Etiqueta: LUSA

Costa em Angola: bué aldrabão, craro

Visita de Estado de António Costa a Angola

Em declarações à televisão estatal local, o Primeiro-Ministro português revela mais uma vez não apenas a sua total inépcia para a expressão oral em geral como a sua absoluta incapacidade na área da dicção em particular: ou seja, é praticamente impossível entender aquilo que o homem diz porque ele pura e simplesmente despreza a sua própria Língua de forma acintosa e progressivamente arrogante. Isto, é claro, caso não se trate de alguma deficiência — articulatória ou mental — clinicamente diagnosticada, de que seja portador o cidadão em causa, e estando ou não em curso o respectivo tratamento.

Acautelado tal handicap (nesta transcrição substituindo-se por anotações entre parêntesis rectos as expressões ou construções frásicas absolutamente incompreensíveis), resta ainda assim algo de picaresco — para não dizer anedótico — naquilo que debita Sua Excelência a respeito da Língua Portuguesa em geral e do “acordo ortográfico” em particular. Aliás, o facto de nem ter-me dado à maçada de destacar as declarações mais extraordinárias ou bizarras é desde logo indício de que não há ali nada a destacar, tudo o que ele diz sobre tais assuntos (que em absoluto e com indisfarçável orgulho desconhece) é mais do mesmo: puro paleio, verbo de encher, chorrilho de vacuidades, a treta do costume.

Note-se, porém, que este exemplar é um político de carreira e, portanto, há que tentar ouvir o que ele diz não dizendo e, sobretudo, o que ele implicitamente declara nas entrelinhas.

Ora, sob este prisma está lá tudo aquilo que significa actualmente a expressão “língua portuguesa”, o que é e para que serve a CPLP, em que consiste basicamente o AO90: o “acordo” é a base ideológica (conversa para enganar as massas) que sustenta a criação da Comunidade (variante neo-colonialista de cariz mercantilista, já não militar) tendo por finalidade a erradicação  do Português-padrão e a sua substituição pela variante brasileira.

Ou seja, tornando ainda mais claro o paleio de chacha do político, pretende este dizer, esfregando as mãos de contentamento, que o II Império brasileiro é a actual “rota das especiarias”, o El Dorado do século XXI, a casa-forte do Tio Patinhas à qual passarão a ter acesso não apenas os brasileiros de cartola como também os seus “amigos” portugueses — a irrisória minoria de traidores e vendidos, as ratazanas que já vão amarinhando pelo cordame de atracação das novas naus prontas a zarpar, ao invés do sentido da História, do Novo para o Velho Mundo.

Teria até sua piada, este triste, caso não fosse trágico, demente, catastrófico aquilo que na prática significam as suas graçolas.

[27:40] ent. –Os críticos da CPLP dizem que tem havido pouco investimento em matéria de língua, que afinal é o maior capital que a organização devia ter, ou que tem, e o que eu pergunto é, por exemplo, não constrange ao sr. primeiro-ministro o português, por exemplo, não ser língua de trabalho nas Nações Unidas? Vem aí o mês de Setembro, Conselho-Geral das Nações Unidas e aí não lhe constrange, por exemplo,{inaudível/incompreensível].
A.C. —E acho que é um trabalho que temos de continuar a fazer. Hoje temos mais de 230 milhões de falantes, prevê-se que em 2050 [‘tecemos’?] mais de 350 milhões de falantes em todo o mundo, portanto é uma língua que claramente está em expansão, é uma língua cada vez mais global, é uma língua que é falada em 4 continentes e acho que esse trabalho de promoção da língua é cada vez mais importante…

ent. —Mas qual é o óbice para avançar-se nesta matéria?
A.C. —Eu acho que não há óbice. Vamos lá ver. Nós todos temos tido, muitas vezes temos sido confrontados com outras prioridades; nem sempre os últimos anos foram fáceis para todos nós e portanto tivemos que nos concentrar, muitas vezes, na resolução de problemas internos mais do naquilo que podemos fazer, mas agora, que estamos numa fase de viragem, acho que essa, o reforço do investimento [‘da’? ‘na’?] promoção da língua será também importante. Posso-lhe dizer que o orçamento de Estado para o próximo ano em Portugal vai ter um reforço importante no Instituto Camões, que é o responsável pela promoção {inaudível/incompreensível] da língua. Temos feito investimentos importantes no aumento das escolas portuguesas. Por exemplo, não havia uma escola portuguesa em Cabo Verde e está-se a avançar com a escola portuguesa em Cabo Verde. Recentemente adquirimos algo que é absolutamente fundamental para a {inaudível/incompreensível] da língua e da cultura lusófona, que é o Real Gabinete de Leitura no Rio de Janeiro, que foi adquirido pelo Estado português, para o poder preservar, para além da vida sempre contingente da família que o geria. Portanto, temos vindo a procurar fazer esse esforço de investimento e quero acreditar que o vamos fazer, e vejo como muito auspicioso também o acordo que a TPA assinará amanhã com a RTP e com a Lusa, como uma outra forma de divulgar a língua, de promover a língua portuguesa.
ent. —A propósito da língua, como é que se vai resolver o grande handicap que é do acordo ortográfico? Até agora não se encontrou uma plataforma comum. Como é?
A.C. —Bom, Portugal fez a sua parte, cada um está a fazer a sua parte. Eu percebo as resistências que existem aqui e ali, mas eu acho que há uma coisa que é essencial e que temos que compreender: as línguas não são fixas, são vivas. E as línguas vivas vão-se transformando, não só na sua ortografia como no seu vocabulário. Hoje, nós, quanto mais não seja fruto das novelas, introduzimos na nossa linguagem do dia-a-dia um conjunto de expressões do português do Brasil que nós não utilizávamos ou nós também introduzimos em Portugal muitas expressões do — olhe — do português falado em Angola, como “bué”, hoje é uma palavra corrente em Portugal quando não era quando eu andava na escola…

Angola encerra embaixada junto da CPLP

Embaixada na CPLP fecha em Novembro

Adelina Inácio
“Jornal de Angola”, 11.09.18

O ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, anunciou ontem o encerramento de quatro embaixadas e quatro consulados até Novembro. Dentre as embaixadas, o ministro indicou as do México, Canadá, Grécia e da CPLP, que passa a ser coberta pela embaixada em Lisboa.

Em relação aos consultados, Manuel Augusto apontou as de  Durban(África do Sul), Frankfurt(Alemanha) , Faro (Portugal) e Califórnia (Estados Unidos da América). “Até Outubro e final de Novembro, algumas embaixadas e consulados vão ser encerrados. Estamos no processo de encerramento, estamos já a movimentar as pessoas e vamos fechar todo processo até Novembro”, garantiu o ministro.

O chefe da diplomacia angolana, que discursava na abertura do VII Conselho Consultivo do seu Ministério,  anunciou o encerramento da maior parte das  representações comerciais e reforçar as embaixadas com diplomatas que terão a missão de acompanhar os assuntos económicos.

“Vamos encerrar a maior parte das representações comerciais e reforçar as embaixadas com diplomatas que vão ter, como principal actividade, o acompanhamento dos assuntos económicos para corporizar este papel que está a ser reservado às missões  diplomáticas e consulares no quadro da diplomacia económica”, garantiu.

O ministro Manuel Augusto afirmou que as representações a serem encerradas têm sido “fonte de despesas, nalguns casos, e, em outros, fontes de conflitos com resultados zero”. O ministro, que  falou aos diplomatas sobre a nova dinâmica de organização e funcionamento das diversas áreas do sector, anunciou, igualmente, o processo de substituição e rotação de vários quadros responsáveis, com destaque para cônsules.

Manuel Augusto apontou oito pontos para a implementação das medidas relacionadas com a diversificação da economia e diplomacia económica , tendo destacado o aumento do volume de negócios e as condições de financiamento das Instituições Financeiras Internacionais, para concluir os projectos estruturantes em curso e implementar outros projectos de investimento público prioritários.

Entre outras acções,  Manuel Augusto apontou também o reforço da estratégia económica subjacente ao Programa de Apoio à Produção Nacional, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI), mobilizando a rede diplomática de Angola para promover os produtos e serviços nacionais, bem como as oportunidades de investimento no país.

Candidatura na UA
A promoção da candidatura de Angola para mais um mandato de dois ou três anos no Conselho de Paz e Segurança da União Africana, e considerar a possibilidade de uma das reuniões deste órgão realizar-se em Luanda, durante a presidência de Angola, tendo em conta os efeitos positivos para o prestígio do país e da política externa angolana, é igualmente outra medida apontada  pelo ministro para a implementação da diplomacia económica.

Diplomacia económica
O ministro lembrou aos embaixadores que é no Plano de Desenvolvimento Nacional onde estão definidas as linhas principais para a execução de uma diplomacia económica eficiente e proactiva, visando a atracção e captação do investimento privado estrangeiro, no âmbito da diversificação económica em curso no país.

Os diplomatas estão a analisar, até hoje, o alinhamento do Plano de Desenvolvimento Nacional  com a Política Externa, a Diplomacia Económica de Angola, a Geopolítica e Cobertura Regional, o Plano de Reforma e a nova visão para o Ministério das Relações Exteriores. Os participantes devem igualmente perspectivas novas acções para o próximo ano.

Manuel Augusto pediu a intensificação do diálogo político e diplomático global, equilibrado e regular e uma cooperação bilateral activa com a União Europeia, no âmbito do “Caminho Conjunto” sobre questões de interesse comum, nomeadamente paz e segurança, boa governação, direitos humanos, crescimento económico e desenvolvimento sustentável, entre outras.

A efectivação destas acções, disse,  requer maior atenção ao processo de conclusão e assinatura do Acordo de Promoção  e Protecção Recíproca de Investimento (APPRI) e do acordo para evitar a Dupla Tributação (ADT) com vários países interessados.

Segundo o ministro, isto permitirá criar um ambiente de negócios seguro e de confiança para a consolidação  das parcerias económicas e financeiras que garantam, de forma eficaz, a concretização dos programas e projectos do Executivo.

Manuel Augusto reconheceu que o sucesso da diplomacia económica depende, em grande medida, da criação, no plano interno, de condições concretas nos domínios da energia e águas, saneamento básico, desburocratização na administração pública, melhoria nos sectores da justiça, banca e finanças, bem como o repatriamento de capitais e dividendos.

O ministro adiantou também que a garantia dessas condições permitirá a captação de investimento estrangeiro, que deve contribuir para o processo de diversificação e desenvolvimento da economia, tendo como objectivo estratégico a industrialização de Angola.

Quanto à desburocratização, o ministro afirmou que  o processo de reformas internas deve prestar maior atenção à problemática da formação de quadros, a supressão e facilitação de vistos para homens de negócios, bem como a concessão de vistos de turismo para Angola.

Source: “Jornal de Angola”, 11.09.18
(Imagem de topo de: OPEC)

Angola vai encerrar embaixada junto da CPLP e consulado em Faro até Novembro

Observador/Agência Lusa, 10.09.18

Angola vai encerrar até Novembro a embaixada junto da sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, em Lisboa, e o consulado em Faro, disse o chefe da diplomacia angolana.

Angola vai encerrar até Novembro a embaixada junto da sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Lisboa, e o consulado em Faro , disse esta segunda-feira, em Luanda, o chefe da diplomacia angolana. Segundo Manuel Augusto, que falava à margem do VII Conselho Consultivo do Ministério das Relações Exteriores de Angola, que decorre até terça-feira, sob o lema “As Oportunidades e Desafios no Futuro”, o encerramento faz parte de uma lista de quatro missões diplomáticas e outros tantos consulados que, até Novembro serão fechados.

(mais…)

“O mundo da lusofonia tem de assumir que a liderança é do Brasil” (Marcelo Rebelo de Sousa)

CPLP em Cabo Verde Foto: TIAGO PETINGA/LUSA

CPLP em Cabo Verde Foto: TIAGO PETINGA/LUSA

 

CPLP aprova recomendação de “esforços para implementação do Acordo Ortográfico”

A Declaração de Santa Maria, aprovada na XII Cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Cabo Verde, inclui uma recomendação para “o desenvolvimento de esforços para a implementação do Acordo Ortográfico”.

No texto aprovado na FXII Cimeira da CPLP, que decorre em Santa Maria, na ilha do Sal, Cabo Verde, lê-se que os Estados-membros “recomendaram o desenvolvimento de esforços para a implementação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, instando à sua ratificação e ao estabelecimento de formas de cooperação efectiva para a elaboração dos Vocabulários Ortográficos Nacionais (VON)”.

Por outro lado, os nove Estados-membros “tomaram nota, com satisfação, da dinâmica desenvolvida pelo Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), assumindo-se, cada vez mais, como uma instituição de carácter multilateral e fórum de planeamento e coordenação de projectos ligados ao fortalecimento da Língua Portuguesa”.

Neste plano, “expressaram o seu reconhecimento pelos significativos avanços dos projectos ‘Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa (VOC)’ e ‘Portal do Professor de Português língua estrangeira/língua não materna (PPPLE)’, sob responsabilidade do IILP”.

Ainda no que respeita ao ILLP, “reconheceram os esforços desenvolvidos” por este instituto “na articulação com os Observadores Associados”.

Criada há 22 anos, a CPLP tem actualmente nove Estados-membros: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

A XII Cimeira da CPLP, que marca o início da presidência rotativa desta organização por parte de Cabo Verde, começou na terça-feira e termina hoje, com a participação de todos os chefes de Estado, menos o de Timor-Leste, e ainda dos primeiros-ministros português e cabo-verdiano.

Source: CPLP aprova recomendação de ″esforços para implementação do Acordo Ortográfico″

As letras em falta no original do artigo foram automaticamente repostas pela solução Firefox contra o AO90 através da extensão FoxReplace do “browser”.]

‘Não há dinheiro, não há palhaços’

Directora apreensiva com indefinição sobre liderança do IILP depois de Dezembro

A directora do Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP), manifestou-se, em entrevista à agência Lusa, preocupada com o futuro desta instituição da comunidade lusófona devido à indefinição sobre a liderança e aos recorrentes problemas financeiros.

 

Marisa Mendonça, que deixa a presidência do IILP em Dezembro, mostrou-se apreensiva por não existir, até ao momento, decisão sobre quem assumirá a direcção do instituto a partir dessa altura ou manifestações de interesse no cargo.

Cabo Verde assume a presidência da comunidade lusófona na XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), agendada para 17 e 18 de Julho, na ilha do Sal.

As propostas sobre os países que irão assumir a liderança dos órgãos da comunidade são aprovadas durante as cimeiras, mas até ao momento não é conhecida a vontade de qualquer país em apresentar uma candidatura.

“Ainda não há uma decisão neste sentido e isto está a deixar-me, de certa forma, muito apreensiva. Estranhamente, até este momento, estamos a menos de 15 dias da cimeira da CPLP, e não há nomes“, disse.

Marisa Mendonça considerou que “seria bom perceber quais são os países ou as pessoas que se estão a perfilar” para a direcção deste organismo, lembrando que, aquando da sua nomeação, Moçambique propôs “muito cedo” o seu nome.

A directora executiva do IILP, que cumpre o seu segundo mandato à frente da instituição, manifestou-se também preocupada com os atrasos recorrentes no pagamento das quotas por parte dos países-membros, adiantando que o instituto tem estado a funcionar com 8% do seu orçamento.

“A nível financeiro estamos numa situação complicada. Quando entrei fizemos um grande esforço de contacto com os Estados-membros, que estavam com uma dívida global acima de um milhão de euros, quatro orçamentos anuais do IILP. Não preciso de entrar em grandes pormenores para se perceber a dificuldades de gerir o instituto nessa situação”, disse.

Adiantou que a dívida chegou a reduzir para 300 mil euros, mas que actualmente ascende a mais de 800 mil euros.

