ILC contra o Acordo Ortográfico

(site original, 2010-2015)

Este “post” fica arquivado na categoria “Opinião”.

De facto, o texto de Guilherme D’Oliveira Martins publicado há dias na revista “Visão” é de tal forma revoltante, parece-me, é tão desonesto – para não dizer miserável -, intelectualmente falando, acho eu, que apenas como simples “opinião” me permito reproduzi-lo aqui… devidamente “guarnecido” com aquilo que eu penso do texto e do seu autor.

É também esta a única forma de que disponho, se bem que modesta, de ao menos deixar “lavrado” algures o meu protesto, veemente, enérgico e “ligeiramente” enraivecido, quanto a mais uma ridícula tentativa de reescrita da História.

Parafraseando o que escreveu Maria do Carmo Vieira sobre a acordização selvagem da obra do Padre António Vieira, não merecia Graça Moura este tratamento. Escrever sobre ele um texto encomiástico em acordês já seria suficientemente mau; mas citá-lo e, pior ainda, usando dele citações textuais “convertidas” para o português estropiado “segundo as regras” do AO90, bem, isso então é absolutamente intolerável, nojento, abjecto. Uma canalhice sem nome.

E assim como aqui deixo esta adjectivação, pela qual assumo evidentemente – e com imensa honra – toda a responsabilidade, aqui deixo também a transcrição do dito texto, da autoria de Guilherme D’Oliveira Martins, devidamente corrigido, transposto, “traduzido” para Português legítimo; e não apenas nas citações de Vasco Graça Moura que se atreveu a estropiar, mas na íntegra, todo o seu próprio arrazoado.

Se fizerem o favor de me permitir outra citação “ligeiramente” adaptada, a terminar, aqui fica também a referência (com a devida vénia ao autor, está bem de ver) a Almada Negreiros e ao seu intemporal, genial, maravilhoso ‘Manifesto Anti-Dantas’.

E FIQUE SABENDO O GUILHERME QUE SE TODOS FÔSSEM COMO EU, HAVERIA TAES MUNIÇÕES DE MANGUITOS QUE LEVARIAM DOIS SÉCULOS A GASTAR.

 

O lugar da cultura

Guilherme D’Oliveira Martins
13:00 Segunda feira, 1 de Junho de 2015

A cultura é uma realidade transversal, que não se dá bem com o isolamento e o sentimento de auto-suficiência. Daí não bastarem as boas intenções nem os ingénuos desígnios. Os investimentos nas pessoas, para serem reprodutivos e terem efeitos em mais desenvolvimento, têm de se articular com as prioridades na criação e sustentabilidade dos recursos disponíveis, a começar no factor humano.

continue reading…

assimtota«atingir uma linearização numa assimtota horizontal»
Instituto Politécnico de Setúbal (Tese de Mestrado)


continue reading…

paranoia«Não se deve entrar numa paranoia securitária!»
Diário de Notícias


continue reading…

hetares«neste momento temos 257 hetares afetos à agricultura biológica»
jornal “Tribuna da Madeira


continue reading…

fator_portugal_ILTEC factor_Brasil_ILTEC

 

FatorX_portugal

  continue reading…

etoplasma
«psicografia, emissão de etoplasma, curas e outros»
TecNet (.pt)


continue reading…

ipsofato
«Ainda que esta verosimilhança não corresponda Ipso fato ao modo como vemos (…)»
Universidade de Lisboa – FBA (Tese de Doutoramento)


continue reading…

FB_IMG_1433114199502

Publicado em 31.05.15 na página Facebook do autor.

Ver “Desenhos“.

bebes«Fatos – Fantasias Bebês 0 a 3 anos»
A Casa Do Carnaval


continue reading…

concetualizar«depois de digerir o que aconteceu em 2013, concetualizar o que seria o evento de 2014»
Mais Futebol (“site”)


continue reading…