O que diz Ratzinger

Se, porventura, a minha opinião coincidir com a de não sei quantos comunistas, socialistas e quejandos, isso faz automaticamente de mim um perigosíssimo esquerdista? Pois, a ser o caso, haja santa paciência – a condizer com o tema.

O Papa cometeu uma tremenda argolada. Ou, pensando bem, duas argoladas: não apenas escolheu a pior ocasião possível e o pior local para dizer o que disse como, ainda por cima, “esqueceu-se” de que o preservativo não serve apenas para evitar DST, mas também para reduzir a natalidade. Duas coisas absolutamente essenciais, em especial neste tempo e naquele local (África).

O erro maior não residirá especificamente na mensagem ecuménica (um dever de ofício, por assim dizer), mas na bambochata argumentativa: uma autoridade de semelhante calibre dizer que o uso do preservativo AGRAVA o problema da SIDA equivale, na prática, a justificar as crendices de raiz animista que proliferam nos países do “terceiro mundo”. Ou seja, em concreto, aquela aparentemente simples frase será a explicação imediata para uma relação directa de causa e efeito: mais uns quantos milhões de infectados e mais uns quantos milhões de nascimentos sem qualquer futuro ou viabilidade.

Se isto não é grave, se é “comunistóide” dizer que isto é grave, então venha a bula da infalibilidade papal, venha o chicote politicamente incorrecto, ou, mais simplesmente, venha o mais pintado chamar-me comunista. E eu ralado.

[Transcrição de comentário meu a um “post” do blog O Insurgente com o título “O Papa, o preservativo e a intolerância progressista“.]

O Papa, por baixo das vestes cerimoniosas que enverga, é um ser humano como qualquer outro; erra, como todos nós. Por mais antigos e respeitáveis que sejam os dogmas da Igreja Católica, nem a História parou em nenhum dos dias 31 de Dezembro dos últimos 2008 anos nem consta que tenham surgido entretanto seres imaculados e livres de pecado à superfície da Terra.

Se o Papa errou, ao dizer o que disse e nas circunstâncias em que o disse, deverá simplesmente fazer aquilo que é a própria essência da Fé católica: arrepender-se e pedir perdão a Deus, isto é, ao seu semelhante.


https://www.youtube.com/watch?v=L6XA1Y6dpAE&feature=related

«”You can’t resolve it with the distribution of condoms,” the pope told reporters aboard the Alitalia plane headed to Yaounde, Cameroon, where he will begin a seven-day pilgrimage on the continent. “On the contrary, it increases the problem.“» The Wall Street Journal

«The pontiff said condoms were not the answer to the continent’s fight against HIV and Aids and could make the problem worse.» The Guardian

«Speaking to African bishops at the Vatican, the Pope described HIV/Aids in Africa as a “cruel epidemic”.
But he told them: “The traditional teaching of the church has proven to be the only failsafe way to prevent the spread of HIV/Aids.”
More than 60% of the world’s 40m people with HIV live in sub-Saharan Africa.»
BBC

«”It (AIDS) cannot be overcome by the distribution of condoms. On the contrary, they increase the problem,” he said in response to a question about the Church’s widely contested position against the use of condoms.»
Reuters

«”You can’t resolve it with the distribution of condoms,” the pope told reporters aboard the Alitalia plane headed to Yaounde, Cameroon. “On the contrary, it increases the problem.“»
Fox News

Pesquisa por “pope africa aids” (1.340.000 resultados) AQUI.

Um comentário em “O que diz Ratzinger”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *