Póvoa online, Póvoa offline

© 2008 LUSA – Agência de Notícias de Portugal, S.A.
Blogues: Autarca da Póvoa de Varzim admite pedir fecho de blogue que substitui outro encerrado pelo tribunal
2008-06-30 10:56:03
Porto, 30 Jun (Lusa) – O presidente da Câmara da Póvoa de Varzim garantiu hoje que pedirá o fecho do blogue povoaoffline, se este prosseguir o caminho do seu antecessor – o povoaonline – encerrado na sequência de uma providência cautelar que o autarca intentou.

“Se o novo blogue enveredar pelo caminho do anterior é evidente que também vamos intentar uma providência cautelar para o seu encerramento”, assegurou Macedo Vieira, em declarações à agência Lusa.

Revista Visão



http://youtube.com/watch?v=E8pxoC7CHMU

Citação: «Está em causa a liberdade de expressão e começam-se a criar situações de censura sem precedentes. Quer dizer, cada vez que eu escrevo um texto a gozar com o Sócrates, vem o Sócrates atrás de mim com a polícia.»
António Pedro Ribeiro, “colaborador do blogue” Póvoa Online/Póvoa Offline.

(mais info)

Devido a um problema técnico ocasional, esta gravação apresenta imagens de má qualidade. Além disso, por lapso, a gravação não foi parada a tempo; apenas interessa, para o caso, a parte inicial (cerca de 1 minuto e 35 segundos dos 4:28 no total).

2 comentários em “Póvoa online, Póvoa offline”

  1. Imaginemos que o Ministro da Agricultura decide processar Marcelo Rebelo de Sousa por difamação, nos moles em que o Autarca da Póvoa de Varzim processou o Tony do blogue povoaonline – a RTP1 é diferente do povoa, mas ambos são de acesso público, também, quer o Marcelo quer o Tony são colaboradores individuais dentro dum grupo que “dá vida” ao canal de TV e ao blogue respectivamente -, e que o acórdão teria conclusões idênticas. Alguma vez seria emitida uma ordem judicial para encerramento da RTP1? Jamais…

  2. Claro. E não esqueçamos, por exemplo, os programas do género “Contra-Informação”… ou todos aqueles em que, de alguma forma, se “descobrem carecas”. Será que, para se poder denunciar (seja o que for), é agora absolutamente necessário que todos nós calcemos uns sapatos enormes e ponhamos um narizinho de palhaço? A crítica, no sentido clássico do termo, apenas é admissível nos, pelos e para os comediantes?
    Ou seja: para que não corramos o risco de (mais) um processozinho por difamação, temos de todos de fazer palhaçadas e de armar um circo, com tenda, com domadores, com leões e com as meninas das pipocas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *