Tem um minutinho?

Ok. E 20 minutinhos, arranjam-se? É o tempo que demora a ver este vídeo.

Parece propaganda politicamente correcta e É propaganda politicamente correcta, mas ainda assim vale a pena ver. Os PC não estão completamente errados, reconheçamo-lo; apenas fundamentalmente errados. E não deixam de ter alguma razão naquilo que dizem; apenas, de novo, não têm razão no fundamental: a verdadeira causa de as coisas não estarem a correr nada bem.

Já todos estamos fartos e refartos de ouvir os mesmos argumentos dos PC, verdes, ecologistas e esquerdistas em geral. A cartilha é sempre (sempre foi) a mesma e resume-se a uma frase lapidar: a culpa de as coisas estarem a correr mal é dos capitalistas, logo, dos americanos, e – se persistirmos nesta senda consumista e cega – não tarda nada que o mundo acabe. Então, e qual é a solução? Bem, ainda há não muito tempo a solução era o socialismo, os amanhãs que cantam, o regresso à natureza (só produtos naturais como o haxixe e o LSD, só forças naturais como o Jimi Hendrix e o Bob Marley), o atraso generalizado, a preguiça endémica, a badalhoquice como forma de poupar água, os concertos rock como modo de vida, e assim por diante. Agora, é mais do mesmo, apenas trocando os nomes às coisas.

Este documento é a prova viva de que nada mudou, nem neste nem em qualquer outro aspecto, a não ser talvez a encenação: agora temos uma jovem de aspecto limpo e saudável, em vez do típico esquerdista libertário de antigamente, meio andrajoso, destilando ódio e sujidade. O discurso é bastante mais suave (e quase, quase convincente), evitando a maior parte dos chavões conhecidos mas, ai ai, tinha de ser, repetindo até à exaustão a cassette anti-capitalista, anti-americana, anti-ocidental, ou seja, anti tudo menos eles próprios, os iluminados da paróquia, os bonzinhos, eles, que apenas nos pretendem defender dos mauzões, os outros, aqueles ali, os barrigudos dos cifrões.

Enfim, quero dizer, resumindo, isto só leva à náusea se se pensar um bocadinho; para quem não tiver hábitos desses, não há azar. Nos tais 20 minutinhos, que se devem necessariamente gastar por simples militância intelectual, não há uma única palavra para os crimes ecológicos do sistema socialista, uma única referência ao desastre social que o esquerdismo ocasionou e que ainda hoje perdura em vastas zonas do planeta. Omitindo sempre a verdadeira causa do descalabro a que chegamos, a todos os níveis, lá passam a sua “palavra”, quais prosélitos do apocalipse.

Tirando isso, pois com certeza, estão carregadinhos de razão.

Hmm? A “verdadeira causa”? Ah, certo, já me esquecia. É uma questão demográfica, pois claro. O que mais havia de ser? Se a população mundial fosse metade (ou um terço) da actual, os problemas ambientais e sociais não seriam reduzidos a metade (ou a um terço) mas, antes, pura e simplesmente desapareceriam. Ou, na pior das hipóteses, seriam os mesmos que sempre foram, quando não havia nem fábricas, nem automóveis, nem computadores, nem supermercados: não é possível erradicar a estupidez, o egoísmo e a selvajaria características do ser-humano. Iluminados sempre houve, desde o início dos tempos, e não foi por eles existirem que alguma vez alguma coisa mudou para melhor e para sempre. Essa é que é, infelizmente, a história das coisas.

3 comentários em “Tem um minutinho?”

  1. Como esta parte era capaz de ficar mal no texto, vai como comentário.

    Quereis um exemplo de como isto é uma treta pegada para assustar criancinhas? Ou um exemplo de como a chavala diz mentiras dizendo a verdade?

    Ok, isto condensa as duas coisas: aos 3 m 25 s, ela diz que “Onde eu vivo, nos Estados Unidos, resta-nos menos de 4% da floresta original.”

    Ah! A sério? Quer dizer que os malvados americanos, seus compatriotas, destruíram 96% da floresta “original” em apenas… três séculos? E antes de os primeiros colonos começarem a usar lenha para cozinhar e madeira para construir casas, quantos por cento da floresta “original” (sequóias?) eram destruídos todos os anos pelos ciclos naturais? E ainda, quando esses primeiros colonos lá chegaram, quantos por cento havia da floresta “original”, isto é, de 3 milhões de anos antes?

    Para tudo estar nos conformes, na perspectiva “ecologista” canhota, o mar ainda hoje devia banhar Leiria, por exemplo?
    Quando a gente vivia nas cavernas é que era bom, não era? Pois, filha: porque não vais para lá tu, mai-los teus amigos? Aquilo é que deve ser fixe, sem os malditos frigoríficos e os malvados I-Pods!

  2. Aos 13 m 6 s: “Já repararam que agora, quando compram um computador, a tecnologia muda tão rapidamente que em poucos anos se torna quase um impedimento para a comunicação?”

    Ena! E então, a soluçãozinha mágica para o “problema”? Mudar a tecnologia para ela andar mais devagar? Ou para ficar pura e simplesmente parada? Voltamos ao tempo do ZX-Spectrum porque o ZX-Spectrum é mais “ecológico”? E que tal um bocadinho ainda mais para trás, quando todos vivíamos felizes com a tecnologia do arado e com os “saberes” da Inquisição, assim por volta da Idade Média? Isso é que era, não era?

    Isto é de uma demagogia intolerável. Quanto mais revejo esta porcaria, mais me arrependo de a ter aqui publicado. Enfim, seja pelos meus pecados. Siga.

    Um pedaço mais à frente, a rapariga diz que o que muda – nas gerações de computadores – é apenas uma peça, que não encaixa nos modelos anteriores. É falso, completamente falso! Tudo depende do processador: se este evolui, é necessário placa gráfica evoluída, disco evoluído, software evoluído. Não me lembro do nome do gajo que pela primeira vez escreveu a regra da obsolescência em informática (ciclos de 6 meses), mas – ao menos quanto aos computadores – é isso, não tem nada a ver com consumismo. Irra!

  3. Viva! Por acaso já conhecia este filme PC. Não me detive a analisar, mas vejo que sim, é isso mesmo que aqui se diz. Mas a tecnologia vai evoluir tanto que há-de ainda ser muito mais ecológica do que poderia fazer crer. Sim, não é mau viver em ambiente limpo, desde que não nos peçam o regresso à idade da caverna. O PC do futuro quase que não terá peças… vem aí o Jack PC
    http://www.chippc.com/thin-clients/jack-pc/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *