Lançamento do livro “Nautas”, de Octávio dos Santos

Convite

O MIL-Movimento Internacional Lusófono e o ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa têm a honra de a/o convidar para a apresentação da obra «Nautas – O início da Sociedade da Informação em Portugal», de Octávio dos Santos.

A cerimónia servirá também para assinalar os 20 anos da edição do «Livro Verde para a Sociedade da Informação», trabalho fundamental no processo de modernização tecnológica do nosso país, e homenagear o principal impulsionador daquele, José Mariano Gago.

Terá lugar na sala C 1.04 do Edifício II do ISCTE-IUL, no dia 2 de Junho de 2017, a partir das 18 horas.

Além do autor, farão a apresentação Renato Epifânio, Presidente da Direcção do MIL, e Vasco Matos Trigo, Coordenador do Gabinete de Comunicação e Multimédia do ISCTE-IUL.

ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa
Av.ª das Forças Armadas, 1649-026 Lisboa
www.iscte-iul.pt

Convite recebido por email, do autor, o que agradeço. 

A educação dos patos-bravos

Na restante região do Tâmega e Sousa os outros concelhos afectados são Paredes com 14 escolas fechadas, Felgueiras com 13 encerramentos. Com menos escolas a fechar, aparecem os concelhos de Amarante, com seis escolas, Lousada com cinco, Baião e Marco de Canaveses ambas com quatro estabelecimentos de ensino do 1º Ciclo Básico encerrados.

António Orlando/ Inês J. Marques, Rádio Clube Penafiel


Talvez haja aqui algum equívoco.

A governamental “reorganização da rede escolar” não surgiu pela necessidade de reduzir custos e optimizar recursos? A ideia não era fechar (para já, “apenas” 701) escolas básicas porque não tinham um mínimo de alunos que justificasse a sua continuação?

Então como se pode compreender que, num mesmo Concelho, se fechem cinco escolas e ao mesmo tempo se construa uma outra, novinha em folha, pela “módica” quantia de 4.122.655 Euros?(ver nota de rodapé)

Será este caso único? Quantas empreitadas semelhantes se poderão ainda encontrar? Bem, para já, e dentro do estrito critério de pesquisa “Construção da Escola Básica”, serão 22; já se retirarmos as aspas e “da”, obteremos (neste momento) 37 resultados, que incluem não apenas construções como remodelações, ampliações, etc. E existem 5 adjudicações com valores superiores a 1 milhão de Euros, o que será talvez um bocadinho exagerado para uma simples Escola Primária, como antigamente se dizia.

Mesmo assim, tudo isto só pode ser mais um dos inúmeros “erros”, mais uns quantos dos incontáveis “lapsos de digitação” que têm assolado, qual praga de gafanhotos de proporções bíblicas, o site oficial dos contratos públicos online, o Base.

Ou então, admitamos semelhante coisa sem pestanejar, e com isto voltamos ao início, há-de haver aqui algum equívoco, algum erro de interpretação ou, em suma, uma tremenda confusão minha.

Pois onde já se viu, em que país, em que Continente, em que planeta, que um laborioso plano de contenção de custos e de optimização de recursos resulte, afinal de contas, em gastos torrenciais e faraónicos?

Alguém iria agora ter a peregrina ideia de fechar escolas em lugares remotos por falta de alunos e construir outras escolas mesmo ao lado porque entretanto aos ditos lugares nasceram criancinhas?

Pode lá ser!

Isto sou eu que já não vou para novo, é o que é.

Nota E enquanto se fecham 5 escolas e se constrói uma nova, no mesmo Concelho de Lousada é construído em simultâneo um “centro escolar”, pelo extraordinário valor de 718.915,72 €; extraordinário porque, pelos vistos, um “centro escolar” fica quase seis vezes barato do que uma única escola básica.

Lisboagate na Wikileaks

Gostaria de alugar uma casa em Lisboa por 50 Euros? Bem, e isso não será muito dinheiro? Que tal uma casinha na Freguesia da Sé, por exemplo, bem perto da Baixa, pela módica quantia de 5 (cinco) “euritos” mensais? Convém-lhe?

Ora então, nesse caso, apenas terá de se dirigir à Câmara Municipal de Lisboa e apresentar ali a sua candidatura. Pode ser que lhe toque a si também um dos arrendamentos ao preço da chuva, como se costuma dizer, que esta prestimosa autarquia disponibiliza.

O site Wikileaks publicou em Outubro de 2008 a lista completa do que na altura já estava atribuído a largas centenas de felizes munícipes.

«File size in bytes
12080830
File type information
PDF document, version 1.3
Cryptographic identity
SHA256 dc75ecf94bb41308e8c942deea0bbecf3c63d9fd2427eb9173684c2afe786399
Description (as provided by our source)
Listagem das casas e dos inquilinos da camara municipal de Lisboa fora dos bairros sociais em Outubro de 2008. Lista completa com habitacoes de renda social, ateliers municipais e palacios municipais. Inclui nome dos inquilinos, valor da renda e freguesia de localizacao.
O escandalo da atribuicao arbitraria de casas camararias pela camara municipal de Lisboa, incluindo o arrendamento por valores irrisorios a personalidades da vida publica portuguesa com posses(politicos, funcionarios do estado e da propria camara, artistas e intelectuais)ficou conhecida como Lisboagate.»

Click AQUI para ver o documento com a lista completa alojado na Wikileaks