“É uma dificuldade imensa, temos compromissos assumidos diante de outras instituições que dão cobertura técnica às nossas plataformas, aos nossos projectos e andamos muitas vezes com o coração nas mãos, porque não sabemos como honrar os nossos compromissos”, reforçou.

Marisa Mendonça assinalou que se trata de “uma situação recorrente e que vem do passado”.

“Temos vivido sempre com este problema a nível financeiro. Isto não nos permite dar outros passos, temos obrigações, orientações plasmadas nos planos de acção de Brasília, de Lisboa e de Díli, mas temos de ser muito cautelosos quando pensamos abrir mais uma frente de trabalho e trazer outras dimensões àquilo que é a actividade do IILP”, disse.

Ainda assim, a directora executiva do instituto faz um “balanço positivo” do seu mandato, manifestando a expectativa de que os projectos em curso não sejam postos em causa.

“Fez-me muito trabalho, temos projectos em bom nível de desenvolvimento, seria realmente uma pena que estes projectos não pudessem ser continuados. É muito importante pensarmos como é que essas actividades vão continuar, mas antes de pensarmos nisto temos de pensar na consolidação da instituição, temos de pensar noutras formas de manter a instituição viva e com as condições que obrigatoriamente tem de ter”, considerou.

Marisa Mendonça sublinhou a importância de ter dado continuidade aos projectos que estavam em curso na organização – Vocabulário Ortográfico Comum (VOC), Portal de Português Língua Estrangeira e a Revista Plateau, bem como de ter conseguido iniciar novos projectos.

“Iniciámos e estamos a desenvolver três projectos: CPLP – Comunidade Mais Leitora, que visa o desenvolvimento e promoção da leitura e da escrita, como uma estratégia comum a todos os países da CPLP, o dicionário de autores de literaturas africanas de língua portuguesa, que é a transformação de um dicionário em formato físico num dicionário virtual, e as terminologias científicas e técnicas comuns da língua portuguesa”, enumerou.

Para Marisa Mendonça, este último projecto será “bastante importante” porque “vai trazer uma plataforma consensualizada de terminologias que poderão ser um apoio fundamental para as actividades tanto de tradução como de interpretação de conferências”.

Marisa Mendonça apelou às autoridades cabo-verdianas, que vão presidir à CPLP e país onde está a sede do instituto, que olhem para o IILP “com outra atenção”.

Sediado na cidade da Praia, o IILP é um instrumento para a gestão comum da língua portuguesa, envolvendo todos os Estados-membros da CPLP.

CFF/RYPE // VM

Lusa/Fim

https://24.sapo.pt/noticias/internacional/artigo/diretora-apreensiva-com-indefinicao-sobre-lideranca-do-iilp-depois-de-dezembro_24501232.html

[A transcrição deste texto da Brasilusa, como de costume estropiado pelo AO90, foi corrigida automaticamente pela solução Firefox contra o AO90. Destaques meus.]

O quinto poder

Nestas coisas da pulhítica, em termos de jargão específico do “métier”, dá imenso jeito saber ler, literalmente, passe a redundância, nas entrelinhas. Dos vários tipos ou níveis de iliteracia, o analfabetismo político é de, todos — e de longe –, o mais perigoso, visto que o patuá críptico dos agentes de intoxicação em massa (vulgo, “órgãos de comunicação social” ao serviço ou “jornalistas” pagos à peça) tem por funções confundir e não esclarecer, influenciar e não informar, condicionar e não instruir, embrutecer e não comunicar factos.

Aqui está mais um artigo da agência de propaganda BrasiLusa que espectacularmente preenche todos os requisitos do “jornalismo” político, ou seja, da mais pura e dura contra-informação.

Todo este paleio, de cabo a rabo, apesar de aparentemente inócuo e circunstancial, não passa objectiva e factualmente de uma verdadeira  mistificação, passe o oximoro, gizada por competentíssimos  profissionais… da aldrabice.

As aparências iludem, como diz o povo. É muito provável que entenda cada qual deste estendal de meias-verdades algo que sequer lá está escarrapachado (a ideia é essa, mesmo), mas é ainda mais provável que no fim da leitura, para quem se der a essa maçada, não fique uma ideia, ainda que vaga,  do que raio significam os palavrões (“diagnóstico”, “implementação”, “potencialidades”) ou mesmo as palavrinhas (“experiência”, “resultados”, “soluções”).

A linguagem encriptada, própria e exclusiva da política, e por maioria de razões tendo por finalidade a intoxicação, presta-se a diferentes interpretações, todas elas (ou quase todas) variantes da mesma “verdade” que os profissionais da mentira foram incumbidos de espalhar. Convencionou-se chamar “opinião” a esse tipo de “verdades” e, por conseguinte, quem as fabrica são os “fazedores de opinião”.

Espero ter lido bem, isto são excelentes notícias.

 

Cabo Verde quer conhecer experiência de Angola na implementação do Acordo Ortográfico

SAPO Notícias, 07.06.18

 

Angola já fez o Diagnóstico à Aplicação do Acordo Ortográfico de 1990 e Cabo Verde quer conhecer os resultados da experiência, anunciou hoje a ministra da Educação, Maritza Rosabal, em declarações à Inforpress.

Os resultados serão apresentados durante a primeira reunião dos Ministros da Educação do Fórum dos Países Africanos de Língua Portuguesa (FORPALOP) que decorre nos dias 07 e 08 de Junho em Luanda, Angola, onde Maritza Rosabal se encontra para participar e também para conhecer experiências educativas de outros países como Angola, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Moçambique e ainda Timor-Leste.

Em declarações à Inforpress a partir de Luanda, a ministra considerou “muito importante” conhecer os resultados do estudo sobre a implementação do Acordo Ortográfico de 1990 nas escolas angolanas, por ser um “acto de aprendizagem”, já que Cabo Verde nunca fez nenhuma análise a esse respeito.

“Por isso é muito interessante ver o que Angola está a fazer para aprender, e conhecer quais são as consequências do mesmo. No fundo, o Acordo Ortográfico está em implementação em Cabo Verde, mas nunca se discutiu se realmente é ou não uma boa experiência porque não tem sido um foco de intervenção para Cabo Verde”, admitiu.

No entender de Maritza Rosabal, a questão central é o ensino da língua portuguesa como língua segunda, já que todos os países que fazem parte dos PALOP, mais Timor-Leste, têm as suas línguas maternas, entendendo que há necessidade de se implementar, com base em conhecimento e experiência, uma metodologia do ensino da língua portuguesa como língua segunda.

A ministra da Educação fez saber ainda que, durante o encontro de Luanda, ela e os seus homólogos vão identificar e discutir as potencialidades no domínio do ensino técnico-profissional enquanto promotor da profissionalização dos serviços e do desenvolvimento sustentável, tendo realçado que os países têm problemas a nível de quadros e pessoas formadas em áreas diversas, algo que requer soluções conjuntas.

A mobilidade estudantil para cursos técnico-profissionais entre os diferentes países vai ser também outro assunto em análise a partir das boas práticas de cada membro do fórum, área que pode ser importante para a promoção da rede de investigação científica entre os PALOP e Timor-Leste.

“Termos a possibilidade de mobilidade entre os nossos países é muito importante porque vai ser possível estabelecer um quadro muito mais elaborado em termos de vistos, o que ia ajudar os estudantes a terem outras experiências e outras perspectivas de integração no próprio mundo do trabalho”, salientou.

O FORPALOP foi criado em 2014 pelos PALOP como sendo um órgão multilateral de concertação político-diplomática e de cooperação, e visando o aprofundamento das históricas relações e a solidariedade entre os cinco países africanos de língua oficial portuguesa.

Source: Cabo Verde quer conhecer experiência de Angola na implementação do Acordo Ortográfico – Actualidade – SAPO Notícias

Destaques, sublinhados e “links” meus.

Activismo cívico é isto mesmo…

A APEL anunciou ontem que vai acabar com o "voluntariado" na Feira do Livro de Lisboa. MUITO OBRIGADA às centenas de…

Publicado por Alexandra Lucas Coelho em Quarta-feira, 6 de Junho de 2018

quero agradecer às centenas de pessoas que aderiram ao abaixo-assinado lançado pela Alexandra Lucas Coelho e por mim,…

Publicado por Helena Ales Pereira em Quarta-feira, 6 de Junho de 2018

Feira do Livro de Lisboa diz não ao voluntariado a partir do próximo ano

APEL não vai recrutar voluntários para a Feira do Livro de Lisboa em 2019 depois de um abaixo-assinado promovido no Facebook pela escritora Alexandra Lucas Coelho.

 

A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) vai deixar de ter voluntários a trabalhar na Feira do Livro, a partir do próximo ano, uma decisão tomada na sequência de um abaixo-assinado que recebeu contra “o abuso de voluntários”.

“Foi hoje recebido na APEL um extenso abaixo-assinado contra a existência de voluntários na Feira do Livro de Lisboa. Correspondendo ao pedido que lhe é dirigido, a APEL decidiu não voltar a admitir a participação de voluntários na Feira”, lê-se na página de Facebook da Feira do Livro de Lisboa.

No dia 25 de Maio, foi lançado um abaixo-assinado nas páginas de Facebook da escritora Alexandra Lucas Coelho e da directora de Comunicação da Penguin Random House/Companhia das Letras, Helena Ales Pereira, intitulado “Não ao abuso de ‘voluntários’ na Feira do Livro de Lisboa”.

“A APEL tem dinheiro, ou devia ter, para remunerar quem recruta durante a feira”

O abaixo-assinado, em forma de carta dirigida à APEL, que organiza a Feira do Livro em parceira com a autarquia, reuniu centenas de assinaturas de pessoas “contra o recrutamento de voluntários” pela APEL, que “recebe das editoras muitos milhares de euros pela presença na feira, além das quotas e de outras subvenções”. “A APEL tem dinheiro, ou devia ter, para remunerar quem recruta durante a feira. Para aliciar estes ‘voluntários’, a APEL invoca o contacto com livros e autores. Estar em contacto com livros e autores não é remuneração de ninguém. Aqueles de entre nós que contribuem para que os livros sejam feitos e circulem recusam-se a ser usados como isco”, acrescenta.

Inicialmente, a APEL alegou estar a cumprir a lei e argumentou ser uma “instituição sem fins lucrativos”, razão pela qual o apoio financeiro da autarquia “é indispensável” à realização da feira.

Não ao voluntariado depois de uma polémica

A questão do voluntariado na Feira do Livro de Lisboa ganhou contornos ainda mais polémicos, quando, no dia 2 de Junho, durante um debate sobre activismo, promovido pela Tinta-da-China, a propósito do livro Racismo no País dos brancos Costumes, foi abruptamente interrompido, devido aos comentários alegadamente racistas de uma voluntária da APEL.

De acordo com o relato feito pela editora da Tinta-da-China, Bárbara Bulhosa, na sua página do Facebook, a referida colaboradora passou o tempo todo a dizer que não concordava com o que estava a ser dito, e a referir-se aos convidados como “esta gente”, numa “performance racista, num debate contra o racismo”, chegando mesmo a interpelar um dos convidados, Mamadou Ba, quando este falava, quase no final do debate, para lhe dizer: “Vê lá se te despachas!”.

A APEL reagiu, na altura, ao sucedido, lamentando “profundamente os incidentes ocorridos”, e garantindo que “não se revê de nenhum modo na atitude assumida pela sua colaboradora, que dava apoio logístico à sessão de apresentação”.

A decisão da Feira do Livro de Lisboa de cancelar o voluntariado a partir da próxima edição é inédita. O recrutamento de voluntários por parte de grandes eventos é há muito criticada, sendo os casos do Rock In Rio Lisboa e do Web Summit dos mais badalados.

Texto de Lusa e Shifter

[Revista “Shifter”, 07.06.18. Transcrição integral (sem imagens).]

Antecedentes:
  1. Lançamento do abaixo-assinado
  2. Notícia da entrega da carta à APEL