se consegue comprovar e os resultados do nosso diagnóstico assim o demonstram”, disse a responsável, em declarações aos jornalistas, à margem da reunião de hoje.

“SAPO24”, 08.06.18

Angola mantém reservas sobre ratificação do Acordo Ortográfico

Angola continua “reticente” quanto à ratificação do acordo ortográfico da Língua Portuguesa, defendendo a necessidade de encontrar “mais pontos conciliatórios”, face às preocupações de ordem linguística e didáctica da nova versão.

O posicionamento foi expresso hoje, em Luanda, pela coordenadora da comissão nacional angolana no Instituto Internacional da Língua Portuguesa, Ana Paula Henriques, no âmbito da 1.ª reunião de ministros da Educação do Fórum PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa).

“Em relação às preocupações de ordem linguísticas, há instruções no Acordo Ortográfico que não respeitam preceitos científicos, não se consegue comprovar e os resultados do nosso diagnóstico assim o demonstram”, disse a responsável, em declarações aos jornalistas, à margem da reunião de hoje.

Ana Paula Henriques acrescentou que com as actuais “preocupações de ordem didáctica”, é “difícil fazer a sua aplicação” na escola.

Angola levantou desde o primeiro momento a questão da necessidade de se regular a forma de utilização das letras k, w e y, o que o Acordo Ortográfico não faz, apesar de largamente usadas em Angola.

A 1.ª reunião do Fórum dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) junta, em Luanda, os ministros da Educação de Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Guiné Equatorial e ainda Timor-Leste como país observador.

Para Ana Paula Henriques outra preocupação de Angola relativamente ao Acordo Ortográfico de 1990, e que ainda não ratificou, é a falta de precisão dos guias e instrutivos para a sua aplicação.

“É por esta razão que nós achamos que o caminho ideal para uma língua, com tanto prestígio como é a língua portuguesa, é de corrigir aqueles aspectos que não são funcionais”, sustentou.

Os resultados de um diagnóstico à aplicação do Acordo Ortográfico de 1990, realizado em algumas escolas angolanas estão igualmente a ser avaliados neste Fórum.

“A posição de Angola não é de não ratificar do Acordo Ortográfico, a nossa posição é de conversar com os pares no sentido de apresentar preocupações no sentido de acomodar também Angola num instrumento que é comum, é de todos os membros dos PALOP e CPLP”, referiu.

Quanto à política linguística, a responsável assinalou, que Angola “respeita” as recomendações da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), “que alertam para se ter atenção a convivência entre as línguas nos respectivos países”.

“O que quer dizer que para nós nos sentirmos acomodados no Acordo Ortográfico é importante que se conciliem determinados fenómenos característicos da língua portuguesa escrita, porque nem todos os fenómenos da escrita estão retratados no Acordo Ortográfico”, sublinhou.

O que, fundamentou, “retarda também o aspecto de extrema importância para a independência dos Estados que é a elaboração das suas gramáticas, dicionários”.

“São essas preocupações que temos apresentado aos nossos pares em busca de concertação entre a linguística da língua portuguesa e da língua bantu, ou ainda os crioulos, enfim”, rematou.

Em Angola continua a vigorar o Acordo Ortográfico de 1945, convenção ortográfica assinada em Lisboa, a 06 de Outubro de 1945.

O Governo angolano ainda não decidiu sobre a ratificação do novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, situação igual à de Moçambique.

Em Portugal, a moratória sobre a aplicação do novo acordo, de 1990, terminou a 13 de Maio de 2015, data a partir da qual a sua utilização passou a ser obrigatória.

“DN”, 08.06.18

[As transcrições dos textos “Sapo” e “DN” foram corrigidas automaticamente pela solução Firefox contra o AO90.]

Share

Angola: Francofonia OK, Commonwealth OK, CPLP… KO

Angola dá sinais de que lusofonia não é prioridade

 

Nos últimos dias, Luanda fez saber que quer entrar na Organização Internacional da Francofonia e na Commonwealth. No périplo do novo Governo pela Europa, Portugal não foi incluído. O que significa esta mudança?

Bárbara Reis
“Público”, 07.06.18

 

A intenção foi divulgada esta quarta-feira pelo ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, mas não terá espantado a diplomacia portuguesa: Angola vai pedir adesão à Commonwealth, a comunidade de países de língua inglesa.

A notícia surge dias depois de, em Paris, o novo Presidente angolano, João Lourenço, eleito em Setembro, ter anunciado que Luanda também vai pedir adesão à Organização Internacional da Francofonia.

Diplomatas ouvidos pelo PÚBLICO notam o facto de João Lourenço não ter sequer incluído Portugal no seu primeiro périplo europeu e, uma vez no continente, ter feito uma aproximação explícita aos clubes anglófono e francófono, relegando a comunidade lusófona para terceiro lugar.

“Angola escolheu Paris e agora Bruxelas”, concorda o deputado social-democrata Paulo Neves, membro da Comissão de Negócios Estrangeiros da Assembleia da República e que acompanha a política africana e a CPLP. “Se a lusofonia fosse a prioridade, a primeira visita teria sido a Portugal e à sede da CPLP”, disse ao PÚBLICO.

Para além de serem dois clubes gigantes — 53 na Commonwealth e 57 na Organização Internacional da Francofonia —, Angola é vizinho de vários dos Estados-membros dos dois organismos. Mais do que isso, no entanto, este novo posicionamento é visto como uma forma de Luanda tentar afirmar-se como potência regional (África) e sub-regional (África Austral). Essa é uma velha ambição, que vários especialistas em política africana conhecem. Nos bastidores da diplomacia, há anos que Luanda se afirma por oposição à África do Sul, sublinhando três das suas forças: tem água e petróleo e não tem um problema racial por resolver.

“Sinto um misto de alegria e tristeza”, diz o deputado Paulo Neves. “Vejo que Angola tem finalmente uma política externa clara e ambiciosa, mas vejo também que a nova estratégia de afirmação regional não passa pela lusofonia. Isso deve obrigar-nos a pensar: porque é que a lusofonia não é suficientemente atraente, porque é que a lusofonia deixou de ser a prioridade angolana, como trazer Angola de volta? O problema não é Angola querer estar com os outros. Isso é natural. O problema é não ter começado pela lusofonia. Temos que perguntar: o que é que se passa com a CPLP?”

Nenhum dos embaixadores dos países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) contactados pelo PÚBLICO quis comentar as intenções de Luanda, incluindo os governos angolano e português.

São Tomé e Príncipe e a Guiné-Bissau pertencem à Organização Internacional da Francofonia e Moçambique pertence à Commonwealth. A existência dessas novas alianças, em acumulação com o vínculo histórico à lusofonia, ajuda a reduzir o eventual efeito surpresa que a vontade de Luanda poderia ter. Ao mesmo tempo, na próxima XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP — que este ano é em Cabo Verde — espera-se a confirmação formal da entrada com o estatuto de observador associado da CPLP da França, Itália, Andorra, Luxemburgo, Argentina e Sérvia.

É cedo para antecipar os possíveis resultados desta expansão do multilateralismo ou os benefícios para as relações internacionais. Para dois dos diplomatas ouvidos, no entanto, a motivação angolana de se aproximar dos clubes da francofonia e da anglofonia junta à ambição imperial um outro factor: as emoções. “Chatear Portugal.”

[Transcrição integral de: Diplomacia | Angola dá sinais de que lusofonia não é prioridade | PÚBLICO, 07.06.18 (edição em papel). Imagem de topo: recorte de foto original © POOL/MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/REPUBLIC PRESIDENCY OF ANGOLA/LUSA]

Share
Apartado 53 © 2017 Frontier Theme