Documentos

clipVistaPrint

“Dossier” Educação/Ensino “Dossier” jurídico e político “Dossier” Cultura e sociedade civil

 

7 thoughts on “Documentos

  1. Queria subscrever a petição contra o AO mas estou na dúvida se não o terei feito já.
    Como posso ter a certeza? Há algum local onde possa aceder a todas as assinaturas?
    Creio que, se o tiver já feito deve ter sido em Abril ou Maio de 2010. Não tenho a certeza e, como tenho de declarar que assino uma única vez…
    Se me puderem esclarecer, asgradeço.

  2. Na dúvida, não deve enviar subscrição da ILC (que não é uma “petição”, como se sabe). Ninguém pode ter acesso “a todas as assinaturas” porque as mesmas são confidenciais e porque não há nem recolha nem tratamento de dados.

  3. O AO foi cozinhado pelo Dr. Santana Lopes, à revelia da Comissão Técnica (cujo coordendor o Sr. Prof. Doutor Vítor Aguiar e Silva se demitiu em consequência). Se bem que não se saiba qual teria sido o eventual resultado do cozinhado, o facto permanece: o responsável político desta imbecilidade foi o Dr. Santana Lopes, como Secretário de Estado da Cultura em 1991. “A demissão do Sr. Prof. Doutor Vítor Aguiar e Silva, deveu-se in limine à forma como o AOLP foi aprovado e imposto à revelia da recomendações da CNALP e à forma como a CNALP foi destratada e desvalorizada pelo Governo da altura”.

    Este factos estão registados nas actas dos trabalhos da Comissão de Ética, Sociedade e Cultura, do ano de 2008, bem como, surgem anexos ao parecer da Direcção Geral do Ensino Básico e Secundário sobre o AO (que, diga-se de passagem, é francamente demolidor).

  4. Também eu fiquei cheia de esperança neste novo Ministro da Educação…, Nuno Crato! Li com imenso agrado o seu livro “O ‘Eduquês’ em discurdo Directo – Uma Crítica da Pedagogia Romântica e Construtivista”, ed. Gradiva, 4.ª edição, Abril de 2006. Passo a citar do capítulo final, “Algumas conclusões”:
    “Em primeiro lugar, ‘julgamos que o ensino não precisa de reformulações drásticas nem de reviravoltas pedagógicas revolucionárias’. (…) Ao invés de procurar sempre alternativas milagrosas e soluções radicais, pensamos que é necessário consolidar métodos provados e adoptar mudanças apenas para o que a experiência mostra poder funcionar.” E também: “É indesculpável que um professor – qualquer professor! – não saiba escrever, cometa erros de ortografia graves, tenha limitações sérias no vocabulário, não faça ideia do que é a lei da queda dos graves, não saiba somar fracções ou confesse «horror à Matemática». (…) Mesmo para ensinar matérias básicas do primeiro ciclo, os professores necessitam de ter conhecimentos das matérias, nomeadamente de Português, de Matemática, de História, de Geografia e de Ciências, e conhecimentos que transcendem os estritamente curriculares. (…) necessitam de ter uma boa cultura geral, serem cidadãos informados e conhecerem bem as matérias.”
    Enfim, estamos perante alguém que conhece a importância fundamental da língua materna no sistema de ensino e que sabe que em matéria de língua, como nas outras matérias básicas, o conhecimento não surgiu “agora”, por milagre… “A ortografia também é gente” (F.P.), não se “inova” ao sabor de modas e não se “aprende” em acções de formação e de divulgação da última hora, nomeadamente propostas pelas editoras e pelos promotores deste Acordo, “cozinhado” para servir interesses políticos e económicos que não são os nossos nem os da nossa língua.

  5. O Sistema que governa o Planeta é criminoso.
    Protege o crime
    Promove o confronto pessoal e social
    Fomenta o terrorismo global

    O Acordo Ortográfico é mais um atentado à Dignidade da Pessoa e da sua Cultura.
    Nenhum Político ligado a este Sistema pode ser isento perante o Poder Terrorista que Governa o Mundo.

    O UNIVERSO DEPENDE DE CADA UM DE NÓS COMO O OCEANO DEPENDE DE CADA GOTA DE ÁGUA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *