Etiqueta: ILCAO

Barreiras

Feliciano Barreiras Duarte, então deputado, foi o relator da “apreciação” que o Parlamento fez o favor de simular a propósito de uma petição apresentada por Vasco Graça Moura et al em 2009. Os resultados da petição e, por maioria de razões, do relatório que esgalhou Feliciano, foram, como é do conhecimento público, absolutamente nulos e de nenhum efeito, tendo toda aquela papelada sido prestes enviada para o arquivo “morto”, situado algures nas catacumbas do Palácio de S. Bento, em algum esconso escuro onde ainda hoje continua a ganhar pó e a dar guarida a aranhas, ratos, centopeias e outra bicharia.

Do mencionado relatório, assinado de cruz pelos demais dorminhocos e absentistas, porém mui doutos e regiamente pagos “representantes do povo”, consta esta frasezinha lapidar: «Por tudo isto, muitas das preocupações e sugestões dos peticionários deverão ser tidas em conta, de forma a permitir uma operacionalização e implementação do acordo ortográfico que salvaguarde a melhor defesa da cultura e língua portuguesa.»

Tal asinina formulação, aprovada por unanimidade em sede de Comissão “especializada”, atestava plenamente a vacuidade que em geral assolava à época (esperemos que já nem tanto hoje em dia) a esmagadora maioria da nacional deputação. 

Traduzindo o que diz a lápide, em breve glossário, de politiquês acordista para Português corrente: “muitas das” significa (evidentemente) “nenhumas”, “preocupações” quer dizer “ah, e tal, aquilo não é nada, são manias lá do velho Vasquinho”, “deverão ser” é o mesmo que “igual ao litro, faz de conta, já toda a gente sabe que não vamos fazer porra nenhuma”, “tidas em conta” equivale a gargalhada geral, “eheheheheheh, mas que cromos, estes gajos, ai, tirem-me deste filme que ainda me dá uma coisinha má”.

E, como se ainda não bastasse o gozo dos preliminares, a retumbante “apreciação” parlamentar sintetizada na frasezinha de Barreiras encerra com chave de lata: «de forma a permitir uma operacionalização e implementação do acordo ortográfico». Ou seja, nunca, jamais, em tempo algum outra hipótese esteve sequer em cogitação. Era tudo a fingir, uma risota pegada.

Fantástico, ó Barreiras. Realmente, a lata destes tipos, destes parlamentares malabaristas, tal é o seu desplante, a arrogância, o desprezo que nutrem pelo “poviléu” que sucessiva, bovina e estupidamente os elege!

É este mesmo Barreiras quem, do alto da sua sapiência e das suas altas qualificações para o efeito, continua amiúde a abrir caminho à “língua universal”, a derrubar barreiras para que nada atrapalhe a “universalização” da sua querida língua, a brasileira.

Eis mais um artigalho do dito sobre o assunto.

I) Monolinguismo – o analfabetismo do Século XXI?

Das cerca de sete mil línguas e dialectos que o mundo tem, duas mil e quinhentas estão em risco de extinção. E, para além destas, existem muitas mais ameaçadas e outras em situação muito vulnerável.

Feliciano Barreiras Duarte
olharaocentro@sol.pt
“Sol”, ‘Olhar ao Centro’,

 

«Enquanto cidadão sou contra, mas enquanto Presidente tenho de o respeitar».
Marcelo Rebelo de Sousa 2016, sobre o Acordo ortográfico

 

A saída do Reino Unido da União Europeia veio levantar problemas de diversa ordem, um dos quais é a política das línguas à escala europeia e mundial.

Trata-se de uma matéria que, sendo demasiado séria, tem estado afastada da ribalta mediática e da prioridade de muitos países, a começar por Portugal. O multilinguismo – no contexto da globalização vigente e da diversidade cultural e linguística num mundo aberto e cosmopolita – deve implicar políticas públicas que valorizem não só as línguas maternas mas também duas línguas estrangeiras por cada cidadão, independentemente da sua origem territorial, idade ou condição social.

Das cerca de sete mil línguas e dialectos que o mundo tem, duas mil e quinhentas estão em risco de extinção. E, para além destas, existem muitas mais ameaçadas e outras em situação muito vulnerável.

Tal acontece em vários continentes, sobretudo em territórios onde a desflorestação, através da destruição da fauna e da flora, está a contribuir para a extinção de línguas, muitas delas ancestrais.

Neste quadro de línguas em extinção, por um lado, e de línguas hegemónicas, por outro lado, os linguistas interrogam-se sobre o que fazer para salvar as primeiras.

Ora, há muita coisa que pode ser feita. Desde logo, criar as melhores condições para a efectiva regulação linguística à escala europeia e mundial. As línguas (nacionais e afins) são património cultural, educacional e social dos seus falantes e dos territórios de pertença.

No ranking das línguas mais faladas do mundo, o português, o inglês e o espanhol, enquanto línguas europeias, estão entre as quatro línguas mais faladas do mundo.

A saída do Reino Unido da União Europeia vai colocar um grande desafio à Europa, no que diz respeito à língua. De língua não oficial da União Europeia, o inglês transformou-se numa ‘língua dominante’ ou até ‘hegemónica’. De ‘língua franca’ (o latim dos nossos dias?), o inglês vai ou não perder poder e influência?

Note-se que o inglês é a língua materna de apenas 14% dos cidadãos da União Europeia. Dos outros 86%, só 8% são fluentes em inglês, e 17% dominam a língua bem ou razoavelmente. Feitas as contas, dois terços dos europeus não falam ou falam mal o inglês. Ora, para ser aprendida, a língua inglesa precisa de 15.000 horas de estudo e de prática

Com o Brexit, o inglês ficará circunscrito a Malta (meio milhão de pessoas) e à Irlanda (cerca de 5 milhões). Ou seja, o Brexit não poderá deixar de se aplicar ao ‘inglês’, com as consequências que daí advirão, política, económica e socialmente. Poderá ou não continuar a ser a língua dominante e/ou hegemónica?

Os cultores do multilinguismo europeu devem estar atentos e activos no reforço da democracia linguística europeia. Uma língua é também um instrumento de poder – e da sua manifestação externa resultarão impactos económicos, sociais e culturais positivos. Não é por acaso que, no seio da Academia europeia, existem cada vez mais movimentos a defender o reforço da latinidade e das línguas francófonas e latinas. Voltaremos a esta temática na próxima semana.

olharaocentro@sol.pt

[Transcrição integral de artigo publicado no semanário (acordista) Sol”, ‘Olhar ao Centro’,. As letras em falta no original do artigo foram automaticamente repostas pela solução Firefox contra o AO90 através da extensão FoxReplace do “browser”. Imagem de topo: recorte de notícia do jornal (acordista) online “Observador”.]

Share

“Nenhuma desculpa” [Nuno Pacheco]

A Resolução da Assembleia da República n.º 35/2008, de 29 de Julho, estabelece um prazo de seis anos (cf. Art.º 2º, nº 2) para que «a ortografia constante de novos actos, normas, orientações, documentos ou de bens referidos no número anterior ou que venham a ser objecto de revisão, reedição, reimpressão ou de qualquer outra forma de modificação, independentemente do seu suporte, deve conformar-se às disposições do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa».

Na mesma Resolução se estabelece (cf. Art.º 5º, ponto 3) que «o presente Protocolo Modificativo entrará em vigor no 1.º dia do mês seguinte à data em que três Estados membros da CPLP tenham depositado, junto da República Portuguesa, os respectivos instrumentos de ratificação ou documentos equivalentes que os vinculem ao Protocolo.»

Do que resulta, portanto, que em Portugal, nação soberana, entrou em vigor no dia 1 de Janeiro de 2010 o Acordo Ortográfico de 1990, com um prazo de seis anos para a sua total implementação, sendo que essa entrada em vigor foi automaticamente determinada pelo depósito dos instrumentos de ratificação de três outros Estados, também eles soberanos, e não através de um qualquer acto de exercício de soberania pelo próprio Estado português.

Ou seja, e em suma, temos que vigora em Portugal uma lei imposta por Estados estrangeiros e que resulta em exclusivo de um expediente de formulação, já que esta foi alterada do primeiro para o segundo Protocolo Modificativo.

[Excerto da “Exposição de Motivos”, texto da ILC-AO]

A responsabilidade de 20 mil assinaturas pela Língua Portuguesa

Neste ano de eleições, os políticos terão de olhar de frente para o monstro “ortográfico” que insistem em não ver.

Nuno Pacheco

“Público”, 31.01.19

Janeiro chega ao fim com uma boa notícia: a Iniciativa Legislativa de Cidadãos Contra o Acordo Ortográfico (ILC-AO) já tem as 20 mil assinaturas necessárias para ser apresentada e discutida na Assembleia da República, à qual se dirige. Chega isto para satisfazer quem, há muito, acredita no dever e no poder das acções de cidadania? Não, por vários motivos. Por isso, quem há muito lançou tal campanha apela a que a recolha de assinaturas continue.

Convém explicar, antes do mais, do que trata tal iniciativa. O chamado “acordo ortográfico”, aprovado em 1990 num processo muito criticado e contra a maioria dos pareceres técnicos que o desaconselhavam, envolvia, de início, sete países: Portugal, Brasil, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique e Guiné-Bissau. E tinha, como pressuposto, que só seria válido quando todos estes países o ratificassem internamente (nos seus parlamentos) e depositassem os instrumentos de ratificação junto do Estado português, incumbido de oficialmente os receber. Sucedeu que tal processo tardou. E em Portugal e noutros países o dito “acordo” foi esquecido, declarado moribundo ou morto, e toda a gente foi à sua vida sem pensar mais no assunto. Até que alguém, julgando-se iluminado por incumbência “histórica”, resolveu ressuscitá-lo, tirando-o do limbo e devolvendo-o à ribalta.

Havia, no entanto, um problema: os países tardavam a engolir tal pílula. Não havia ratificações que chegassem para cantar vitória. Então, num golpe de mágica, com mais golpe que mágica, alguém se lembrou de “emendar” o que fora aprovado pelos sete países. Assim, dando uma “nova redacção ao artigo 3.º do Acordo Ortográfico”, determinou-se que este “entrará em vigor com o terceiro depósito de instrumento de ratificação junto da República Portuguesa.” A este golpe chamou-se “Segundo Protocolo Modificativo ao Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa”, assinado na V Conferência de governantes da CPLP, em São Tomé, em 2004, e aprovado quatro anos mais tarde na Assembleia da República pela Resolução n.º 35/2008. Timor-Leste, recorde-se, chegara recentemente à CPLP e esperava-se deste novo país uma futura adesão ao “acordo”. Pois bem: até hoje, só foram entregues quatro ratificações: as de Portugal, Brasil, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Quanto a Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Timor-Leste, não ratificaram o malfadado “acordo”. E estamos em 2019.

Este desaforo, numa matéria que obrigaria unanimidade (não a dos negociadores, que se consegue facilmente ao fim de alguns jantares e muitas promessas, mas a das instituições legais de cada país), levou um grupo de cidadãos, de entre os muitos que se haviam mobilizado contra o acordo, a dar início a uma iniciativa legislativa que visava, tão-só, parar o “acordo” enquanto essa unanimidade não existisse. Ou seja, revogar o golpe dado pela Resolução n.º 35/2008, e manter o texto inicial do dito “acordo ortográfico”: “O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa entrará em vigor (…), após depositados os instrumentos de ratificação de todos os Estados junto do Governo da República Portuguesa.” Todos os Estados e não só os três a que o Segundo Protocolo reduziu, impunemente, toda a CPLP.

O problema é que, ao longo dos anos, não só o “acordo” foi sendo imposto como se fosse lei e não é (a lei em vigor em Portugal reconhece apenas o acordo de 1945, não revogado) como as dificuldades colocadas às iniciativas de cidadãos obrigaram a sucessivas adaptações. “Por alguma razão”, escrevem os promotores da ILC-AO, “as ILC continuam a ser uma raridade — uma benesse teórica que existe ‘para inglês ver’ mas de difícil aplicação prática e de exequibilidade quase impossível, tal é a carga de formalidades e exigências que sobre as mesmas impende.” E esta, em particular, “atravessou três conjuntos de regras diferentes para a recolha de assinaturas”, pelo que teve de se ir adaptando a todas elas. Primeiro em papel, em listas, depois em formato digital, os requisitos foram mudando ao longo dos anos: nome completo, número de cartão de identificação, data de nascimento, número de eleitor, etc. Mesmo assim, com todas as adversidades, diz agora a ILC-AO que já processou 20.768 assinaturas, das quais, após triagem, foram validadas 20.027. Isto até ontem. Mas pode haver contratempos, alertam: “Pessoas que estiveram ligadas a outras ILC contaram-nos histórias que raiam o absurdo, como, por exemplo, folhas de subscrição múltipla (10 ou 15 assinaturas por página) invalidadas na íntegra só porque uma das assinaturas não estava conforme, continha ou faltava-lhe alguma coisa que os serviços acharam ‘desconforme’ ou coisa que o valha.” Daí que a recolha de assinaturas continue, incansável, no endereço electrónico da ILC-AO e também nas ruas, na chamada Operação Pelourinho: “Onde quer que se montem as nossas bancas as pessoas acorrem, sem ser preciso convidá-las.”

Pois bem: 2019, ano de eleições, será também o ano em que os políticos terão de olhar de frente para o monstro “ortográfico” que insistem em não ver. E decidir, de vez, o seu destino. Nenhuma desculpa servirá para prolongar a ilegalidade que despudoradamente travestiram de “lei”.

nuno.pacheco@publico.pt

[Transcrição integral de artigo da autoria de Nuno Pacheco. “Público”, 31.01.19. Os “links” a verde, bem como as respectivas citações, são de minha autoria e responsabilidade. Imagens compostas em OnlineBadgeMaker e em Credly.]

Share

‘Improba vita, mors optabilior’

Irreversível, o acordo ortográfico? Só uma coisa é irreversível: a morte

Nuno Pacheco
publico.pt, 10 de Janeiro de 2019, 7:30
(actualizada às 11:25)

 

Chegado a 2019, o grupo Cofina decidiu estender a aplicação do acordo ortográfico de 1990 (AO90) às restantes publicações do grupo. Já aplicado no Correio da Manhã, no Destak, no Record e na CMTV, ei-lo agora no Jornal de Negócios e nas revistas Sábado, Máxima e TV Guia.

Razões? Porque “é inegável que a sua aceitação está estabilizada e é irreversível”, disse o director do Jornal de Negócios. Já a Sábado, na pequena nota que escreveu sobre o assunto, quis deixar bem claro que “o novo acordo não é perfeito, foi mais político do que técnico, mas é hoje uma realidade incontornável e definitivamente assimilada na sociedade portuguesa”. Mais: “Quando várias gerações de jovens estudantes já estudam por manuais adaptados à nova grafia e toda a administração pública está vinculada a ele, não faz sentido persistir numa atitude de resistência anacrónica.”

Recuando seis anos, há alguma similitude com o argumento invocado pelo Correio da Manhã para “adotar” (sic) o AO90 a partir de 2 de Janeiro de 2013. “Já é seguido nos manuais escolares, nos livros, na legendagem”, diziam. Para concluir: “Nunca seremos um obstáculo à mudança.” Portanto, toca a “tornar a comunicação mais fácil”. Como? Escolhendo o que mais lhes convinha, claro! “Nas palavras que admitem dupla grafia optámos por manter tal como na ‘escrita antiga’.”

Sim? Fizeram-no em pára e “para”. Mas é bom recordar o resto: se entre espectador e “espetador” e ceptro e “cetro” escolheram as primeiras, no mais fizeram o contrário do que prometiam, optando por “aspeto” em lugar de aspecto, “carateres” em vez de caracteres, “receção” em vez de recepção, “perentório” em vez de peremptório, “setor” em vez de sector, sendo os restantes exemplos falsas escolhas, porque apresentavam como “dupla grafia” palavras que nunca existiram em Portugal, sendo usadas apenas na fala e na escrita brasileira: anistia (amnistia), indenizar (indemnizar), suntuoso (sumptuoso), fato (como facto) ou até gênio (génio)!

É isto optar pela “escrita antiga”? Não leram sequer o que escreveram? Não devem ter lido, senão não deixavam passar esta “dupla grafia” extraordinária: “​fémea” [sic] e fêmea. Escolheram a segunda, claro. Aliás, era fácil, porque a primeira não existe em lado nenhum. Ia assim a brincadeira, nos idos de 2013. Agora, por decisão cofineira, alastrou. Teme-se o pior.

Mas, para lá desta mudança, que só irá contribuir para ampliar o caos ortográfico reinante a que alguns chamam “nova ortografia” (embora não passe de uma ridícula mistura de grafias a esmo, sem freio nem norte), pesemos os argumentos. O AO90 é mesmo uma “realidade incontornável e definitivamente assimilada na sociedade portuguesa”? E é verdade que “a sua aceitação está estabilizada e é irreversível”?

Para palavras, antes tivessem escolhido “enfermeiros”, como fez a Porto Editora. Era mais aplicável neste contexto, até porque a ortografia da língua portuguesa, na forma que lhe foi imposta em Portugal (não por lei, mas já lá iremos), precisa mais de cuidados médicos do que de palavras como “incontornável”, “assimilada”, “estabilizada” e “irreversível”. Todas falsas, como a realidade demonstra.

Mas recuemos a 2011, quando o XIX Governo (PSD-CDS) dizia no seu programa que “acompanhará a adopção do Acordo Ortográfico” (assim mesmo, sem AO90, senão teriam escrito “adoção”) com vista à “crescente universalização” da língua portuguesa. Na mesma altura, o então secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, declarava ao Diário Digital: “O acordo ortográfico é uma nova norma do acordo a que se chegou e é para ser implementado. Vamos prosseguir o trabalho de implementação porque é um caminho sem retorno.”

Dois anos depois, já ex-governante, o mesmo Francisco José Viegas afirmava ao jornal Record (25/3/2013): “Já não suporto falar do acordo ortográfico, acho que já ninguém o suporta. Portugal e o Brasil já não suportam o acordo ortográfico. E o que acontece é que para fechar o acordo é preciso fechar o vocabulário. Agora isso ainda não aconteceu. E o Governo anterior quis correr mais depressa, ser pioneiro nessa matéria, e impôs a entrada em vigor para 2012. Sem Angola ter dito que sim e sem o vocabulário estar concluído.”

Chegados a 2019, eis o panorama: o dito “vocabulário” está “concluído”, não um mas vários e contraditórios entre si; Angola, tal como Moçambique, Guiné-Bissau e Timor-Leste não entregaram os instrumentos de ratificação do AO90, logo não lhe disseram “sim”; e o AO90, que inventou para Portugal um grande número de palavras que ninguém aplica noutro país (mudando até muitas que aqui e no Brasil se escreviam da mesma maneira), está “em vigor” por resoluções do Conselho de Ministros e da Assembleia da República, enquanto o acordo de 1945 se mantém em vigor por lei – que não foi revogada, nem podia ser, por resoluções ministeriais ou parlamentares.

A finalizar, e parafraseando Francisco José Viegas, se já ninguém suportava o acordo ortográfico em 2013, o que devemos dizer agora, em 2019? Talvez isto: como várias asneiras outrora cometidas e felizmente corrigidas, esta só espera por um momento de clarividência. Porque irreversível, neste mundo, só mesmo a morte.

Errata: Por lapso (já corrigido), escrevi inicialmente, no segundo parágrafo, Visão onde deveria estar, como é óbvio, Sábado. As minhas desculpas aos leitores e às revistas visadas.

Nuno Pacheco

[Os “links” a verde são meus.]

Share

Tribunal de contas

– Duas horas e um quarto! exclamou Taveira, que olhara o relógio. E eu aqui, empregado público, tendo deveres para com o Estado, logo às dez horas da manhã.
– Que diabo se faz no tribunal de contas? perguntou Carlos. Joga-se? Cavaqueia-se?
– Faz-se um bocado de tudo, para matar tempo… Até contas!

‘Os Maias’, Eça de Queirós

 

Palavras inventadas pelo AO90

Desde que Maria Regina Rocha avançou com uns números sobre “a falsa unidade ortográfica”, em Janeiro de 2013, passaram-se mais cinco longos e penosos anos de sistemática demolição da Língua Portuguesa. Aquele  estudo tinha por peça central uma contagem (“feita manualmente”, como honestamente refere a própria autora) com o objectivo de responder à seguinte dúvida: «quantas palavras se escreviam de forma diferente no Brasil em comparação com a forma como as mesmas palavras se escreviam em Portugal e nos restantes países de Língua Oficial Portuguesa antes do Acordo e depois do Acordo?»

Uma pergunta quiçá comprida para a qual parece ter com a dita contagem manual encontrado uma resposta mais ou menos do mesmo tamanho: «havia 2691 palavras que se escreviam de forma diferente e que se mantêm diferentes (por exemplo, ‘facto’ – ‘fato’), havia 569 palavras diferentes que se tornam iguais (por exemplo, ‘abstracto’ e ‘abstrato’ resultam em ‘abstrato’), e havia 1235 palavras iguais que se tornam diferentes.»

Tal estudo mai-los respectivos apuros tiveram suas repercussões, na verdade teve esse mérito, e alguns ecos do artigo foram reproduzidas aqui, neste modesta, pequenininha, irrelevante posta restante.

Embirrando, porém, solenemente, com falibilidades em geral e com contagens “feitas à mão” em particular, dediquei-me em Abril de 2017 a autopsiar as contas — as mesmas ossadas do cadáver depositado na morgue que é o “Portal da Língua Portuguesa” — utilizando ferramentas cirúrgicas (folha-de-cálculo) com fórmulas de análise e automatismos de sistematização; esta espécie de dissecação visou obter uma resposta concreta, estatisticamente sustentada, a uma outra pergunta: afinal, é verdade o que diz Bechara (e o que papagueiam outros aldrabões que tal), ou seja, «O Brasil cedeu mais do que Portugal no Acordo Ortográfico»?

A resposta consiste, evidentemente, em três letrinhas apenas: NÃO.

Três letrinhas essas que se expandiram exponencialmente, de caminho, com resultados sempre baseados em dados concretos e segundo cálculos algébricos, algoritmos segundo critérios lógicos, formulações sem qualquer pressuposto ou tendência. Do que resultou que de facto não, o Brasil não cedeu mais do que Portugal e não apenas não cedeu mais, como aquilo (em) que cedeu foi, exactamente, precisamente, rigorosamente… ZERO. O Brasil não cedeu absolutamente nada (nem em coisa nenhuma).

Em comum, o estudo de MRR, feito “à mão”, e o meu trabalho, feito “à máquina”, tiveram o facto de se basearem nos “dados” — pomposa designação para aquele amadorístico, manhoso, aldrabado amontoado de “entradas” — constantes do chamado “Vocabulário de[sic] Mudança“, uma parvoíce com que o Portal da Língua Portuguesa pretende enganar os incautos, satisfazer os vendidos, bajular os donos da Língua e, sobretudo, justificar o injustificável.

No entanto, se em comum têm a origem dos “dados”, as semelhanças entre os dois estudos ficam-se por aí. Em tudo o mais são radicalmente diferentes, ainda que resultem algumas coincidências e até uma, uma única similitude.

Afirma MRR: «Esta última situação é a mais aberrante: são 200 as palavras inventadas, que não existiam e passam a ser exclusivas da norma ortográfica em Portugal.»

Bem, este tirinho quase acertou em cheio na “mouche”. Não são 200, são 215 as palavras INVENTADAS pelo AO90.

215 palavras que antes do AO90 se escreviam exactamente da mesma forma no Brasil e em Portugal (e nos PALOP) mas que por via do AO90 — segundo a “lógica” «o que não se pronuncia não se escreve» — passam a ter duas grafias: no Brasil mantêm-se inalteradas, intactas, mas em Portugal (e nos PALOP) passam a escrever-se de forma que anteriormente não existia em lado algum.

As palavras INVENTADAS pelo AO90 são as seguintes:

aceção
acetor
adocianismo
adociano
adotação
afecional
afecionalidade
angietático
anorético
antártia
antasfítico
anticeticismo
anticético
anticoncecional
anticoncetivo
antiprático
antissético
aperceção
apercetibilidade
apercetível
apercetivo
apocaliticismo
apossético
aprático
artícola
assético
aurifatório
bronquetásico
cato
cardiorrético
cinorético
clidorrético
coatar
coátil
conceção
concecional
concecionário
concetaculífero
concetáculo
concetibilidade
concetismo
concetista
concetístico
concetiva
concetível
concetividade
concetivo
concetual
concetualismo
concetualista
concetualístico
concetualização
concetualizar
concetualmente
confeção
confecionador
confecionar
confecionável
conspeção
contraceção
contracetivo
contrarrutura
corretismo
corretivamente
deceção
dececionado
dececionante
dececionar
dececionável
decetivo
defeção
defetibilidade
defetível
defetividade
defetivo
defetório
defetuoso
desmorrético
deteção
eclítica
eclítico
exterocetivo
exterocetor
extratiforme
filocato
flitena
foteletrão
glitografia
hematossético
heterossético
impercetibilidade
impercetível
impercetivelmente
imperfetibilidade
imperfetível
imperfetivelmente
imperfetividade
imperfetivo
indefetibilidade
indefetível
indetetável
interceção
intercetação
intercetado
intercetador
intercetadora
intercetante
intercetar
intercetável
intercetivo
interceto
intercetor
intercetora
intercetório
interrutor
interrutora
intersetar
intusceção
intuspetivamente
intussusceção
iridorrético
melocato
metamorfótico
metapetina
metrorrético
multinfeção
olfação
oticometria
oticométrico
paralaticamente
penatisseto
perceção
percecionar
percecionismo
percecionista
percetibilidade
percetivamente
percetível
percetivelmente
percetividade
percetivo
perceto
percetual
perenção
perento
perentoriamente
perentoriedade
perentório
perfecional
perfecionismo
perfecionista
perfecionístico
perfetibilismo
perfetibilista
perfetibilizar
perfetivação
perfetível
perfetividade
perfetivo
perirretite
plasmorrético
polipletro
precetista
precetivamente
precetivo
precetor
precetora
precetorado
precetoral
precetoria
precetorial
preconceção
preconcetivo
propriocetivo
propriocetor
prospeção
pseudorrético
quimiorreceção
quimiorrecetividade
quimiorrecetivo
quimiorrecetor
radiorrecetor
receção
rececionado
rececionamento
rececionante
rececionar
rececionável
rececionista
recetação
recetacular
recetáculo
recetado
recetador
recetadora
recetar
recetibilidade
recetiva
recetível
recetividade
recetivo
recetor
recetora
recoleção
refetivo
refetório
rutura
seticidade
sético
subaceção
susceção
teledeteção
teledetetar
transcetor

Porém, se quanto à questão das invenções até andou lá perto, já quanto à outra afirmação — mais extensa, mais ao comprido — parece-me, peço humildemente perdão pelo atrevimento, que MRR se estendeu.

Não, não «havia 2691 palavras que se escreviam de forma diferente e que se mantêm diferentes (por exemplo, ‘facto’ – ‘fato’), havia 569 palavras diferentes que se tornam iguais (por exemplo, ‘abstracto’ e ‘abstrato’ resultam em ‘abstrato’), e havia 1235 palavras iguais que se tornam diferentes.»

Nada disso. Nem perto.

Como veremos.

[Imagem de topo de: “Oferta de Emprego“.]
[“post” revisto em 02.01.19 às 04:34.]

Share

Quem não sabe ler…


 

…vê os bonecos

 

……………..

 

Esta é só uma pequena amostra de um trabalho em curso que irá sendo actualizado a pouco e pouco. A sequência de imagens é aleatória, não cronológica, e ficará em página própria como repositório ilustrado daquilo que é o Apartado 53.

Share

Uma fífia monumental

Uma estranhíssima observação com que Nuno Pacheco obsequeia os leitores do “Público” neste seu artigo suscita-me um ou outro comentário, à laia de “nota prévia”.

Refiro-me a apenas parte de uma única frase, em todo o texto, mas, na minha opinião, semelhante formulação terá sido ou mero lapso de memória ou simples confusão mental momentânea do autor. A dita frase, cuja segunda parte não interessa para o caso, é a seguinte:

«Enquanto avançam iniciativas como a ILC-AO, procurando reconduzir o AO ao seu enquadramento inicial (sem a ratificação dos oito países envolvidos, nada feito; e só ratificaram quatro) […]»

Perdão? Como assim?

Tal construção frásica implica uma ideia subjacente que nunca, jamais, em tempo algum foi O motivo basilar do lançamento da ILC-AO em Abril de 2010. Nem então foi O motivo como ainda hoje, que eu saiba, apesar de estar “reformado” desde Julho de 2015, tal ideia é sequer UM dos motivos que norteiam a mesma Iniciativa cívica.

Porque, note-se, a interpretação mais óbvia da formulação (exclusiva) de Nuno Pacheco é que bastaria então a ratificação de mais quatro países para que o AO90 entrasse legalmente em vigor em todos os oito membros da CPLP. O que implicaria, nesse caso, que a ILC-AO deixaria de fazer sentido — até com efeitos retroactivos, para cúmulo do absurdo — assim que a Guiné-Bissau, Angola, Moçambique e Timor-Leste ratificassem o II Protocolo Modificativo do “acordo ortográfico” de 1990.

Nada disso. Nada mais falso. Essa hipótese não se coloca, assim como nunca se colocou ou esteve sequer alguma vez sob cogitação;  não existe portanto o mais ínfimo fundamento naquilo que agora diz Pacheco.

Um dos fundamentos basilares da ILC-AO, isso sim, foi e continua a ser, abreviando em extremo, a eliminação — por ilegalidade formal e objectiva — de um expediente exclusivamente político (a RAR que aprovou o tal Protocolo, essa tremenda aldrabice) que os deputados votaram, por disciplina partidária, sem saberem ao certo aquilo que estavam a aprovar.

Todas as motivações da Iniciativa estão contidas no texto com as fundamentações da própria ILC-AO (“pela revogação da entrada em vigor do AO90, anulação da RAR 35/2008“) e todas as explicações e esclarecimentos a respeito constam de milhares de textos (“posts”), comentários, mensagens de e-mail, cartas até dactilografadas ou mesmo escritas à mão, exposições e conferências públicas, debates e entrevistas (pessoais, em grupo e a órgãos de comunicação social). NUNCA aquela formulação foi sequer aflorada por QUALQUER pessoa ligada à ou com responsabilidades na Iniciativa.

Confesso a minha total estupefacção, por conseguinte, já que acabo de ler tal coisa absolutamente pela primeira vez. O que significa, por conseguinte, que afinal não terá sido lapso ou confusão do escriba. Terá sido apenas uma fífia, uma fífia monumental, uma nota de tal forma aguda, desafinada e irritante — até pela sua espantosa amplitude “sonora” — que nem a avantajada Bianca Castafiore conseguiria fazer melhor.

Esta outra, no jornal, partiu não apenas todas as vidraças e espelhos como fez estilhaçarem-se todas as lâmpadas, tampos em vidro, copos,  pratos e travessas aqui na toca. Até o ecrã do portátil rachou de meio a meio.

De tal sorte foi o cagaçal!

Ideias com fífias e músicas sem elas

Continuaremos, no que à língua diz respeito, a ser massacrados por repetidas fífias que mais não fazem do que tentar iludir o óbvio?

Nuno Pacheco
“Público”, 27.09.18

 

Na definição que lhe é dada pelos dicionários, uma fífia é um “som ou nota desafinada, na voz ou em instrumentos de música.” Mas pode ser também, na gíria, sinónimo de erro ou tolice. Agora que se aproxima o Dia Mundial da Música (a 1 de Outubro), ficou no ar uma fífia que convém registar. Recordemo-la: no dia em que chegou a Angola, em visita oficial, o primeiro-ministro português António Costa deu uma entrevista à TPA (Televisão Pública de Angola) onde, entre muitos outros temas, falou do acordo ortográfico que Angola, aliás, não ratificou. O jornalista Isidro Sanhanga perguntou-lhe, já a entrevista ia adiantada (aos 30:17 num total de 35:41, o vídeo está no Youtube): “A propósito da língua: como é que se vai resolver o grande handicap que é o acordo ortográfico? Até agora não se encontrou uma plataforma comum…” Ao que o primeiro-ministro respondeu: “Bom, Portugal fez a sua parte, cada um está a fazer a sua parte. Eu percebo as resistências que existem aqui e ali, mas eu acho que há uma coisa que é essencial que temos de compreender: as línguas não são fixas, são vivas, e as línguas vivas vão-se transformando, não só na sua ortografia como no seu vocabulário. Hoje, todos nós, quanto mais não seja fruto das novelas, introduzimos na nossa linguagem do dia-a-dia um conjunto de expressões do português do Brasil que nós não utilizávamos e também introduzimos em Portugal muitas expressões, olhe, do português falado em Angola, como ‘bué’. Hoje é uma palavra corrente em Portugal e não era.”

Na gíria, dir-se-á que isto é misturar alhos com bugalhos. Por isso suscitou comentários como o dos Tradutores Contra o Acordo Ortográfico: “O PM continua a não olhar para a questão com a devida profundidade e a misturar, por exemplo, léxico e ortografia, limitando-se a chavões que não resistem à lógica.” Ou o do respeitado crítico e ensaísta Eugénio Lisboa, que escreveu: “A resposta do PM é uma perfeita trapalhada, confundindo ortografia com outras coisas que não são ortografia. A teimosia dos vários governos quanto a este miserável AO é perfeitamente incompreensível. Deve andar aqui o papel dos lobbies das editoras de dicionários e outros manuais. Em Portugal, avançou-se de tal maneira no disparate, que agora ficam aterrados com a ideia de voltarem atrás…” O mesmo Eugénio Lisboa que, num artigo publicado no JL, em Agosto de 2008, já avisadamente escrevera: “Tenhamos a coragem de admitir, de uma vez por todas, que há um português ortónimo – o que se fala e escreve em Portugal – e vários portugueses heterónimos (os que se falam no Brasil, em Moçambique, em Angola, etc.) que se falam e que se escrevem. Apagar esta heteronímia, tentar fingir que o português é só um, por via de uma tímida e ridícula unificação ortográfica, é querer tapar o sol com uma peneira.” Os políticos, sobretudo os que vão detendo à vez o poder, não tiveram até hoje essa coragem. Mas há quem tenha. Dois exemplos: a Casa da Arquitectura (com C) recebe amanhã, em Matosinhos, a exposição “Infinito Vão – 90 Anos de Arquitetura Brasileira” (sem C). Algum óbice? Nenhum. A Granta em Língua Portuguesa, com Bárbara Bulhosa por editora e Carlos Vaz Marques por director (com C), publica, como escreveu este último em editorial, textos que “percorrem os múltiplos matizes do idioma”, convocando “autores e tradutores com sotaques distintos.” E a finalizar diz: “Na Granta […] aproxima-nos e diferencia-nos a língua – simultaneamente a mesma e outra, consoante o lugar de origem. Em português nos des/entendemos.”

Será preciso muito, para afinarmos ideias a este respeito? Ou continuaremos a ser massacrados por repetidas fífias que pretendem iludir o óbvio? Enquanto avançam iniciativas como a ILC-AO, procurando reconduzir o AO ao seu enquadramento inicial (sem a ratificação dos oito países envolvidos, nada feito; e só ratificaram quatro), o Dia Mundial da Música pode permitir-nos “limpar” os ouvidos. Entre mil e uma ofertas, que decerto haverá, quem estiver dia 1 no Porto pode assistir ao projecto A Música Saiu à Rua, na Casa da Música (19h). Em Lisboa, além de um recital de Mariana Abrunheiro e Walter Hidalgo, na Associação José Afonso (19h30, com jantar), há um concerto evocativo de Fernando Lopes-Graça no Largo do Teatro Nacional de São Carlos (18h30), com o coro da Academia de Amadores de Música, o Canto Firme de Tomar e o coro Eborae Musica. Nem de propósito, o programa termina (“coros e público unidos”) com o exaltante Acordai!

Nuno Pacheco

[Transcrição integral de “Ideias com fífias e músicas sem elas”, por Nuno Pacheco, “Público”, 27.09.18. Imagem de topo de: tintin.com.]

Share