O dia da raça tuga

Diversos bandos de marginais tugas ameaçam paralisar o país, a pretexto de uma “luta” que absolutamente ninguém entende, a começar por eles mesmos.

Os combustíveis já escasseiam e, por isso, milhares de tugas correm a atestar o depósito, antes que se acabe de vez a gasolina.

Como os marginais tugas não permitem a circulação de camiões – com a legitimidade que lhes conferem os paus e as pedras que exibem – a população tuga começa a açambarcar em massa os bens de consumo essenciais.

Nos locais onde se concentram os marginais tugas, e para onde vão convergindo também algumas unidades das chamadas “forças da ordem”, os estabelecimentos de restauração e afins já aproveitaram o ensejo para aumentar vertiginosamente o preço do bitoque, dos tremoços, das sandes de torresmos, da cerveja à pressão e das gasosas.

Desconhece-se, ao certo ou pouco mais ou menos, tanto o paradeiro dos membros do Governo tuga como aquilo que eles andam a fazer para debelar a crise provocada pelos marginais.

Um político ligeiramente ressabiado lamenta amargamente não ter sido condecorado pelo Presidente da República tuga, já que – refere, e com carradas de razão – até um político menor e um guarda-redes de futebol tiveram direito a uma medalhinha e respectivas honrarias.

Um outro político, ligeiramente indignado, reclama porrada grossa e urgente nos lombos dos profissionais do volante. A causa é uma boa causa, mas parece que ninguém lhe dá ouvidos, porque está tudo muito ocupado com a gasosa e os torresmos.

Exactamente às cinco da tarde de hoje, joga-se o futuro da Pátria tuga. Estima-se que as tréguas durem cerca de 90 minutos, durante os quais, em amena confraternização, os marginais e as forças da ordem comungarão de um mesmo, indefectível, fanático espírito patriótico. A tugalidade em todo o seu esplendor.

Não é só no 10 de Junho. Dia da raça tuga é mesmo todos os dias, a começar, precisamente, no dia seguinte.

3 comentários em “O dia da raça tuga”

  1. Excelente texto. Estou completamente de acordo. Estou tão de acordo que abri a entrada aos “cookies” para poder vir aqui dizê-lo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *