Arquivo de etiquetas: IST

«Uma aventura desastrosa» [João Fabião, “Ponto Crítico”, Fev. 2013]

JoaoFabiao0213a

A decisão da Presidente do Brasil Dilma Roussef de adiar a entrada em vigor do Acordo Ortográfico para 1 de Janeiro de 2016 deu mais uma razão a todos os que se opõem a este Acordo.

Na verdade, trata-se de uma decisão que nada tem de original. É o mesmo procedimento seguido pelo Brasil em 1945, na sequência de um Acordo Ortográfico negociado, aprovado e assinado pelos dois países. Na altura, o Brasil adiou sucessivamente a sua aplicação, até o renegar 10 anos depois, considerando-o inaceitável. Segundo as notícias do outro lado do Atlântico, tudo indica que a história se vai repetir.

Encontramo-nos assim numa situação bizarra e absolutamente paradoxal. Um Acordo que supostamente serviria para unificar a grafia em todo o espaço lusófono conduzirá, ao que tudo indica, a um cenário com três ortografias distintas: o Brasil manterá a norma brasileira; Angola seguirá a grafia anterior ao Acordo; e, se nada for feito, Portugal persistirá no pobre “Acordês”, cheio de facultatividades e inconsistências, em que se suprimem algumas consoantes (aspecto/aspeto, recepção/receção) e outras não (facto, contacto), ao arrepio de qualquer critério lógico.

Está visto que este Acordo Ortográfico foi uma aventura desastrosa, para a qual só há uma solução à vista: a sua suspensão imediata.

João Fabião
Porta-voz do Desacordo Técnico

[Transcrição integral de texto da autoria de João Fabião no “Ponto Crítico” (publicação da AEIST) n.º 13, de Fevereiro de 2013.]

[“Recorte“, da publicação referida, sobre o Movimento Desacordo Técnico.]

Onde assinar a ILC: Associação dos Estudantes do IST, Lisboa


Associação dos Estudantes do Instituto Superior Técnico
Avenida Rovisco Pais
Lisboa

A pensar especialmente em quem estuda e trabalha no IST, a Associação dos Estudantes do Instituto Superior Técnico (AEIST), em consonância com a posição assumida e conforme o combinado, disponibilizou não um mas 3 locais onde se pode subscrever a ILC contra o AO90:

No Espaço AEIST

Na Direcção da AEIST

 

Na Secção de Folhas

Basta dirigir-se a qualquer destes locais, preencher o impresso e entregá-lo ali mesmo, sabendo que a sua subscrição fica em boas mãos.

Ver Mapa de Locais de recolha de assinaturas para a nossa ILC.

Evento(s) no IST

1. No passado dia 10 anunciámos aqui, conforme o acordado em reunião com a Associação de Estudantes e com o Movimento “Desacordo Técnico”, do IST, a realização de duas sessões de esclarecimento nas instalações daquele estabelecimento de ensino, nos dias 25 de Setembro e 2 de Outubro de 2012.

2. Não tendo sido possível obter, até ao momento, uma confirmação quanto à disponibilidade de uma sala para o efeito, apesar do pedido efectuado nesse sentido ao IST (Gabinete de Organização Pedagógica) na passada terça-feira por um elemento da AEIST, consideramos que, por estarmos apenas a quatro dias – e, na prática, apenas a um dia útil – do primeiro evento, não estão reunidas as condições logísticas e de divulgação minimamente exigíveis, por absoluta falta de tempo prévio para a sua promoção.

3. Atendendo a que já tínhamos entretanto convidado para ambas as sessões alguns activistas, militantes e apoiantes da ILC, num total de 24 pessoas, das quais 12 oradores já tinham confirmado a sua presença, e dado que estes estavam distribuídos pelos dois eventos previstos, concluímos por conseguinte ser também conveniente cancelar o evento de 2 de Outubro.

4. Ficam assim cancelados os eventos nas datas anteriormente indicadas, podendo vir futuramente a marcar-se nova(s) data(s) quando houver uma autorização efectiva e atempada, por parte do IST, com reserva expressa de um espaço nas instalações para o efeito.

5. Aos convidados que responderam afirmativamente ao nosso convite, aqui fica o nosso sincero pedido de desculpas por algum inconveniente que este adiamento lhes possa ter causado, muito embora os motivos para esta alteração de planos nos sejam completamente alheios. Pedido de desculpas este que deverá ser extensivo, é claro, aos visitantes deste “site” em geral, a todos os activistas e apoiantes e em particular aos subscritores da ILC.

CR ILC AO90

A ILC na Associação dos Estudantes do IST

Lisboa, 1 de Setembro de 2012, 16:30 h – 18:30 h.

Reunião na AEIST para preparar o lançamento da campanha de recolha de assinaturas para a ILC nas instalações do Instituto Superior Técnico.

Presenças
– pela ILC: Hermínia Castro, Rui Valente, Maria do Carmo Vieira, Paulo Jorge Assunção e João Pedro Graça.
– pela AEIST: Marcos Grazina
– pelo Movimento “Desacordo Técnico“: Pedro M. Afonso.

Conclusões
1. A campanha arrancará no próximo dia 25 com uma sessão de esclarecimento, promovida conjuntamente, com oradores convidados por ambas as partes, estando também prevista a realização de pelo menos um outro evento similar no dia 2 de Outubro.
2. Serão colocados à disposição de estudantes, professores, funcionários e visitantes do IST, em diferentes locais, os impressos de subscrição e o texto integral da ILC, responsabilizando-se a AE pela recolha e confidencialidade dos dados dos subscritores bem como pela guarda e posterior entrega dos impressos preenchidos à Comissão Representativa da ILC.
3. Serão expostos cartazes de divulgação da iniciativa em alguns pontos estratégicos, nomeadamente no edifício da AE, e serão publicados – tanto no “site” da ILC como na página do Movimento “Desacordo Técnico” – vários conteúdos de apoio e propaganda à campanha em curso e aos eventos a realizar neste âmbito.

Neste momento temos já as primeiras presenças confirmadas e aguardamos outras respostas de convidados para que se possa completar o “painel” de oradores em ambas as sessões. Os programas completos dos eventos serão divulgados oportunamente.

Actualização em 21.09.12 – 22:45 h.
Atenção: estes eventos foram cancelados nas datas previstas, aguardando-se marcação de novas datas por parte do IST. Ver “post” sobre este assunto esclarecendo a situação.

A moção dos estudantes

Moção

O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (AO) é o diploma que regula e pretende unificar a ortografia da língua portuguesa. Assinado em Lisboa a 16 de Dezembro de 1990, entrou em vigor apenas em 2009. Até 2015, vive-se um período de transição no qual as duas ortografias coexistem. Negociado e aprovado sem a participação da opinião pública, o AO não tem gerado consenso. Pelo contrário, a sua aplicação motiva a rejeição de grande parte da população portuguesa. A contestação ao AO pode basear-se em três argumentos principais:

É um desastre técnico, contendo erros grosseiros apontados por inúmeros especialistas. De tal forma que os únicos linguistas que o defendem são os que estiveram directamente envolvidos na sua elaboração. Um dos exemplos mais flagrantes é a criação, sob o pretexto de unificar a ortografia, de centenas de novos casos de dupla grafia, ou seja, palavras que se escreviam da mesma forma em Portugal e no Brasil e que, segundo o AO, passam a escrever-se de maneira diferente (exemplos como acepção/aceção, aspecto/aspeto, recepção/receção, etc.).

É um desastre político, porque nem sequer cumpre o objectivo para o qual foi criado. Países lusófonos como São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau e Timor-Leste ainda não implementaram o AO, enquanto Angola e Moçambique não só não o ratificaram (invalidando toda e qualquer aplicação) como mantêm grandes reservas perante as modificações introduzidas pelo diploma.

É um desastre prático porque cria o caos na ortografia. Ao mesmo tempo que mutila a ortografia portuguesa, as inconsistências e facultatividades do AO levam, não à uniformização da ortografia em todo o espaço lusófono, mas sim a uma multiplicidade de grafias ao arrepio de qualquer regra ou critério. Este facto dificultará a aprendizagem da língua portuguesa e a sua afirmação no plano internacional.

Resumindo, para além de apresentar inúmeras incorrecções e não cumprir os objectivos para o qual foi criado, o AO é um documento que motiva a oposição de grande parte da opinião pública em Portugal, incluindo numerosas figuras públicas de prestígio ligadas ao mundo das Letras (Pedro Mexia, Ricardo Araújo Pereira, Miguel Sousa Tavares, Vasco Graça Moura, Miguel Esteves Cardoso, José Gil, etc.).

Pelo exposto, a Associação dos Estudantes do Instituto Superior Técnico (AEIST), reunida em Assembleia Geral de Alunos, no dia 17 de Maio de 2012, propõe o seguinte:

* O abandono do Acordo Ortográfico de 1990 em todos os documentos e comunicações oficiais da AEIST;

* A defesa, por parte da AEIST, da revogação do Acordo Ortográfico de 1990 junto dos órgãos de governo do Instituto Superior Técnico, assegurando que nenhum estudante seja prejudicado por recusar escrever segundo o AO;

* A proposta da revogação, no próximo Encontro Nacional de Direcções Associativas (ENDA), do Acordo Ortográfico de 1990 por parte de todas as Associações de Estudantes, no sentido de dar início a um movimento nacional de estudantes do Ensino Superior contra o AO.

[Transcrição da moção apresentada na Assembleia Geral de Alunos do Instituto Superior Técnico em 17 de Maio de 2012. Esta moção foi aprovada por esmagadora maioria.]