Apartado 53

Um blog contra o AO90 e outros detritos

Etiqueta: CPLP

Angola encerra embaixada junto da CPLP

Embaixada na CPLP fecha em Novembro

Adelina Inácio
“Jornal de Angola”, 11.09.18

O ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, anunciou ontem o encerramento de quatro embaixadas e quatro consulados até Novembro. Dentre as embaixadas, o ministro indicou as do México, Canadá, Grécia e da CPLP, que passa a ser coberta pela embaixada em Lisboa.

Em relação aos consultados, Manuel Augusto apontou as de  Durban(África do Sul), Frankfurt(Alemanha) , Faro (Portugal) e Califórnia (Estados Unidos da América). “Até Outubro e final de Novembro, algumas embaixadas e consulados vão ser encerrados. Estamos no processo de encerramento, estamos já a movimentar as pessoas e vamos fechar todo processo até Novembro”, garantiu o ministro.

O chefe da diplomacia angolana, que discursava na abertura do VII Conselho Consultivo do seu Ministério,  anunciou o encerramento da maior parte das  representações comerciais e reforçar as embaixadas com diplomatas que terão a missão de acompanhar os assuntos económicos.

“Vamos encerrar a maior parte das representações comerciais e reforçar as embaixadas com diplomatas que vão ter, como principal actividade, o acompanhamento dos assuntos económicos para corporizar este papel que está a ser reservado às missões  diplomáticas e consulares no quadro da diplomacia económica”, garantiu.

O ministro Manuel Augusto afirmou que as representações a serem encerradas têm sido “fonte de despesas, nalguns casos, e, em outros, fontes de conflitos com resultados zero”. O ministro, que  falou aos diplomatas sobre a nova dinâmica de organização e funcionamento das diversas áreas do sector, anunciou, igualmente, o processo de substituição e rotação de vários quadros responsáveis, com destaque para cônsules.

Manuel Augusto apontou oito pontos para a implementação das medidas relacionadas com a diversificação da economia e diplomacia económica , tendo destacado o aumento do volume de negócios e as condições de financiamento das Instituições Financeiras Internacionais, para concluir os projectos estruturantes em curso e implementar outros projectos de investimento público prioritários.

Entre outras acções,  Manuel Augusto apontou também o reforço da estratégia económica subjacente ao Programa de Apoio à Produção Nacional, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI), mobilizando a rede diplomática de Angola para promover os produtos e serviços nacionais, bem como as oportunidades de investimento no país.

Candidatura na UA
A promoção da candidatura de Angola para mais um mandato de dois ou três anos no Conselho de Paz e Segurança da União Africana, e considerar a possibilidade de uma das reuniões deste órgão realizar-se em Luanda, durante a presidência de Angola, tendo em conta os efeitos positivos para o prestígio do país e da política externa angolana, é igualmente outra medida apontada  pelo ministro para a implementação da diplomacia económica.

Diplomacia económica
O ministro lembrou aos embaixadores que é no Plano de Desenvolvimento Nacional onde estão definidas as linhas principais para a execução de uma diplomacia económica eficiente e proactiva, visando a atracção e captação do investimento privado estrangeiro, no âmbito da diversificação económica em curso no país.

Os diplomatas estão a analisar, até hoje, o alinhamento do Plano de Desenvolvimento Nacional  com a Política Externa, a Diplomacia Económica de Angola, a Geopolítica e Cobertura Regional, o Plano de Reforma e a nova visão para o Ministério das Relações Exteriores. Os participantes devem igualmente perspectivas novas acções para o próximo ano.

Manuel Augusto pediu a intensificação do diálogo político e diplomático global, equilibrado e regular e uma cooperação bilateral activa com a União Europeia, no âmbito do “Caminho Conjunto” sobre questões de interesse comum, nomeadamente paz e segurança, boa governação, direitos humanos, crescimento económico e desenvolvimento sustentável, entre outras.

A efectivação destas acções, disse,  requer maior atenção ao processo de conclusão e assinatura do Acordo de Promoção  e Protecção Recíproca de Investimento (APPRI) e do acordo para evitar a Dupla Tributação (ADT) com vários países interessados.

Segundo o ministro, isto permitirá criar um ambiente de negócios seguro e de confiança para a consolidação  das parcerias económicas e financeiras que garantam, de forma eficaz, a concretização dos programas e projectos do Executivo.

Manuel Augusto reconheceu que o sucesso da diplomacia económica depende, em grande medida, da criação, no plano interno, de condições concretas nos domínios da energia e águas, saneamento básico, desburocratização na administração pública, melhoria nos sectores da justiça, banca e finanças, bem como o repatriamento de capitais e dividendos.

O ministro adiantou também que a garantia dessas condições permitirá a captação de investimento estrangeiro, que deve contribuir para o processo de diversificação e desenvolvimento da economia, tendo como objectivo estratégico a industrialização de Angola.

Quanto à desburocratização, o ministro afirmou que  o processo de reformas internas deve prestar maior atenção à problemática da formação de quadros, a supressão e facilitação de vistos para homens de negócios, bem como a concessão de vistos de turismo para Angola.

Source: “Jornal de Angola”, 11.09.18
(Imagem de topo de: OPEC)

Angola vai encerrar embaixada junto da CPLP e consulado em Faro até Novembro

Observador/Agência Lusa, 10.09.18

Angola vai encerrar até Novembro a embaixada junto da sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, em Lisboa, e o consulado em Faro, disse o chefe da diplomacia angolana.

Angola vai encerrar até Novembro a embaixada junto da sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Lisboa, e o consulado em Faro , disse esta segunda-feira, em Luanda, o chefe da diplomacia angolana. Segundo Manuel Augusto, que falava à margem do VII Conselho Consultivo do Ministério das Relações Exteriores de Angola, que decorre até terça-feira, sob o lema “As Oportunidades e Desafios no Futuro”, o encerramento faz parte de uma lista de quatro missões diplomáticas e outros tantos consulados que, até Novembro serão fechados.

(mais…)

Share

«Crazy poor portuguese» [Clara Ferreira Alves, “Expresso”, 01.09.18]

«De Goa e Bombaim a Malaca, de Macau a Pequim, da Índia aos confins da Pérsia, da China e do Japão, os portugueses deixaram uma herança histórica e cultural que decidiram não honrar e eliminar. A lusofonia tornou-se um conceito brasileiro e africano, um conceito que nenhum resultado teve até hoje, a não ser a consequência de um Acordo Ortográfico inútil e destruidor da raiz latina da língua. Ou seja, tudo o que a lusofonia com esta matriz PALOP fez por Portugal foi pago por Portugal e ignorado por todos os países lusófonos. A política da língua, inexistente, serviu para o costume, a criação de um corpo de funcionários públicos e clientelas dos partidos, que existem sem missão e sem verba.»
Clara Ferreira Alves

CRAZY POOR PORTUGUESE

Clara Ferreira Alves

Abolir filmes asiáticos não nos ajuda, porque quem conheça a Ásia percebe que o futuro está no eixo do Pacífico e que o eixo do Atlântico está a terminar

Quando saiu do elevador deixou um perfume que entonteceu os sitiados. Orquídeas? Jasmim? Flores brancas das que crescem na Ásia por todo o lado. Os sitiados, que iam para andares diferentes do hotel, ficaram em silêncio a aspirar o cheiro do dinheiro. Tudo, naquela mulher, cheirava a dinheiro. A roupa de marca, a jóia discreta, o cabelo negro lacado, os sapatos de verniz e salto alto, mil euros desenhados por aquele senhor com nome francês que tem casa na costa alentejana. E isto sabendo-se que ao anoitecer a chuva cairia com violência, inundando as ruas e escorrendo nos declives e goteiras com o barulho de uma catarata. Aqueles sapatos nunca saíam à rua, eram sapatos de motorista e carro de luxo, de portas abertas à passagem por gente fardada. Por servos. Aqueles sapatos pertenciam a uma mulher chinesa rica. Podia ser de Xangai, Pequim, Singapura ou Hong Kong, podia ser de Banguecoque, era sem dúvida de ascendência chinesa. Conforme as sábias palavras do grande viajante árabe Ibn Batuta, o marroquino nascido em Tânger em 1304, em nenhuma parte do mundo se encontra gente mais rica do que os chineses.

A frase serve de epígrafe à novela de Kevin Kwan que deu origem ao filme “Crazy Rich Asians”, que bate recordes de bilheteira e que a Netflix tentou comprar sem conseguir. O filme parece que não será visto nas salas portuguesas. A distribuidora assim decidiu, por ser um filme habitado por actores asiáticos e que se passa no universo exclusivo dos multimilionários de Singapura. O filme, como o livro, não passa de um best-seller de aeroporto que vale pelo que mostra desta Ásia com dinheiro, muito dinheiro. Mostra uma parte de um mundo que, para os portugueses que deixaram de ser comerciantes, aventureiros e diplomatas, deveria ser mais bem conhecida e deveria despertar mais curiosidade. Abolir filmes asiáticos não nos ajuda, porque quem conheça a Ásia percebe que o futuro está no eixo do Pacífico e que o eixo do Atlântico está a terminar. Ali estão os países que determinarão a prosperidade mundial, e os Estados Unidos perceberam isso. Portugal permanece um dos países mais ignorantes e avessos a um continente onde fomos importantes, onde desembarcámos e comerciámos e missionámos, onde construímos e onde deixámos uma elite, pequena, é certo, que foi a única elite do império português. De Goa e Bombaim a Malaca, de Macau a Pequim, da Índia aos confins da Pérsia, da China e do Japão, os portugueses deixaram uma herança histórica e cultural que decidiram não honrar e eliminar. A lusofonia tornou-se um conceito brasileiro e africano, um conceito que nenhum resultado teve até hoje, a não ser a consequência de um Acordo Ortográfico inútil e destruidor da raiz latina da língua. Ou seja, tudo o que a lusofonia com esta matriz PALOP fez por Portugal foi pago por Portugal e ignorado por todos os países lusófonos. A política da língua, inexistente, serviu para o costume, a criação de um corpo de funcionários públicos e clientelas dos partidos, que existem sem missão e sem verba.

A ignorância da Ásia prejudica-nos. O nosso conhecimento do continente não pode resumir-se à diáspora emigrante de Macau ou a um pacote de turismo de massas numa praia da Tailândia. Ao contrário dos franceses, que mantiveram os laços com a Indochina, Portugal não estudou nem investiu. Nos mercados asiáticos, não se vê uma marca portuguesa, uma só, esqueçam o pastel de nata, que foi culturalmente apropriado, o que demonstra que perdemos a nossa vocação de comerciantes para nos tornarmos o que somos, um país a vender as pratas da família para poder comer. Portugal está a ser comprado pela China, em largas quantidades, e não nos importamos de vender sectores essenciais que determinarão a soberania e nos reduzirão a uma plataforma logística. A actual ministra do Mar anda por aí num enlevo a ver se vende por grosso os portos portugueses aos chineses, contrato que nenhum outro país da Europa, com excepção da Grécia, assinaria. Pelas implicações futuras e pela demonstração da incapacidade para administrar bem o que nos pertence. O que não for vendido à China será vendido a Singapura ou à Tailândia, como aconteceu com as sobras hoteleiras do império Espírito Santo, que se desmoronou em corrupções e humilhações. Será vendido a gente como a do mundo mostrado em “Crazy Rich Asians”, gente que tem uma visão do mundo determinada pelo privilégio e o poder do dinheiro. Conviria percebê-los melhor, visto que não existem filmes, nem existirão, sobre os interiores e corredores da nomenclatura comunista, constituída também por crazy rich asians.

Não existe gente mais rica do que os chineses, ou não existe gente mais ostensivamente rica do que os chineses. A nossa relação com a Ásia devia ser aprendida e cultivada, ou não passaremos, no tempo que aí vem, de novos funcionários. De servos de gente e de culturas que não conhecemos nem estudámos. E abriremos as portas à sua passagem. Portugal tem especialistas da Ásia, excelentes, que nenhum ignorante político português se lembraria de consultar, tão entretidos que andam com a intriga palaciana e a discussão do Orçamento, único tema de um país na indigência. Crazy poor portuguese.

Expresso, Revista E, 01SET,2018

[Transcrição integral de transcrição integral publicada no “blog ” Cadernos da Libânia de artigo, da autoria de Clara Ferreira Alves, publicado no semanário “Expresso” de 01.0918. A desortografia  abrasileirada do original foi automaticamente corrigida pela solução Firefox contra o AO90 através da extensão FoxReplace do “browser”.]

Share

O Chile na CPLB (Comunidade dos Países de Língua Brasileira)

«Brasil y Chile iniciaron este miércoles en Brasilia la primera ronda de negociación de un acuerdo de libre comercio de “segunda generación”, pues ya tienen el 100% de su comercio liberado desde hace más de 20 años, dijeron las fuentes diplomáticas.» [Camara Aduanera de Chile, 07.06.18.]

 

Chile na Comunidade de Países de Língua Portuguesa

Germán Guerrero

No passado dia 18 de Julho, o Chile aderiu à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) como Estado Observador Associado. Assim, foi alcançado um novo marco nas excelentes relações diplomáticas entre o Chile e Portugal que para nós constitui não só um canal para relações políticas, comércio e negócios, mas também uma expressão de uma cultura e de valores partilhados.

Ambos os países reconhecem-se como likeminded country com uma afinidade nos seus princípios, objectivos e interesses, o que explica a nossa privilegiada relação e o trabalho conjunto no domínio da cooperação bilateral e multilateral.

No entanto, ao aderir à CPLP não realizámos unicamente um gesto meramente diplomático. Embora os dois países tenham dado um passo importante na integração latino-americana e africana, o reencontro da língua, que é a expressão da alma de um país, é também uma ponte para aprofundar a compreensão mútua e os valores culturais que partilhamos.

Como dizia Fernando Pessoa: “Usando do inglês como língua científica e geral, usaremos do português como língua literária e particular. Teremos, no império como na cultura, uma vida doméstica e uma vida pública. Para o que queremos aprender leremos inglês; para o que queremos sentir, português. Para o que queremos ensinar, falaremos inglês; português para o que queremos dizer.”

Com efeito, na língua está a chave para entrar na alma de um país, a chave para descobrir os seus sentimentos, as suas esperanças e os seus sonhos. É também a chave para compreender que não estamos isolados do resto do mundo e que fazemos parte de uma mesma comunidade.

O Chile e Portugal fazem parte da comunidade ibero-americana composta por 23 países, sendo não só uma comunidade política e económica mas, sobretudo, cultural, constituindo, com o castelhano e o português, uma das maiores comunidades linguísticas do mundo.

O nosso reencontro com o português é também um passo importante para uma real integração latino-americana, que não é possível sem os laços com o Brasil. Metade da América Latina fala a língua de Cervantes e de Pablo Neruda e a outra metade fala o português de Camões e de Eça de Queirós.

O Brasil e o Chile têm uma identidade latino-americana comum e partilham valores fundamentais, tais como a sua vocação democrática e de liberdade e uma firme vontade de lutar contra a pobreza, a exclusão e a desigualdade social.

Por estas razões, as relações entre o Chile e o Brasilsão do mais alto nível. Somos parceiros estratégicos nos processos de integração, no diálogo político bilateral e multilateral e no intercâmbio científico, cultural e educacional. Da mesma forma, no domínio comercial, estamos a negociar um tratado de livre comércio entre os dois países.

A participação do Chile e do Brasil, agora também, na CPLP é uma nova porta para estreitar as relações recíprocas e partilhar novos projectos nas áreas da educação, da cultura e da promoção das nossas línguas e dos nossos escritores.

Por sua vez, Portugal conta com uma significativa presença, cooperação e investimentos em países africanos, o que vai em concordância com o interesse do Chile em se aproximar do referido continente. Assim, o Chile aspira, através da CPLP, estreitar os vínculos, o intercâmbio e a cooperação com o continente africano.

Nessa perspectiva, a Agência para a Cooperação Internacional e o Desenvolvimento do Chile (AGCID) e o Instituto Camões da Cooperação e da Língua subscreveram um memorando de entendimento para a cooperação triangular, especificamente em países africanos de língua oficial portuguesa e na América Latina e o Caribe.

A AGCID também criou o Programa de Bolsas República do Chile-Nelson Mandela para estudos de pós-gradução em universidades chilenas, que beneficiam actualmente 72 funcionários públicos de países desse continente. Da mesma forma, desenvolvemos um programa de diplomados específico para Moçambique e para Angola, nas áreas de aquicultura, manejo costeiro e produção de moluscos.

Outro aspecto muito importante é que, através da adesão do Chile à CPLP, aspiramos também aprofundar a difusão e o ensino da língua portuguesa no Chile.

Actualmente, a Universidade de Santiago do Chile ministra uma licenciatura em Tradução Português-Espanhol-Inglês, iniciando em breve um curso de diplomado em Pedagogia em língua portuguesa. Simultaneamente, numerosos professores de língua portuguesa ministram cursos em institutos privados ao abrigo do protocolo subscrito em 2015, tal como divulgado, entre a referida universidade e o Instituto Camões da Cooperação e da Língua.

Igualmente, o Centro Cultural Brasil-Chile trabalha em três áreas principais: a difusão da língua portuguesa, a promoção da cultura e o reforço dos laços de amizade e cooperação cultural entre os dois países.

Assim, a adesão do Chile à CPLP constitui não só um gesto diplomático ou publicitário mas também uma oportunidade para promover uma comunidade cultural e valiosa e, ainda, reforçar a política de aproximação aos países lusófonos, facilitando, por essa via, as relações entre o nosso povo, os nossos intelectuais e artistas e as nossas instituições, com os seus homólogos de língua portuguesa num vasto horizonte que vai desde Lisboa ao Rio de Janeiro, desde Díli a Maputo.

A Comunidade de Países de Língua Portuguesa é também uma associação para a concertação político-diplomática, para a cooperação e promoção do desenvolvimento humano, a paz e a segurança internacional e a implementação da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável, entre outros temas de importância global.

Como Embaixada do Chile em Portugal ficamos felizes por este novo passo nas relações chileno-portuguesas. Simultaneamente, estamos a cumprir o sonho da nossa poetisa e Prémio Nobel Gabriela Mistral, cônsul do Chile em Lisboa (1935-1937), que ansiava pelo reencontro das nossas línguas.

Gabriela Mistral dizia: “Nuestros idiomas han vivido de espaldas vueltas, sin odio alguno, pero también sin amor… muchas veces el verbo luso y el castellano me han parecido un árbol absurdo partido en dos frondosas ramas” e concluía: “algún día nuestros pueblos celebrarán la fecha del intercambio idiomático… la fiesta de la reconciliación de dos verbos malamente olvidados, que borraron por siglos su apelativo común, aún sabiendo que la sangre seguía siendo una y entera debajo de la falsa extranjería”.

Partilhando hoje as palavras da nossa poetisa, comove-nos dizer que chegou a data tão esperada da festa das nossas línguas e celebramos com alegria a adesão do Chile à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, por constituir um passo de grande importância para a compreensão mútua, a aprendizagem e a construção de um futuro comum.

Embaixador do Chile em Portugal

[Transcrição integral do paleio debitado pelo embaixador do Chile em Portugal que o “Diário de Notícias” (órgão central da propaganda acordista) publicou em 16.08.18. Destaques meus. A desortografia abrasileirada foi automaticamente corrigida pela solução Firefox contra o AO90 através da extensão FoxReplace do “browser”.]

Share

«A Língua e a Comunidade» [Viriato Teles, RTPN, 20.07.18]

«A relutância de angolanos e moçambicanos ao «acordo ortográfico» talvez tenha tido outros motivos, mas poderá agora ser um caminho para pôr o ponto final no desastre. Afinal, não custa muito perceber que a língua é o património genético mais importante de qualquer povo ou comunidade. É ela que identifica e agrega e nos une. Querer regulá-la com base em pressupostos economicistas (para mais de eficácia comprovadamente nula) que atropelam as noções mais básicas da semântica e da história do idioma é mais do que um disparate: é um crime praticado de forma continuada.»

A Língua e a Comunidade

Os governantes dos nove países da CPLP reuniram-se esta semana em Cabo Verde para mais uma cimeira de topo. Que terminou com os costumeiras declarações optimistas dos participantes, mas onde aparentemente pouco se avançou quanto ao que realmente interessa: a Comunidade propriamente dita ainda pouco mais é do que uma boa intenção.

RTP Notícias, 20 Julho 2018

Viriato Teles

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa nasceu em 1996, mais de duas décadas depois do golpe de misericórdia dado pelo 25 de Abril no «império português». Entre os objectivos fundadores da organização, destacavam-se «a cooperação em todos os domínios» e «a materialização de projectos de promoção e difusão da língua portuguesa» – dois pressupostos muito nobres e que, na verdade, deveriam ser inerentes à própria natureza dos países que a integram.

A CPLP é uma organização de Estados, e nessa medida talvez funcione minimamente. Mas ainda não é – ainda, digo eu, que sou um optimista e continuo a acreditar que possa vir a ser – o motor de uma comunidade de povos. Como, eventualmente, terá idealizado o brasileiro que, para todos os efeitos, é com justiça considerado o fundador da CPLP: o embaixador José Aparecido de Oliveira, cuja persistência e talento diplomático foram determinantes para ultrapassar os obstáculos, as desconfianças e as inevitáveis mesquinhices de estados e de almas.

Reduzido à dimensão peninsular de origem, Portugal nunca apostou como deveria na ideia de uma verdadeira «comunidade lusófona». Fosse por «complexo de ex-colonizador», por um sentimento de pobreza congénita, ou por receio de virmos a ser «engolidos» pelos países-irmãos maiores e potencialmente mais poderosos, a verdade é que nunca do lado de cá se deram passos seriamente empenhados nesse sentido.

Mas isto é válido também para o lado dos países africanos de expressão portuguesa, para quem interessavam sobretudo os aspectos da «cooperação em todos os domínios», e mesmo assim com resultados frequentemente muito discutíveis – fruto de décadas de corrupção instalada, tanto lá como cá.

Quanto ao Brasil, o interesse será também essencialmente político-diplomático (e naturalmente económico), já que de cooperação o país não precisa e de cultura está razoavelmente bem servido. Isto apesar de ter sido de lá que partiu a peregrina ideia do «acordo ortográfico», contestado de ambos os lados do Atlântico e (felizmente) ignorado por Angola e Moçambique, mas ainda não exterminado, como merece – um objectivo que, aliás, bem poderia entrar na agenda da CPLP.

Só que, para isso, era necessário que a língua e a cultura fossem realmente importantes para os governos envolvidos. E manifestamente não parecem sê-lo, por mais entusiásticas que sejam as declarações formais de todos eles. O problema não é de agora, nem tem a ver especificamente com este(s) governo(s), mas – por isso mesmo – tem de ser séria e eficazmente combatido, sob pena de se hipotecar irremediavelmente toda uma memória comum.

O influente Novo Jornal Online, de Luanda, alertava há dias em editorial para o «estado absolutamente desastroso em que se encontra o uso da língua portuguesa em Angola». E isto, sendo um problema dos angolanos, é também uma questão que deve preocupar todos os membros desta ainda-não-comunidade de povos – que nasceu e se pretende continue unida pela língua, com respeito pelas diferenças e pelas especificidades que a engrandecem.

Ora a CPLP poderá, se quiser, ter um papel a desempenhar na solução deste e de outros problemas que, lenta e silenciosamente, vão deteriorando irremediavelmente o património cultural comum. Terá de ser uma intervenção séria, sem receio de corrigir erros passados, em que interesses particulares não se sobreponham aos valores comuns. Uma boa maneira de começar seria acabar de vez com o «acordo ortográfico», mas até agora, por razões diferentes, ninguém teve a coragem de dar o primeiro passo.

Nos próximos dois anos, Angola vai assumir a presidência da CPLP. Ironicamente, é neste país e em Moçambique que, actualmente, se continua a falar e a escrever o Português de que o antigo colonizador já prescindiu (na lei, mas não na grei) em nome de interesses alheios à história, à cultura e à identidade da língua e dos povos a que ela pertence.

É com certeza pedir demais, mas seria muito interessante verificar que os ventos de mudança que parecem fazer-se sentir em Luanda chegavam, nestes dois anos, também à CPLP. Não haveria, decerto, melhor sinal de que esta ideia de uma «comunidade de países» pode ser mais e melhor do que um mero conjunto de interesses circunstanciais. E tornar-se um dia, quem sabe, num espaço que os netos dos nossos netos venham a partilhar, de um modo fraterno e justo – como as dores da história ainda não nos permitem fazer hoje.

Afinal, trata-se apenas de colocar na lei aquilo que já é uma realidade: o AO só está em vigor teoricamente – e apenas no Brasil (que não o aplica, aliás quase não precisa de o fazer), em Portugal (onde as «facultatividades» e outros disparates instalaram uma confusão ortográfica que, aliada à iliteracia geral, transformou a língua numa caricatura) e, por simples inércia, em Cabo Verde (que, na prática, também o ignora, antes investe na promoção dos crioulos locais).

A relutância de angolanos e moçambicanos ao «acordo ortográfico» talvez tenha tido outros motivos, mas poderá agora ser um caminho para pôr o ponto final no desastre. Afinal, não custa muito perceber que a língua é o património genético mais importante de qualquer povo ou comunidade. É ela que identifica e agrega e nos une. Querer regulá-la com base em pressupostos economicistas (para mais de eficácia comprovadamente nula) que atropelam as noções mais básicas da semântica e da história do idioma é mais do que um disparate: é um crime praticado de forma continuada.

Eu sei que a CPLP não produz leis nem negoceia tratados. Mas é (deve ser) a plataforma comum e, deseja-se, o ponto de encontro dos governantes dos países que dela fazem parte. Nada obsta, portanto, a pelos canais de que dispõe este deixe de ser um tema tabu entre os nossos países e seja clara e seriamente discutido. Basta querer.

Para mais, é do conhecimento geral a quantidade dos que – ora no poder, ora na oposição, em Portugal e nos outros – reconhecem a valência dos argumentos «anti-acordistas» e o desconchavo que resultou da sua aparente aplicação. E todos concordam que, à medida que o tempo passa, maiores são os danos e mais difícil se torna a recuperação. Não será então a altura de, duma vez por todas, pôr fim à iniquidade?

Viriato Teles

[Transcrição integral de artigo, da autoria de Viriato Teles, publicado no “site” da RTP Notícias em 20.07.18. Destaques e “links” meus. Foto de topo de: Miguel Silva (“Público“).]

Share

“O mundo da lusofonia tem de assumir que a liderança é do Brasil” (Marcelo Rebelo de Sousa)

CPLP em Cabo Verde Foto: TIAGO PETINGA/LUSA

CPLP em Cabo Verde Foto: TIAGO PETINGA/LUSA

 

CPLP aprova recomendação de “esforços para implementação do Acordo Ortográfico”

A Declaração de Santa Maria, aprovada na XII Cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Cabo Verde, inclui uma recomendação para “o desenvolvimento de esforços para a implementação do Acordo Ortográfico”.

No texto aprovado na FXII Cimeira da CPLP, que decorre em Santa Maria, na ilha do Sal, Cabo Verde, lê-se que os Estados-membros “recomendaram o desenvolvimento de esforços para a implementação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, instando à sua ratificação e ao estabelecimento de formas de cooperação efectiva para a elaboração dos Vocabulários Ortográficos Nacionais (VON)”.

Por outro lado, os nove Estados-membros “tomaram nota, com satisfação, da dinâmica desenvolvida pelo Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), assumindo-se, cada vez mais, como uma instituição de carácter multilateral e fórum de planeamento e coordenação de projectos ligados ao fortalecimento da Língua Portuguesa”.

Neste plano, “expressaram o seu reconhecimento pelos significativos avanços dos projectos ‘Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa (VOC)’ e ‘Portal do Professor de Português língua estrangeira/língua não materna (PPPLE)’, sob responsabilidade do IILP”.

Ainda no que respeita ao ILLP, “reconheceram os esforços desenvolvidos” por este instituto “na articulação com os Observadores Associados”.

Criada há 22 anos, a CPLP tem actualmente nove Estados-membros: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

A XII Cimeira da CPLP, que marca o início da presidência rotativa desta organização por parte de Cabo Verde, começou na terça-feira e termina hoje, com a participação de todos os chefes de Estado, menos o de Timor-Leste, e ainda dos primeiros-ministros português e cabo-verdiano.

Source: CPLP aprova recomendação de ″esforços para implementação do Acordo Ortográfico″

As letras em falta no original do artigo foram automaticamente repostas pela solução Firefox contra o AO90 através da extensão FoxReplace do “browser”.]

Share

‘Não há dinheiro, não há palhaços’

Directora apreensiva com indefinição sobre liderança do IILP depois de Dezembro

A directora do Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP), manifestou-se, em entrevista à agência Lusa, preocupada com o futuro desta instituição da comunidade lusófona devido à indefinição sobre a liderança e aos recorrentes problemas financeiros.

 

Marisa Mendonça, que deixa a presidência do IILP em Dezembro, mostrou-se apreensiva por não existir, até ao momento, decisão sobre quem assumirá a direcção do instituto a partir dessa altura ou manifestações de interesse no cargo.

Cabo Verde assume a presidência da comunidade lusófona na XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), agendada para 17 e 18 de Julho, na ilha do Sal.

