Etiqueta: vídeo

Programa de Governo do PSD prevê anulação do AO90?

[Excerto do programa “Circulatura do Quadrado”, da TVI24, emitido em 3 de Julho de 2019.]

José Pacheco Pereira, um dos três comentadores residentes da “Circulatura do Quadrado”, da TVI24, confronta Rui Rio instando-o a que “termine com esse acordo” (o AO90).

Em resposta, o Presidente do PSD garante que o assunto (ainda) não consta expressamente do Programa de Governo daquele partido político mas que a desvinculação (ou a revogação da entrada em vigor ou a suspensão) do AO90 “está lá, ao lado, a vermelho”, para que seja decidida a sua inclusão no dito Programa.

Nota: as minhas humildes desculpas (daí não se vê mas eu estou aqui a desbarretar-me, por consideração para com vosselências e tendo em atenção vosso apuradíssimo sentido estético e não menor primor de exigência técnica) pela péssima qualidade da gravação da gravação. Enfim, lá está, como diz o outro, é o que se arranja…

Share

«Dez anos é muito tempo» [Paulo de Carvalho/Nuno Pacheco]

 

Dez anos é muito tempo, muitos dias, muitas horas a errar

Nuno Pacheco
publico.pt, 04.07.19

Chegado do Reino Unido, onde esteve em visita oficial, Donald Trump escreveu no Twitter que se tinha encontrado com o “Prince of Whales”. Ora isto deu a Stephen Colbert mais uma oportunidade, e já são tantas, de ironizar com o desprezo a que Trump vota a língua em que fala e escreve. E pôs-se a imitar o canto das baleias, pois “Prince of Whales” seria príncipe das baleias, e na verdade Trump esteve com o “Prince of Wales”, o príncipe de Gales. Ora “Whales” e “Wales” soam da mesma maneira, mas a letrinha que as distingue na escrita faz toda a diferença. É como “acto” e “ato”, não é verdade?

Voltando a Trump: não são apenas erros de escrita os que ele repete, sem o mínimo pudor. Ainda há dias o vimos anunciar mais sanções contra o regime do “ayatollah Khomeini” (que morreu em 1979), em vez de se referir ao “ayatollah Khamenei”, actual líder supremo do Irão. Um erro histórico. Mas isso importa?

Importa, claro. E é aqui que se levantam umas vozes a dizer que tanto faz, que toda a gente sabe que ele queria dizer Khamenei e se enganou, que Trump sabe escrever “Wales” mas lhe escorregou o dedo para as baleias, etc. E quem diz Trump diz o senhor Gervásio, ou o menino Tonecas, ou a senhora dona Miquelina, porque isso de errar é muito relativo. Pois. Repitam isso a quem vai a conduzir um camião pesado ou a um cirurgião de bisturi em punho. Errar não é uma escolha, para a esmagadora maioria das pessoas e das profissões. Diz-se que errar é humano, e é verdade, mas também é humano procurar evitar o erro. Porque, em certos casos, o erro paga-se muito caro. Até em práticas sem danos letais, como o futebol ou o atletismo.

Há dez anos, num curioso texto intitulado “Abordagem histórico-sociológica do debate em torno do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa”, assinado em 2009 por Rita Marquilhas, da Universidade de Lisboa, concluía-se o seguinte: “A inclusão de secções dentro do texto do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa em que se prevê flexibilidade na escolha entre a antiga solução portuguesa e a antiga solução brasileira, que foi no fundo uma demonstração de pragmatismo por parte dos negociadores do documento, introduz por arrastamento uma modificação no conceito de erro ortográfico. O erro deixa de ser, naqueles casos particulares, um desvio em relação à matriz inflexível constituída por regras de sentido único, para passar a ser, somente, a inobservância de uma escolha. Fica-se mais perto, portanto, de uma desmistificação das virtudes inerentes às ortografias. Dada a história de intolerância a que elas têm estado ligadas, isto parece ser uma boa notícia em termos de renovação de mentalidades.”

Resumamos, portanto: as ortografias são intolerantes, por serem inflexíveis; o erro constitui uma estigmatização desnecessária de quem nele persiste; e transformá-lo em “inobservância de uma escolha” foi uma saída inteligente para que o erro deixe de existir e de envergonhar. Isto, para certas criaturas, é um triunfo. Já não se pode dizer: o senhor errou. Porque o senhor apenas se decidiu pela “inobservância de uma escolha”. Parabéns, Trump, pelas suas baleias.

Tendo em conta este raciocínio, que acabaria com a maldita regra que diz “não se consentem grafias duplas ou facultativas” (reforma ortográfica de 1945), dir-se-ia que agora cada um pode escrever como quer. Vejamos o que aconteceria se certas palavras usadas nos recentes exames de Português e de Matemática do 12.º ano, como “aspeto”, “correção”, “objeto”, “correta”, “vetor”, “reta”, “semirreta”, “diretor”, “bissetriz”, surgissem escritas como aspecto, correcção, objecto, correcta, vector, recta, semi-recta, director, bissectriz. Vinha logo alguém dizer que não senhor, isto agora não se escreve assim. Portanto, a ideia de que a ortografia deixou de ser uma coisa impositiva e mais dada a “inobservâncias” nas escolhas só vale para palavras admitidas pelo dito “acordo ortográfico”. Aos que não o seguem, é posto o carimbo (nada discriminatório!) de “fulano escreve de acordo com a antiga ortografia”. Como se vê, a “desmistificação das virtudes inerentes às ortografias” não só não existe como é usada em sentido contrário, para impor grafias idiotas ou inadmissíveis no português europeu.

Não admira, por isso, que todos os dias surjam aberrações como “impato” por impacto, “fato” por facto ou “autosustentável” por auto-sustentável (estas pérolas, na SIC e na CMTV, foram registadas recentemente, com imagem, pelos Tradutores Contra o Acordo Ortográfico). Por isso, quando nos vêm falar nos dez anos que as criancinhas já levam de aprendizagem desta intragável caldeirada, invocando-os como razão para manter o “acordo” como está, só me vem à memória uma antiga canção de Paulo de Carvalho (10 anos). E a resposta só pode ser, alterando-lhe ligeiramente o refrão: dez anos é muito tempo, muitos dias, muitas horas a errar. E cada minuto a mais, além de escusado, pesa. É, pois, mais que tempo de acabar com isto e repor a racionalidade perdida: a diversidade da língua portuguesa deve ser reconhecida, fixando as suas riquíssimas variantes em cada país (e não de forma transnacional), como parte de um património comum. É esse o acordo do futuro, não a mistela que nos impuseram.

[Transcrição integral de artigo da autoria de Nuno Pacheco, jornal “Público”, 04.07.19. O “link” a verde foi acrescentado por mim. A imagem de topo (SICN, 22.06.19) é de minha autoria (big deal!).]

 

Nota: os erros de Português que aparecem no vídeo são da exclusiva responsabilidade do autor do dito vídeo, evidentemente.

Share

“Vocabulário de Mudança”: o filme

 

O AO90 é uma fraude colossal. Ponto, parágrafo.

Por mais que alguns tentem escondê-la ou pintá-la de outras cores, aquela abominável porcaria não passa de uma negra manobra política para, de um só golpe, liquidar o Português-padrão e impor a desortografia brasileira. Por mais que tentem dourar a pílula esses tais alguns, mercenários, vendidos e deslumbrados portadores de passaporte português, não há escapatória ou sequer atenuante alguma para o que estão a fazer e não têm a menor desculpa, ainda que infantilmente ridícula, para justificar o chorrilho de mentiras com que tentam enganar as pessoas.

Alguns daqueles tipos poderiam alegar insanidade mental, ainda que apenas temporária ou episódica, mas até para isso já se vai fazendo tarde. Reiterando, a maioria esmagadora de tão desprezível minoria não é de loucos, é de mitómanos incuráveis  que, portanto, não poderiam alegar outra patologia ou distúrbio mental, visto ser geralmente reconhecida a sua desmedida ambição. Restaria um ou outro caso que talvez pudesse safar-se alegando padecer de profunda, pura e simples estupidez, o que, sendo mais do que patente para qualquer pessoa normal (uma besta quadrada tresanda a milhas), deixaria pouca margem de actuação ilibatória para as competentes autoridades de saúde pública.

Na verdade, o “acordista” típico só pode ser — além de transitória ou definitivamente louco – ou convictamente ganancioso  ou selvaticamente mentiroso ou profundamente estúpido. De tais e tão homogéneas “qualidades” constitui o AO90 basta prova, como vamos vendo quotidianamente pelos efeitos e conforme periódicos testemunhos dos ditos vamos ouvindo quando em vez.

Seja qual for a perspectiva, o ângulo de análise, o tipo de abordagem ou o elemento de estudo — histórico, linguístico, cultural, social ou simplesmente técnico, pragmático, utilitário — o “acordo ortográfico” de 1990 não passará jamais, ainda que sob um escrutínio inexperiente, empírico ou até incompetente, de uma miserável (e evidente) mescla de engenharia política e de experimentalismo social para, orwellianamente, controlar as massas (em todas as acepções) e assim poderem roubá-las em total impunidade. Roubar, sim, o verbo não é nem casual nem arbitrário, que é disso que se trata quando vigaristas nos tentam enganar, dissimulando as suas reais intenções com uma “conversa” totalmente desprovida de sentido, quando procuram convencer-nos dos méritos da banha cobra ou dos benefícios para a saúde que existem no prática regular da queda-livre sem pára-quedas.

Politicamente falando, já que falamos de roubo, estamos conversados. O AO90 é estritamente político, não é acordo algum e de ortográfico nada tem.

Porém, visto que ainda há inocentes no meio disto tudo, servindo aqui o plural condescendente para atenuar a burrice dos ditos, também não virá grande mal ao mundo se — com pinças — usarmos diversos meios para desmontar as mentiras. Para isso mesmo serve uma coisa genericamente designada como “informática” e, em especial, um dos seus ramos mais especializados, a folha-de-cálculo.

Este, pelo menos assim o espero, não é um trabalho “tipo” mete-nojo, de e para académicos, contendo impressionantes hermetismos e tecnicismos  incompreensíveis para o mais comum dos mortais. Sem peer review porque não há peers e porque há pouco quem review (em especial quando isso não é pago), sustenta-se apenas na escassa credibilidade que em Portugal é por regra atribuída ao trabalho.

Trabalho esse, no caso vertente, cuja complexidade aumenta exponencialmente na razão directa da absoluta bandalheira (cá está um termo “técnico”, peço desculpa) da matéria-prima, isto é, dos dados em análise: como nunca será demais destacar, aquilo a que o Portal da Língua Portuguesa brasileira chama “Vocabulário de Mudança” é de um amadorismo a toda a prova, tornando virtualmente impossível qualquer espécie de tratamento informático com base nos dados para ali atirados à matroca.

Para tornar possível o impossível, portanto, foi necessário esticar em muito o tempo e levar a paciência a um extremo verdadeiramente budista. Todas as tentativas de normalização automática — ou de automatização das correcções — revelaram-se infrutíferas pelo motivo mais óbvio: os erros são aleatórios, o preenchimento dos dados na origem foi feito ao acaso, sem qualquer espécie de critério, norma ou método de recolha. A título de simples ilustração, veja-se o caso da colocação (antes e depois da vírgula, outro absurdo) das entradas em PT-BR e em PT-PT: o que vai antes e o que vai depois? Qual é a regra? Nenhuma.

Tornou-se por conseguinte necessário conferir e corrigir os dados de origem, linha a linha (6569), registo por registo (4 a 11 campos cada). Existem entradas com erros de acentuação e de maiúsculas iniciais, dados  casuísticos (por exemplo, o preenchimento dos dois campos “Notas” é à sorte) e ausentes em casos de igual teor ou tipo, terceiras e (raras) quartas alternativas sem espaço para tal, “gralhas” diversas, casos únicos sem qualquer indicação, espaços a mais ou a menos, enfim, toda a sorte (digo, azar) de imprevisíveis. Confesso que não entendo sequer em que  raio de suporte aquela coisa terá sido feita; só pode ter sido uma simples tabela de texto mas nem assim acertaram nos requisitos mínimos; até em processamento de texto há regras, uma lista informatizada de palavras não é exactamente o mesmo que uma lista de compras escrita à mão.

Seja pelas alminhas, então. Para já, como appetizers, temos aí uns quadros básicos (DIF/DIF, Invenções, M.I, N.A.P.) e outros se seguirão com certeza.

Excelente Excel, de tão bons resultados quanto fiáveis conclusões. Os quais revelam e as quais implicam tratar-se o AO90 de um filme de terror — que até os inocentes só não vêem se não querem.

Share

«Arranjem uns assentos para os acentos, senão eles caem» [Nuno Pacheco, “Público”, 14.03.19]

«Faz décadas que alguém decidiu, neguinho decidiu, um grupo de pessoas decidiu (quem, afinal, foi a esse piquenique?) que seria mais fácil para os estudantes brasileiros e estrangeiros que os acentos diferenciais dançassem.» [Caetano Veloso]

 

Arranjem uns assentos para os acentos, senão eles caem

Nuno Pacheco
publico.pt, 14.03.19

 

Há quem os odeie, ou baralhe, ou ignore, mas é injusto. Porque os acentos operam milagres. Alteram, com um simples traço, pais em país, e transformam uma fracção de unidade, o avo, num avô ou numa avó, consoante se escolha o acento (ou sinal diacrítico) adequado. Isto na escrita, porque na oralidade ninguém confundirá pais, país, avos ou avós. Que se saiba…

Mas, tal como se despreza a boa escrita, há muito que se começou a desprezar os acentos. O cantor e compositor brasileiro Caetano Veloso disse um dia que a língua portuguesa não tem acentos de mais, tem até acentos a menos. Na sequência disso, num artigo que escreveu no jornal O Globo, em 2012, a propósito do “acordo ortográfico” de 1990 (“outra maluquice”, dizia ele), falou assim da língua: “É seguro que a ausência de acentos a torna mais fácil? A facilidade é uma virtude para uma língua? Ouço muitos malucos brasileiros dizerem que ‘o português é uma língua muito difícil’. De onde vem essa ideia? Do Ministério da Pesca?”

Sim, o Ministério da Pesca deve ter culpas. Mas antes dele deve haver, até entre escritores, quem ache que a escrita merece tudo menos cuidados e apuro. Não se trata de criatividade gráfica, que essa é também uma arte (veja-se Guimarães Rosa ou Mia Couto), trata-se de desleixo. Num interessantíssimo e acutilante texto publicado no início deste ano na revista do Expresso (em 5 de Janeiro) e intitulado “Lixo linguístico”, Pedro Mexia lembrava que “em 1981 Vasco Graça Moura pediu a 68 poetas, ensaístas, romancistas, historiadores, académicos, críticos e jornalistas um testemunho sobre os desafios que a língua portuguesa enfrentava.” O resultado foi publicado dois anos depois pela Imprensa Nacional: 17 textos. Isto quereria dizer, concluiu então Vasco Graça Moura, que aqueles a quem endereçou tal desafio “não consideravam ‘preocupante’ ou ‘pertinente’ a questão da língua e o seu uso.”

Ainda não consideram. Ironia das ironias, acaba de chegar às lojas um volume antológico da obra completa do poeta açoriano J. H. Santos Barros (1946-1983) intitulado Alexandrina, Como Era – Todos os Poemas, editado pela mesma Imprensa Nacional, filtrado pelo “acordo ortográfico” de 1990 mas todo ele ligado, ou escrito, ou prefaciado, por gente que discorda do dito “acordo” e não o usa na escrita (António Lobo Antunes, autor do prefácio, que só escapou à acordização por não usar ali nenhuma palavra propensa a alterações; Jorge Reis-Sá, autor da nota à edição; e, pior ainda, o próprio Vasco Graça Moura, que criou a colecção onde o livro é publicado, a Plural Poesia, e era feroz adversário do “acordo”). Claro que isto não importa aos editores: o desrespeito por tais opções faz-se lei pela imposição.

Mas adiante, que ainda não chegámos aos acentos (alguns escreveriam “chegamos”, mas convém sempre distinguir o tempo verbal na escrita, para evitar confusões: aqui é passado, não presente). Em finais do ano passado, coincidiram em Lisboa dois textos exemplares quanto à não-acentuação. O primeiro, em Setembro, foi a edição nacional (igual à brasileira, como deve ser) do mais recente livro do escritor e compositor brasileiro Nelson Motta, Força Estranha. Nele, tão estranha quanto a força intrínseca do livro, estava (e está) a ausência de uma série de acentos gráficos. Podia ser estilo, e assim percebia-se, mas não é. Nem sequer é respeito pelo “acordo ortográfico” de 1990, já que, à data, ele disse ao PÚBLICO: “Achei uma bobagem esse negócio da nova ortografia, não faz o menor sentido.” O que é, então? Ele atribuiu o caso a erro de revisão. O certo é que, no livro, a par de palavras como “côro” e “idéia” acentuadas (respeitando, e bem, a ortografia brasileira pré-1990), surgem palavras sem acento como “voce” (você), “taxi” (táxi), “dificil” (difícil), “ridiculo” (ridículo) ou “Polonia” (Polónia, que é Polônia no Brasil) ou “chines” (chinês). E há incongruências como, na mesma linha (pág. 175) surgir “tablóides” e, a seguir, “escandalos” (sem acento).

Mas nada supera o que sucedeu, em Novembro, com o manifesto-convocatória da Marcha Pela Eliminação de Todas as Formas de Violência Contra as Mulheres. Já na palavra de ordem inserida na capa se lia “Basta de violencia” (sem acento). Mas no interior, num texto aliás longo, não há uma única palavra acentuada. E assim temos “sistemica”, “confortavel”, “nao”, “genero”, “assedio”, “adulterio”, “hipocrita”, “indigenas” ou sentencas”, “intencao”, “exploracao” (estas últimas sem cedilha), etc. Os promotores da malograda proposta de acordo ortográfico de 1986 devem ter pulado de gozo: também eles propunham a abolição (ou seria “abolicao”?) dos acentos, poupando-nos a essa maçadoria de uma escrita clara e fácil de entender sem memorizações ou segundas leituras. Também eles, nesse malfadado texto, escreviam “licito” (por lícito), “vocabulos” (por vocábulos) ou “grafica” (por gráfica).

Pois bem: tirem os assentos aos acentos, e eles caem; como as pessoas quando lhes tiram, sem aviso, a cadeira. E com os acentos caem as palavras, nesse lamaçal ininteligível para onde os “acordos” têm vindo a arrastá-las.

É esse o “lixo linguístico”, que tanto repugna.

 

[Texto de Nuno Pacheco, publico.pt, 14.03.19]

Share