Apartado 53

Um blog contra o AO90 e outros detritos

Etiqueta: linguística

Língua Gestual Portuguesa (LGP) versus Língua de Sinais Brasileira (LIBRAS)

Alfabeto Manual LGP

O que todos devíamos saber sobre língua gestual (em dez pontos)

Nunca se diz linguagem gestual, mas antes língua gestual. E um surdo é apenas surdo, nunca surdo-mudo. Informações, curiosidades, vídeos e leituras para aumentar o conhecimento sobre esta comunidade

Texto de Mariana Correia Pinto14/11/2017 – 19:45

——–

1. Língua e nunca linguagem
Não existem linguagens gestuais, mas sim línguas gestuais. Linguagem pode entender-se como um qualquer sistema de símbolos ou objectos constituídos como signos: a linguagem das cores, a linguagem corporal, etc. Uma língua, por seu lado, é um sistema de signos, arbitrário e convencional, neste caso veículo de expressão da comunidade surda e com gramática, estrutura e dinâmica próprias. Os gestos da língua gestual portuguesa (LGP) são constituídos por cinco parâmetros base: configuração de mão, movimento, expressão não-manual, localização e orientação.

2. A origem sueca
A LGP tem como língua mãe a Língua Gestual Sueca e não deriva, como muitos acreditam, do idioma oral de Portugal. No século XIX, o rei D. João VI chamou a Portugal Per Aron Borg, um sueco que tinha fundado no seu país um instituto para educação de surdos. Em 1823 é criada a primeira escola para surdos em Portugal e ainda que o vocabulário da LGP e da LGS seja diferente, o alfabeto das duas línguas revela a sua origem comum.

3. A sintaxe da LGP
A LGP tem uma estrutura bem diferente do português. A ordem básica das frases divide-se em SOV (sujeito-objecto-verbo), OSV (objecto-sujeito-verbo). Em português seria o equivalente a dizer: Eu casa vou/ Casa eu vou. Em LGP, as interrogativas, declarativas ou exclamativas identificam-se com elementos não manuais como o arquear das sobrancelhas e dos ombros.

4. Cada país com a sua língua
Muitos acreditam que a língua gestual é universal. Errado. Cada país tem a sua língua gestual, emergente da comunidade e mutante com o tempo. Em Portugal, como noutros países, nota-se ainda a existência de diversos regionalismos. Há em todo o mundo diversas línguas gestuais: a ASL (American Sign Language), a BSL (British Sign Language), a LIBRAS (Língua de sinais Brasileira), etc. E nenhuma delas nasce da língua oral do seu país, mas antes da história da comunidade surda que a utiliza.

(mais…)

Share

AO90: a tomada de três pinos “lusófona”

   Miguel Ferreira 
Published on Oct 21, 2017
Com Ricardo Araújo Pereira e Gregório Duvivier. Quais são as diferenças entre o português falado no Brasil e o português falado em Portugal? Elas são duas línguas diferentes ou dois lados de uma mesma moeda?

RAP – A gente estava nos bastidores a falar sobre a maneira como o acordo ortográfico não resolve rigorosamente nada.
GD – E cria novos problemas.
RAP – Exacto. Até porque o acordo ortográfico ataca precisamente o único sítio onde a gente não tem muita dificuldade em entender-se. A gente escreve “acção” com dois “cês” e vocês escrevem só com um. Não interessa muito. Agora, a maneira por causa da qual a gente se desentende tem a ver, às vezes, com o vocabulário. Se em Portugal eu disser “tou no acostamento porque a minha perua não tem estepe” não há um português… um português entende que se está a falar português mas ele não sabe nada do que se está a dizer. Porque em Português essa frase diz-se “estou na berma porque a minha carrinha não tem pneu sobressalente”. É muito diferente de “acostamento porque a minha perua não tem estepe”. E, portanto, as nossas diferenças são às vezes de pronúncia e de sotaque e outras vezes são de vocabulário, sendo que essas diferenças nos deviam enriquecer e não afastar. E, como é óbvio, o acordo ortográfico não resolve em nada essa questão.
GD – Além de criar problemas terríveis! Terríveis! Eu acho que, realmente, na minha opinião, foi um crime para mim tão grande quanto a tomada de três pinos. Eu acho que ele é uma tomada de três pinos linguística. Porque ele cria uma solução para um problema que não havia. Ninguém olhava para a tomada de dois pinos e falava “hum, falta alguma coisa aqui!” Não existia isso. Ninguém olhava para a língua portuguesa e falava “hum, tá faltando aqui… ai, esse trema!, eu não aguento esse trema! Não posso com esse trema! Ai, me dá uma preguiça de escrever esse trema!” Ninguém falava isso. Então me irrita profundamente, que é uma solução para um problema que não havia, sabe? De repente tem de jogar fora todos os livros e recomeçar do zero porque “ah, não, é para unificar a língua”, “ah, não, é para as pessoas lerem mais”… realmente, porquê?, porque o pessoal não lia no Brasil?, ninguém lia por causa do trema?
RAP – Estou louco p’ra ler o Machado de Assis mas tenho nojo destes tremas. É isso…

Imagem copiada de “banguelo.com

Share

“E assim será cada vez mais.” [Fernando Venâncio, Facebook]

QUANDO "O OUTRO" NÃO EXISTE.Caro Uxio Outeiro: No mundo de língua espanhola, quando algum país decide editar uma…

Publicado por Fernando Venâncio em Terça-feira, 7 de Novembro de 2017

QUANDO “O OUTRO” NÃO EXISTE
.

Caro Uxio Outeiro:

No mundo de língua espanhola, quando algum país decide editar uma obra de Kundera, de Eco, de Saramago, etc., compra os direitos para toda a “Hispanidad”, traduz para espanhol e edita. São poucas as excepções a este cenário, e não há nenhuma tradução para “mexicano” ou para “rioplatense”.

No mundo da língua portuguesa, o Brasil e Portugal operam COMO SE O OUTRO NÃO EXISTISSE.

E porquê? Porque nenhum leitor brasileiro quer ler Kundera, ou Eco, ou Donoso, com o léxico português, a sintaxe portuguesa, a morfologia portuguesa, a pragmática portuguesa (e repara que nem falo na ortografia…). O mesmo não deseja um leitor português no que toca ao ‘brasileiro’.

Sim, o cenário do Português é essencialmente diferente do de outros idiomas. Do ponto de vista editorial, do ponto de vista do leitor, existem um “Português” e um “Brasileiro”. E assim será cada vez mais.

Na realidade, existem duas INDÚSTRIAS editoriais, uma brasileira e uma portuguesa, e elas – desde o primeiro momento – não se comunicam, nem sequer no terreno da tradução… Sim, em que haveriam elas de comunicar-se, se ‘brasileiro’ e ‘português’ são hoje, já, dois mundos diferentes?

Fernando Venâncio

Facebook, 07.11.17

Share

«Reafirmar o pesadelo» [M.C.V., “Público”]

Desventuras do ensino da Língua Portuguesa

Será difícil compreender que é impossível uma escola funcionar com reformas contínuas, ordens e contra-ordens, numa manifesta falta de respeito pela comunidade escolar?

Maria do Carmo Vieira

3 de Novembro de 2017, 17:39

 ————

O presente não se compreende sem o passado, nem o futuro se constrói sem esse diálogo reflexivo, em que a memória é essencial. No entanto, e no que ao Ensino diz respeito, com realce para a disciplina de Português, pensou-se ser possível quebrar essa ligação com uma imposição, a favor da qual se envolveram, entusiasticamente, aventureiros que, com ligeireza e à vontade, se movimentaram, e continuam a movimentar, nos corredores e gabinetes do Ministério da Educação (ME). Sempre houve quem gostasse de se pôr em bicos de pés, na ânsia de ser notado e incluído numa espécie de corte de confiança, ou se vendesse por um prato de lentilhas. [1] Em comum, o oportunismo, a arrogância, o vício de bajular, a pobreza espiritual e cultural. Lamentavelmente, a Educação, ao longo dos anos, tem sido um terreno fértil para estes aventureiros.

Foi nas minhas discussões com colegas da então direcção da Associação de Professores de Português (APP), nomeadamente com Paulo Feytor Pinto, seu presidente, que pela primeira vez ouvi defender que a Literatura deveria ser retirada dos programas de Português porque não tinha qualquer utilidade para os alunos, devendo ser substituída por textos “funcionais”, “utilitários” e “informativos”. Sublinho o vocábulo porque na altura me surpreendeu o triste raciocínio. A Literatura ficaria reservada só para os alunos de Humanidades. Os restantes dedicar-se-iam exclusivamente à Língua (daí a proposta de mudança de nome da disciplina de Português para Língua Portuguesa) e o seu ensino focar-se-ia numa Gramática renovada pela moderna investigação linguística.

O trabalho realizado pela APP, “Relatório sobre O Ensino e a Aprendizagem do Português na Transição do Milénio” (2002), em estreita cumplicidade com o Ministério da Educação que, então, ultimava a reforma curricular de 2003, veio reafirmar o pesadelo, ou seja, a decisão de privilegiar o “português funcional”, o “útil”, bem como a reflexão sobre “o funcionamento da língua”, aparecendo a Literatura, que não se conseguira expurgar completamente dos programas, como era vontade da APP e comparsas, como um mero tipo de texto, entre tantos outros considerados “úteis”. A justificação da mudança apontava, reiteradamente, para a necessidade de responder com eficácia “às múltiplas solicitações de empregadores e da sociedade em geral”. Um discurso que não se distancia do actual, aliás, perceptível na intervenção do Secretário de Estado da Educação (SEE), João Costa, aquando da realização da Conferência Currículo para o Século XXI, em Abril de 2016, na Fundação Gulbenkian.

Depois deste primeiro golpe, que menorizou efectivamente a Literatura nos programas, retirando inúmeros autores clássicos porque sem qualquer “utilidade” para os alunos e contrários “aos seus interesses” (ideias que ainda hoje vingam no ME), surgiu a “Terminologia Linguística para os Ensinos Básico e Secundário” (TLEBS), uma inovação indissociável do nome do actual SEE, João Costa, cujo objectivo seria, assim fora dito aos professores, “uniformizar a nomenclatura gramatical”, devastada, aliás, por uma outra aventura linguística, a “Gramática Generativa” (a das “árvores”, como alguns a conhecem). O certo é que não houve uniformização alguma, pois não era esse o objectivo, e professores e alunos viram a Gramática tradicional substituída por uma caótica e estéril descrição do funcionamento da língua, considerada por linguistas de referência como um verdadeiro “disparate”. Os disparates foram tais que o próprio ME, face à intensidade da polémica gerada, reconheceu a necessidade de aqueles serem corrigidos, um trabalho que integrou a esposa de João Costa, que considerara “incontornável” a aplicação da TLEBS, fazendo ambos parte da Associação Portuguesa de Linguística (APL).

Eis duas Associações (APP E APL) e dois nomes (Paulo Feytor Pinto e João Costa, cúmplices na origem da desastrosa e precipitada alteração feita ao ensino da disciplina de Português, na Reforma de 2003, cujos efeitos nocivos permanecem, e que funcionaram como interlocutores quase exclusivos do Ministério da Educação. Eis os que consideraram, a uma só voz, útil a TLEBS e o “português funcional”, mas inútil a Literatura, como inútil a contextualização dos autores e das suas obras, através da qual um professor faz intervir outras artes, bem como a História ou a Filosofia. Tudo inutilidades e “perda de tempo”.

A propósito da controvérsia “útil” / “inútil” e da advertência para a “utilidade de saberes inúteis”, não posso deixar de transcrever uma reflexão muito criativa de Oscar Wilde (1854-1900) sobre a Arte, que de há muito me acompanha: ‘Pode-se perdoar a um homem o fazer uma coisa útil, enquanto ele a não admira. A única desculpa que merece quem faz uma coisa inútil é admirá-la intensamente. Toda a arte é absolutamente inútil.’

(mais…)

Share

Morra o Dantas, morra, pim! (2)

Como vimos, a ideia peregrina da “revisão” do AO tem barbas, salvo seja, assim como tem imensos apêndices capilares a ainda mais peregrina ideia que motiva as sucessivas “revisões” dela mesma, a ideia básica, primordial: os “acordos ortográficos” a granel. Nós por cá, em absoluto record mundial, vamos em oito mexidas na ortografia — oito! Isto se não me enganei na contagem, bem entendido, que ele há historiais para todos os gostos, isto com a ortografia portuguesa é uma alegria, um acordo ortográfico por dia nem sabe o bem que lhe fazia.

Lá dizia o Dantas, em 1929, “ah, e tal, aumentando de dia para dia o interesse que à língua portuguesa consagram as nações estrangeiras, não será natural e legítimo que lhe consagremos, também, um pouco mais de interesse em Portugal?”

Bom, sejamos rigorosos, o Dantas nunca disse “ah, e tal”, o Dantas disse só o resto daquela estranhíssima frase em forma de pergunta. Uma das do imenso arsenal de asneiras de que se servia amiúde para tentar justificar o injustificável, ou seja, a “necessidade” de “uniformizar” a língua portuguesa. Se bem que diferisse do seu émulo actual (Malaca Casteleiro, de sua graça) num aspecto, porém: ao contrário deste, nosso Júlio não pretendia substituir na íntegra e literalmente a ortografia portuguesa pela cacografia brasileira, preferindo uma plataforma de entendimento, isto é, que a parte portuguesa mostrasse ao menos um mínimo de honradez nas negociações com os brasileiros. E isto mesmo tendo ele, nosso Júlio, o Dantas deles, dupla nacionalidade, portuguesa e brasileira, mas ao que parece tendo ele também um pouco de vergonha na cara

A isto se resumem, no entanto, as diferenças entre aquele avôzinho das “reformas ortográficas” e o seu netinho acordista — já com boa idade para ter juízo mas pelos vistos o acordismo é um achaque mental “derivado a” ideias infantis.

As similitudes entre a remota e a actual gerações de “reformistas” obsessivos, a 70 ou 80 anos de distância, são evidentes e são inúmeras: vimos isso mesmo quanto à “necessidade” de um “acordo ortográfico” e à subsequente “necessidade” de uma “revisão” imediata do dito e vimos também que, em 1929 como em 2017, bastava então e basta agora produzir um “vocabulário ortográfico” para que a língua portuguesa no mundo se expanda, e tal e tal e não sei quê.

Mas há muito mais, claro. Os pilares fundamentais do acordismo, todos eles feitos de palha e colados com cuspo, são hoje exactamente iguais aos que Dantas se entretinha a impingir aos seus contemporâneos nos anos 20, 30, 40 e 50 do século passado.

Em certa palestra que o ilustre académico se dignou debitar, no edifício no Salão Nobre da Ordem dos Advogados, a S. Domingos (Lisboa), a 7 de Setembro de 1945, deixou Dantas bem patente o seu fascínio pelo Brasil, pelo gigantismo do Brasil, pelos muitos milhões de habitantes do Brasil. Uma admiração exacerbada a roçar a bajulação que o mesmo exibira, com o mesmo pudor que Malaca manifesta, ou seja, nenhum, no discurso de 1929 já citado.

Ah, o Brasil, o Brasil, os “milhões” (bem, depende do tipo de “milhões”) do Brasil, a “quinta língua mais falada do mundo” por causa dos “milhões” do Brasil,

Mas onde é que a gente já leu estas patacoadas, hem?

Malaca Casteleiro, 28.05.2015
«Sem a aprovação deste acordo, em 1990, Malaca considera que se corria o sério risco de termos hoje oito ortografias diferentes, depois do processo de descolonização e de, consequentemente, a língua portuguesa deixar de ser das mais faladas do planeta. E é com muito orgulho que diz que há “250 milhões de pessoas a falar português”, que é falada em quatro continentes e que é mesmo o idioma mais usado no hemisfério sul.»

Júlio Dantas, 07.09.1945
«(…) é sempre, por mais que a sua expressão varie, a mesma língua portuguesa, património colectivo que o povo criou, que os letrados fixaram, que os séculos enobreceram, que na Renascença — língua imperial! — se cobriu de um manto de púrpura, e que o Brasil herdou para lhe assegurar connosco a expansão e a imortalidade.»

Júlio Dantas, 04.04.1929
«(…) a unidade da língua portuguesa falada, nas cinco partes do mundo, por quase sessenta milhões de almas, mas não está devidamente assegurada a própria unidade da língua portuguesa falada e escrita em Portugal. Essa carência de uniformidade é particularmente sensível no domínio ortográfico.»

Além disto dos “milhões” (“de” ou “dos” brasileiros, depende da perspectiva) os dois artistas aqui em foco igualmente comungam, unidos pela mesma crença no II Império brasileiro, de outras fézadas similares: que ingleses, americanos, franceses e espanhóis são uma cambada de burros, nem sabem o que é bom, deviam fazer também “acordos ortográficos” para o Inglês, o Francês e o Castelhano; que os estrangeiros embirram solenemente com as “duas grafias oficiais” (mentira descarada) do Português; que a “culpa disto tudo” é integral e forçosamente da parte portuguesa porque “nós” não consultámos os brasileiros, coitadinhos, em 1911.

(mais…)

Share

«O AO90 não é adoptado com seriedade em Cabo verde» [Abraão Vicente, Ministro da Cultura]

“O quotidiano em Cabo Verde é todo ele pensado, amado, sentido em crioulo”

A pretexto do “maior evento literário dos PALOP”, a Morabeza — Festa do Livro, que arranca a 30 de Outubro, o ministro da Cultura de Cabo Verde, Abraão Vicente, diz como tenciona alicerçar a literatura num país em que ela é sobretudo feita na música. E vinca o seu apoio à oficialização do crioulo.

—————-

(…)

O facto de a criação literária cabo-verdiana ser essencialmente em português e toda a criação musical ser em crioulo, essa duplicidade, é essencial à maneira de ser cabo-verdiana?
A nossa identidade revela-se aí. Na Festa do Livro, o português vai ser a língua de trabalho, porque vamos ter convidados de Angola, Moçambique, Portugal, Brasil. Mas o nosso quotidiano é todo ele pensado, amado, sentido em crioulo, por mais que as instituições se esforcem. Uma das primeiras medidas do novo governo foi o ensino do português como língua segunda, no sentido exactamente de nós interiorizarmos o porquê de o ensino e a fluência do português estarem a perder terreno. Porque o crioulo domina o dia-a-dia, domina a música, domina as próprias instituições. O parlamento cabo-verdiano funciona praticamente em crioulo. Há uma força identitária e aqui entra o debate que vai vir com a revisão da Constituição: oficializa-se ou não o crioulo?

(mais…)

Share
Apartado 53 © 2017 Frontier Theme