As propostas sobre os países que irão assumir a liderança dos órgãos da comunidade são aprovadas durante as cimeiras, mas até ao momento não é conhecida a vontade de qualquer país em apresentar uma candidatura.

“Ainda não há uma decisão neste sentido e isto está a deixar-me, de certa forma, muito apreensiva. Estranhamente, até este momento, estamos a menos de 15 dias da cimeira da CPLP, e não há nomes“, disse.

Marisa Mendonça considerou que “seria bom perceber quais são os países ou as pessoas que se estão a perfilar” para a direcção deste organismo, lembrando que, aquando da sua nomeação, Moçambique propôs “muito cedo” o seu nome.

A directora executiva do IILP, que cumpre o seu segundo mandato à frente da instituição, manifestou-se também preocupada com os atrasos recorrentes no pagamento das quotas por parte dos países-membros, adiantando que o instituto tem estado a funcionar com 8% do seu orçamento.

“A nível financeiro estamos numa situação complicada. Quando entrei fizemos um grande esforço de contacto com os Estados-membros, que estavam com uma dívida global acima de um milhão de euros, quatro orçamentos anuais do IILP. Não preciso de entrar em grandes pormenores para se perceber a dificuldades de gerir o instituto nessa situação”, disse.

Adiantou que a dívida chegou a reduzir para 300 mil euros, mas que actualmente ascende a mais de 800 mil euros.

“É uma dificuldade imensa, temos compromissos assumidos diante de outras instituições que dão cobertura técnica às nossas plataformas, aos nossos projectos e andamos muitas vezes com o coração nas mãos, porque não sabemos como honrar os nossos compromissos”, reforçou.

Marisa Mendonça assinalou que se trata de “uma situação recorrente e que vem do passado”.

“Temos vivido sempre com este problema a nível financeiro. Isto não nos permite dar outros passos, temos obrigações, orientações plasmadas nos planos de acção de Brasília, de Lisboa e de Díli, mas temos de ser muito cautelosos quando pensamos abrir mais uma frente de trabalho e trazer outras dimensões àquilo que é a actividade do IILP”, disse.

Ainda assim, a directora executiva do instituto faz um “balanço positivo” do seu mandato, manifestando a expectativa de que os projectos em curso não sejam postos em causa.

“Fez-me muito trabalho, temos projectos em bom nível de desenvolvimento, seria realmente uma pena que estes projectos não pudessem ser continuados. É muito importante pensarmos como é que essas actividades vão continuar, mas antes de pensarmos nisto temos de pensar na consolidação da instituição, temos de pensar noutras formas de manter a instituição viva e com as condições que obrigatoriamente tem de ter”, considerou.

Marisa Mendonça sublinhou a importância de ter dado continuidade aos projectos que estavam em curso na organização – Vocabulário Ortográfico Comum (VOC), Portal de Português Língua Estrangeira e a Revista Plateau, bem como de ter conseguido iniciar novos projectos.

“Iniciámos e estamos a desenvolver três projectos: CPLP – Comunidade Mais Leitora, que visa o desenvolvimento e promoção da leitura e da escrita, como uma estratégia comum a todos os países da CPLP, o dicionário de autores de literaturas africanas de língua portuguesa, que é a transformação de um dicionário em formato físico num dicionário virtual, e as terminologias científicas e técnicas comuns da língua portuguesa”, enumerou.

Para Marisa Mendonça, este último projecto será “bastante importante” porque “vai trazer uma plataforma consensualizada de terminologias que poderão ser um apoio fundamental para as actividades tanto de tradução como de interpretação de conferências”.

Marisa Mendonça apelou às autoridades cabo-verdianas, que vão presidir à CPLP e país onde está a sede do instituto, que olhem para o IILP “com outra atenção”.

Sediado na cidade da Praia, o IILP é um instrumento para a gestão comum da língua portuguesa, envolvendo todos os Estados-membros da CPLP.

CFF/RYPE // VM

Lusa/Fim

https://24.sapo.pt/noticias/internacional/artigo/diretora-apreensiva-com-indefinicao-sobre-lideranca-do-iilp-depois-de-dezembro_24501232.html

[A transcrição deste texto da Brasilusa, como de costume estropiado pelo AO90, foi corrigida automaticamente pela solução Firefox contra o AO90. Destaques meus.]

Share
Apartado 53 © 2017 Frontier Theme